Juiz do TRT-PB manda BB nomear candidato que perdeu vaga devido a cota a negros

Jéssica Nascimento – Do G1 DF

Um candidato ao cargo de escriturário do Banco do Brasil ganhou na Justiça da Paraíba o direito de assumir a vaga após o juíz considerar inconstitucional a lei de cotas raciais. De acordo com o advogado Max Kolbe, que é morador do Distrito Federal e representante do candidato, as reservas de vagas para concursos públicos são “absolutamente desnecessárias”. Cabe recurso à decisão.

O concurso público, realizado em 2014, estabeleceu 11 vagas para ampla concorrência, uma para portadores de necessidades especiais e três para negros. Entretanto, Carlos Delano Brandão, de 40 anos, foi classificado na 15º colocação geral no concurso público. Se não existisse a lei de cotas raciais, ele seria contratado, afirma.

Estudante de concursos públicos desde 2012, o autônomo conta que resolveu procurar o Tribunal Regional de Trabalho por se sentir injustiçado ao ser ”preterido” por candidatos com notas inferiores.

“Os candidatos se beneficiaram por conta do sistema de cotas, que diga-se de passagem, é totalmente injusto, tendo em vista que 99% da população brasileira pode ser considerada parda”, diz o autômomo.

Trecho da sentença assinada pelo Juiz do Trabalho substituto Adriano Mesquita Dantas (Foto: Reprodução)Trecho da sentença assinada pelo Juiz do Trabalho substituto Adriano Mesquita Dantas (Foto: Reprodução)

Em nota, o banco disse que segue a lei e que vai analisar a decisão. “O Banco do Brasil cumpre integralmente a Lei 12.990, que prevê a destinação de parte das vagas de concursos públicos para negros e pardos. Em relação à decisão do TRT da Paraíba, o Banco do Brasil informa que irá analisar a sentença para adotar as medidas judiciais cabíveis.”

Já a inexistência de corte objetivo de cunho social na Lei n.º 12.990/2014 privilegia o negro rico e de classe média em detrimento do negro pobre, quando, na verdade, esse último é que faz jus às políticas públicas de inclusão social. Ou seja, gera benefícios apenas para uma parcela dos negros (ricos e de classe média) que não enfrentaram dificuldades no processo de formação educacional e poderiam concorrer em igualdade de condições com os demais.”
Trecho da decisão

A lei estabelecendo que 20% das vagas em concursos públicos devem ser destinadas a negros foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff em 9 de junho de 2014. A reserva é aplicada sempre que o número de postos de trabalho oferecido for igual ou superior a três.

Para o advogado de Brandão, estabelecer cotas raciais para concursos públicos, além de fazer distinção entre brasileiros, prejudica os candidatos, pois trata os “iguais de forma desigual”. Segundo ele, o acesso ao cargo ou emprego público depende de conhecimentos prévios que vão além dos estabelecidos na grade curricular do ensino brasileiro.

“Qualquer candidato apto a ingressar no cargo ou emprego público estaria, ao menos em tese, em igualdade de condições nesta competição. Assim, estabelecer privilégios, com exceção da a portadores de necessidades especiais, é ofender, por critérios não objetivos, a isonomia entre os candidatos e o princípio da meritocracia, sendo que este último princípio visa selecionar os melhores candidatos para prestarem o serviço público a toda à população”, declarou.

Brandão diz que é favor de cotas por questões sociais, não por cor da pele, e apenas para graduações. Ele acredita que para concursos públicos deve-se escolher os mais bem preparados. “Estudo muito, a minha rotina é dividida entre família, estudos e alguns trabalhos autônomos.”

Em um trecho da sentença, a que o G1 teve acesso, o juiz do Trabalho substituto Adriano Mesquita Dantas declarou que o “provimento de cargos e empregos públicos mediante concurso não representa política pública para promoção da igualdade, inclusão social ou mesmo distribuição de renda”.

(Colaboraram Lucas Nanini e Alexandre Bastos, do G1 DF)

Em reunião frustrante, Contraf-CUT pede suspensão da reestruturação do BB

Aconteceu na quarta-feira (20), em Brasília, uma nova reunião entre a Contraf-CUT assessorada pela Comissão de Empresa dos Funcionários do BB e o Banco do Brasil, para tratar do processo de reestruturação na VISIN (Vice-Presidência de Serviços, Infraestrutura e Operações), que envolve as áreas de logística, operações e plataforma do PSO e setor dos caixas das agências.

Os representantes dos funcionários apresentaram ao banco o quadro percebido nos locais de trabalho, onde há falta de informação, informações incorretas e dados inconsistentes nos próprios sistemas do banco.

Foi cobrado do BB, mais uma vez, uma planilha com o quadro real dos cortes em cada praça que haverá diminuição de cargos. A Comissão de Empresa argumentou que o compromisso do banco não foi cumprido e que até hoje não há informação real de cada cargo que será extinto ou remanejado de cidade.

Suspensão do processo

Os representantes dos funcionários solicitaram ao banco a suspensão do processo de reestruturação na VISIN, considerando-se o grande tumulto causado nos locais, a falta de consistência nos sistemas de concorrências e a falta de comunicação formal aos funcionários dos locais envolvidos.

Prazo insuficiente

O Banco do Brasil ampliou o prazo de início do VCP – verba de caráter pessoal (garantia de manutenção da remuneração por 4 meses) de 25/01 para 15/02 aos funcionários que não forem remanejados de praça ou que tiveram redução de salários. Os representantes dos funcionários consideraram o prazo insuficiente, uma vez que para muitos funcionários a única opção de permanecer com o cargo será o deslocamento de mais de 4 mil quilômetros.

Poucas garantias apresentadas

Dentro das cobranças apresentadas pela Contraf-CUT, de garantias aos funcionários, o BB informou que está agilizando a quebra da trava de concorrência, fará um  curso de capacitação para quem for para a rede de agências, vai garantir a migração na lateralidade de 6 ou 8 horas se houver o cargo no novo prefixo e, ainda, a garantia de extra-quadro como escriturário em agência de preferência do funcionário, analisando ao número de pedidos de cada local, para se evitar um número grande de extra-quadro na mesma dependência.

Plano de Funções complica a reestruturação

Os representantes dos funcionários argumentaram ao banco que poderá ocorrer problemas de migração e realocação mesmo nas cidades que aumentarão o quadro de pessoal, devido ao plano de funções, uma vez que pela regra do Plano de Funções alguns funcionários terão salário reduzido mesmo subindo de cargo.

