Arquivo da categoria: Economia e Negócios

Quem herda o Citibank no Brasil?

Geraldo Samor, Veja Online

O Citigroup planeja sair do varejo bancário no Brasil e na Argentina, países em que opera há mais de 100 anos, segundo a Bloomberg, que cita uma fonte familiarizada com o assunto.

Segundo a fonte, a saída do banco deve ser anunciada nas próximas semanas.Citi-logo

Com 71 agências no Brasil, o Citi atende a uma clientela de altíssima renda, mas tem sido incapaz de rentabilizar este ativo pelo fato mais fundamental da indústria bancária: o imperativo da escala.

Com cerca de 60 bilhões de reais em ativos, o Citi é apenas o décimo maior banco comercial brasileiro. Para comparar: o Banco do Brasil tem 1,3 trilhão de reais em ativos, o Itaú, 1,1 tri, e o [Bradesco+HSBC] dá outro trilhão. Os dados são do BC, de dezembro de 2014.

De certa forma, Brasil e Argentina são vítimas tardias de uma revisão global nos negócios do banco. Em outubro de 2014, o Citi anunciou que estava abandonando 11 mercados emergentes: Costa Rica, República Tcheca, Egito, El Salvador, Guam, Guatemala, Hungria, Japão, Nicarágua, Panamá e Peru, além de sair do negócio de crédito ao consumidor na Coréia do Sul. Na época, o Citi divulgou que sua saída destes países reduziria sua despesa operacional em 1,34 bilhões de dólares, mas seu lucro líquido, em apenas 34 milhões de dólares — uma prova cabal de que, sem escala, don’t even bother.

Olhando de fora, o problema para o Citi parece ser encontrar um comprador no Brasil.

A saída vem num momento em que os três maiores bancos do País já operam com relativo sucesso no nicho do Citi: o Itaú com o Personnalité, o Bradesco com seu Prime, e o Santander com o Van Gogh.

O grande potencial interessado, o Bradesco, em tese está ocupado com a gigantesca integração do HSBC — aliás, uma operação ainda à espera de um OK do CADE — ainda que, a título de especulação, a possibilidade de uma compra casaria com o fato de Bradesco e Banco do Brasil estarem negociando os 49% da credenciadora de cartões Elavon que pertencem à Credicard.

Outro potencial comprador, o Itaú, fez uma compra semelhante há exatos 10 anos, quando adquiriu a rede do BankBoston no Brasil, mas ultimamente está tentando converter sua presença física numa plataforma ‘digitau’.

“Qualquer outro comprador — por exemplo, um banco menor — enfrentaria dois problemas: estaria comprando um negócio sem escala e, uma vez que a marca Citi saia da fachada, pode ter muito cliente trocando de banco,” diz uma fonte que conhece bem o setor.

Resta ver, ainda, se a venda vai se confirmar. Talvez nenhum outro banco tenha sido tão objeto de rumores no Brasil quanto o Citibank. Há pelo menos 20 anos, múltiplos boatos ‘garantem’ que o banco será vendido ‘em breve’ para o velho Unibanco, o Itaú ou o Bradesco, sem que nada aconteça de fato.

Para o Brasil, a saída de mais um concorrente vem agravar a concentração bancária que viu, por exemplo, 37 bancos se tornarem quatro conglomerados nos últimos 20 anos, segundo o gráfico chocante do site Value Walk reproduzido abaixo.

ValueWalk-chart

Hub da Azul em Recife é bom para FORTALEZA, dizem especialistas

10312355_996927633663529_2558851170016363672_n

A Azul Linhas Aéreas escolheu Recife (PE) para seu hub regional a ser instalado ainda em 2016. Especialistas ouvidos pelo O POVO afirmam que isso é um ponto positivo para a TAM optar por Fortaleza para o seu centro de distribuição de voos. A Capital cearense disputa o empreendimento com Natal (RN) e o próprio Recife.

Para Carlos Grotta, especialista em transporte aéreo e infraestrutura aeroportuária do Centro Paula Souza, em Guarulhos, são vários os fatores de decisão, mas o anúncio da Azul tende a influenciar na decisão da TAM.

“Levar um outro hub para o mesmo aeroporto pode criar uma situação de estrangulamento de infraestrutura, permanência de aeronaves, portões de embarque… e sofrer um desgaste de superlotação. Mas tudo isso é uma questão de avaliação de longo prazo”, ressalta.

Grotta reforça que não há uma demonstração de superioridade entre essas três cidades para a escolha da Azul. “Mas a TAM pode ter dado um sinal que queria Fortaleza ou Natal. Então, para não competir com ela, a Azul fez o seu anúncio”, reforçou.

Adalberto Febeliano, professor de economia do transporte aéreo e de planejamento do transporte aéreo, licenciado da Faculdade Anhembi Morumbi, de São Paulo, analisa que o anúncio do hub da Azul traz vantagens às outras duas cidades, mas faz ressalvas.

Para ele, a decisão pode ter sido geográfica, pois a Azul tem aeronaves com características mais nacionais e regionais. Nesse caso, afirma, o valor de Recife é maior.

“Não é impeditivo ter mais de um hub operando em um aeroporto. A TAM tem mais interesse em voos internacionais, enquanto a Azul é mais importante do ponto de vista doméstico”.

No entanto, Febeliano, que já prestou serviço para a Azul, destaca que Natal e Fortaleza podem ficar mais agressivas e colocar em jogo outros fatores nesse momento. “O grande desafio de Recife é gerenciar o crescimento, porque em Recife é um problema. Em Fortaleza poderá ser um problema em longo prazo”.

Decolagens aumentam

A proposta da Azul é que, a partir de fevereiro, o número de cidades ligadas a Pernambuco por voos seja dobrado. Atualmente, liga o Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre a 12 cidades, com 24 decolagens diárias. Vai estender a 32 decolagens diárias em 24 bases. A companhia opera uma média de oito decolagens saídas do aeroporto de Fortaleza por dia.

“Com os novos voos, a Azul intensifica suas operações no Recife, ampliando voos regionais e entre as capitais nordestinas, mas não considera o aeroporto como um hub”, diz em nota. Os dois grandes hubs da Azul estão em Campinas (SP) e Belo Horizonte (MG), onde há decolagens para mais de 50 e 40 cidades, em voos diretos, respectivamente.

Turismo no Nordeste

“Hub Nordeste da TAM o Ceará já tem”, aposta o secretário de Turismo do Ceará, Arialdo Pinho. “Temos em média 56 voos diários da TAM e com aviões grandes (modelo) A320 (com) 180 passageiros e (modelo) A321 (com) 220 passageiros. Azul tem limitador de equipamento atualmente, que são de pequeno porte, já que as aeronaves têm média 115 lugares”. Ainda segundo ele, o Estado está concentrado na luta de centro de conexões internacional, que será acrescido de mais 64 voos nacionais e 12 voos internacionais por dia.

(Andreh Jonathas e Camila Holanda, O Povo)

Itaipu supera Três Gargantas e reassume liderança mundial em produção de energia em 2015

itaipucimavertedouro

A Usina de Itaipu, no oeste do Paraná, ultrapassou a chinesa Três Gargantas e reassumiu a liderança mundial em produção de energia elétrica. A binacional, que pertence ao Brasil e ao Paraguai, também detém outra marca histórica, a de maior produtora de energia acumulada do planeta, com mais de 2,312 bilhões de megawats-hora (MWh) desde a entrada em operação, em maio de 1984.

Apesar de uma capacidade instalada menor (14 mil MW) do que a chinesa (22,4 mil MW), Itaipu produziu 2,5% a mais que Três Gargantas em 2015: foram 89,2 milhões de MWh contra 87 milhões de MWh. Os dados de geração da hidrelétrica chinesa foram divulgados nesta quinta-feira (7).

Desde que entrou em operação, Itaipu perdeu a posição de líder mundial de produção anual de eletricidade apenas em 2014, quando o Brasil enfrentou a maior crise hídrica da histórica. Em 2015, a produção ficou abaixo da média dos últimos anos, mas foi considerada excelente levando em conta o cenário de seca enfrentado por grande parte do país, pelo segundo ano consecutivo, principalmente no primeiro semestre.

Com o reservatório cheio, a binacional tem mantido o vertedouro aberto desde o dia 17 de novembro para escoar o excedente de água não usado na produção de energia.

Para 2016, a expectativa é que a binacional volte a produzir acima dos 90 milhões de MWh, situação que não se repete desde 2014. “Já nesta primeira semana, estamos produzindo 17% a mais do que no mesmo período de 2015, ano em que reassumimos a posição de liderança mundial em produção de energia”, aponta o diretor técnico executivo de Itaipu, Airton Dipp.

Segundo o superintendente interino de operação, Alberto Araújo Bastos, Itaipu tem colocado no mercado 100 milhões de MWh a cada 13 ou 14 meses. Com isso, Itaipu tem sido acionada constantemente pelo Operador Nacional do Sistema (ONS) e respondido por 17% de toda a energia elétrica consumida no Brasil, além de mais de 75% da demanda paraguaia.

Demanda
A energia produzida pela Itaipu somente em 2015 seria suficiente para suprir o consumo de todo o Nordeste por um ano e um mês, ou a região Sudeste, por quatro meses, ou ainda todos os estados do Sul por um ano inteiro. O mesmo volume atenderia o consumo da cidade de São Paulo por três anos. Já a energia acumulada seria suficiente para manter a capital paulista por 78 anos e cinco meses.

(G1 Oeste e Sudoeste do Paraná)

Deusmar Queiroz anuncia 2 mil contratações no Grupo Pague Menos para 2016

size_810_16_9_consegui-nordeste
Francisco Deusmar Queirós, dono da rede de farmácias Pague Menos – Foto: Germano Luders

O presidente da Pague Menos, Deusmar de Queirós, anunciou que fará 2 mil contratações em 2016. “O trauma do perigo de perder o emprego nossos 20 mil colaboradores não têm. Não vamos demitir”. Segundo ele, com os R$ 600 milhões da operação, em vez do planejamento anterior de 1 mil lojas até 2017, agora haverá 1.600 lojas até 2021. “Hoje temos 83% para reforçar caixa e garantir a continuidade”. Deusmar fez as declarações em vídeo dirigido aos funcionários no dia seguinte ao anúncio da venda de 17% da Empreendimentos Pague Menos S.A. (Pague Menos) para o fundo de private equity norte-americano General Atlantic.

A operação será completada até a próxima semana com o pagamento efetivo dos R$ 600,1 milhões previstos no acordo de investimento assinado. Do total, R$ 440 milhões (parte primária) vão para o caixa da empresa e serão usados para capital de giro e expansão dos negócios.

Ao analisar a conjuntura, Deusmar avalia que a crise é passageira. “A crise infelizmente existe. A crise política está influenciando a economia e causando um mal grande na esperança das pessoas”. Ele afirma que enquanto o mundo está olhando o Brasil de forma diferente, a Pague Menos se destacou. “O Brasil perdeu o grau de investimento, mas nós não. Temos um duplo A”.

Ele definiu a operação com General Atlantic como “muito boa”. Deusmar apresenta a companhia como a responsável por conduzir a abertura de capital da Gol Linhas Aéreas, Smiles e da Ourofino – Ourofino Saúde Animal e Ourofino Agrociência.

O diretor Financeiro, de Planejamento e de Relações com Investidores da Pague Menos, Mário Queirós (filho de Deusmar), disse ao O POVO que o negócio também deve favorecer a abertura de capital da Pague Menos, uma decisão já protelada desde 2012. Ele agora estima como possível a oferta inicial de ações, ou simplesmente IPO (sigla em inglês para Initial Public Offering), para 2017.

Esta é a segunda vez que a General Atlantic investe em uma empresa cearense. Em julho do ano passado, o fundo fechou a compra de uma participação minoritária no Sistema Ari de Sá (SAS). O valor da operação não foi revelado. A Pague Menos será o 10º investimento de General Atlantic no Brasil desde 2000, quando a empresa começou a atuar no País. De lá para cá, investiu pelo menos US$ 1,5 bilhão em companhias brasileiras.

O responsável pelas operações da General Atlantic na América Latina, Martin Escobari, irá compor o Conselho de Administração da Pague Menos. A operação está sujeita às condições habituais de fechamento. O fundo norte americano tem mais de 100 profissionais de investimento baseados em Nova York, Amsterdã, Pequim, Greenwich, Hong Kong, Cidade do México, Mumbai, Munique, Palo Alto, Cingapura e São Paulo.

Dicionário

Private equity é um tipo de operação financeira realizada por instituições que investem essencialmente em empresas que ainda não são listadas em bolsa de valores.Esses investimentos são realizados via Fundos de Private Equity.

As empresas que recebem os aportes já estão consolidadas e possuem faturamento na casa das dezenas ou centenas de milhões de reais. O objetivo dos recursos é dar um impulso financeiro à companhia para que ela se prepare para abrir capital na bolsa de valores, por exemplo.

Saiba mais

A Pague Menos foi fundada em 1981 por Francisco Deusmar de Queirós e se declara a primeira rede varejista do País presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal.

Hoje tem 830 lojas e 20 mil colaboradores que atuam em aproximadamente 300 municípios, e vai faturar aproximadamente R$ 5 bilhões este ano.

Cerca de 5% do faturamento da rede de farmácias advêm dos produtos de marca própria.

A Empreendimentos Pague Menos S/A está avaliada em R$ 4 bilhões.

Multimídia

Veja vídeo com fala de Deusmar: www.opovo.com.br

(O Povo)

Flamengo é clube com marca mais valiosa do Brasil, diz estudo

COPA DO BRASIL 2013 - Flamengo x Atletico-PR

A forma como o Flamengo lida com suas finanças trouxe um grande feito para o clube fora de campo. De acordo com levantamento divulgado pela BDO Sports Management, o Rubro-Negro encerrou o ano de 2015 como o clube com maior valor de marca do futebol brasileiro.

A pesquisa, feita com 30 clubes, avaliou as receitas de marketing, estádio, sócios e mídia. Além disto, foram considerados dados financeiros (fluxo de caixa e diferenciais de marca de cada clube) e pesquisa e dados do torcedor (as características de cada torcida).

SAIBA MAIS
Del Nero nega irregularidades na CBF, e diz não temer FBI
Segundo estudo, o Flamengo tem 53% de sua força nas mãos da torcida
Segundo estudo, o Flamengo tem 53% de sua força nas mãos da torcida
Foto: Felipe Costa / Futura Press
Após cinco anos, o Flamengo assumiu a liderança, deixando para trás o Corinthians . O clube encerrou o ano com sua marca avaliada em R$ 1,243 bilhões – R$ 237 milhões a mais. Segundo a BDO Sports Management, o Rubro-Negro tem 53% de sua força nas mãos da torcida, enquanto 32% chegam pelas receitas e os outros 15% vêm através do mercado.

O Corinthians teve um crescimento no ranking – fechando o ano com seu valor de marca avaliado em R$ 1,2414 milhões. Porém, sua evolução foi bem inferior à do Fla: 5,3 milhões. Embora o Timão tenha 53% de sua força na torcida, o clube tem 24% do seu valor de marca vindo da receita, e destina 23% do mercado.

Mesmo seguindo na terceira colocação, o São Paulo viu uma desvalorização em sua marca ao fim de 2015. O clube atualmente tem valor em R$ 878,1 milhões (R$ 1 mi a menos do que no ano passado). A torcida do Tricolor paulista abrange 41% da força da marca, enquanto 30% vem do mercado e os outros 29% vêm das receitas ligadas ao marketing.

O Palmeiras vem logo em seguida, com sua marca avaliada em R$ 651,2 milhões. Porém, o clube terminou 2015 com um crescimento de R$ 75,1 milhões em relação ao ano anterior. Entre suas forças de marca, a torcida abrange 39%, bem próxima do mercado, que ocupa 36%. As receitas refletem 25% do valor de marca.

O Grêmio segue na quinta colocação, e evoluindo em seu valor de marca, fechando o ano em R$ 590,1 milhões – R$ 21,6 mi a mais. Com grande campanha para sócio-torcedor, o Tricolor gaúcho tem as forças de sua torcida e de receitas equivalentes: 38% cada. O mercado ocupa 24% de sua força de marca.
O Internacional também permaneceu em sexto, mas encurtou sua distância para seu maior rival. A equipe encerrou 2015 com a marca avaliada em R$ 580,7 milhões – R$ 27 mi a mais do que no ano anterior. Sua torcida ocupa 39% do valor de marca, enquanto 38% vem das receitas e 23% do valor é ocupado pelo mercado.

O Cruzeiro comprovou novamente o crescimento do valor de sua marca, ultrapassando o Santos e assumindo a sétima colocação. Os celestes têm seu valor estimado em R$ 512,2 milhões – R$ 105 mi a mais do que no ano anterior. O clube vê sua força de marca vir especialmente das receitas, que abrangem 41%, seguido da torcida, com 35%, e de 24% vindo do mercado.