Pressão e assédio nos locais de trabalho

Foi denunciado ao banco a pressão de alguns gestores para que os funcionários façam opção de migração urgentemente, mesmo antes do prazo estabelecido pelo banco. Muitos gestores estão tentando dar um ritmo próprio e açodado, em alguns casos ameaçando funcionários de rebaixamento de cargos.

Cobrança por mais garantias

A Comissão de Empresa da Contraf-CUT cobrou do BB que seja garantida aos funcionários a mesma remuneração para quem ficar extra-quadro nas agências, a extensão do VCP para 12 meses e adiar o prazo de início do VCP para além da data insuficiente de 15/02.

Apresentação de Planilha e contato com outras áreas

Ficou acordado que o Banco entregará semanalmente à Comissão de Empresa uma planilha com o quadro de vagas e movimentações para que seja feito acompanhamento real. Ficou acertado o dia 26/01 a apresentação do quadro geral de movimentações até aquela data. Ainda, será feito contato com outras áreas que não são da VISIN para desbloqueio de vagas de cargos semelhantes, com o objetivo de melhor realocação dos funcionários que estão perdendo funções.

Para Wagner Nascimento, coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, o pedido mais coerente neste momento é a suspensão do processo: “Nos parece que todos os tratores foram ligados e estão atropelando pessoas e processos. Faltam garantias concretas para os funcionários, como a de manutenção da remuneração em extra-quadro. Se o banco quer mudar tanto os serviços de local, que gaste um pouco mais de dinheiro e dê segurança financeira aos seus funcionários. Uma reestruturação que corta cargos em tantos locais, traz com certeza economia ao banco” afirma.

Segundo ele, é impressionante a falta de conhecimento que diversas áreas do banco têm do plano de funções que imposta aos funcionários anos atrás: “As diretorias fazem reestruturações sem saber que tem gente que sobe de cargo e diminui salário, situação inusitada criada pelo plano de funções. Se a empresa realmente se preocupa com seus funcionários, deve usar um pouco a economia de milhões do plano de funções e manter os salários sem perda nas reestruturações.

Orientações

A Contraf-CUT orienta a todos os sindicatos a continuarem as visitas nos locais envolvidos nos grandes centros e também nas plataformas de PSO, na busca por informações mais detalhadas das movimentações, para que se possa buscar a proteção dos funcionários. Os funcionários devem relatar aos sindicatos os casos de arbitrariedades cometidas para que seja tratado no âmbito administrativo e jurídico se for necessário.

(CONTRAF-CUT)

Banco do Brasil amplia o desmonte

6ac458ab0969cee4d3b57dd1ce554da2_l

O Banco do Brasil anunciou no último dia 7, a ampliação do desmonte em unidades meio sendo, mais uma vez, o Rio de Janeiro uma das praças mais atingidas, com a extinção de cerca de 26 postos de trabalho. As mudanças estão sendo impostas na VISIN (Vice-Presidência de Serviços, Infraestrutura e Operações), com a criação de sete novos centros e centralização de serviços. Esta reestruturação envolve as principais localidades onde já existem os grandes centros de serviços e logística e, praticamente, todos os locais com plataformas PSO.

O banco informou que haverá criação de diversos cargos, mas também necessidade de movimentação de pessoal em várias localidades, sendo que as praças mais atingidas, além do Rio de Janeiro, serão as de Recife, Belo Horizonte, Campo Grande,Florianópolis e Ribeirão Preto. “Mais uma vez o BB faz tudo sem negociação, impondo as mudanças e apenas comunicando depois de tudo pronto, com prazo exíguo para que os funcionários possam se realocar. Para piorar, não há garantias de manutenção da remuneração. Mais uma vez repetimos que a eficiência operacional que a empresa almeja não pode ser paga com a redução salarial dos funcionários”, afirmou Rita Mota, representante da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

Nesta terça-feira, haverá reunião entre representantes do Sindicato e os funcionários no CSL do Andaraí. Para o coordenador da Comissão de Empresa, Wagner Nascimento, é extremamente necessário a dilatação do prazo inicial e que o banco apresente garantias mais concretas de aproveitamento dos funcionários nas localidades onde haverá redução de quadro. “Por isso, solicitamos, na reunião em que o banco comunicou a reestruturação uma nova reunião para avaliação da situação e apresentarmos novos encaminhamentos”, ponderou Wagner.

Além da prorrogação dos prazos, a Comissão e a Contraf-CUT solicitaram ao BB a a apresentação de números mais detalhados de cada praça, a garantia de manutenção de local e remuneração aos funcionários envolvidos, com critério claros nas movimentações e o aproveitamento prioritário nas vagas de ascensão profissional. Foi solicitado que após a rodada de movimentações, caso não haja aproveitamento e realocação total em cada praça, seja implantado VCP de reestruturação com prazo mínimo de 1 ano.

Os representantes dos funcionários também solicitaram uma nova reunião no dia 20 de janeiro para avaliação do processo apresentação da real necessidade de movimentações em cada praça.

(Sindicato dos Bancários do RJ)

TRT condena Banco do Brasil a efetivar os escriturários que atuam no PSO Cuiabá

1392917077

O sindicato dos bancários de Mato Grosso comemora a decisão do Juiz do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT/MT) que determina que o Banco do Brasil efetive todos os escriturários lotados no PSO (Plataforma de Serviços Operacionais em Cuiabá/MT).

O Juiz do Trabalho, Alex Fabiano de Souza, determinou ao BB que no prazo de 15 dias efetive todos os escriturários lotados no PSO Cuiabá, que exercem a função de Caixa Executivo há mais de 90 dias, sob pena de multa no valor de R$ 5.000,00, por empregado prejudicado.

Para o Juiz ficou evidente a violação do princípio da isonomia, uma vez que existem empregados efetivos e “substitutos” em situação idêntica de trabalho, ou seja, trabalhadores prestando os mesmos serviços com as mesmas responsabilidades, porém com tratamento diferenciado pelo banco, ferindo o Art. 461 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e o 5º Art. da Constituição Federal.

Atitude Antissindical do BB

O Juiz também condenou o Banco do Brasil por ato antissindical, na medida em que penalizou os trabalhadores que aderiram à paralisação realizada em 30 de abril em Cuiabá e condenando ao pagamento de multa no valor R$ 60.000.00 por Danos Morais Coletivos.

O Juiz ainda determinou que o banco faça o ressarcimento de todos os valores que não foram pagos no período da greve e também altere a classificação dos substituídos no sistema do banco no 30 de abril de “falta Não justificada e não abonada” para “falta motivada e justificada”.

Para o secretário de assuntos jurídicos do Sindicato, e funcionário do Banco do Brasil (BB), Alex Rodrigues a decisão da Justiça do Trabalho, além de garantir os direitos dos funcionários que atuam como caixas no PSO, reestabelece o cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) de 2013/2014, que o banco descumpriu. “Valeu a nossa luta, determinação e coragem. Não foi fácil, mas juntos fizemos por fazer valer nossos direitos”, comemorou.

Alex ressalta a importância da vitória do jurídico do Sindicato. “A vitória do Sindicato mostra que acertamos, que tomamos as decisões no momento certo e que essa luta será um referência pra os demais sindicatos da nossa Confederação”, completou.

Fonte: Seeb Mato Grosso

Banco do Brasil recorre à Justiça para evitar pagamentos do Plano Collor

O Banco do Brasil informou que ainda vai recorrer da decisão da Justiça que determina devolução de valores pagos a mais por produtores em financiamentos rurais em março de 1990, quando foi editado o Plano Collor.

“O Banco do Brasil S/A vai recorrer da decisão. São beneficiários apenas os produtores rurais que tenham efetivamente pago a correção monetária do financiamento rural no mês de março de 1990, com base no IPC [Índice de Preços ao Consumidor], o que deverá ser verificado em cada caso concreto”, diz o banco.

Este ano, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) condenou o Banco do Brasil a recalcular os valores pagos. Segundo a decisão, o banco aplicou o índice de 84,32% de correção monetária nos financiamentos rurais, quando o correto seria 41,28%.

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) informa que os produtores rurais que ainda não ingressaram com ações poderão se beneficiar da decisão e pedir a devolução ou exclusão de débitos afetados com o índice de correção monetária julgado ilegal.

A FPA também diz que têm direito à restituição, em regra, os produtores rurais que tinham financiamentos agrícolas junto ao Banco do Brasil, corrigidos pela caderneta de poupança, emitidos antes de março de 1990 e pagos após essa data. Nos casos em que as diferenças do Plano Collor foram renegociadas e acabaram sendo incorporadas a saldos devedores ainda não quitados, os produtores rurais têm direito ao expurgo desses valores da conta, com a recomposição do saldo devedor original.

Para que se obtenha a restituição do valor pago a mais, é necessário ajuizar uma ação judicial contra o Banco do Brasil, diz a FPA. Segundo a consultoria jurídica da FPA, o ideal é que o produtor tenha cópia da cédula rural e dos comprovantes de liberações e pagamentos, pois com esses dados é possível a reconstituição da conta e o cálculo do valor exato a ser devolvido.

(Agência Brasil)

Banco do Brasil deverá indenizar funcionária vítima de assalto em agência sem porta giratória

A Justiça do Trabalho concedeu direito a indenização por danos materiais e morais a uma caixa do Banco do Brasil que sofreu estresse pós-traumático após ser vítima de assalto em um posto de atendimento bancário sem porta giratória de segurança, em Curitiba. Pela decisão da 4ª Turma de desembargadores do TRT-PR, o banco deverá pagar R$ 50 mil por danos morais e R$ 100 mil por danos materiais. Cabe recurso.

O assalto contra o posto de atendimento bancário do DETRAN no bairro Tarumã, em Curitiba, ocorreu em março de 2007. Quatro homens invadiram o local e ameaçaram funcionários e clientes com armas de fogo. A caixa, que teve uma arma apontada contra a cabeça, desenvolveu estresse pós-traumático e ficou com sequelas que se traduzem em sintomas como medo e insegurança. Segundo a perícia, ainda que possa exercer atividades que dependam de esforço mental, ela tem limitações, como dificuldades para o trato com o público e permanência em locais vulneráveis à agressão de desconhecidos. Desde os fatos, a bancária permanece afastada recebendo auxílio-doença.
No processo, ficou comprovado que o banco não dispunha de porta giratória de segurança, o que feriu a obrigação legal (Lei Estadual 11.571/96, Lei Federal 7.102/83 e art. 7º, XXII da Constituição Federal).

Em Primeiro Grau, a juíza da 21ª Vara do Trabalho de Curitiba, Mariele Moya Munhoz, sentenciou que a instalação de porta de segurança era medida exigível e necessária, em razão da própria natureza da empresa, e notadamente diante da ocorrência de assaltos anteriores contra PABs. Tanto assim que, logo após o ocorrido, a empresa tratou de providenciar a instalação da porta, conforme declarado por testemunhas. A magistrada entendeu presentes todos os requisitos aptos a gerar a indenização, havendo nexo entre a conduta da reclamada (condições de trabalho com risco para ocorrência de assalto) e as repercussões na vida profissional e pessoal da reclamante. Foi fixada indenização por danos morais em R$ 50.000,00 e por danos materiais em outros R$ 50.000,00, em decorrência da redução na capacidade laborativa da trabalhadora.

Na análise do recurso, a 4ª Turma do TRT-PR discordou do raciocínio da ré de que a ausência da porta giratória de maneira alguma impediria o funcionamento do PAB. “Com efeito, em nada impediu a atuação dos bandidos. Fato, sim, é que tal atitude, a economia com itens básicos de segurança, precarizou as relações de trabalho, expondo seus empregados a risco direto. À evidência, um banco sem dita porta giratória é preferência para assaltos, verdadeiro convite aos criminosos. (…) Chega a ser risível o argumento recursal de que os assaltantes mostravam-se muito calmos, bem assim a ilação ‘conclui-se, portanto, que não houve violência por parte dos criminosos’ “, assinalaram os magistrados.

O colegiado acatou parcialmente o recurso da reclamante, mantendo o valor estipulado a título de danos morais e aumentando a condenação referente a danos materiais para R$ 100.000,00.

Fonte: TRT PR

Ceará: Bancários da Caixa e Banco do Brasil aprovam propostas dos bancos e encerram greve de 23 dias

Numa assembleia inédita, realizada na manhã desta quarta-feira, 28/10, a ampla maioria dos bancários da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, presentes na assembleia convocada pelo Sindicato dos Bancários do Ceará, aprovou as propostas apresentadas pelos bancos e encerram a greve, que hoje completa 23 dias.

A assembleia, iniciada às 8h30 desta quarta-feira, foi realizada na sede do Sindicato e reuniu 202 bancários do Banco do Brasil e 232 empregados da Caixa. Pela aprovação da proposta e encerramento da greve no Banco do Brasil votaram 183 bancários e nenhum voto pela continuidade da greve. Já na Caixa, foram 204 votos pela aprovação da proposta e fim da greve, com sete votos contrários.

A assinatura da Convenção Coletiva de Trabalho será no dia 4 de novembro, devendo os Acordos Aditivos dos bancos públicos ser assinados na mesma data, em São Paulo.