O ano de 2015 não foi bom para o Santos em termos fora do campo. Segundo a BDO Sports Management, o clube terminou 2015 com valor de marca estimado R$ 404,6 milhões – caindo R$ 11,4 mi em relação ao ano anterior. Com 40%, a força de marca mais importante dos santistas é o mercado, seguido da torcida, que abrange 37%, e receitas, com 23%.

O Atlético-MG manteve sua nona colocação, fechando o ano com valor de marca apontado em R$ 394,8 milhões – R$ 37,2 mi a mais. Suas receitas têm mais força de marca, com 38%, seguido da torcida, com 35%, e mercado, com 27%.

Completando o Top-10, está o Vasco , que fechou 2015 com valor de marca estimado em R$ 359,3 milhões – R$ 19,7 mi a mais do que no ano anterior. A torcida é a grande força do Cruz-Maltino, com 47%, enquanto 30% de sua força vem do mercado e os outros 23% chegam das receitas.

Em seguida ao Vasco, estão o Fluminense , com valor estimado em R$ 256 milhões, e o Botafogo , em R$ 209,3 mi.

Confira levantamento de valor de marca dos clube em 2015 (em R$)* :

1 – Flamengo – 1,2437 bilhão
2 – Corinthians – 1,2414 bilhão
3 – São Paulo – 878,1 milhões
4 – Palmeiras – 651,2 milhões
5 – Grêmio – 590,1 milhões
6 – Internacional – 580,7 milhões
7 – Cruzeiro – 512,2 milhões
8 – Santos – 404,6 milhões
9 – Atlético-MG – 394,8 milhões
10 – Vasco – 359,3 milhões
11 – Fluminense – 256 milhões
12 – Botafogo – 209,3 milhões
13 – Atlético-PR – 146,8 milhões
14 – Coritiba – 141,2 milhões
15 – Bahia – 102,5 milhões
16 – Sport – 87,4 milhões
17 – Vitória – 78,5 milhões
18 – Goiás – 63,7 milhões
19 – Portuguesa – 58,4 milhões
20 – Figueirense – 51,2 milhões
21 – Criciúma – 40,5 milhões
22 – Avaí – 39,5 milhões
23 – Náutico – 36,4 milhões
24 – Ponte Preta – 35,5 milhões
25 – Santa Cruz – 32,9 milhões
26 – Guarani – 19,1 milhões
27 – Ceará – 19 milhões
28 – Paraná – 18,8 milhões
29 – Atlético-GO – 17,6 milhões
30 – Fortaleza – 13,4 milhões

*Fonte: Análise BDO Sports Management

(Lance!)

Fortaleza é destino mais procurado por turistas brasileiros e o 4º dos argentinos

fortaleza_aerea_pontoturistico-9012

Fortaleza é o destino mais procurado por turistas brasileiros neste fim de ano, conforme levantamento da plataforma de turismo Decolar.com, da América Latina. Os dados mais recentes mostram que a Capital cearense receberá pelo menos 10% mais visitantes do que em 2014.

A maioria dos turistas, 73%, vem da região Sudeste, e os outros 27% da região Sul. Além disso, o Nordeste está ainda entre as principais opções dos turistas argentinos, sendo Fortaleza o4º destino mais procurado. Segundo a Decolar, 1/3 dos vizinhos hermanos escolheu alguma capital da região nordestina para passar o fim de ano.

O diretor geral da plataforma, Alípio Camanzano, destacou o Ceará como “um dos destinos mais importantes do turismo nacional”. São 470 hotéis e pousadas cadastrados na plataforma, além de parceiros. A maioria dos pacotes comercializados, conforme o diretor, é de cinco dias em Fortaleza, mesma média registrada em 2014.

Turistas argentinos

Este ano, o destino internacional mais procurado pelos argentinos é o Brasil, com 28% dos pacotes e passagens concentrados na região Nordeste, segundo a Decolar.

O Rio de Janeiro é o líder nacional e receberá 37%, enquanto Salvador lidera no Nordeste, com 10% do turismo argentino.

Redação O POVO Online

PIB do Ceará cresce 10,7% de 2010 a 2013, aponta IBGE

06981383800

O desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do Ceará no período de 2010 a 2013 teve um crescimento superior à média nacional. É o que revela a pesquisa Contas Regionais do Brasil, divulgada nesta quinta-feira, dia 19/11, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Conforme o levantamento, a economia cearense registrou no período aumento de 10,7%, ficando acima do resultado de 9,1% alcançado pelo país. Em um comparativo entre os estados que apresentaram maior crescimento entre 2010 e 2013, o Ceará posiciona-se na 14ª colocação.

Vale salientar que durante o período, o Ceará conservou sua participação no PIB nacional em 2%. O estado conserva a posição de terceira economia do Nordeste e em 2013 colocou-se como a sexta economia em termos de variação anual do seu PIB (5%), alcançando também nível de elevação acima da média nacional (3%).

No tocante as participações do PIB do Ceará, por setores, na economia nacional, o IBGE enfatiza o desempenho da indústria de transformação (1,8%), construção (2,4%) e agricultura (1,7%). Vale destacar ainda que a pesquisa relaciona como setores importantes para a formação do PIB do Estado o de serviços com a maior participação (74,4%), seguido de indústria (20,5%) e agropecuária (5,22).

O setor de serviços registrou crescimento no período de 2010 a 2013, passando de 73% para 74,4% de participação no PIB do Ceará. O aumento foi puxado em 2013, dentre outras atividades, pelo comércio (15,7%) e setor público (22,9%). Como consequência, a indústria registrou queda na participação, saindo de 21,9% para 20,5%.

“Embora a indústria tenha perdido participação no período 2010-2013, o setor apresenta atividades relevantes para a economia cearense, com destaque para a indústria de transformação com 10,4% e construção civil com 7,3% de participação na economia cearense em 2013”, destaca o Coordenador de Contas Regionais do IPECE, Nicolino Trompieri Neto.

Fonte: Governo do Estado

Conquista salarial dos bancários terá impacto de R$ 11 bilhões na economia

São Paulo – Os reajustes nos salários, vales e participação nos lucros ou resultados (PLR) conquistados pelos bancários na campanha salarial, após 21 dias de greve – encerrada na última segunda-feira (26) –, vão injetar cerca de R$ 11 bilhões na economia, segundo levantamento do Dieese. O diretor técnico do instituto, Clemente Ganz Lúcio, em entrevista à Rádio Brasil Atual hoje (29), diz que essas conquistas contribuem para a dinamização da economia interna do país, pelo aumento do consumo das famílias, decorrente do crescimento de poder de compra dos salários, estimulando outros setores a produzir.

“É um resultado importante, que revela a relevância que o movimento sindical tem para a sociedade, para a economia e para o bem-estar de toda a coletividade”, afirma Clemente, lembrando que nos últimos 12 anos a mobilização dos trabalhadores garantiu ganhos reais (acima da inflação) de 21% e a elevação do piso da categoria em 42%.

Segundo Clemente, os sindicatos cumprem papel fundamental na condução da disputa distributiva, procurando transferir para os trabalhadores parte dos resultados econômicos auferidos pelas empresas.

(Rede Brasil Atual)

A campanha “TAMos Juntos Hub Fortaleza” chega a 30 mil seguidores

A página “TAMos Juntos Hub Fortaleza”, criada pela Secretaria do Turismo do Ceará (SETUR) no Facebook, alcançou mais de 30 mil seguidores. Lançada para dar continuidade à campanha Fortaleza como sede do Hub da TAM no Nordeste, a página foi inaugurada em junho com o objetivo de chamar a atenção para a implantação do terminal exclusivo da companhia aérea em Fortaleza. A cidade é uma das candidatas para abrigar o centro de conexões no Nordeste. Recife (PE) e Natal (RN) completam o páreo.

A SETUR – CE acredita que o empreendimento possa consolidar a vocação turística e fortalecer a economia do Estado a longo prazo. “Quando estamos juntos somos mais fortes. Por isso essa mobilização para que este empreendimento venha para o nosso estado é tão importante. A participação dos cearenses é fundamental”, afirma em nota o secretário de Turismo, Arialdo Pinho.

De acordo com relatórios apresentados pela TAM, uma das líderes em venda de passagens aereas no Brasil, a possível implantação do hub da companhia pode gerar cerca de 35 mil empregos diretos e indiretos até 2018. Além disso, o funcionamento do terminal exclusivo da companhia aérea pode fomentar a economia do estado com até R$9,9 bilhões em cinco anos, representando um incremento de 6% em seu PIB.

A TAM, que integra o grupo LATAM com a chilena LAN, é uma das líderes de venda de passagens na América Latina. Entre seus destinos estão cidades da Colômbia, Peru, Equador e Caribe. Além disso, a companhia ainda vende passagens para Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Buenos Aires e Montevidéu.

Via http://www.campograndenews.com.br/economia/a-campanha-tamos-juntos-hub-fortaleza-chega-a-30-mil-seguidores

Joaquim Levy: “(Fortaleza) vai ser o verdadeiro hub do Nordeste”

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse hoje que o aeroporto de Fortaleza será “um verdadeiro hub do Nordeste”. A declaração foi dada durante exposição no Congresso Nacional, quando ele falava sobre a possibilidade daquele estado poder usar o ICMS para investir em infraestrutura local. A declaração foi vista como indicação de que haja um possível favorecimento do governo federal à escolha do Ceará para Hub da LaTAM no Ceará.

A fala surgiu durante sessão na Câmara dos Deputados, na tarde desta quarta-feira (14),  no momento em que discutia uma reforma na lei do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mecadorias e Serviços) que pretende distribuir melhor os valores arrecadados.

A reforma na lei, segundo o ministro, vai deixar o dinheiro do imposto em cada estado e usa o Ceará como exemplo. “O Ceará ,com esse dinheiro das grandes fortunas, vai poder financiar infraestrutura, desenvolvimento, ajudar o novo aeroporto, que vai ser licitado, vai ter uma concessão, vai ser um verdadeiro hub do Nordeste”, afirmou.

Alguns blogs chegarama divulgar que, na realidade, o ministro teria dito que o Governo está realmente operando para levar o hub para Fortaleza. Informação que não está correta. Segundo reportagem apurou, após as declarações alguns deputados potiguares foram cobrar explicações ao ministro. (NJ)

Via http://falarn.com/levy-diz-que-aeroporto-de-fortaleza-sera-verdadeiro-hub-do-nordeste/

Fortaleza pode ter hub da TAP

Da Coluna Vertical, no O POVO desta quinta-feira (16):

Fortaleza poderá ser sede do hub da Transportes Aéreos Portuguesa (TAP). As conversações foram iniciadas pelo empresário Chiquinho Feitosa com a direção da empresa, em Lisboa, e tem por objetivo assegurar a atração do empreendimento para o Ceará.

Com esse projeto, a empresa planeja estruturar na região Nordeste a operação de seus voos regulares.

Fundada em 1945, a TAP é a maior companhia de bandeira portuguesa e opera, em média, cerca de 2.500 voos por semana, dispondo de uma frota de 77 aviões, sendo 61 Airbus. No total, oferta 82 destinos, atingindo 35 países.

Chiquinho Feitosa, suplente do senador Tasso Jereissati, apresentou à direção da empresa as condições de Fortaleza como a logística.

HUB TAM: RN e CE levariam vantagem frente a PE em novo relatório

O Grupo LATAM, maior grupo de companhias aéreas da América Latina, contratou a Arup, consultoria global com mais de 50 anos de experiência em projetos de aviação, para desenvolver uma avalição técnica sobre a infraestrutura dos aeroportos de Fortaleza, Recife e Natal, envolvidos no projeto de implantação do primeiro hub (centro de conexões de voos) doméstico e internacional no Nordeste do Brasil.

A análise da infraestrutura aeroportuária foi apresentada hoje, 15 de outubro de 2015, para Secretarias Estaduais dos três Estados envolvidos e também para autoridades da Secretaria de Aviação Civil (SAC) e da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) do Governo Federal do Brasil.

Metodologia

A Arup conduziu uma análise independente da infraestrutura existente nos terminais de passageiros e de cargas dos três aeroportos, apontando as melhorias e os investimentos necessários para viabilizar o hub do Grupo LATAM não apenas na sua fase inicial de desenvolvimento, mas também no médio e no longo prazos.

Como principais premissas, a Arup utilizou projeções de volume de passageiros, movimentações de aeronaves e passageiros em hora-pico (período de uma hora com maior fluxo de passageiros) para o período de 2018 a 2038, baseadas em dados do Grupo LATAM, e também em projeções independentes de crescimento de outras companhias aéreas.

Além dos parâmetros operacionais típicos de um terminal, como nível de serviço, tempos de processamento por subsistema do aeroporto (como aparelhos de raios-x, esteiras de bagagens e outros), tempos mínimos de conexão, área de embarque suficiente para volume de passageiros em hora-pico, entre outros, foram utilizados os seguintes requisitos de planejamento para o dimensionamento do hub LATAM:

– Banco de conexão: Simultaneidade de múltiplas chegadas seguidas de múltiplas partidas que permitam a conectividade entre destinos, em um período de aproximadamente 6 horas;

– Capacidade de pátio: Máximo de 36 Aeronaves do Grupo LATAM de diferentes portes (Narrow-Body e Wide-Body) estacionadas simultaneamente e com a grande maioria conectada em pontes de embarque;

– Processamento de Passageiros: Hub com alto percentual de passageiros em conexões na hora-pico (até 80% do volume estimado de passageiros nesse horário de concentração).

Com base em todas as premissas e nos critérios técnicos avaliados, a consultoria estruturou as alternativas de desenvolvimento da infraestrutura aeroportuária para cada um dos três aeroportos envolvidos.

“O estudo da Arup dá suporte a um dos três critérios de decisão estabelecidos pelo Grupo LATAM para a implantação do hub, que é a qualidade da infraestrutura aeroportuária, e também está conectado com os outros dois critérios, que são a experiência do cliente e a competitividade em custos. A partir dos dados trazidos pelo levantamento, continuaremos a avaliar o plano de desenvolvimento de cada um dos aeroportos”, comenta Claudia Sender, presidente da TAM S/A. “Seguimos confiantes no desenvolvimento do projeto, que trará benefícios para toda a região Nordeste”, finaliza.

“Cada um dos aeroportos candidatos no Nordeste do Brasil estará bem posicionado para acomodar os objetivos do hub do Grupo LATAM, se os investimentos recomendados forem realizados na expansão e na adaptação da infraestrutura para o centro de conexões”, afirma Susan Baer, líder de Aviação para as Américas da Arup.

Modelos diferentes para cada cidade

Em Fortaleza, a Arup recomenda a expansão orgânica do terminal existente, com aumento da área de terminal e a construção de um píer em continuidade ao terminal atual.

Em Recife, a opção apontada pela Arup é a construção de um novo terminal do lado da pista que fica oposto ao terminal atual, o que vai requerer a liberação da área hoje ocupada pela base militar.

Em Natal, a recomendação da Arup é seguir com a ampliação já prevista no Plano Diretor (“Master Plan”) do aeroporto, executando a expansão orgânica do terminal existente, com aumento da área de terminal e construção de um píer em continuidade ao terminal atual.

Uma das conclusões iniciais do estudo da Arup indica que os terminais atuais das três cidades envolvidas foram concebidos para operações ponto a ponto, sem características de um hub e, portanto, precisariam de adaptações para receber um centro de conexões de voos com as características desejadas pelo Grupo LATAM.

De acordo com os dados do estudo, foi estimado que o hub movimente a partir de 2018, 2 milhões de passageiros adicionais por ano, em 24 aeronaves operadas diariamente em simultâneo (entre 2.500 e 3.000 passageiros na hora-pico).

Em 2038, o número de passageiros deverá chegar a 3,2 milhões por ano, em 36 aeronaves operadas diariamente e simultâneo (mais de 4.000 passageiros na hora-pico).

Baseada nas projeções de demanda, a capacidade declarada das pistas existentes é capaz de atender à demanda prevista para o hub do Grupo LATAM até 2038. No entanto, o estudo aponta que seria benéfico para todos os agentes envolvidos expandir a capacidade da pista para o padrão internacional de 40 movimentos por hora através de melhorias sistêmicas e de procedimentos.

Com as adaptações e os investimentos recomendados pelo estudo, a Arup acredita que os três aeroportos poderiam acomodar os voos e os passageiros estimados, com bom nível de serviço e eficiência, prazo de execução razoável e potencial de expansão de longo prazo.

Estudos externos concluídos

O Grupo LATAM conclui a divulgação dos estudos encomendados a consultorias internacionais para a avaliação de impactos econômico, social e de infraestrutura para a implantação do hub no Nordeste.

A avaliação da Arup é o segundo estudo de uma consultoria internacional encomendado pelo Grupo LATAM a ser divulgado.

Em setembro, a Oxford Economics apresentou os resultados da avaliação de impactos econômicos e sociais do hub Nordeste.

O estudo da Oxford aponta que cada dólar investido pelo Grupo LATAM para a implantação do hub deve gerar entre 5,2 e 5,8 dólares em novas atividades econômicas, na média dos cinco primeiros anos de operações. Esta previsão inclui a geração de valor tanto para a cidade que for escolhida quanto para as outras que participaram do estudo.