“A categoria foi orientada pelo Comando e pelo Sindicato pela aprovação da proposta desde a última segunda-feira, e em decisão soberana da assembleia houve a rejeição. A avaliação foi feita de que a manutenção da greve no Ceará se tornou isolada do restante do País e o dia de greve de ontem, 27, conseguimos incluir na compensação. Agora vamos nos concentrar na assinatura dos Acordos e efetivar os direitos, que são fruto da luta dos trabalhadores”, disse Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará.

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

Banco do Brasil consegue lucrar 18 vezes o que investe em patrocínios culturais

O Banco do Brasil consegue lucrar com mídia espontânea até 18 vezes o valor que investe nos patrocínios culturais. No ano passado, o maior banco do País aportou R$ 49,3 milhões em projetos de cultura. O retorno em reportagens que mostravam a marca do banco atrelada aos eventos chegou a R$ 900 milhões, segundo estimativa de uma consultoria contratada pelo banco.
Quase a totalidade desses investimentos foi feita via Lei Rouanet. Apenas R$ 300 mil não tiveram renúncia fiscal. O valor investido é próximo do que o banco gasta por ano para a manutenção das quatro unidades do Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), em torno de R$ 50 milhões. O retorno com investimento em cultura é muito superior ao que o banco consegue com patrocínios esportivos. Nos aportes em modalidades esportivas, como o vôlei, o retorno é de duas vezes o investido. Em alguns casos, chega a três e meio, como no handebol.
(Jornal do Comercio)

Banco do Brasil: Fim da validade acelera edital do novo concurso para escriturários

A partir deste sábado, dia 26, quem sonha com uma vaga de escriturário do Banco do Brasil (BB), no Rio de Janeiro, deve ficar mais atento. É que a chegada desse dia sinaliza a proximidade de publicação do edital da próxima seleção. Isso porque nessa data expira o prazo de validade do último concurso para o estado, e o BB, conforme entidades sindicais já manifestaram, não pode ficar sem um cadastro de reserva válido. Além disso, a posição oficial do banco, passada pela gerente executiva de Gestão de Pessoas, Ana Rosa Cristina Garcia, é de divulgação do documento logo após esse prazo vencer.

Procurado, o Banco do Brasil não informou uma data de publicação do edital. Fonte ligada à empresa disse, porém, que está quase tudo pronto para a liberação do documento, e que as provas objetivas estão marcadas para dezembro. Essa seleção terá vagas imediatas e em cadastro, cuja oferta não foi divulgada. A Fundação Cesgranrio será a organizadora, e a estrutura do concurso será a mesma da seleção para 15 estados e o Nordeste.

A suspensão dos concursos federais em 2016 em nada afeta o BB, que é da administração indireta. Os candidatos serão avaliados por meio de 70 questões objetivas e redação. A primeira versará sobre Atualidades do Mercado Financeiro, Língua Portuguesa Raciocínio Lógico-Matemático, Cultura Organizacional, Domínio Produtivo da Informática, Inglês, Atendimento, Técnicas de Vendas e Conhecimentos Bancários. Além do Rio, estão confirmados os estados do Amazonas (parte do estado), Espírito Santo, Minas Gerais (parte), Rio Grande do Sul e Santa Catarina (parte).

Esse edital, segundo Ana Rosa Garcia, poderá sair com vagas também para Alagoas, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais (Belo Horizonte), Pará, São Paulo e Tocantins, já que o prazo de validade para essas localidades expira em 8 de maio de 2016. O cargo exige o nível médio e tem remuneração de R$3.280, somando salário de R$2.227,26, ajuda-alimentação de R$572, vale-refeição de R$431,16 e vale-cultura de R$50. Os funcionários têm direito a participação nos lucros ou resultados, vale-transporte, auxílio-creche, auxílio a filho com deficiência, plano odontológico, assistência médica (planos de saúde), previdência privada e participação no Programa de Qualidade de Vida no Trabalho. O regime é o celetista.

Via http://www.techtudo.net

Cinco coisas que você precisa saber sobre o concurso do Banco do Brasil

Quando se trata de concursos, quem nunca ponderou a carreira bancária que atire a primeira pedra. Conhecida como “trampolim”, muitas vezes, é nela que o concurseiro encontra o primeiro cargo no serviço público, mas nem sempre é onde decide ficar. De qualquer forma, os atrativos de ser tornar escriturário do Banco do Brasil (BB) chamam, cada vez mais, candidatos para as seleções. Se você é uma dessas pessoas, confira a lista preparada pelo Correio com cinco tópicos essenciais para quem se inscreveu no mais recente processo seletivo da instituição financeira.

– O inglês voltou
Para surpresa de muitos candidatos, o banco voltou, recentemente, a cobrar língua inglesa nas provas objetivas. A disciplina, contudo, não deve ser motivo de desespero para os concurseiros. De acordo com o especialista em concursos do BB Deodato Neto, a exigência é básica e mais relacionada à interpretação de texto. O professor indica que três meses de estudo podem ajudar a criar uma base para a prova. “Mas não há milagres”, adverte. Ele acredita que se o candidato estiver muito bem preparado, nem mesmo precisa estudar inglês, porém, é preciso estar afiado e confiante nas demais matérias. Caso você já saiba um pouco de inglês, consulte provas passadas, especialmente as mais recentes, e veja se é necessário dedicar tempo a uma revisão de conteúdo ou não.

– Atendimento
Esta, atualmente, é a matéria mais importante do concurso. De acordo com Neto, nos últimos três processos seletivos, foi a disciplina que colocou ou tirou da disputa os candidatos bem preparados. Assim como técnicas de venda, serão cobradas dez questões, sendo cinco com valor de 1,5 ponto e outras cinco com valor de 2,0 pontos, subtotalizando 17,5 pontos. “Mas e conhecimentos bancários?”, indaga o candidato. Neste caso, o professor explica que conhecimentos bancários podem-se adquirir no decorrer do trabalho, já atendimento é o grande problema dos bancos, atualmente. “As pessoas trocam de banco por conta de atendimento, gostam de um gerente tal, valorizam ser bem tratados. É a lógica do mercado, uma característica do setor privado mesmo. Hoje em dia, você precisa atender bem o cliente, senão fica para trás”, analisa.

– Crescimento interno
De acordo com Neto, quem já possui experiência em banco privado abre vantagem e alcança crescimento rápido dentro do BB. “O escriturário entra cru, mas quem já é da área consegue posto de gerência logo, logo. Quem se destaca na parte de atendimento também”, conta. O professor destaca que, atualmente, o banco precisa de bons gerentes e, para isso, é preciso encontrar profissionais que ofereçam um relacionamento forte com o cliente. “Quando o escriturário se destaca, consegue tirar salário até de cargo de nível superior em cenário nacional”, adianta. Segundo Neto, também é possível mudar de área dentro do banco, mas é preciso se destacar. “A pessoa tem que chegar junto, procurar saber de outros departamentos que precisam de gente, correr atrás e mostrar serviço. Quando você entra, ninguém sabe quem é você, então tem que ir atrás”, aconselha.

– Redação
Se você é do tipo que só quer fazer a média na redação, mude de estratégia. Dependendo da nota final, o candidato pode conquistar várias posições na classificação final do concurso. Então, melhor estar preparado. Neto destaca que, por ser um concurso para carreira bancária, não quer dizer, necessariamente, que cairão assuntos relacionados a esse tema. Na última seleção, por exemplo, a redação foi sobre a influência das mídias sociais na sociedade. “Este ano, acho que o tema bombástico é o efeito da crise, tanto para o serviço financeiro bancário, quanto na vida das pessoas”, sugere. Para ficar por dentro, acompanhe a editoria de Economia (http://www.correiobraziliense.com.br/economia/) do Correio, por exemplo.

– Lotação
Desta vez, os aprovados no concurso serão lotados na região Nordeste. Porém, nada impede que candidatos de outras regiões tentem as vagas e, caso sejam nomeados, peçam transferência de volta para casa após o estágio probatório. Afinal, o BB é um órgão federal. Neto destaca, porém, que o processo de remoção não é simples. “Mesmo depois de solicitada a mudança, não quer dizer que você vai conseguir. Essa troca depende de muita coisa, por exemplo, existe uma lista de espera. Conheço casos bem sucedidos, de pessoas que voltaram no mesmo mês que pediram, mas esse não é o mais comum”, alerta.

O que diz o edital
Ao todo, o BB abriu 860 oportunidades para o cargo de escriturário. Segundo o edital, destas, 95 são imediatas e 765 para formação de cadastro de reserva. Participam candidatos com nível médio completo, em busca da remuneração de R$ 2.227,26, para jornada de trabalho de 30 horas semanais. Além do salário inicial, contudo, o futuro funcionário também receberá participação nos lucros da empresa, vale-transporte, vale-cultura, auxílio-creche, ajuda alimentação/refeição, auxílio a filho com deficiência, plano odontológico, plano de saúde e previdência privada. A Cesgranrio é a banca examinadora da seleção. Confira aqui o edital.

(Silvia Mendonça, via http://concursos.correioweb.com.br)

Concurso Banco do Brasil 2015: segundo edital em breve

Boa notícia para quem prossegue focado no concurso do Banco do Brasil em 2015. Está próxima a divulgação do segundo edital para Escriturário do Banco, cargo que exige apenas o nível médio. É provável que a publicação aconteça entre os meses de abril e maio, contemplando regiões brasileiras que não foram incluídas no primeiro edital (parte dos estados do Amazonas e Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo e Rio Grande do Sul).

O que a nova seleção deverá ter como diferencial é que não mais será possível abrir edital exclusivamente para cadastro de reserva. A decisão é resultado de acordo judicial firmado com o Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF), que havia processado o banco para garantir mais transparência nas seleções da instituição. Segundo o MPT, o cadastro de reserva poderá continuar a ser utilizado, porém, sem criar falsas expectativas nos candidatos aprovados, que terão direito assegurado, caso estejam dentro do quantitativo inicial previsto. Veja os detalhes desta decisão aqui.

Prepare-se: Apostila Banco do Brasil – Impressa – R$ 65,00 e Digital BB – R$ 45,00

As provas do último concurso do BB  foram aplicadas no dia 15 de março de 2015 e os aprovados que forem contratados atuarão nas dependências situadas nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima e Santa Catarina.

As provas para Escriturário do BB são compostas de 70 questões de múltipla escolha, sendo 25 de Conhecimentos Básicos e 45 de Específicos. Os conteúdos exigidos são Cultura Organizacional, Técnicas de Vendas, Atendimento, Domínio Produtivo da Informática, Conhecimentos Bancários e Língua Inglesa.

http://www.portalrondonia.com

MPT determina que Banco do Brasil acabe com concursos para cadastro reserva

Nesta semana, o Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF) e o Banco do Brasil firmaram umacordo para que o banco não realize mais concursos exclusivos para a formação de cadastro de reserva. A informação sobre o acordo foi divulgada no próprio site do Ministério Público do Trabalho (MPT).

De acordo com o que foi divulgado, a partir do próximo concurso o Banco do Brasil precisará informar a previsão de vagas disponíveis e também a real necessidade da empresa.

O Banco do Brasil frisou que a decisão de encerrar a realização de concursos apenas para cadastro de reserva foi tomada após um acordo com o Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF) e não tem nada haver com a esfera judicial. Além disso, o banco também salientou que nenhum concurso que já está em andamento será alterado e a decisão só valerá para os próximos certames.

Vale lembrar que este acordo foi firmado após o Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal ter processado o Banco do Brasil por este não deixar claro informações sobre as vagas em suas seleções.

Com este acordo, o Banco do Brasil deverá convocar cerca de 2.627 candidatos (500 para o edital de número 01/2013, 1.177 para o edital de número 02/2013 e 950 para o edital de número 03/2012).

É importante salientar que o cadastro de reserva poderá continuar a ser utilizado, porém, agora sem criar falsas expectativas nos candidatos aprovados, já que estes terão direito assegurado caso estejam dentro do quantitativo previsto.

Esta conciliação entre Banco do Brasil e MPT-DF seguirá agora para homologação na 20ª Vara do Trabalho de Brasília. Um detalhe importante de esclarecer é que as ações individuais já protocoladas ou que ainda serão ajuizadas por candidatos interessados não sofrerão consequência.

Último Concurso do Banco do Brasil:

O último concurso do Banco do Brasil (edital de número 02/2014) ainda não foi concluído e só prevê a formação de um cadastro de reserva. Por isso, o Banco do Brasil deverá encaminhar no prazo máximo de 90 dias (após a homologação do resultado) o número de vagas abertas. Os candidatos que estiverem dentro deste quantitativo terão automaticamente direito a nomeação.