A consultoria também estima um crescimento adicional do PIB das três cidades envolvidas no hub da ordem de 5% a 7%, considerando a média de cinco anos de operação. Nesse período, o hub deve gerar de 34 mil a 42 mil novos empregos no Nordeste.

O hub está projetado para movimentar durante a primeira fase do desenvolvimento das operações, num período de dois anos, 1,1 milhão de passageiros em voos de longo curso e entre 1 e 1,2 milhão de passageiros dentro do Brasil e entre o país e nações vizinhas da América do Sul por ano.
Blog do BG: http://blogdobg.com.br/hub-tam-rn-e-ce-levaria-vantagem-frente-a-pe-em-novo-relatorio/#ixzz3ojlW8oVK

Campanha Nacional dos Bancários 2015 – Os 7 pecados do capital

A Campanha Nacional Unificada 2015 dos bancários adotou o mote “Exploração Não Tem Perdão”. E motivos não faltam. Sejam bancários, clientes ou a sociedade inteira, explorar é o verbo mais conjugado pelos banqueiros no país inteiro.

Depois de muito analisar – afinal são muitos os “maus caminhos” trilhados pelos bancos – a categoria destacou sete os maiores pecados cometidos pelo setor que caracterizam essa exploração sem limites.

Abaixo, todos bem explicadinhos.

Para combatê-los, os bancários precisam ir além de uma “reza braba”. Só com muita mobilização, unidade e participação iremos conseguir avançar em temas como emprego, remuneração, saúde e condições de trabalho, segurança, igualdade de oportunidades, dentre outros.


Não é segredo para ninguém que os bancos brasileiros, principalmente os maiores, têm lucratividade astronômica. Para dar uma ideia, somente nos seis primeiros meses deste ano, Banco do Brasil, Caixa, HSBC, Itaú, Bradesco e Santander engordaram seus cofres em R$ 36,4 bilhões, montante 27,5% maior do que já haviam lucrado no mesmo período do ano passado.

Só com tarifas, por exemplo, arrecadaram juntos R$ 56,7 bilhões neste mesmo primeiro semestre e conseguem quitar, com folgas, toda a folha de pagamento só com a receita advinda dessas taxas.

Apesar disso, têm chegado à mesa de negociações da campanha com o “não” pronto para responder às reivindicações dos trabalhadores.

Os bancários rebatem com forte mobilização: exploração não tem perdão!

É um dos piores males que a classe trabalhadora enfrenta. Os terceirizados ganham em média 27% menos que os bancários, têm menos direitos e jornada semanal até três horas e meia maior, alta rotatividade que desorganiza as categorias, ainda mais adoecimentos e mortos por acidentes.

Os bancos ano a ano veem seus lucros crescer mais e mais. Arrancam essas fortunas da sociedade, por meio de cobranças de tarifas e juros exorbitantes, e da exploração dos trabalhadores. Ou seja, deveriam contratar cada vez mais bancários para dar atendimento correto aos usuários, cujo número não para de crescer, elevar o nível de emprego no país e a qualidade de vida da classe trabalhadora, garantindo a todos os funcionários do setor os direitos previstos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. Dinheiro não falta, afinal, só com tarifas conseguem cobrir toda a folha de pagamento e com bastante folga. Mas não: demitem e terceirizam. Exploração que não tem perdão!

A sanha infinita por lucros exorbitantes alimenta um dos principais problemas enfrentados pela categoria: o assédio moral.

O modo de gestão dos bancos pressiona ao extremo os trabalhadores pelo cumprimento de metas cada vez maiores e abusivas.

O resultado: cada vez mais bancários doentes, vítimas de transtornos mentais e de Ler/Dort. Segundo o INSS, a categoria é a que mais se afasta em função de problemas psicológicos.

Além do assédio moral, este ano os bancários denunciam também o aumento de casos de assédio sexual. Segundo a consulta realizada com trabalhadores de todo o Brasil, 12% disseram já ter sido vítimas desse crime.

Os bancários avisam: exploração não tem perdão!

Os bancos adoram dizer para todo mundo que têm agências de primeira linha, como o Estilo, do Banco do Brasil, Personalitè, do Itaú, Van Gogh, do Santander, Prime, do Bradesco, dentre outras, para atender clientes de alta renda.

O que eles não gostam que conte é o péssimo atendimento dado a usuários de baixa renda, frequentemente impedidos de entrar nas agências e forçados a ir ao autoatendimento ou correspondentes bancários.

Ora, os bancos são concessões públicas e, para recebê-las, têm o compromisso de prestar atendimento de qualidade para qualquer pessoa. Não podem ostentar o tapete vermelho para uns e tratar outros como capacho.

Por isso os bancários avisam que exploração dos clientes também não tem perdão!

Não há metas abusivas? Nem assédio moral? E que tal ouvir dos bancos que não podem pagar o que é justo aos seus trabalhadores mesmo apresentando lucros bilionários? Ou que as demissões no setor, que em 2014 somaram mais de 5 mil postos de trabalho extintos, são apenas reestruturação? Assim como os admitidos ganharem 58% menos que os desligados (de janeiro a junho de 2015).

Chamar as conquistas dos trabalhadores – como PLR, auxílio-creche, bolsas de estudo, abono-assiduidade, vale-alimentação, vale-cultura –, de benefícios concedidos pela boa vontade dos próprios bancos também está no rol das inverdades. Todos esses direitos foram garantidos pelos trabalhadores após muita luta, sacrifício e greves que quase sempre acompanham as Campanhas Nacionais.

Chega de mentira! Exploração não tem perdão e os bancários vão deixar isso claro!

O mundo do trabalho está impregnado por discriminações de todos os tipos e no setor financeiro não é diferente. Negros, mulheres, pessoas com deficiência (PCDs), LGBTs encontram dificuldades para progredir na carreira nos bancos, independentemente de mérito e esforço pessoal.

As mulheres, 52,3% da categoria, recebem em média 68% da remuneração dos homens. Os negros representam 24,7% dos trabalhadores dos bancos e raramente estão nas funções de chefia. PCDs são 3,6%, quando a lei determina a proporção de 5%.

Além disso, discriminam clientes, obrigando bancários a fazer barreiras de acesso às agências: só entra quem tem dinheiro. Prestação de serviço, função primordial do setor, fica em último plano.

A categoria repete sem cansar: exploração não tem perdão!

O setor financeiro age de forma irresponsável. Com uma mão demite e sobrecarrega seus trabalhadores e com a outra esfola correntistas e usuários cobrando juros e tarifas exorbitantes. Por exemplo: uma pessoa com uma dívida de R$ 100 no cartão de crédito teria de pagar, após um ano, R$ 434,84. Entretanto, alguém que aplicar R$ 100 na poupança teria, no mesmo período, míseros R$ 108,65.

Lucram muito e prejudicam a sociedade. Entre 2012 e 2014 somente o lucro dos sete principais bancos (BB, Caixa, Itaú, Bradesco, Santander, HSBC e Safra) cresceu 18%, indo de R$ 52 bilhões para R$ 62 bilhões. Mas de janeiro de 2012 até junho de 2015, o setor (exceto a Caixa) cortou 22.136 empregos.

Sem falar que se enquadram nas empresas com grave risco de acidente de trabalho ou doença ocupacional. Foram mais de 20 mil bancários afastados somente em 2013. Chega de irresponsabilidade! Exploração não tem perdão!

(Sindicato dos Bancários e Financiários de SP, Osasco e Região)

Veja como foram todas as negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2015

As reivindicações dos bancários são debatidas entre o Comando Nacional dos Bancários, representando toda a categoria, e negociadores dos bancos. São, principalmente, três mesas realizadas concomitantemente, dentro da Campanha Nacional Unificada.

A pauta geral da categoria é debatida na mesa com a Fenaban, a federação dos bancos, e se refere à renovação da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), documento que reúne os direitos de todos os bancários do país, sem exceções.

Além dessa, há duas outras mesas específicas: uma entre representantes dos empregados e da direção da Caixa Federal, e a outra do Banco do Brasil, nos mesmos moldes. Elas visam as renovações dos respectivos acordos aditivos específicos, com direitos adicionais para os trabalhadores dos dois bancos. Vale reforçar que os dois aditivos são independentes um do outro, bem como as mesas de negociações, realizadas separadamente.

A data base da CCT e dos aditivos do Banco do Brasil e da Caixa Federal é 1º de setembro.

Nesta página vamos disponibilizar o calendário das reuniões bem como os resultados.

Fenaban
19/8 – Emprego: Recado está dado: demissão não tem perdão! (veja como foi)
2 e 3/9 – Saúde, Segurança e Condições de Trabalho (veja como foram a do dia 2 e a do dia 3)
9/9 – Igualdade de oportunidades (veja como foi)
15/9 – Saúde (veja como foi)
16/9 – Remuneração (veja como foi)
25/9 – Negociação geral (veja como foi)

Caixa Federal
27/8 – Saúde e Segurança Bancária (veja como foi)
4/9 – Saúde Caixa, Funcef e aposentados (veja como foi)
11/9 – Carreira, isonomia, organização do movimento (veja como foi)
18/9 – Contratações, condições das agências e jornada (veja como foi)

Banco do Brasil
24/8 – Emprego, contratações e condições de trabalho (veja como foi)
25/8 – Condições de trabalho e saúde (veja como foi)
31/8 – Segurança, igualdade de oportunidades e isonomia (veja como foi)
11/9 – Cláusulas sociais e previdência complementar (veja como foi)
18/9 – Remuneração e plano de carreira (veja como foi)

(Sindicato dos Bancários e Financiários de SP, Osasco e Região)

Aprovação para compra do HSBC pelo Bradesco deve demorar

São Paulo – As aprovações para a compra do HSBC pelo Bradesco devem demorar mais alguns meses, de acordo com Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do Bradesco.

“O processo está em trânsito. Vamos aguardar as autorizações. Ainda não saiu nenhuma, nem era a expectativa. Deve levar mais alguns meses”, afirmou o executivo, em conversa com jornalistas, após evento de premiação em São Paulo, na noite de quinta-feira, 24.

Sobre a possibilidade de as autorizações saírem ainda este ano, o executivo afirmou que é preciso respeitar o prazo das autoridades.

O Bradesco anunciou a compra do HSBC no mês passado por US$ 5,2 bilhões depois de meses de negociações em um processo que envolveu vários bancos na disputa.

Dentre os grandes, o Santander também foi para a reta final e o Itaú Unibanco chegou a fazer uma oferta não-vinculante (que não obriga a compra do ativo pelo preço ofertado) pelo HSBC, mas não seguiu adiante.

Rebaixamento

A perda de selo de bom pagador do Brasil pela agência de classificação de risco S&P trouxe uma expansão na consciência naquilo que deve ser feito no país, na opinião de Trabuco. “Esse fato provocou uma expansão da consciência e isso é saudável”, avaliou.

Segundo o executivo, o governo está conseguindo uma agenda de equacionamento do equilíbrio fiscal e também da economia brasileira.

(Aline Bronzati, do Estadão Conteúdo)

Leroy Merlin inaugura primeira loja no Nordeste, em Fortaleza

Leroy Merlin inaugura primeira loja em Fortaleza (Foto: Leroy Merlin/Divulgação)

A Leroy Merlin, home center líder no setor de material de construção do Brasil, resolveu expandir seus horizontes para o Nordeste, e irá inaugurar nesta quarta-feira, 15, a sua primeiraloja em Fortaleza.

Esta será a 33ª da rede francesa e a primeira do Nordeste do País, no qual atua há 17 anos. De acordo com a rede, o novo empreendimento deve gerar 210 empregos diretos e 300 indiretos.

Segundo a Leroy Merlin, foram investidos R$ 80 milhões na nova loja, que contará com 9 mil m² de área de venda e com mais de 10 mil m² de área de estacionamento com vagas para 425 veículos.

“Escolhemos Fortaleza por seu desempenho econômico. A cidade está se desenvolvendo e este crescimento foi o que nos chamou a atenção. Investimos para construir um espaço amplo, com muita variedade de produtos, com ótimas condições de pagamento e maior número de itens a pronta entrega. Somos a loja mais nova e a mais moderna da região”, afirma Edinaldo Godoy, diretor da Leroy Merlin Fortaleza.

Produtos e serviços

A nova loja da rede, que incentiva o “Faça Você Mesmo” por meio da técnica de bricolagem, oferecerá uma variedade de produtos à pronta entrega.

São mais de 80 mil itens para construção, acabamento, bricolagem, jardinagem e decoração, divididos em 14 setores, além de serviços, como Fábrica de Cores, Troca de Mercadorias, Espaço Projeto, Corte de Madeira, Cursos de Bricolagem, entre outros.

Clientes também poderão adquirir o cartão da rede, ”Celebre!”, que permite parcelar as compras em até 10 vezes sem juros ou 24 vezes com juros.

Esta é a mais nova loja da rede a obter a certificação AQUA (Alta Qualidade Ambiental), com a a certificação de Projeto Sustentável e Operações, que comprova a qualidade ambiental do empreendimento, conferida por meio de auditorias independentes, realizadas pela Fundação Vanzolini.

Serviço

Inauguração da Leroy Merlin Fortaleza
Dia: 15 de abril (quarta-feira)
Endereço: avenida Sebastião de Abreu, bairro Edson Queiroz, próximo ao Shopping Iguatemi.

Redação O POVO Online

Grupo Newland inaugura sua segunda concessionária JEEP, em Fortaleza

O Grupo Newland inaugura no sábado, 11, uma nova loja em Fortaleza. A empresa traz sua segunda loja Jeep e espera vender 100 carros por mês.
A concessionária conta com 900 m² e deverá gerar 30 empregos diretos e indiretos, confirme o diretor geral da divisão Premium do Grupo Newland, Rodrigo Carvalho e o gerente geral da Newsedan Jeep, Franklin Medeiros.
São esperadas 800 pessoas na inauguração, que ocorre entre 9h e 14h, na nova sede. 
O Grupo Newland atua no ramo automotivo há mais de 20 anos e representa as marcas Toyota, Mercedes-Benz, Chrysler, Jeep, Dodge, Ram, Harley-Davidson, Jaguar Land Rover, com lojas no Ceará, Paraíba, Pernambuco e Piauí.
Serviço
Inauguração da Loja Newsedan JEEP
11 de abril, das 9h às 14h
Avenida Senador Virgílio Távora, 1520
(O Povo)

Lucro excessivo dos bancos é distorção e entrave para o país

São Paulo – Clemente Ganz Lúcio, diretor técnico do Dieese e comentarista econômico da Rádio Brasil Atual, analisa hoje (6) estudo realizado pelo órgão sobre o desempenho dos bancos em 2014, que registraram crescimento de 18,5% em seus lucros, com montante de R$ 60 bilhões. Para Clemente, o crescimento do setor bancário foi “expressivo”, ainda mais se consideradas as dificuldades enfrentadas pelo país na economia.

O diretor técnico do Dieese diz que a taxa de retorno do sistema bancário, “muito superior aos demais setores da economia”, segundo ele, é uma grave distorção e que compromete o desenvolvimento econômico do país. “Éuma correção urgente que precisamos fazer na nossa trajetória econômica, se querermos ter um crescimento sustentado e sustentável pela atividade produtiva.”

O maior lucro foi verificado no banco Itaú, com mais de R$ 20 bilhões, seguido pelo Bradesco, com de mais de R$ 15 bilhões. O Banco do Brasil registrou lucro da ordem de R$ 11 bilhões e a Caixa Econômica, R$ 7,1 bilhões.  O Santander ficou com R$ 5,9 bilhões. “Os bancos têm, hoje, quase R$ 5,3 trilhões em ativos totais e um patrimônio total da ordem de R$ 370 bilhões”, destaca Ganz Lúcio.

O comentarista chama a atenção para uma aparente contradição. Apesar do crescimento dos lucros, cerca de 5 mil postos de trabalho foram fechados no setor. Em 2013, os bancos empregavam pouco mais de 456 mil trabalhadores. Já em 2014, o número foi reduzido para 451 mil.

Clemente aponta ainda que, apenas com as taxas cobradas dos clientes pelos serviços bancários prestados, as instituições superam, com folga, os custos com folha de pagamento. “É muito fácil ganhar dinheiro no sistema financeiro brasileiro com essa economia sustentada pelo rentismo e pelo ganho fácil da aplicação financeira”, conclui Clemente.

(Rede Brasil Atual)

Maior fortuna do HSBC na Suíça tem elo com privatizações de FHC

Família Steinbruch aparece na lista das contas secretas do banco

De todos os sobrenomes de brasileiros envolvidos no chamado ‘Swissleaks’, nenhum chama tanta atenção quanto Steinbruch.

Ao todo, a chamada ‘Família Steinbruch’ possuía nada menos que US$ 543 milhões depositados na filial de Genebra, na Suíça, do HSBC.

Capitaneada por Benjamin, o mais notório integrante do clã, a família prosperou como um foguete na era das privatizações, durante os oito anos do governo FHC.