Via http://www.concursosatuais.com

Aliados de Cid Gomes falam em ‘voo político mais alto’ em 2018

(Foto: Agência Brasil)

Desde que bateu boca com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no plenário da Casa e acabou demitido pela presidente Dilma Rousseff, o ex-ministro da Educação Cid Gomes (PROS) mantém-se recluso em seu apartamento em Fortaleza. Mas seus aliados avaliam que a repercussão do episódio, considerada positiva, especialmente nas redes sociais, para a imagem do ex-ministro, pode levá-lo a “voos maiores”. Já existe em seu grupo quem acredite que Cid poderá repetir trajetória do irmão Ciro Gomes e ser candidato à Presidência da República em 2018.

“Cid se cacifou para voos políticos maiores”, diz o deputado estadual Wellington Landim (PROS). “A sociedade pede mudança e renovação e o Cid pode falar para eles.” Ciro Gomes foi candidato pelo PPS à Presidência em 1998 e em 2002.

Para os aliados do ex-ministro, Cid saiu do ministério com a imagem de que tem coragem de falar a verdade e que não está disposto a qualquer atitude para ter cargos públicos. “Se a condução dele no ministério mostrou sua grandeza como gestor, a atitude o fez maior ainda, pois isso demonstrou desapego”, defende o prefeito de Sobral, berço político da família Gomes, Clodoveu Arruda (PT).

Na quarta-feira passada, 18, Cid foi ao plenário da Câmara convocado pelos deputados para explicar declaração de que a Casa tinha “de 300 a 400 achacadores”, feita há quase um mês num evento fechado em Belém. A sessão transformou-se em intenso bate-boca e o ex-ministro chegou a apontar Eduardo Cunha e dizer que preferia “ser acusado de mal educado do que ser como ele, acusado de achaque”. Do Congresso, Cid foi diretamente ao Palácio do Planalto, de onde saiu já fora do cargo de ministro.

No dia seguinte, o ex-ministro da Secretaria dos Portos no primeiro governo Dilma Leônidas Cristino (PROS-CE), aliado dos Gomes, publicou artigo na imprensa local em que disse que a sociedade deveria “agradecer” a Cid: “As instituições republicanas e a própria democracia devem agradecê-lo pela atitude”, escreveu. “Antes de ser interpretada como um ato de arrogância, afronta ou petulância, a forma como agiu na sessão representa muito mais um alerta ao Poder Legislativo.”

Cid Gomes ganhou o apoio nas redes sociais após o bate-boca no Congresso. Simpatizantes se organizam para defender a renúncia do presidente da Câmara em protestos convocados pela internet para o dia 12 de abril. A convocação está sendo feita pela página “Eu exijo a renúncia do Eduardo Cunha”, compartilhada por Ciro Gomes na última sexta-feira.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Banco do Brasil deve abrir novo concurso de nível médio em 2015

Interessados no concurso público para escriturário do Banco do Brasil devem se animar. Isso porque o edital do certame para diversos Estados, entre eles o Espírito Santo, está quase pronto.
Segundo o diretor de Gestão de Pessoas da instituição, Carlos Netto, assim que finalizado o concurso que está aberto, com a realização da prova, serão divulgadas as primeiras informações efetivas sobre a seleção para escriturário que abrangerá o Rio e diversos outros Estados com seleção prestes a vencer.
A validade do concurso do Estado acaba no fim em 26 de setembro. Mantida a tradição de divulgar novos editais três ou quatro meses antes de expirar , o BB deverá lançar em abril, no máximo em maio.
Concurso Banco do Brasil: Novo concurso para escriturário no ES e outros Estados
Concurso Banco do Brasil
O concurso que está em andamento prevê contratar profissionais em 15 estados. Os exames deste certame serão aplicados no dia 15 de março e tem parcial de 535 mil inscritos, número 58% maior do que o registrado na seleção para aquelas mesmas regiões, aberto em 2012.
O cargo de escriturário exige o nível médio e tem hoje o salário inicial de R$ 3.280, considerando o salário-base de R$ 2.227,26, ajuda alimentação de R$ 572, vale-refeição de R$ 431,16 e vale-cultura de R$ 50.
Os funcionários do BB podem contar ainda com a participação nos lucros ou resultados, vale-transporte, auxílio-creche, auxílio a filho com deficiência, plano odontológico, assistência médica (planos de saúde), previdência privada e participação no Programa de Qualidade de Vida no Trabalho.
O conteúdo programático e a estrutura do concurso deverão ser os mesmos da seleção para 15 estados que está em andamento. Serão propostas 70 questões objetivas (além de uma redação), as quais serão divididas da seguinte forma: 25 questões de Conhecimentos Básicos – com cinco de Atualidades do Mercado Financeiro, dez de Língua Portuguesa e dez de Raciocínio Lógico-Matemático – e 45 de Conhecimentos Específicos – com cinco de Cultura Organizacional, cinco de Domínio Produtivo da Informática, cinco de Inglês, dez de Atendimento, dez de Técnicas de Vendas e dez de Conhecimentos Bancários. Já a redação será do tipo dissertativo-argumentativo e terá entre 25 e 30 linhas. 

 

Veja os assuntos mais cobrados nos concursos do Banco do Brasil

Levantamento da LFG listou os assuntos mais cobrados em 7 disciplinas e também o nível de importância de cada uma delas no concurso do Banco do Brasil para 2.499 vagas em cadastro de reserva para o cargo de escriturário.

O LFG Maps mapeou as provas dos últimos dois concursos do órgão (2013 e 2014) para chegar aos tópicos mais abordados pelas bancas organizadoras, Fundação Carlos Chagas (FCC) e Cesgranrio, respectivamente. No atual concurso, a Cesgranrio é a organizadora.

O concurso registrou 535 mil inscritos para as vagas nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e Sergipe. Os candidatos devem ter nível médio e o salário é de R$ 2.227,26. A prova será aplicada no dia 15 de março.

O tema de interpretação de textos; significação contextual de palavras e expressões, da disciplina de língua portuguesa, foi o mais comum, com 14 questões.

A pesquisa apontou que a disciplina com maior nível de importância é a de conhecimentos bancários, com 30 questões. Em seguida aparecem: língua portuguesa (26), atendimento (22), raciocínio lógico (20), informática (15), cultura organizacional (8) e vendas (6).

“Em 2014, o Banco do Brasil realizou um gigantesco concurso em todo o país. Agora está realizando um concurso regionalizado, para complementar os quadros que não foram preenchidos. Portanto, espero uma prova menos complexa e com temas já cobrados em outras provas”, afirma Marco Antônio Souza de Oliveira, professor da Rede LFG e especialista em concursos do BB.

O levantamento não traz as questões mais comuns na disciplina de atualidades do mercado financeiro, por se tratar de um tema que muda de acordo com os acontecimentos, e de língua inglesa, que é uma novidade no edital.