Antes dos anos 90, os Steinbruch possuíam apenas um grupo têxtil, o Vicunha, que enfrentava as dificuldades decorrentes do processo de abertura econômica.

Com a chegada de FHC ao poder, no entanto, Benjamin enxergou a grande oportunidade para uma guinada completa nos negócios da família. Com as privatizações, o grupo Vicunha conseguiu arrematar três ícones da era estatal: a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), a Light e até a Vale.

Coincidência ou não, Benjamin contratou em 1995, primeiro ano do governo FHC, ninguém menos do que Paulo Henrique Cardoso, filho do ex-presidente, como assessor especial.

Em 11 de maio de 1997, Steinbruch já era retratado pela Folha de S. Paulo, em reportagem de Igor Gielow, como o primeiro “megaempresário” gerado na era tucana.

“A identificação com o poder tucano não é apenas retórica. Steinbruch é amigo há vários anos de Paulo Henrique Cardoso, o filho mais velho do presidente da República. Até fevereiro, empregava o “primeiro-filho” na Diretoria de Comunicação e Marketing da CSN. Agora, Paulo Henrique está na Light”, escreveu Gielow.

Em sua reportagem, Gielow também escreveu que Benjamin cultivava outros dois nomes fortes do tucanato. “Avesso a badalações, frequenta estréias de teatro e leilões chiques de cavalos acompanhado de expoentes do tucanato paulista. Entre eles, David Zylberstajn (secretário estadual de Energia e “primeiro-genro”, casado com Beatriz Cardoso). E Andrea Matarazzo (presidente da Cesp), amigo há mais de 20 anos e frequente conselheiro.” (leia aqui).

Em 2000, uma reportagem de Veja, assinada por Policarpo Júnior e Consuelo Dieguez, apontou que o aconselhamento de Paulo Henrique Cardoso foi crucial para que o BNDES se associasse a Steinbruch na compra da Light. “Foi forte também a ligação entre Paulo Henrique e Benjamin Steinbruch, há alguns anos. O filho de FHC estava ao lado do empresário na época da privatização da Light, leiloada em maio de 1996. Steinbruch, um dos controladores da CSN, queria que o BNDES participasse do consórcio formado pela Electricité de France e dois grupos americanos, além da própria CSN. Pessoas que então conviviam com o empresário dizem que o filho do presidente contribuiu para que o banco realmente entrasse no grupo. Como se sabe, esse foi o consórcio vencedor. Nessa tempo, Paulo Henrique trabalhava na CSN como coordenador de comunicação. Com a Light privatizada, foi convidado a ir para lá”, dizia o texto.

Outro escândalo conectando Steinbruch às privatizações diz respeito à privatização da Vale. O empresário foi apoiado pelos fundos de pensão estatais, mas em contrapartida teria recebido um pedido de propina do ex-tesoureiro do PSDB, Ricardo Sérgio de Oliveira. Em 2002, o instituto Datafolha realizou uma pesquisa que apontou que, para 49% dos brasileiros, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tinha conhecimento do pedido de propina.

Com um vínculo tão forte com as privatizações, e uma conta tão parruda no HSBC de Genebra, Steinbruch será um dos principais alvos não apenas da Receita Federal, como também da CPI instalada no Senado para investigar o Swissleaks.

Em nota, a família Steinbruch afirmou que não comentaria “vazamentos ilícitos”.

Fonte: Portal Brasil247

Dieese aponta que maiores bancos lucraram R$ 60,3 bilhões em 2014

Em 2014, os resultados dos cinco maiores bancos do país mostraram que não existe cenário ruim para o setor financeiro, independentemente do desempenho do conjunto da economia.

Itaú, Bradesco, Banco do Brasil, HSBC e Caixa Econômica Federal, além do Santander, tiveram lucros elevados, mesmo reduzindo o ritmo de expansão das operações de crédito, conforme números divulgados pela sétima edição do estudo “Desempenho dos Bancos”, produzido pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) – Rede Bancários.

> Clique aqui para ver o relatório do Dieese.

Segundo o estudo, um dos fatores responsáveis por esse resultado foi a expressiva elevação das receitas com Títulos e Valores Mobiliários, decorrente das sucessivas elevações da taxa Selic no ano passado.

Na busca pela chamada “eficiência operacional”, os bancos privados nacionais deram continuidade ao fechamento de postos de trabalho, embora em ritmo menor que nos anos anteriores. Entre os bancos públicos, o Banco do Brasil seguiu a mesma tendência, enquanto a Caixa Econômica Federal continua sendo a única instituição financeira com forte geração de emprego e concomitante melhora nos índices de eficiência.

Em dezembro do ano passado, o total de ativos dos cinco maiores bancos do país atingiu o expressivo montante de R$ 60, 3 bilhões, com evolução de 14,4% em 12 meses. Há o registro ainda de que o patrimônio líquido dessas instituições cresceu 18,4% no período, atingindo R$ 370 bilhões.

O estudo aponta também que, entre os grandes bancos, a Caixa permanece se destacando. A ponto de, entre 2013 e 2014, os ativos da instituição terem crescido 24% e o patrimônio líquido, 76,1%. É revelado que o forte crescimento do patrimônio líquido do banco ocorreu a partir de julho do ano passado, quando a Caixa teve um aporte de capital da ordem de R$ 27,9 bilhões por parte do Tesouro Nacional, na forma de instrumento híbrido de capital e dívida, conforme resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN).

O levantamento do Dieese afirma também que, diante do quadro econômico nacional e internacional e do aumento das exigências de capital impostas pelo Acordo de Basiléia III, a estratégia adotada pelos bancos privados foi melhorar o Índice de Eficiência, mediante corte das despesas com pessoal, por meio da redução de postos de trabalho, e aumento das receitas com tarifas bancárias. Por outro lado, a concessão de crédito foi bastante conservadora.

No entanto, para se adequar a uma conjuntura de desaceleração da atividade econômica e às novas exigências regulatórias, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal reduziram o ritmo da oferta de crédito em relação aos patamares que vinham sendo praticados desde o início da crise internacional.

O estudo observa ainda que, apesar disso, a Caixa manteve a estratégia de expansão, ainda que em ritmo menor, cuja atuação tem sido aumentar a estrutura de atendimento e ampliar a cobertura pelo país.

Segundo o Dieese, “a Caixa mostra ser possível melhorar o Índice de Eficiência com ampliação de postos de trabalho, mediante o aumento da participação na oferta de crédito na economia”.

Fonte: Contraf-CUT com Fenae e Dieese

Escolas públicas de Fortaleza vão incluir turismo na grade curricular

Os alunos das escolas municipais de Fortaleza vão conhecer a história e os principais pontos turísticos da capital cearense a partir desta terça-feira (7), como parte do Programa Turismo na Escola, promovido pela Prefeitura de Fortaleza. O objetivo, segundo a prefeitura, é apresentar equipamentos turísticos aos estudantes, dando a oportunidade de conhecerem a história e cultura da cidade.

O projeto vai beneficiar estudantes do I e II do Ensino Fundamental das 284 escolas da rede pública de Fortaleza. A primeira instituição contemplada será a Escola Municipal Rogaciano Leite, localizada no Bairro José Walter.

O Turismo na Escola vai acontecer às terças e quintas feiras, nos turnos manhã e tarde, quando cerca de 40 alunos serão contemplados por turno.

No roteiro sugerido pelo programa os alunos conhecerão o Forte Nossa Senhora da Assunção, Museu da Indústria, Passeio Público de Fortaleza, Praça do Ferreira, Praça dos Leões e o Museu do Ceará.

Para o titular da Setfor, Elpídio Nogueira, o Programa Turismo na escola poderá ainda influenciar na escolha das profissões desses jovens. “Com o acesso à informação sobre os equipamentos turísticos e a história deles, os estudantes podem se identificar e se tornarem futuros profissionais no ramo do turismo em nosso Estado”.

(G1 Ceará)

Banco do Nordeste implantará 10 novas agências no Piauí

O Banco do Nordeste terá 10 novas agências no Piauí. A informação foi confirmada na tarde desta segunda-feira (30), no Jornal do Piauí, pelo superintendente regional Luiz Alberto da Silva. Com investimentos estimados em R$ 2,5 bilhões para 2015, as agências devem facilitar ainda mais a obtenção de créditos e fomentar o empreendedorismo no Estado.

“Tudo isso faz parte do plano de expansão do banco, de reestruturação”, comemora o superintendente.

A capital, que já tem três agências, ganhará mais uma. Picos, Canto do Buriti, Santa Filomena, Castelo do Piauí, Parnaíba e Barras são alguns dos municípios que também serão contemplados. “E isso não exclui um novo projeto de ampliação para 2016”, acrescenta Luiz Alberto.

Via http://cidadeverde.com

 

Grupo JCC comemora 33 anos do Iguatemi Fortaleza com 6ª expansão

No dia 02 de abril de 2015, o Shopping “Iguatemi” – Fortaleza comemorou 33 anos e inaugurou a sua sexta expansão. O shopping foi inaugurado em 1982 e cresceu junto com a cidade, identificando-se com o público cearense que o ajudou a crescer. Agora o shopping está trazendo um novo momento para os consumidores, com muitas novidades na arquitetura da área das novas lojas, uma nova fachada de traços diagonais e agudos, trazendo assim, leveza e modernismo à entrada principal.

A sexta expansão tem três novos pavimentos, sendo que o primeiro e o segundo serão de lojas e o terceiro é da academia “Bodytech” que será inaugurada em breve. São 31 mil m² de área locável para 180 novas lojas, espaço para cinco restaurantes gourmets, uma praça de alimentação e um espaço único de convivência no Brasil. A expansão conta com novas lojas de marcas nacionais e internacionais oferecendo a todos os clientes mais conforto e comodidade na hora de estacionar com mais de 2.500 novas vagas distribuídas em seis andares e um subsolo.

Curiosidades sobre as características da madeira laminada colada instalada na área nova do shopping

A nova área de convivência da expansão tem a maior cobertura de madeira do Brasil, totalizando 4,5 mil m². Para realizar essa façanha foram colocados 1,2 mil m³ de madeira laminada colada (MLC) de abeto (uma espécie de pinheiro). As estruturas foram pré-fabricadas, colocadas em “containers” e transportadas do porto de Gênova (Itália) para Fortaleza (CE).

A madeira é proveniente de áreas de reflorestamento da Áustria. Os painéis de MLC formam uma cobertura curvilínea com vãos livres de 48 metros. Em certos pontos a cobertura apresenta curvas que seguem em direções opostas formando arcos de sustentações e passagens dando assim, um efeito de fluidez ao topo treliçado. Para proteger a estrutura das adversidades climáticas internas e externas, ela é coberta por uma manta de policarbonato alveolar especialmente criada e fabricada para este a nova expansão, onde as camadas difusoras e refletoras dos raios ultravioleta serão instaladas com a finalidade de preservar a temperatura no interior do ambiente.

SHOPPING IGUATEMI

Sobre as expansões:

As expansões do shopping acontecem a cada década, sendo que o aumento do número de lojas varejistas visa oferecer novas opções de compras ao público local e aos turistas que visitam a cidade e o shopping. A primeira expansão do shopping aconteceu em 1992; a segunda expansão foi em 1995 com a instalação da loja ”C&A”; terceira expansão foi em 1999 com a instalação do “Extra Hipermercado”; quarta expansão foi em 2003, com a instalação de novas lojas e com a construção do edifício garagem e do cinema “Multiplex” e a quinta expansão foi em 2006 com a instalação da loja “Renner”.

Desde 2011, o Shopping “Iguatemi” vem preparando a sexta expansão devido a demanda de novos lojistas e da característica do shopping de se reinventar sempre, trazendo novidades aos seus clientes. Segundo Luiz Collier, Chief Executive Office (CEO) da Jereissati Centros Empresarias (CCJ), “As grandes expansões fazem parte da história do Shopping “Iguatemi” – Fortaleza. É um shopping que pode ser classificado como tradicional e moderno ao mesmo tempo. Não é tão simples aumentar o nosso m² construído sem parar o funcionamento normal do shopping, mas o desafio vai valer a pena quando o público entrar no “Iguatemi” e perceber o nosso esforço para oferecer mais conforto, novas lojas, novos restaurantes, mais vagas de estacionamento, enfim, que ousamos sempre para nos manter atuais. Ainda é cedo para dizer se haverá novas expansões, mas, se nos próximos 10 ou 20 anos o mercado pedir, “nós faremos!”.

Shopping Iguatemi ANTES das expansões:

300 lojas e quiosques;

8 lojas âncoras;

62 mil m² de “Área Bruta Locável” (ABL);

2 praças de alimentação;

12 salas de cinemas “Multiplex”;

4.000 vagas de estacionamento;

4.500 empregos nas lojas;

Fluxo médio de clientes por dia: 60 mil

 

Shopping Iguatemi DEPOIS das seis expansões:

480 lojas e quiosques;

14 lojas âncoras;

93 mil m² de “Área Bruta Locável” (ABL);

3 praças de alimentação;

Espaço Gourmet: 5 restaurantes;

12 salas de cinemas “Multiplex”;

6.500 vagas de estacionamento;

7.000 empregos nas lojas;

Fluxo médio de clientes por dia: 85 mil (estimativa)

Lojas confirmadas na expansão:

A Fórmula
A Graciosa
Abacaxi Club
Adidas
Aliança de Ouro
Amor aos Pedaços
AP Acessórios
Apoio Café
Bagaggio
Balonê
Bambolin
Be.You.Tiful
Bebetenkite
BKT
Blue Man
Bobs
Bobstore
Body Tech
Boldness
Bolha D’Água
Bonaparte
Burguer King
C&A
Camicado
Camisaria Colombo
Carmem Steffens Maison
CasaBlanca Turismo
Casas Bahia
Cecilia Dale
Chocolataria Gramado
Cia do Churrasco
Cia Marítima
Clementino Fraga
Coisas di Maria
Colcci
Comfort
Cosbel
Croc´s
Daindia
Daycoval
Divino Fogão
DLT
Domino´s
Dona Florinda
Donatário
Dtech
Estação da Bicicleta
Feirão Lopes / Itaú
Fom
FreeCell
Frisabor
Galeria de Arte Mondrian
Ganz
Gelateria Parmalat
Grão Expresso
Guess
Harrys
Hering Kids
Inovi
JEF
Jogê
John John
Jolie
Jorge Bischoff
Kalunga
Kinsei
Kopenhagen
La Nube Delicatessen
La Pasta Giala
La Vie
Le Biscuit
Liebe
Lindona
London
Loungerie
Lupo
M. Officer
M.A.C.
Macavi
Maria Filó
Mc Donalds
Mini Kalzone
Miss Mano
MOB
Mundo do Iphone
My Sandwich
Nakombi
Newland e Newsedan
Nobre Bijoux
Oh Boy
Oh My Dog
Óticas Carol
Óticas Visão
Outback
Pandora
Parente
Patroni Premium
Piola Pizzaria
Planeta Bebê
Planeta Brinquedos
Polo Wear
Ponto a Ponto
Rabush
Real Sucos
Reserva
Riachuelo
Rio de Jás
Rosa Chá
Rosamango
Sacada
Sal e Brasa
Salad Creation
Samsung
San Paolo
Santa Grelha
Sapataria Nova
Sapathus Mulher
Selleti
Sergio K
Sheng Shi
Skechers
SNC
Sonho dos Pés
Sr. Crepe
Stalker
Sun Glass HUT
Suplements
Swarovski
Take a Nap
The Body Shop
The Burguers on the Table
Timberland
Tio Armênio
Track & Field
Via Mia
Via Veneto
Victor Hugo
Viva / Valpiano
Vivenda do Camarão
Wilmar Cabeleleiros
World Case
Xô Xulé
Yozenn
Zack’s Hamburguer
Zara
Zara Home

(G1 Ceará e http://www.aquieali.com.br)

O sucesso técnico da Petrobras, a força do pré-sal e o despeito dos entreguistas

Não sei se foi buscar lã e saiu tosquiada, mas o fato é que a Folha, hoje, acaba sendo forçada – claro que com uma série de senões – a reconhecer o extraordinário sucesso da Petrobras na exploração do óleo do pré-sal brasileiro.

O moto é o de que a Petrobras estaria “economizando” em investimento pelo fato de os poços do pré-sal serem mais produtivos que o esperado.

O que se previa produzindo 15 mil barris por dia por poço, em média, produz, hoje, 25 mil barris por poço a cada 24 horas.

Isso é uma monstruosidade: no Mar do Norte, a média é 15 mil barris de petróleo por poço/dia e, no Golfo do México, são 10 mil barris de petróleo por poço/dia.

No campo de Lula um poço produz tanto quanto um do Mar do Norte e outro do Golfo do México, somados. Alguns poços do pré-sal chegam, entre óleo e gás, a 45 mil barris por dia de média e o primeiro teste de produção de Libra espera rendimento de 50 mil barris diários.

É meia-verdade, no curto prazo, a economia.

É óbvio que um poço que produz quase o dobro é mais lucrativo. Mas também exige mais equipamentos processar e armazenar, para transporte, esta quantidade maior de óleo.

Um navio-plataforma com capacidade de processar 120 mil barris diários abrangeria oito ou nove poços produtores e mais outros tantos, ou quase tantos, para injetar água e produzir a pressão que fizesse jorrar o petróleo nos poços produtores.

Isso aconteceu, por exemplo, com o navio-plataforma  Cidade de Angra dos Reis, no campo de Lula. Era previsto que ela atingisse sua capacidade, de 100 mil barris por dia, por meio de seis poços. Mas foram necessários apenas quatro, cada um produzindo cerca de 24 mil barris por dia, para chegar à marca.

Com um produção por poço quase dobrada, passam a ser necessários outros navios-plataforma e isso entra no terreno das variações possíveis na exploração, sobretudo quando se trata de jazidas de grande extensão e acumulação. Porque o petróleo não fica numa “piscina” subterrânea de perfeita comunicação entre um trecho e outro, mas impregnado em rocha porosa e um poço não pode “chupar” o óleo contido em  formações mais distantes: é necessário, mesmo, uma “teia” de “espetadas” para aproveitamento integral da parte recuperável daquela reserva.

É por isso que a Petrobras está enfiada em exigências imensas de investimento e não por “imprudência” gerencial.

O que está colocado diante da Petrobras não é investir modestamente: é investir pesado ou entregar o petróleo.

É simples assim: quem defende uma redução dos investimentos da Petrobras além de um certo ponto, o da viabilidade econômica de manterem-se reservas identificadas sem explorá-las, defende a entrega destas jazidas às petroleiras internacionais.

Vêm daí as pressões pelo estrangulamento financeiro da Petrobras, mas que não será fácil.

Como fez hoje a China, há no mundo sempre alguém para negociar créditos a uma empresa que está sentada sobre as maiores jazidas de petróleo recentemente descobertas, para que ela não tenha, simplesmente, de permanecer sentada e inerte.

É por isso que, como você vê na matéria da Folha, a industria petroleira quer, tão boazinha, “aliviar” a Petrobras de ter de fazer investimentos tão pesados.

São bonzinhos, muito bonzinhos…

Via Tijolaço

Economia nordestina cresceu acima da média nacional em 2014

Jornal GGN – O PIB brasileiro cresceu apenas 0,1% em 2014. Mas esse número esconde uma forte disparidade regional. De acordo com o Índice de Atividade Econômica do Banco Central, o Nordeste alcançou um crescimento de 3,7%. No entanto, o setor privado estima que a economia nordestina pode cair 1,7% em 2015, pela deterioração do mercado de trabalho e pelo ajuste fiscal dos diferentes níveis do setor público.

Por Denise Neumann, Do Valor Econômico

A estagnação da economia no ano passado “escondeu” uma forte disparidade regional. Pelo Índice de Atividade Econômica regional do Banco Central, considerado uma prévia do Produto Interno bruto (PIB), enquanto o Nordeste alcançou um expressivo crescimento de 3,7% em 2014 sobre 2013, o Sudeste amargou recessão de 0,8% na mesma comparação. Agricultura e varejo ajudaram os Estados nordestinos, enquanto a indústria foi a grande responsável pela derrocada de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, comprometendo a região mais rica do país, apesar do bom desempenho industrial do Espírito Santo.

Estimativas do setor privado apontam que a economia nordestina pode sofrer uma inflexão em 2015. Nas projeções da LCA Consultores, o PIB do Nordeste pode cair 1,7% este ano, retração superior a do Sudeste, estimada em 0,9%. Se confirmada, será a primeira queda desde 1998, e a expectativa é que a região nordestina perca fôlego pela deterioração do mercado de trabalho e pelo ajuste fiscal dos diferentes níveis do setor público. No Sudeste, 2014 já foi um ano recessivo.

O Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Banco do Nordeste (Etene-BNB) também espera uma freada no ritmo de crescimento da região, mas descarta recessão. Entre outras razões, o superintendente do Etene, Fran Bezerra, cita a demanda ainda firme por financiamento nos fundos geridos pela instituição. Depois de emprestar R$ 27 bilhões no ano passado, o plano para 2015 é de R$ 28 bilhões. “E as metas do primeiro trimestre foram alcançadas”, diz ele.

Alexandre Rands, diretor da Datamétrica, consultoria localizada em Recife, avalia que o Nordeste ainda se beneficia dos efeitos da distribuição de renda, da política de correção do salário mínimo e dos programas sociais. “Quando você gera renda você não gera PIB imediatamente”, diz ele. “Em pequenos municípios você tinha uma padaria e ela dava conta de atender a demanda por pão. Após anos de distribuição de renda e programas de transferência, você precisa de uma segunda padaria, que cria empregos”, acrescenta, dando um exemplo do efeito positivo que os ganhos de renda acumulados nos últimos anos exercem sobre o produto da região.

Pelos dados do Banco Central – que reúne produção industrial, varejo, serviços, criação de empregos, oferta de crédito, consumo de energia e outra informações para compor o quadro de atividade regional -, as vendas do varejo ampliado (com automóveis e material de construção) subiram 2,1% no Nordeste e caíram 3,5% no Sudeste no ano passado, o que puxou para baixo a média nacional de 1,7%. Na indústria, a produção nordestina encerrou 2014 com uma leva queda de 0,3%, mas no Sudeste a retração chegou a expressivos 4,6%, dado pior que a média nacional de recuo de 3,2%.

Paulo Neves, economista da LCA Consultores especializado em análise regional da economia brasileira, diz que além do varejo, também a agricultura ajudou muito o Nordeste. Nas suas projeções, o crescimento da região foi de 1% no ano passado, dado bem mais modesto que o indicado pelo índice do Banco Central, mas bem melhor que a queda de 0,2% estimada para o Sudeste. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB do Brasil variou 0,1% em 2014.

Neves conta que a produção de soja foi destaque no Nordeste, puxada pela expansão da produção (e da área plantada) de soja no Piauí, onde a produção aumentou 60% para uma área 11% maior. No conjunto, a produção agrícola aumentou 9% no Nordeste e 1,8% no Brasil em 2014, diz ele.

Bezerra, do Etene/BNB, pondera que em todos os indicadores – varejo, indústria, agricultura e serviços – o desempenho do Nordeste superou a média nacional. Além do mesmo efeito desenhado por Rands (dos efeitos ainda positivos do ganho de renda dos últimos anos), ele também lista o aumento dos investimentos públicos e privados como impulsionador da economia nordestina. “E esses efeitos continuaram a fazer diferença em 2014”, diz ele. No Sudeste, ao contrário, tudo andou pior no ano passado: renda, serviços, agricultura e varejo.

Na indústria, a composição e a diversificação da produção do Sudeste explicam porque a queda foi maior na região, pondera Rogério César de Souza, economista do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). “Além de automóveis, o Sudeste concentra a indústria de bens de capital e de outros bens de consumo”, observa Souza. No Nordeste, por outro lado, a indústria é menos diversificada e com forte participação de setores que sofrem menos em cenários de desaceleração, como acontece com a produção de alimentos.

No ano passado, a indústria de alimentos cresceu 6% no Nordeste, enquanto o refino de petróleo e derivados subiu 8% e o setor de vestuário, 1, 1%. Na média nacional, a produção de alimentos recuou 1,4%, a de combustíveis aumentou 2,4% e a de vestuário caiu 3,2%. Rands, da Datamétrica, considera possível que a queda nos custos logísticos nos últimos anos (com estradas melhores e maior profissionalismo na área de transportes) tenha favorecido a transferência de produção para o Nordeste no caso de uma empresa com fábricas em diferentes regiões. “Essa migração pode ter ajudado o Nordeste”, avalia ele, que tem estudado essa hipótese. “É uma possibilidade”, diz.

Para 2015, o economista da LCA projeta o primeiro ano de recessão no Nordeste desde 1998. E alguns indicadores da região, pondera Neves, já começaram a piorar no fim do ano passado, tendência que deve se aprofundar neste ano. O índice do BC, olhado trimestralmente, mostra que o ritmo da atividade ficou parado no Nordeste no quarto trimestre de 2014 em relação ao terceiro, na série com ajuste sazonal. No Sudeste, ele recuou 0,2% na mesma comparação.

“O crescimento da massa salarial foi um pouco maior no Nordeste, e o ganho veio principalmente da ocupação, que cresceu mais que o salário médio, na comparação com a média do país”, diz ele. Como o desemprego vai crescer (e já cresceu), ele espera que essa perda de dinamismo no mercado de trabalho atrapalhe o desempenho do Nordeste em 2015. “Nos últimos anos, a construção civil e o setor de serviços puxaram a ocupação na região, o que não acontecerá neste ano”, acrescenta.

Souza, do Iedi, espera que em 2015 a indústria do Sudeste, de novo, seja mais afetada que a média do país. Ele espera uma desaceleração da massa salarial, mas não uma queda brusca. Isso ainda protege mais os setores de não duráveis e semiduráveis (mais espalhados pelo país), mas os juros altos e a confiança baixa continuarão afetando investimentos e bens mais dependentes de crédito.

Rands acredita que o ciclo de crescimento no Nordeste ainda não acabou. Ainda que em 2015 possa acontecer um “tropeço”, ele projeta que a região continuará a crescer acima a média nacional por mais alguns anos. Ele diz que hoje PIB per capita da região está entre 49% e 50% da média nacional, e ainda deve crescer até alcançar 55%. Em 2015, diz, o ajuste fiscal vai prejudicar a economia nordestina, mais dependente do setor publico que Sul e Sudeste.

Além da União, todos os Estados do Nordeste e muitos municípios estão com programas de ajuste fiscal, pondera Bezerra. “Essa restrição vai impedir que a economia do Nordeste siga um rumo diferente do resto do país, por isso esperamos uma freada no processo de crescimento, até porque os investimentos serão afetados, mas o estoque de ganhos acumulados nos últimos anos vai impedir um decréscimo no PIB da região”, acredita.

Fortaleza entre os cinco destinos mais procurados na Semana Santa

Fortaleza está entre as cinco cidades mais procuradas para se aproveitar o feriado da Semana Santa. O dado é da agência online ViajaNet, que listou os cinco destinos nacionais mais procurados pelo consumidor.

Além de Fortaleza, as cidades de São Paulo,Rio de Janeiro, Recife e Salvador compõem o ranking. Ainda de acordo com a agência online, o fluxo de vendas nesse ano cresceu bastante em comparação aos meses anteriores, inclusive no período do Natal eAno Novo. Entre fevereiro e março a variação foi de 170% na procura por passagens relacionadas ao período da Páscoa.

Hotelaria

No último feriado prolongado, durante o Carnaval, a rede hoteleira cearense obteve bons resultados, quando teve quase que toda a capacidade preenchida com 91,54% de ocupação. A expectativa para os próximos dias é que a taxa de ocupação ultrapasse o ano anterior.

(Diário do Nordeste)

Expansão do Shopping Iguatemi Fortaleza será inaugurada dia 2 de abril

O shopping Iguatemi chegará ao Dia das Mães com 453 lojas, contando com as 300 lojas já existentes e as 153 que deverão ser abertas até o dia 10 de maio. As 153 novas lojas representam 85% do total de 180 estabelecimentos previstos para serem inaugurados a partir da expansão do shopping, que será entregue na próxima quinta-feira (2).

Novas marcas

Confira a relação de lojas já confirmadas na expansão do Iguatemi: http://svmar.es/lojasiguatemi

Expansão

A nova expansão do shopping – a sexta desde que ele foi inaugurado – contará com três novos pavimentos, dos quais dois são formados por lojas e o terceiro se destinará exclusivamente à academia Bodytech. Ao todo, a nova área terá 31 mil metros quadrados de área locável, distribuídos em cinco restaurantes gourmet, uma nova praça de alimentação e um espaço de convivência, além das 180 novas lojas. A ampliação trará ainda um novo edifício garagem, já em funcionamento, que terá 2.500 novas vagas de estacionamento, distribuídas em seis andares e subsolo.

Área de convivência

Por sua vez, a área de convivência da expansão do Iguatemi terá a maior cobertura de madeira do Brasil, totalizando 4,5 mil metros quadrados. Ao todo, 1,2 mil metros cúbicos de madeira laminada colada (MLC) de abeto (uma espécie de pinheiro) foram transportados por contêineres do porto de Gênova, Itália, onde as estruturas foram pré-fabricadas, até a Capital.

Os painéis de MLC formam uma cobertura curvilínea, com um vão livre de 48 metros, apresentando curvas voltadas para duas direções opostas e formando arcos de sustentação e passagem, conferindo, ao mesmo tempo, um efeito de fluidez ao topo treliçado.

Cobertura

Para proteger a estrutura das adversidades climáticas, será feita uma cobertura através de uma manta de policarbonato alveolar, especialmente criada para o projeto, onde camadas difusoras e refletoras dos raios ultravioleta serão instaladas, como forma de preservar a temperatura do ambiente.

Histórico

A primeira expansão do Iguatemi aconteceu em 1992, dez anos após a inauguração do empreendimento. Já em 1995, a loja C&A fez crescer a metragem do shopping, assim como o Extra Hipermercado o fez em 1999.

A quarta expansão – quando o Iguatemi recebeu dezenas de novas lojas, edifício garagem e o Cinema Multiplex – aconteceu em 2003. Três anos depois, foi aberta a loja Renner. A nova expansão é planejada pelo shopping desde 2011, tendo como meta atender a uma demanda reprimida de lojistas.

Na próxima quinta-feira, a cerimônia de abertura da expansão contará com apresentações regionais do músico Waldonys e da orquestra Sanfonas do Ceará. Na ocasião, será lembrada a história do Iguatemi e o impacto que cada uma das etapas do shopping causou ao comércio varejista e à cidade. Após o desenlace da faixa, os convidados farão um tour pelos novos corredores e conhecerão de perto os detalhes e as novidades que o Iguatemi traz na expansão. Ao meio dia, os acessos às áreas da expansão serão abertos ao público.

Já confirmadas

Entre as 147 lojas já confirmadas para fazer parte do shopping após a ampliação, estão Xô Xulé, The Burguers on the Table, Timberland, Divino Fogão, Abacaxi Club, Apoio Café, Balonê, Jogê, Lindona, Oh My Dog, Piola Pizzaria, Reserva, Rio de Jás, Sonho dos Pés e Sergio K.

A expansão fará com que o total de vagas no estacionamento passe das atuais 4 mil para 6,5 mil. Além disso, o número total de empregos nas lojas passará de 4,5 mil para 7 mil funcionários, representando um aumento de 55%. O fluxo médio de clientes é esperado para saltar de 60 mil pessoas, por dia, para 85 mil clientes diários.

 

d

(Diário do Nordeste)

BNTM será realizada no Centro de Eventos do Ceará, de 27 a 31/05

Ceará 247– O Ceará vai receber em maio, no Centro de Eventos, a 24ª Brazilian Tourism Mart (BNTM), evento que tem como foco a divulgação do Nordeste para o mercado internacional. Entre os dias 27 e 31 de maio, serão expostos destinos e produtos turísticos em busca da realização de negócios e parcerias comerciais entre compradores internacionais convidados (buyers) e fornecedores nacionais (suppliers).

Pela importância que tem o evento para o Nordeste, o Ministério do Turismo (MTur), o Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), a companhia aérea TAP Air Portugal e a Secretaria do Turismo do Ceará (Setur) definiram, no início deste mês de março, um conjunto de estratégias de promoção do evento, durante o primeiro dia da Feira Internacional de Turismo (BTL – Portugal).

Do encontro foi anunciada a participação do MTur e da Embratur no comitê gestor da BNTM, para, em conjunto com a Setur e a CTI Nordeste, buscarem apoios e patrocínios e trabalharem na melhor seleção dos buyers e dos profissionais da imprensa que serão convidados. A TAP confirmou a condição de “transportadora oficial” para os participantes do continente europeu.

O evento é realizado anualmente, desde 1992, sendo sempre sediado em um dos estados nordestinos. Durante a sua trajetória, a BNTM se firmou como a única bolsa de negócios turísticos realizada no Brasil, conseguindo, portanto, fomentar a comercialização dos produtos e destinos turísticos do Nordeste brasileiro junto a importantes agentes de viagens e operadoras internacionais que atuam nos principais mercados emissores de turistas para o Brasil.

Conforme a CTI Nordeste, a cada edição da BNTM, o turismo na região tem um crescimento de 8% a 10%. Para o estado anfitrião, esse percentual pode chegar a 14%. “O Ceará estará na vitrine da 24ª BNTM, apresentando suas novas infraestruturas, como o próprio Centro de Eventos, local de realização das rodadas de negócios, além dos seus destinos e produtos qualificados nos padrões internacionais, com excelentes perspectivas de negócios e projeção”, destaca Arialdo Pinho, titular da Setur.