De acordo com o edital, será eliminado o candidato que obtiver aproveitamento inferior a 55% do total da pontuação do conjunto das provas objetivas ou obtiver aproveitamento inferior a 45% do total da pontuação da prova objetiva de conhecimentos básicos ou obtiver aproveitamento inferior a 55% do total da pontuação da prova objetiva de conhecimentos específicos. Será eliminado, ainda, o candidato que obtiver nota 0 em qualquer uma das disciplinas de conhecimentos básicos e específicos. Ainda haverá prova de redação.

“O estudo de todas as disciplinas é fundamental, mas certamente, duas merecem uma maior atenção: língua portuguesa, devido a sua já conhecida complexidade, e conhecimentos bancários, que é a disciplina que tem maior importância nas provas do Banco do Brasil”, completa Oliveira.

Veja abaixo os temas mais cobrados em cada disciplina:

1) Língua portuguesa

O levantamento identificou 9 temas mais comuns nas últimas provas, com um total de 26 perguntas. Interpretação de textos – significação contextual de palavras e expressões foi abordado em 14 questões, representando 53,9% do total.

Em seguida aparecem: morfossintaxe (3 perguntas – 11,5%), pontuação (2 – 7,8%), reescritura de frase – redação (2 – 7,8%), pronome pessoal e regência (1 – 3,8%), coesão e coerência – pronomes (1 – 3,8%), flexão verbal (1 – 3,8%), período composto (1 – 3,8%) e grafia/acentuação (1 – 3,8%).

2) Raciocínio lógico-matemático

Foram 7 temas mais comuns na disciplina, sendo que conjuntos numéricos foi o mais lembrado pelas bancas, com 8 questões (40%) do total.

Completam a lista: porcentagem (4 questões – 20%), estatística (2 – 10%), matemática financeira – empréstimo (2 – 10%), matemática financeira – juros (2 – 10%), probabilidade (1 – 5%) e matemática financeira – taxa (1 – 5%).

3) Cultura organizacional

Cinco temas foram os mais lembrados na disciplina, sendo o assunto de código de conduta da alta administração pública o mais comum, com 3 questões e 37,5% do total.

Em seguida estão: motivação (2 questões – 25%), cultura organizacional (1 – 12,5%), características da cultura organizacional (1 – 12,5%) e código de ética do Banco do Brasil (1 – 12,5%).

4) Técnicas de venda

Foram identificados 6 temas mais comuns, mas nenhum deles se destacou. Todos tiveram apenas 1 questão, representando 16,66% do total.

Os assuntos mais cobrados foram: Código de defesa do consumidor (CDC) – venda casada, processo de vendas – pré-abordagem, planejamento de vendas – potencial de mercado, motivação, custo para o cliente e imagem institucional.

5) Atendimento

A disciplina teve 13 temas mais comuns, sendo que o mais cobrado foi marketing de relacionamento, com 4 questões (18,1%). Apesar disso, houve equilíbrio na divisão de questões entre os assuntos mais cobrados.

Completam a lista: ouvidoria (3 questões – 13,6%), necessidades e expectativas do cliente (2 – 9,2%), valor para o cliente (2 – 9,2%), matriz SWOT (2 – 9,2%), matriz PORTER (2 – 9,2%), produtos e serviços (1 – 4,5%), share of mind (1 – 4,5%), planejamento estratégico, tático e operacional (1 – 4,5%), promoção de vendas – marketing integrado (1 – 4,5%), atendimento (1 – 4,5%), empatia (1 – 4,5%) e forças de PORTER (1 – 4,5%).

6) Domínio produtivo da informática

A disciplina teve 9 assuntos mais abordados, mas nenhum ganhou grande destaque e disparou no ranking. Em primeiro lugar ficou o tema de sistema operacional, com 3 perguntas – 20% do total.

Em seguida estão: protocolos (2 questões – 13, 3%), editor de textos (2 – 13, 3%), segurança da informação (2 – 13, 3%), planilhas eletrônicas (2 – 13, 3%), hardware (1 – 6,7%), formato de arquivos (1 – 6,7%), redes sociais (1 – 6,7%) e correio eletrônico (1 – 6,7%).

7) Conhecimentos bancários

Uma das disciplinas mais importantes do concurso, conhecimentos bancários teve 17 temas entre os mais cobrados. O tópico Banco Central do Brasil foi o mais lembrado, com 5 questões e 16,8% do total.

A lista completa é formada por: Conselho Monetário Nacional – CMN (3 questões – 10%), garantias (3 – 10%), Sistema Financeiro Nacional – SFN (2 – 6,7%), taxa SELIC (2 – 6,7%), crime de lavagem de dinheiro (2 – 6,7%), crédito rural (2 – 6,7%), ações (2 – 6,7%), PGBL e VGBL (1 – 3,3%), títulos de capitalização (1 – 3,3%), seguros (1 – 3,3%), Comissão de Valores Imobiliários – CVM (1 – 3,3%), Fundo Garantidor de Créditos – FGC (1 – 3,3%), BNDES (1 – 3,3%), consolidação bancária (1 – 3,3%), câmaras de compensação (1 – 3,3%) e crédito direito ao consumidor (1 – 3,3%).

(G1 Concursos e Empregos)

Banco do Brasil confirma novos nomes para diretorias de finanças e cartões

O Banco do Brasil confirmou, por meio de comunicado ao mercado, a nomeação de Leonardo Silva de Loyola Reis para a diretoria de Finanças e Rogério Magno Panca para a de Cartões.

Tratam-se dos últimos movimentos que faltavam na diretoria do banco após a saída de Aldemir Bendine e de Ivan Monteiro, que foram para a Petrobras.

Para o lugar de Loyola, eleito pelo Conselho de Administração como diretor de Finanças para completar o mandato 2013/2016, foi escolhido Bernardo de Azevedo Silva Rothe, de 47 anos.

Funcionário de carreira com 32 anos de casa, ele ocupava o cargo de gerente executivo da diretoria de mercados de capitais e infraestrutura desde 2009 e passa a ser o novo gerente geral de relações com investidores do BB.

Loyola Reis e Magno Panca substituem, respectivamente, Raul Francisco Moreira, que foi promovido a vice-presidente de Negócios de Varejo do BB, e José Maurício Pereira Coelho que assumiu a vice-presidência de Gestão Financeira e Relações com Investidores.

O BB informou ainda que Simão Luiz Kovalski será o novo diretor de Clientes Pessoas Físicas. Ele substitui Gueitiro Matsuo Genso que assumiu a presidência da Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil.