 

Convênios com hospitais de Fortaleza terão corte de 20% pelo Estado

Da Coluna Vertical, no O POVO desta quinta-feira (26):

Dentro da política de contenção de despesas, o governo estadual deverá cortar 20% dos convênios que a Secretaria da Saúde do Estado mantém com grandes hospitais de Fortaleza. Anuncia o secretário Carlile Lavor, explicando que, nesses tempos de poucos recursos, priorizará o atendimento no Interior, onde o quadro de cobertura é frágil.

Ele não adiantou nomes de unidades nem impactos em matéria de redução de leitos, por exemplo, mas foi pragmático: “É escolher onde prejudica menos!”.

A questão, de acordo com Carlile, reside no fato de que o MS fez corte geral, o que afetou repasses estaduais. Ele garante que o básico não será atingido porque o Estado tem uma rede reforçada com o advento dos hospitais regionais, UPAS e Policlínicas.

Detalhe: a pasta já estava cortando 20% de suas despesas.

Feriados geram movimentação de R$ 4,2 bilhões ao Nordeste

O Nordeste será uma das regiões do país mais beneficiadas com o calendário de feriados de 2015. O impacto econômico de seis feriados nacionais no turismo nordestino é estimado pelo Ministério do Turismo em R$ 4,2 bilhões, o equivalente a 22,3 % da movimentação financeira no país. Os destinos turísticos dos nove estados nordestinos absorverão também 3,17 milhões das cerca de 10,9 milhões de viagens domésticas adicionais motivadas pelos feriadões.

Entre os estados do Nordeste, Bahia, Ceará e Pernambuco são os que mais sentirão os efeitos positivos do aumento do número de viagens e de gastos do turista durante os seis feriados. Nos municípios baianos a expectativa de impacto econômico é de R$ 1,2 bilhão em consequência da realização de 830 mil viagens para seus destinos. No Ceará, o impacto será de R$ 841,2 milhões devido a 585,3 mil deslocamentos. Na terceira posição aparece Pernambuco, onde o turismo deverá injetar R$ 467,9 milhões e o número de viagens no conjunto de feriados nacionais é de 510,8 milhões.

“As viagens domésticas representam cerca de 90% da economia da indústria de viagens e turismo no país. Os feriados são mais uma oportunidade para impulsionar esse mercado e movimentar a economia dos destinos, gerando negócios, empregos e renda nas cidades”, afirma o ministro do Turismo, Vinicius Lages. O levantamento foi feito em parceria com a Fundação Getúlio Vargas e considerou os gastos médios registrados em viagens em cada um dos estados.

A movimentação extra no mercado doméstico gerará impactos expressivos também em outros destinos tradicionais do Nordeste. Para o Rio Grande do Norte a previsão é de ganhos de R$ 440 milhões com 298 mil viagens; para Alagoas, de R$ 355,7 milhões em 159,6 mil viagens; e para o Maranhão, de R$ R$ 274,5 milhões e 255,4 mil viagens.

As praias, as áreas de preservação ambiental, e o rico patrimônio natural e cultural são atrativos que ajudarão a atrair visitantes nos feriados também para a Paraíba, Piauí e Sergipe. As projeções do MTur são de movimentação financeira de, respectivamente, R$ 253 milhões, R$ 217 milhões e R$ 120 milhões nas economias desses estados. Juntos, os três serão responsáveis pela realização de 539,2 mil viagens.

No Brasil, o impacto global na indústria brasileira de viagens e turismo gerado pelos feriados será de R$ 18,66 bilhões com a realização de 10,9 milhões de viagens domésticas extras. Para o cálculo de número de viagens e de gastos dos turistas, o MTur considerou as datas de 21 de abril (Tiradentes, terça-feira), 1º de maio (Dia do Trabalho, sexta-feira), 4 de junho (Corpus Christi, quinta-feira), 7 de setembro (Independência do Brasil, segunda-feira), 12 de outubro (Dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, segunda-feira) e 2 de novembro (Finados, segunda-feira).

Foram excluídos do cálculo o Carnaval, a Semana Santa, o Natal e o Réveillon, feriados que já constam todos os anos no calendário.

por Ascom – Mtur

Apple supera Samsung como a maior vendedora mundial de smartphones no final de 2014

Desde 2011 a Samsung lidera as vendas de smartphones mundialmente, no entanto os últimos números da Gartner afirmam que a Apple recuperou o posto e atualmente é a empresa que mais vende. Os dados são do último trimestre de 2014.
De acordo com os dados, a diferença é bem estreita. A Apple vendeu 74.8 milhões de dispositivos, o equivalente e 20.4% do total do mercado. Já a Samsung alcançou a marca de 73 milhões, 19.9% de marketshare. Lenovo (Motorola), Huawei e Xiaomi aparecem nas demais posições.
Apesar disso, a Samsung permaneceu como a empresa que mais vendeu smartphones durante todo o ano de 2014, com vendas estimadas em 307.6 milhões de unidades, representando 24.7% do mercado. A Apple veio logo atrás, com 191.4 milhões de iPhones vendidos, pegando 15.4% da fatia.
A Lenovo, que teve a aquisição da Motorola selada recentemente, terminou o ano em terceiro com vendas estimadas em 81.4 milhões de smartphones, o equivalente a 6.5% da divisão.
Os relatórios dos dois próximos trimestres devem ser interessantes, já que a companhia sul-coreana acaba de lançar o Galaxy S6 e o S6 Edge. Ambos os aparelhos estarão disponíveis em diversos países a partir do dia 10 de abril.

 

Via http://mobilexpert.com.br

Farmácias Pague Menos planeja abrir 90 lojas e contratar mais de 2 mil funcionários em 2015‏

Única varejista presente em todos os estados brasileiros e no Distrito Federal, com mais de 750 pontos de venda, as Farmácias Pague Menos pretendem contratar neste ano mais de 2 mil funcionários. O objetivo é alocá-los para o atendimento nas cerca de 90 novas lojas que a rede planeja inaugurar até o fim de 2015.

As funções são para caixas, vendedores, farmacêuticos e demais profissões ligadas diretamente à operacionalização das novas unidades. “A seleção é feita por meio do site da empresa – www.paguemenos.com.br, mas os interessados também podem levar os currículos pessoalmente nas lojas, o que agiliza ainda mais o processo de recrutamento”, afirma Magna Alves, gerente da área de Desenvolvimento Humano (DH) da rede.

Além da seleção para atendimento em lojas, a rede desenvolve um programa de trainees. Segundo Magna, a prioridade deste ano será para as regiões Sudeste e Centro-Oeste, focos dos investimentos para 2015. A empresa tem um plano audacioso de crescimento e, para manter o ritmo e um bom desempenho nos serviços prestados, a qualificação dos profissionais é primordial. Para isso, as Farmácias Pague Menos investem, anualmente, cerca de 400 mil horas em treinamentos.

“A filosofia da companhia busca cuidar de pessoas e priorizar a valorização dos colaboradores ao construir uma relação de confiança e uma política permanente de valorização dos talentos internos”, ressalta Magna. Como resultado, 3% dos funcionários (cerca de 570) estão nas Farmácias Pague Menos desde a sua fundação, em 1981, e 15% seguem na empresa há mais de dez anos

Sobre as Farmácias Pague Menos

As Farmácias Pague Menos são a primeira rede varejista presente nos 26 estados da Federação e no Distrito Federal. Mantêm um crescimento médio anual (CAGR) de 20% nos últimos 10 anos, um dos maiores índices de crescimento contínuos do Brasil. Contam hoje com mais de 750 lojas e mais de 19 mil colaboradores que atuam em cerca de 290 municípios. Com sede na capital cearense, a rede figura também com destaque no ranking das Melhores & Maiores do Brasil da revista Exame, edição 2014: ocupa a 144ª colocação geral, é a 12ª maior nas regiões Norte e Nordeste e sétima melhor do segmento varejista nacional.

(Jornal de Hoje)

 

Trio de diretores-gerais vai comandar o Itaú Unibanco

Por Guillermo Parra-Bernal

SÃO PAULO (Reuters) – O Itaú Unibanco deu um passo em direção à sucessão do presidente-executivo Roberto Egydio Setubal nesta segunda-feira, ao indicar os executivos que irão liderar as unidades de varejo e atacado do maior banco em valor de mercado do Brasil.

De acordo com comunicado, o vice-presidente sênior Marco Bonomi irá liderar a unidade de varejo do banco, conhecida como DGV. Candido Bracher, chefe de atacado e da unidade de investment banking Itaú BBA, será responsável pelas operações de atacado do Itaú e asset management, sob a chamada divisão DGA.

As mudanças devem permitir que Setubal oriente uma suave transição na direção do banco que ele preside desde 1994. Ele é membro de uma das famílias controladoras do Itaú Unibanco – as outras duas famílias incluem os Villela e os Moreira Salles.

A reformulação da cadeia de comando do Itaú ocorre num momento em que o banco está atravessando um período de rentabilidade recorde e profunda transformação operacional. Ao longo dos últimos dois anos, o Itaú tem evitado o crescimento rápido e, em vez disso, optou por crescer com prudência nos segmentos de crédito de menor risco, aumentar as receitas de serviços, reduzir despesas e apertar os critérios de desembolso dos empréstimos.

Há dois anos, o Itaú anunciou um plano para alterar estatutos e preparar os acionistas para um processo de sucessão administrativa que pode durar quatro anos. Naquela época, Setubal concordou em renunciar à presidência do banco comercial Itaú Unibanco SA, enquanto se aproximava da idade para aposentadoria compulsória de 60 anos.

Como parte do plano, Setubal está programado para se aposentar como presidente do Itaú Unibanco Holding aos 62 anos, ou em cerca de dois anos.

None

NOVA ESTRUTURA

Sob a nova estrutura, o Itaú Unibanco terá uma equipe de gerência composta por três diretores-gerais e dois vice-presidentes sêniores. Além de Bonomi e Bracher, Márcio Schettini foi eleito como chefe da unidade geral que inclui tecnologia, operações e eficiência.

Os dois novos vice-presidentes sêniores serão Eduardo Vassimon, que acumulará os cargos de diretor financeiro do Itaú e diretor de risco, e Claudia Politanksi, que terá os cargos de diretora jurídica e de recursos humanos e relações institucionais.

As responsabilidades de Bonomi incluem dirigir o banco de varejo, bem como o negócio de processamento de cartões e a área de marketing. Além da unidade de varejo, Bracher também terá responsabilidade por serviços de investimentos e a unidade de transação de sistemas, bem como os negócios latino-americanos.

 

(Reuters)

Veja como garantir a maior restituição possível do Imposto de Renda 2015

Quem vai declarar o Imposto de Renda e quer garantir que a restituição seja a maior possível deve ficar atento a tudo o que pode ser declarado.

Para facilitar, é importante que, antes de tudo, o contribuinte organize todos os documentos que comprovem – se for o caso – gastos com educação, previdência, dependentes, saúde, empregada domestica e despesas de livro caixa, no caso de profissionais autônomos.

Com a ajuda de especialistas, o G1 listou dez dicas para o contribuinte prestar atenção antes de preencher e enviar sua declaração. O prazo de entrega do Imposto de Renda começará em 2 de março e se estenderá até o dia 30 de abril. As dicas são de Vanildo Veras, diretor de Inteligência Fiscal da consultoria contábil Datanil, Marcia Ruiz Alcazar, diretora-administrativa da Seteco Consultoria Contábil, e de Richard Domingos, diretor-executivo da Confirp Consultoria Contábil.

Modelo (Foto: G1)

O primeiro passo é a escolha do modelo de declaração: simples ou completo. Para isso, o contribuinte deve informar todos os seus gastos e deduções e os de seus dependentes. O próprio programa de preenchimento da Receita Federal mostra qual modelo é o mais vantajoso. Se o total for superior a R$15.880,89, a melhor opção será o modelo de declaração completo.


Saúde (Foto: G1)

Não há limite de dedução para gastos com saúde, como consultas médicas, tratamentos ou cirurgias. No entanto, o contribuinte deve ficar atento porque nem todo gasto médico é aceito. Ao declarar, é preciso ter certeza de que é possível comprovar todas essas despesas com recibos ou notas fiscais.

“Vale uma atenção especial, pois muitos planos de assistência médica reembolsam parte ou totalidade das despesas com médicos e a maior parte dos declarantes acaba esquecendo de lançar a totalidade das despesas, pois enviam os recibos ou notas fiscais para a operadora e acabam não tendo todos os detalhes para declarar”, alerta Veras.


Previdência (Foto: G1)

Se o contribuinte tiver um plano de previdência privada PGBL, a Receita permite a dedução de até 12% dos rendimentos tributáveis.

 


autônomo (Foto: G1)

O contribuinte que é autônomo não deve esquecer de informar, além dos seus rendimentos, as despesas inerentes as suas atividades, como aluguel, telefone, água, luz, manutenção, salários de empregados e encargos sociais, por exemplo. O total das despesas lançadas deduzirão a base para calculo do imposto a pagar.


Doação (Foto: G1)

A doação pode ser uma forma para aumentar a restituição, mas só para o contribuinte que fez no ano passado e vai entregar, neste ano, o modelo completo de declaração. O limite é de 6% do Imposto de Renda devido e a dedução vale para doações feitas a fundos de direitos da criança e do adolescente e os patrocínios a projetos enquadrados como incentivo a atividades culturais, artísticas e incentivos a atividades audiovisuais.


inss de doméstico (Foto: G1)

Se o contribuinte tiver empregada doméstica, é possível lançar os valores pagos ao INSS. O limite neste ano é de R$ 1.152,88. O valor pode ser abatido diretamente do valor do imposto a pagar. Outra dica para quem tem duas empregadas é fazer o registro em nome de cada cônjuge, assim poderá ser abatido o valor em cada declaração.


pai e mãe (Foto: G1)

Declarar pai, mãe ou ambos como dependentes permite abater as despesas com assistência médica. No entanto, o contribuinte deve ficar atento ao fato de que os rendimentos deles serão somados em sua declaração e poderá aumentar a sua faixa de tributação. Dessa forma, a dica dos especialistas é que o contribuinte avalie se a soma dos abatimentos é superior ao imposto gerado por conta do acréscimos aos seus rendimentos.


Dentista (Foto: G1)

Se o contribuinte ou seus dependentes realizaram tratamento que incluiu a colocação de dentaduras, coroas ou pontes (que são consideradas próteses dentárias), os gastos poderão ser deduzidos em sua declaração, desde que tenha nota fiscal ou recibo, emitidos por dentista ou clínica dentária.


educação (Foto: G1)

Se o contribuinte teve gastos relativos a educação no ano passado – sua ou de seus dependentes – deve informar para conseguir um abatimento em sua declaração. Nas despesas com educação (ensino infantil, fundamental, médio, técnico e superior, o que engloba graduação e pós-graduação), o limite individual de dedução é de até R$ 3.375,83 na declaração de IR deste ano.


declaração conjunta (Foto: G1)

A declaração em conjunto pode ser interessante quando um dos cônjuges têm imposto a pagar e o outro, valores a deduzir, segundo Vanildo Veras, um dos consultores.

Se o casal optar pela declaração em separado, o benefício com limites de isenção vale para cada declaração. No entanto, é preciso considerar o fato de que, ao declarar em conjunto, a somatória dos rendimentos pode alcançar uma faixa de tributação maior.

“A melhor forma de definir é avaliar estas situações. É possível fazer a simulação da declaração de cada um em separado e depois em conjunto. Desta forma, os resultados poderão ser comparados e o contribuinte escolhe o que for melhor.”

(Anay Cury, G1 Economia)

204 mil pessoas devem passar pelo aeroporto de Fortaleza no carnaval

No período de 12 a 23 de fevereiro, são esperados 204 mil embarques e desembarques no Aeroporto Internacional Pinto Mrtins, em Fortaleza, segundo a Infraero. Esse número representa um aumento de 16,8% em relação ao Carnaval de 2014, quando foram registrados 174,6 mil embarques e desembarques. De acordo com a Infraero, o maior movimento deverá ser registrado nesta sexta-feira (13).

Nos 60 aeroportos administrados pela Infraero, devem ocorrer 3,6 milhões de embarques e desembarques, aumento de 6,2% em relação ao carnaval de 2014, quando foi registrada movimentação de 3.452.683  passageiros. Apenas nesta sexta-feira, estão previstos 800 mil embarques e desembarques.

Os aeroportos de Fortaleza, Congonhas, Santos Dumont, Porto Alegre, Curitiba, Salvador, Recife, Cuiabá e Manaus contam com o sistema Infraero Atende para auxiliar, com maior agilidade e praticidade, os usuários que precisarem recorrer ao Balcão de Informações dos terminais. Com o serviço, um passageiro que estiver se deslocando de um aeroporto para outro, por exemplo, poderá obter diversas informações sobre o aeroporto de destino, como os serviços disponíveis (lanchonetes, lojas, órgãos públicos etc.), incluindo seus arredores, antes mesmo de embarcar.

Além disso, os balcões seguem distribuindo o Guia do Passageiro, a publicação que traz informações atualizadas sobre os direitos dos viajantes e outras informações de interesse, baseadas nas normas que regem o setor aéreo. O Guia está disponível, também, em formato digital nas páginas da Infraero e está disponível para download em português, em inglês e em espanhol.

Aplicativo
A Infraero está disponibilizando consulta a informações sobre os aeroportos por meio doInfraero Aeroperto. O aplicativo reconhece qual o aeroporto em que o usuário está e permite que ele tenha acesso, de forma gratuita, às avaliações e dicas de atrações nas proximidades do aeroporto (em um raio de 20 quilômetros). O usuário pode informar os dados de seu voo e o aplicativo enviará atualizações com dicas e alertas sobre o check-in e o embarque. O Aeroperto é gratuito e está disponível para smartphones e tablets com os sistemas iOS e Android.

(G1 Ceará)

Estudo do Itaú aponta ‘explosão financeira’ do Palmeiras em 2015

Estudo do Itaú BBA, o banco de investimentos do grupo Itaú, prevê um crescimento conjunto modesto nos gastos dos clubes brasileiros em 2015, bem abaixo até da inflação oficial projetada para o país no ano, que deve se aproximar dos 7%. Mas não no caso do Palmeiras, que já contratou 19 reforços para a temporada.

Segundo o levantamento, os 12 clubes mais tradicionais do país vão gastar em 2015, na média, R$ 185,6 milhões cada um, um leve aumento de 3,1% em relação a 2015.

Já o Palmeiras, do presidente Paulo Nobre, vai aumentar suas despesas em 16,4%, chegando aos R$ 256 milhões, ou R$ 36 milhões a mais do que em 2014. O time também vai ter um crescimento expressivo nas receitas, segundo o Itaú BBA. Serão R$ 37 milhões a mais, o que significa que sobrará bem pouco para o pagamento de dívidas.

Com esse cenário, o banco de investimentos coloca o Palmeiras ao lado de Corinthians, Atlético-MG e Botafogo no grupo que precisam de um “forte ajuste na estrutura de custos”.

Depois do Palmeiras, o clube que mais vai aumentar suas despesas em 2015, sempre segundo o Itaú BBA, é o Flamengo, com um crescimento de 15%. Mas, no caso do clube carioca, a previsão é que as despesas representem 75% das receitas, enquanto no caso palmeirense esse proporção fica em 93%.

Os outros integrantes do Trio de Ferro paulistano ficam longe do Palmeiras no aumento das despesas. No caso do Corinthians, o número ficará em 6,1%, enquanto no do São Paulo elas irão até diminuir, em 2%.

http://www.oolho.com.br

Itaú paga PLR cheia somente na folha do dia 27 com diferença de PCR

O Itaú anunciou na manhã desta terça-feira (10) para a Contraf-CUT que vai pagar a segunda parte da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) somente na folha do próximo dia 27. O banco também vai creditar uma diferença de R$ 100 da Participação Complementar de Resultados (PCR).

“Apesar de ter obtido mais um lucro bilionário, fruto do empenho e dedicação dos funcionários, o banco não aceitou a proposta que enviamos por ofício no último dia 3, quando foi publicado o balanço, de antecipar o pagamento o mais breve possível, frustrando assim a grande expectativa de que o crédito fosse efetuado antes do carnaval”, critica o presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro.

Com o lucro líquido recorrente de R$ 20,6 bilhões em 2014, o que representa um crescimento de 25,9% em relação a 2013, o Itaú efetuará o pagamento da PLR cheia, equivalente a 2,2 salários, limitado a R$ 21.691,82, descontados os valores antecipados na antecipação feita em outubro do ano passado.

Além disso, será paga a parcela adicional da PLR, correspondente à distribuição de 2,2% do lucro líquido entre todos os trabalhadores, no teto de R$ 3.675,98, também descontando o que foi adiantado em 2014.

“A PLR e o PCR não são benefícios, mas importantes conquistas das negociações e das mobilizações das entidades sindicais”, salienta Cordeiro.

Veja como será feito o pagamento da PLR no Itaú:

Regra básica – 2,2 salários, com teto de R$ 21.691,82.

Haverá o desconto da antecipação realizada, que foi de 54% do salário mais o valor fixo de R$ 1.102,79, limitado a R$ 5.915,95.

Parcela adicional – R$ 3.675,98.

Haverá o desconto da antecipação realizada, que foi de R$ 1.837,99.

PCR

O Itaú vai pagar também uma diferença de R$ 100 de PCR.

O acordo coletivo assinado com o banco em 2013, com validade de dois anos, garantiu um valor mínimo de R$ 2.080 de PCR em 2014, creditado em outubro do ano passado.

Ocorre que o retorno sobre patrimônio líquido (ROE) foi superior a 23%, atingindo 24,7%. Com isso, conforme o acordo, a PCR passa a ser de R$ 2.180, fazendo com que cada funcionário receba uma diferença de R$ 100.

A PCR não sofre desconto da PLR.

Fonte: Contraf-CUT

Fortaleza recebe neste mês de fevereiro os primeiros cruzeiros do ano

Ligia Duarte, CearáNews7

Nos próximos dias 22 e 23 de fevereiro, Fortaleza vai receber os primeiros cruzeiros do ano. O primeiro navio será o Silver Shadow, com capacidade de 382 passageiros, que vai atracar no terminal do Porto do Mucuripe, já o navio do dia seguinte terá 1.258 cruzeiristas que também passarão por Fortaleza.

Até o fim de 2015, a previsão é de que a capital cearense receba, pelo menos, 10 navios, com um total de 15.941 passageiros.

A Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria de Turismo (Setfor), realiza ações no terminal de passageiros do Porto para recepcionar os turistas. Durante a chegada, os visitantes recebem brindes, informações de pontos turísticos, endereços das Casas do Turista, além de dicas de restaurantes e praias.

Para o secretário de Turismo, Elpídio Nogueira, a iniciativa da Prefeitura de Fortaleza em dar boas vindas aos cruzeiristas é mais uma forma de fidelizar e influenciar para um futuro retorno. “É uma oportunidade de mostrarmos nossa preocupação e hospitalidade. Esses turistas vêm, passam um dia aqui, quando se sentem acolhidos retornam com toda a família para passarem mais dias”, explicou.

Na temporada 2013/2014, em toda a costa brasileira, a movimentação foi de 596.532 cruzeiristas, sendo 81% de brasileiros (483.191) e 19% estrangeiros (113.341). O setor movimentou cerca de R$ 1,15 bilhão e gerou 15.465 postos de trabalho na economia brasileira. Desse total, R$ 455 milhões foram gerados por gastos dos passageiros e tripulantes nas cidades e portos de embarque/desembarque e de trânsito.

Os cruzeiros marítimos, além de aumentar o fluxo de turistas nas cidades, movimentam a economia local e do entorno, geram empregos e ainda promovem o destino tanto no país, quanto internacionalmente. “O marketing boca a boca é o melhor. Se o turista é bem tratado, ele indica a cidade e volta com família e amigos. Tem navios que chegam com mais de 4 mil passageiros. Imagina o quanto de empregos e renda eles geram para os fortalezenses”, destacou o secretário.

*Com informações da Prefeitura de Fortaleza.

Alexandre Abreu é o novo presidente do Banco do Brasil

O vice-presidente de Negócios de Varejo do Banco do Brasil, Alexandre Corrêa Abreu, está assumindo o comando da maior instituição financeira do país em substituição a Aldemir Bendine – que foi nomeado presidente da Petrobras. A informação foi divulgada pelo Banco do Brasil em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Alexandre Corrêa Abreu, 49 anos, mineiro de Aimorés, entrou no Banco do Brasil há quase 30 anos como escriturário da instituição e atuou, no início da carreira, em Minas Gerais e em Campo Grande. Posteriormente, mudou-se para São Paulo e assumiu cargos como gerente de agência e superintendente regional. Seu pai também trabalhou Banco do Brasil.

O executivo graduou-se em Administração de Empresas pela Faculdade São Luís. Ele possui MBA em marketing na PUC (RJ) e formação geral na USP (SP).

Ele também é presidente do Conselho de Administração da BB Seguridade Participações SA e vice-presidente da Cielo.

Dono de currículo extenso, Abreu atuou, ainda, como membro do Conselho de Administração do Banco Nossa Caixa, de janeiro a novembro de 2009, da Mapfre Nossa Caixa Vida e Previdencia, de março a julho de 2009, da Brasilprev Seguros e Previdência, de setembro de 2008 a março de 2009, da Companhia de Seguros Aliança do Brasil, de setembro 2008 a março de 2009, e da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Credito e Serviços (Abecs), de dezembro de 2006 a setembro de 2008, entre outros.

Já exerceu as funções de gerente geral, gerente de divisão e gerente regional na Superintendência de São Paulo. Na Direção Geral, foi gerente-executivo na Unidade de Internet e na Diretoria de Varejo. Exerceu os cargos de diretor de Cartões e de diretor de Seguros, Previdência e Capitalização.

Corrêa Abreu também já trabalhou como vice-presidente do Banco da Patagônia, adquirido pelo BB em 2010, como presidente da Câmara Interbancária de Pagamentos, como vice-presidente da BB Seguros e Participações.

O novo presidente do Banco do Brasil é membro do Conselho Consultivo do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que busca prestar garantia de créditos contra instituições financeiras associadas, nas situações intervenção e liquidação extrajudicial, por exemplo. Ele também é integrante da diretoria-executiva da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

(G1 Economia)

BNB sobe 21 posições no ranking dos bancos mais valiosos do mundo

A marca do Banco do Nordeste foi valorizada em 16% no último ano, alcançando o valor de US$ 333 milhões, segundo relatório anual da consultoria britânica Brand Finance, em parceria com a revista ‘The Banker’. O “Global 500 Banking Brands Index”, é um ranking que contempla as marcas de bancos de capital aberto mais valiosas do mundo. O Banco do Nordeste ocupa agora a 314ª posição, subindo 21 posições em relação ao ano anterior.

Este é o sétimo ano consecutivo em que o Banco do Nordeste aparece no ranking. No primeiro ano (2009), ele ocupava a 455ª posição. O número é calculado a partir da média ponderada de indicadores como produtos e serviços, canais de distribuição, marketing e corporação, atributos corporativos e pós-venda.

Para o presidente do Banco, Nelson Antônio de Souza, fatores como o aumento da base de clientes, o investimento na expansão da rede de agências e do quadro funcional do Banco do Nordeste, bem como de suas operações de crédito na indução ao desenvolvimento regional, explicam a crescente valorização de sua marca. No período de 2012 a 2014, o Banco abriu 103 novas unidades, o que representa um incremento de 55% no total de agências.

Nelson também ressalta a implementação de melhorias no processo de crédito e a revisão do modelo de governança corporativa, além dos altos investimentos na modernização do parque tecnológico e outras iniciativas que contribuíram para maior satisfação do  cliente.

Entre outras ações implementadas em 2014, destacam-se ainda o lançamento do novo portal da internet do Banco do Nordeste e o Programa de Excelência no Atendimento, que inclui, em seu pontos de melhoria, o “Dialogando com o Cliente”. Por meio dessa iniciativa, grupos de clientes em cada estado da área de atuação do Banco participam de encontros semestrais para discutir e avaliar a qualidade do atendimento, subsidiar a criação e aperfeiçoamento de processos, produtos e serviços e informar-se sobre expectativas em relação à atuação da empresa como órgão de desenvolvimento regional.

Redação O POVO Online

Justiça recebe denúncia contra ex-administradores do Grupo Oboé

O juiz Cláudio de Paula Pessoa, titular da 2ª Vara de Recuperação de Empresas e Falências da Comarca de Fortaleza, recebeu denúncia contra nove ex-administradores e profissionais ligados ao Grupo Oboé. Eles são acusados de envolvimento em crime falimentar de fraude a credores.

O Ministério Público do Ceará (MP/CE) denunciou, ao todo, 12 pessoas, pela prática de criação de ativos fictícios, contabilidade paralela, desvio de recursos, entre outros. O magistrado, no entanto, considerou haver indícios da autoria de apenas nove deles.

A denúncia foi apresentada contra José Newton Lopes de Freitas, ex-controlador do grupo; José Itamar de Vasconcelos Júnior, ex-administrador da Oboé Crédito Financiamento e Investimento S.A.; Joeb Barbosa Guimarães de Vasconcelos, ex-administrador da Oboé Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.; Cícero Adalberto de Paula Viana, João Gualberto Moreira de Queiroz e José Alberto de Melo Maynard, ex-administradores da Oboé Tecnologia e Serviços Financeiros S.A.

O juiz recebeu ainda denúncia contra Simone Oliveira de Lopes de Freitas, ex-esposa de José Newton Lopes de Freitas, e contra os contadores José Vicente de Assis e Ezenete Alves Monteiro.

Ao analisar o caso (nº 0920479-56.2014.8.06.0001/0), o juiz disse que “observa-se da peça acusatória que há elementos que demonstram a materialidade dos delitos tipificados pela Lei 11.101/05, notadamente, ante a documentação contábil-financeira acostada na mencionada peça, bem como perícia contábil, relatório apresentado pela Comissão de Inquérito do Banco Central e o relatório circunstanciado apresentado pela Administradora Judicial”.

O magistrado determinou ainda que os réus sejam citados para apresentarem defesa. A decisão foi proferida no último dia 12.

* Com informações do TJ/CE

Promessa de Cid Gomes, Petrobras cancela projeto da Refinaria do Ceará

Petrobras não dá mais detalhes sobre os dois empreendimentos Premium – KLEBER A. GONÇALVES

O projeto da Refinaria Premium II, no Ceará, teve seu futuro investimento descontinuado pela Petrobras. O anúncio veio por meio do balanço do terceiro trimestre divulgado na madrugada desta quarta-feira (28). Prometido pelo ex-governador Cid Gomes e confirmado pelo ex-presidente Lula durante discurso no próprio estado em 2008, o projeto foi anunciado como uma redenção para a economia local, mas não vai sair do papel.

Na época, o governo do Estado, então chefiado por Cid, havia investido pelo menos R$ 600 milhões para viabilizar o projeto. O Porto do Pecém, na Região Metropolitana de Fortaleza, recebeu investimentos, a água foi garantida, uma comunidade indígena seria reassentada, uma rodovia foi construída e um terreno de dois mil hectares foi comprado.

Para confirmar o sonho, o então presidente Lula até voltou ao Ceará no fim de seu mandato, em 2010, para lançar o que seria a pedra fundamental, mas depois de sete anos de espera, a Petrobras anunciou a descontinuidade do projeto da refinaria. A suspensão é resultado do cenário econômico e, também, da crise de recursos e de corrupção que assola a estatal.

Prejuízos

A descontinuidade do projeto é uma péssima notícia para a economia local. Principalmente para o setor industrial, provavelmente a área da economia que mais seria beneficiada com a refinaria. Prejuízos também para a educação, pois um curso de Engenharia de Petróleo foi criado no Ceará após o anúncio da Premium II. A primeira turma se forma neste ano.

(Tribuna do Ceará)

Petrobras faz nova descoberta de petróleo em Aracati e Icapuí, no Ceará

A Petrobras descobriu novos indícios de petróleo em concessão que possui no território cearense. A notificação foi feita no último dia 19, à Agência Nacional de Petróleo (ANP) e trata-se de uma descoberta na Fazenda Belém, campo terrestre que se espalha pelos municípios de Icapuí, Aracati e Jaguaruana.

A Fazenda Belém se localiza na Bacia Potiguar, que abrange campos no Rio Grande do Norte e Ceará. De acordo com informações da ANP, a descoberta foi feita no poço denominado 3BRSA1277CE. Essa é a segunda notificação de descoberta no mesmo poço em dois meses.

Um pouco antes disso, em outubro, a estatal notificou a agência de outra descoberta no poço 3BRSA1275CE, também na Fazenda Belém. Antes destas, a última descoberta de indícios de óleo no Ceará foi em setembro de 2013, em poço marítimo também na Bacia Potiguar, a uma profundidade de 1.924 metros.

Campo maduro

As descobertas na Fazenda Belém podem ajudar a recuperar a produção no campo, que já sofreu redução de 45%, do volume explorado entre os anos de 2009 e 2013. Por já ser uma área de exploração madura, de vários anos, a queda é considerada normal. Entretanto, a Petrobras está buscando recuperar a produção na área, com um projeto iniciado em março do ano passado, que prevê a perfuração de 72 novos poços no campo .

Além de elevar a produção e o fator de recuperação, a petrolífera pretende agregar reservas com essas novas perfurações. O volume de petróleo recuperado na Fazenda Belém voltou a crescer em outubro do ano passado e, de janeiro até novembro, já acumulava incremento de 4,9% sobre o mesmo período de 2013.

Caso o mês de dezembro tenha mantido bons resultados – os dados ainda não foram divulgados pela ANP -, o campo reverterá a tendência de declínio, mas ainda estará distante dos volumes registrados em 2003, quando foram produzidos 996,7 mil barris de petróleo. Nos nove primeiros meses do ano passado, a produção terrestre foi de 369,7 mil barris.

Novos poços

A estatal também havia informado, em 2013, que estava analisando um projeto para perfuração de cerca de mil novos poços no local, até este ano, o que quase triplicaria a produção de petróleo, em terra da empresa, no campo exploratório. A Petrobras, no entanto, não voltou maia a falar sobre este plano.

O campo de Fazenda Belém foi descoberto em março de 1980 e teve sua exploração concedida à Petrobras em 1998. O Ceará terminou o ano de 2013 com 317 poços terrestres, de acordo com dados do Anuário Estatístico 2014 da ANP.

A produção terrestre, contudo, só representa 15% do petróleo extraído atualmente no Estado. Todo o restante é produzido em quatro campos marítimos no litoral de Paracuru, na Bacia petrolífera do Ceará.

(Redepetro)

Bancos lucraram R$ 44 bilhões, mas demitiram 5 mil empregados em 2014

Os dados fazem parte do levantamento do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que observa o número de contratações e demissões. Lúcio lembra que a Caixa Econômica Federal, a única instituição do setor a contratar, abriu 2.600 novos postos, contribuindo para amenizar as perdas.

O comentarista explicita a contradição ao lembrar que, apenas entre janeiro e setembro de 2014, os cinco maiores bancos do país tiveram lucro de R$ 44 bilhões.

Também houve queda na remuneração dos trabalhadores do setor, na comparação entre os que saem e os que entram. No ano passado, a média salarial dos contratados foi de R$ 3.370,00, que representa 63% do rendimento médio do trabalhador desligado, que foi de R$ 5.330,00, valor que agrega benefícios definidos em convenção coletiva e demonstra a importância “do papel que o sindicato desempenha na regulação das condições de trabalho e de salário”, assinala o diretor do Dieese.

A retração nos postos de trabalho, segundo Clemente, deve-se ao movimento de fusões entre instituições bancárias e à introdução de novas tecnologias, que poupam mão de obra.

Fonte: Rede Brasil Atual

‘Sr. Dinheiro’ ministra palestra nesta terça-feira (27) em Fortaleza

O professor Luís Carlos Ewald, o “Sr. Dinheiro”, ministra palestra nesta terça-feira (27), no auditório da MRH Gestão, a partir das 18h30.  Luís Carlos Ewald é conhecido nacionalmente por participar dos programas “Fantástico” e “Mais Você”, da Rede Globo. As vagas são limitadas e o acesso é grátis.

Luis Carlos Ewald é economista e engenheiro, com pós-graduação em Mercado de Capitais pela Fundação Getúlio Vargas (FGV/RJ), onde leciona Finanças nos cursos de MBA. O “Sr. Dinheiro” vem a Fortaleza para falar sobre  “novos cenários para a economia familiar”.

Controlar despesas
Para organizar as despesas de casa diante dos aumentos recentes, uma dica do professor é anotar todas as despesas para ver o que é supérfluo e o que não é, e tratar de gastar menos do que se ganha. “Se você gasta muito com cafezinho em padaria, por exemplo, tem que anotar esse custo também, para saber por onde seu dinheiro está escapando”, complementa.

Serviço:
Informações sobre a palestra pelo telefone (85) 3025.9770

(G1 Ceará)

Crise financeira compromete Carnaval no Interior do Ceará

Arrochos nas finanças municipais deverão influenciar diretamente na decisão de prefeitos em todo o Ceará que planejam realizar festejos de Carnaval neste ano. Levantamento feito pelo O POVO aponta cancelamentos em três municípios:Piquet Carneiro, Catarina e Iguatu. Outros estudam parcerias com iniciativas privadas ou redução de estruturas. Diminuição dos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), além do alerta de mais um ano de seca, deverão obrigar gestores a abrir mão de promover os eventos.

 

Na última terça-feira, 13, o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) enviou aos 184 gestores cearenses uma orientação para que não priorizem gastos com despesas na promoção destes festejos.

O TCM considera os gastos com Carnaval “não prioritários”, já que agora todas as prefeituras terão que cumprir as metas de pagar o novo piso salarial de professores (R$ 1.917,78) e o salário mínimo (R$ 788,00), além de estar atentos ao alerta da iminência de mais um ano de estiagem.

“Os gestores são os que sabem melhor da vida de seus municípios, mas onde existe uma tradição de Carnaval nós respeitamos que se promova, até pelas receitas que são geradas para estas cidades. Contudo, aqueles que enfrentam dificuldade em folha de pagamento não há por quê promover o evento”, explicou o presidente da Aprece e prefeito de Piquet Carneiro, Expedito Nascimento (PSD).

Depois da orientação do Tribunal de Contas, diversos municípios cearenses já estudam manobras para a promoção do evento. Alguns deles deverão optar por estruturas menores; outros veem como saída realizar parcerias com setores privados, ou ainda abrir mão de realizar as festividades.

De acordo com o TCM, mesmo aqueles municípios que não se enquadram em situações preocupantes, principalmente com folha de pessoal, os prefeitos deverão “agir com prudência e razoabilidade, de modo a evitar o desperdício de recursos e o desequilíbrio das contas públicas”.

“Temos que apertar o cinto. A situação em nossos municípios está difícil, e exige de nós mudanças urgentes”, defendeu o prefeito de Iguatu, Aderilo Alcântara (PRB). Em 2014, 62 cidades cearenses não realizaram Carnaval; 24 delas desistiram dos gastos. À época, diversos municípios estavam em estado de calamidade pública, em decorrência da estiagem que assolava boa parte do Estado.

 

SERVIÇO

 

Tribunal de Contas dos Municípios – TCM

Onde: Av. General Afonso Albuquerque Lima, 130 – Cambeba

Telefone: (85) 3218-1305

Saiba mais

Em algumas cidades, como O POVO mostrou na edição da última terça-feira, cortes com servidores comissionados chegaram a 90%. É o caso de Iguatu.

Recentemente, a presidente Dilma Rousseff (PT) e governador Camilo Santana (PT) anunciaram cortes em pastas. Em algumas áreas, reduções chegam a 25%.

No último ano, municípios em crise, juntos, gastaram o montante de R$ 11,7 milhões com as fetas de Carnaval, principalmente para a contratação de grandes bandas.  

Ainda em 2014, uma ordem judicial chegou a cancelar grandes shows em Santa Quitéria. Previsão de gastos chegava a R$400 mil. Ontem, O POVO procurou o prefeito para falar sobre a realização dos festejos deste ano, mas o gestor municipal não foi localizado.

(Erivelton Melo, O Povo)

Aumenta participação de mercado dos grandes bancos

Jornal GGN – Aumentou a concentração do sistema bancário brasileiro nos últimos oito anos. De acordo com o Banco Central, os quatro maiores bancos do país possuem hoje 71% do mercado de crédito. O índice de concentração ainda é considerado moderado pela instituição, mas já se aproxima do nível elevado.

Na avaliação do BC, isso não afeta a competição no setor bancário. Pelo contrário, a instituição considera que o crescimento da fatia de mercado dos grandes reflete o aumento da disputa. “Tal concentração se deu num ambiente de inédita expansão do crédito bancário, redução dos custos dos serviços financeiros e ampliação do prazo médio da carteira de crédito”.

Com fusões e fechamentos, quatro maiores bancos têm 71% do crédito

Por Eduardo Cucolo

Da Folha de S. Paulo

O fortalecimento dos bancos públicos, fusões e o fechamento de instituições de médio porte levaram a um aumento da concentração do sistema bancário nos últimos oito anos no Brasil.

Isso pode ser visto em relação aos três principais indicadores utilizados por entidades brasileiras e internacionais de defesa da concorrência: operações de crédito, depósitos e ativos totais.

Segundo o BC, em junho de 2006, os indicadores estavam próximos à linha que separa a baixa concentração e o nível considerado moderado.

Em junho de 2014, depósitos e crédito se encontravam próximos ao limite que separa a concentração moderada da elevada. O índice internacional IHH (os “H” representam as iniciais dos criadores do indicador), nesses casos, está pouco acima de 0,16, em escala em que a concentração moderada vai de 0,10 a 0,18.

Outro levantamento do BC mostra que, antes da crise de 2008, a participação dos quatro maiores bancos (de um total de 129) nesses três indicadores estava pouco acima de 50% do mercado. Em 2013, estava em torno de 70% (eram 133 bancos), sem alteração em 2014 (eram 132 instituições).

No período se destacaram eventos como o avanço dos bancos públicos pelo aumento de operações de crédito e via compra de parcelas de instituições privadas (como Pan-Americano e Votorantim).

Outro fator foi a fusão entre Itaú e Unibanco, o que permitiu à Caixa entrar no grupo dos quatro maiores.

Também houve a saída do mercado de várias instituições de médio porte, por problemas financeiros ou por desistência de atuar no país.

MAIS DISPUTA

Na avaliação do BC, o aumento de concentração não afetou a competição no setor bancário. Ao contrário. A instituição considera que o crescimento da fatia de mercado dos grandes bancos reflete justamente o aumento da disputa entre essas instituições.

Para o governo, o sistema financeiro nacional é descrito como um ambiente de “competição monopolística”.

O BC diz, porém, que o grau de competição era maior no período 2004-2007, quando o avanço no crédito se dava via bancos privados.

A partir de 2008, houve ligeira redução na concorrência, mas que se mantém acima do que era visto até meados da década passada.

“Tal concentração se deu num ambiente de inédita expansão do crédito bancário, redução dos custos dos serviços financeiros e ampliação do prazo médio da carteira de crédito”, afirma o BC.

Luis Miguel Santacreu, analista do setor financeiro da Austin Rating, afirma que a concentração no sistema financeiro vai além dos serviços bancários, pois a maior parte desses grupos oferece ainda produtos como seguros e cartões de crédito.

Ele afirma que os bancos que estão entrando hoje no país, como alguns asiáticos, vão atuar em áreas específicas, como crédito para exportação ou investimentos. Para o grande público, o segmento de varejo, a oferta continuará limitada a seis grupos: Itaú-Unibanco, BB, Caixa, Bradesco, Santander e HSBC.

“O governo tem tentado incentivar a concorrência, com medidas como portabilidade de crédito e redução de spreads’ dos bancos públicos, mas existe uma concentração que limita esse efeito de queda de juros”, diz Santacreu.

O economista afirma ainda que as novas exigências de capital para aumentar a solidez do sistema bancário estão levando muitas instituições estrangeiras a reduzir sua atuação ou sair de alguns países, inclusive do Brasil.

MISÉRIA CRESCEU MAIS EM SÃO PAULO QUE NO NORDESTE

247 – Em 2013, ano em que a miséria parou de cair no Brasil pela primeira vez desde 2003, primeiro ano do governo Lula, a maior contribuição para a estagnação da queda veio de São Paulo, Estado mais rico e populoso da Federação. A conclusão é de estudo feito a pedido da Folha por pesquisadores associados ao Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade(Iets) com base nas informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios(Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o levantamento, apareceram em 2013 no Brasil mais 834 mil pessoas extremamente pobres. Dessas, 125 mil viviam em São Paulo, cerca de 15%. Em nenhum outro Estado, mesmo na Região Nordeste, a mais pobre, o aumento do número de miseráveis foi maior naquele ano. Em segundo lugar está o Maranhão e em terceiro, o Pará. O Nordeste, no entanto, ainda é a região com maior número de miseráveis, 3,6 milhões, mais da metade do total de pessoas extremamente pobres do país.

Três estados nordestinos, Bahia, Piauí e Rio Grande do Norte, estão entre os que menos contribuíram para a evolução da miséria em 2013, segundo o estudo. Na Bahia, o número de miseráveis diminuiu. Além dela, só o Distrito Federal teve também decréscimo.

O estudo indica uma piora generalizada no acesso da população extremamente pobre ao mercado de trabalho e a deterioração da qualidade dos postos de trabalho. Mas mostra que a escolaridade dos miseráveis melhorando e o analfabetismo diminuindo, ainda que num ritmo mais lento.

A Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo não quis comentar as conclusões do levantamento. Para o Ministério do Desenvolvimento Social, houve apenas “uma flutuação estatística”, e que a miséria é menor do que sugerem algumas interpretações.

Pelo Iets, 6% dos brasileiros eram extremamente pobres em 2013. Para o ministério, a taxa cai para 3% se forem descontadas da amostra pessoas que se declararam sem renda e os que não têm perfil de miseráveis, pelo nível de educação e pelo acesso a bens e serviços.

(Brasil 247)

 

Fortaleza tem o terceiro pior IDHM do País entre 16 regiões metropolitanas

Fortaleza-CE

O Atlas do Desenvolvimento Humano nas Regiões Metropolitanas Brasileiras, lançado nesta terça-feira (25), mostra que Fortaleza tem o terceiro pior Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) entre as 16 regiões metropolitanas do Brasil. Com um IDHM de 0,732 em 2010, a capital cearense está a frente apenas de Belém, com 0,729, e Manaus, com 0,720. Os melhores índices foram os de São Paulo, com 0,812, Distrito Federal e entorno, com 0,826, e Curitiba, com 0,803.

Apesar de estar situada na linha mais baixa do ranking, Fortaleza passou de IDHM médio para alto. Em 2000 o índice era de 0,622. Na capital cearense há enormes desigualdades entre os bairros. Enquanto alguns apresentam renda per capita média mensal de R$ 4.958,00, outros mão chega a R$ 187,00.

De acordo com o Atlas, entre 2000 e 2010, as disparidades nas outras 15 regiões metropolitanas analisadas também diminuíram e todas se encontram na faixa de alto desenvolvimento humano. A análise leva em conta o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM).

 

O Atlas, divulgado nesta terça-feira (25), é fruto de parceria entre o Pnud, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro. Além das regiões metropolitanas, foram pesquisadas 9.825 unidades de Desenvolvimento Humano (UDHs), conceito próximo ao de bairros.

 

O representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) no Brasil, Jorge Chediek ressaltou que o Brasil é exemplo de país que tem reduzido a pobreza e a desigualdade com excelentes resultados. “O Brasil era um dos países mais desiguais do mundo. Ainda é um país muito desigual, mas os indicadores têm melhorado muito e há tendência de redução das desigualdades. Recomendamos a continuidade das políticas e um esforço de focalização naquelas áreas e populações que ainda precisam de apoio das políticas públicas e do emprego.”

 

O Atlas considera o país um exemplo bem-sucedido na redução das vulnerabilidades. “Foram adotadas políticas anticíclicas eficientes, políticas públicas ativas de diminuição da desigualdade, de transferência de renda condicionada e de superação da pobreza e da pobreza extrema”, aponta a publicação.

 

Para o ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Marcelo Neri, o Atlas mostra que ainda existem grandes disparidades no Brasil, mas que vêm caindo ao longo do tempo. “O grande salto foi em educação, que nos permite antecipar melhoras futuras”. Em 2000, a diferença entre os números do IDHM das regiões metropolitanas, com os melhores e piores desempenhos para a educação, era 43%. Em 2010, o índice caiu para 15,9%.

 

O IDHM é um número que varia entre 0 e 1: quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento humano de um estado, município, de uma região metropolitana ou UDH. Para calcular o índice geral, três fatores são analisados: a expectativa de vida, a renda per capita e a educação.

(Ceará Agora)

Fortaleza: Quanto mais empresas, melhor o IDH

Os bairros de Fortaleza onde a concentração de empresas é maior são também os de melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Meireles (0,953), Aldeota (0,867) e Dionísio Torres (0,860) são as três melhores localidades quanto ao IDH. Conjunto Palmeiras (0,119), Parque Presidente Vargas (0,135) e Canindezinho (0,136) são os três piores.

Ou seja, no melhor desempenho encontra-se a Regional II e no pior está a Regional V, onde a concentração de empresas é baixa. Outro dado é que 24% dos bairros de Fortaleza possuem IDH abaixo de 0,25 e 76% têm IDH inferior a 0,5. Vale lembrar que quanto mais próximo de 1, melhor o grau de desenvolvimento.

Foram 119 bairros analisados, dos 120 existentes, pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SDE), em que além do IDH também foram considerados componentes como renda, educação e longevidade.

Em relação ao IDH-Renda e ao IDH-Educação, Meireles se destaca, enquanto que o melhor em IDH-Longevidade é o bairro José Bonifácio.

Os piores em cada um dos indicadores ficam com Conjunto Palmeiras (renda), Pedras (educação) e Dendê (longevidade).

IDH-Renda

“A correlação ainda mostra que se eu aumentar em 1% o índice de concentração de empresas, o IDH-Renda aumenta em 0,5%”, explica Paulo Francisco Barbosa, coordenador de Projetos e Desenvolvimento Econômico da SDE, que apresentou a pesquisa Desenvolvimento Humano, por bairro, em Fortaleza, no Paço Municipal. 

Ele diz que Fortaleza se baseará nesses dados para elaborar políticas públicas voltadas para cada uma das localidades analisadas. Como o plano de desenvolvimento urbano em andamento, chamado de Fortaleza 2040, que irá definir novas centralidades para a Cidade.

“As pessoas vão se deslocar menos se os serviços públicos e privados tiverem próximos”, complementa Roberto Cláudio, Prefeito de Fortaleza.

(Beatriz Cavalcante, O Povo)

O blog dos bancários do Ceará