Dança das cadeiras

Alexandre Abreu, que antes estava na vice-presidência de varejo, assumiu a presidência do BB no lugar de Aldemir Bendine que foi selecionado para comandar a Petrobras.

Em seu primeiro contato com a imprensa, em coletiva para comentar os resultados da instituição, na semana passada, ele disse que fará uma gestão absolutamente profissional, visando a eficiência do banco.

Já Ivan Monteiro, que respondia pela vice-presidência de gestão financeira e RI do BB, assumiu a diretoria financeira da petroleira.

(Estadão Conteúdo)

Banco do Brasil é obrigado a realizar concurso público para áreas específicas

Publicado por Danielli Xavier Freitas

A juíza Patrícia Soares Simões de Barros, em atuação na 16ª Vara do Trabalho de Brasília, determinou que o Banco do Brasil contrate, designe ou nomeie trabalhadores para as profissões de nível superior somente após aprovação em concurso público específico.

Conforme a magistrada, a instituição tem selecionado internamente, dentre escriturários de nível médio de carreira administrativa, profissionais para exercerem atividades para as quais se exige nível superior.

Na decisão, a juíza ainda condenou o banco a pagar indenização por danos morais coletivos no valor de R$ 5 milhões.

O caso foi analisado durante o julgamento de uma ação civil pública do Ministério Público do Trabalho da 10ª Região, que classificou o procedimento de contratação utilizado pelo Banco do Brasil como um instrumento de “enviesada ascensão funcional”. Para a juíza responsável pela decisão, está claro que engenheiros, arquitetos, contadores, analistas de TI e advogados, por exemplo, não podem ser considerados integrantes da mesma carreira administrativa dos escriturários. Segundo ela, dos profissionais com escolaridade superior se exige um trabalho totalmente diverso, mais complexo e estratégico.

“O Banco, ao agir dessa maneira, vulnera o princípio da ampla acessibilidade aos cargos, posto que ali não é dado a qualquer pessoa concorrer para um cargo de nível superior, mas apenas aos empregados do banco que preencham requisitos estabelecidos pelo próprio banco. Além disso, ele desvirtua a ideia de cargo em comissão, sendo que a escolha, ao final do recrutamento interno, será feita pelo banco não necessariamente com vistas ao desenvolvimento de trabalho para o qual seja exigida confiança em alto grau.

Tudo muito conveniente para o banco que, sem motivação, se quiser, poderá reverter tal situação a qualquer tempo, nomeando outro escolhido”, observou a magistrada.

Em sua sentença, ela pontua ainda que o Banco do Brasil, por ser uma sociedade de economia mista, deve se orientar pelos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência – presentes no artigo 37 da Constituição Federal. “Ainda que o banco não preste serviços públicos e esteja sujeito ao regime jurídico próprio das empresas privadas, ele não pode prover seus cargos como bem quiser, inviabilizando o acesso de alguma pessoa ou favorecendo outra a quem impõe uma situação de precariedade.

Não há, para o banco réu, como empregador, amplidão tal do poder diretivo que permita a situação descrita”, ressaltou.

Designações inconstitucionais A decisão também anulou todas as designações de escriturários para ocupação de funções de nível superior a partir de 5 de outubro de 1988.

Com isso, os ocupantes irregulares dessas funções – não aprovados por meio de concurso público específico – deverão retornar às suas atividades de origem no prazo de seis meses. Em caso de descumprimento da sentença, o Banco do Brasil será multado diariamente no valor de R$ 100 mil. Cabe recurso à decisão, pois não houve concessão da antecipação de tutela solicitada pelo MPT10.

Processo nº 0000032-65.2014.5.10.016

Via http://www.professorleonepereira.com.br/noticias/texto.php?item=12470

Alexandre Abreu é o novo presidente do Banco do Brasil

O vice-presidente de Negócios de Varejo do Banco do Brasil, Alexandre Corrêa Abreu, está assumindo o comando da maior instituição financeira do país em substituição a Aldemir Bendine – que foi nomeado presidente da Petrobras. A informação foi divulgada pelo Banco do Brasil em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Alexandre Corrêa Abreu, 49 anos, mineiro de Aimorés, entrou no Banco do Brasil há quase 30 anos como escriturário da instituição e atuou, no início da carreira, em Minas Gerais e em Campo Grande. Posteriormente, mudou-se para São Paulo e assumiu cargos como gerente de agência e superintendente regional. Seu pai também trabalhou Banco do Brasil.

O executivo graduou-se em Administração de Empresas pela Faculdade São Luís. Ele possui MBA em marketing na PUC (RJ) e formação geral na USP (SP).

Ele também é presidente do Conselho de Administração da BB Seguridade Participações SA e vice-presidente da Cielo.

Dono de currículo extenso, Abreu atuou, ainda, como membro do Conselho de Administração do Banco Nossa Caixa, de janeiro a novembro de 2009, da Mapfre Nossa Caixa Vida e Previdencia, de março a julho de 2009, da Brasilprev Seguros e Previdência, de setembro de 2008 a março de 2009, da Companhia de Seguros Aliança do Brasil, de setembro 2008 a março de 2009, e da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Credito e Serviços (Abecs), de dezembro de 2006 a setembro de 2008, entre outros.

Já exerceu as funções de gerente geral, gerente de divisão e gerente regional na Superintendência de São Paulo. Na Direção Geral, foi gerente-executivo na Unidade de Internet e na Diretoria de Varejo. Exerceu os cargos de diretor de Cartões e de diretor de Seguros, Previdência e Capitalização.

Corrêa Abreu também já trabalhou como vice-presidente do Banco da Patagônia, adquirido pelo BB em 2010, como presidente da Câmara Interbancária de Pagamentos, como vice-presidente da BB Seguros e Participações.

O novo presidente do Banco do Brasil é membro do Conselho Consultivo do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que busca prestar garantia de créditos contra instituições financeiras associadas, nas situações intervenção e liquidação extrajudicial, por exemplo. Ele também é integrante da diretoria-executiva da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

(G1 Economia)

Banco do Brasil prorroga validade de concursos de níveis médio e superior

 

O Banco do Brasil prorrogou a validade das seleções externas 2013/002 e 2014/001 por mais 1 ano, até 08 de maio de 2016 e 24 de junho de 2016, respectivamente. As informações são da assessoria de imprensa do órgão.

Dessa forma, os candidatos que estão em cadastro de reserva poderão ser nomeados até a nova validade do concurso expirar.

As seleções foram realizadas para formação de cadastro de reserva. O concurso 2013/002ofereceu vagas de escriturário (nível médio) para os estados de Alagoas, Bahia, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, São Paulo, Tocantins e no Distrito Federal, para o cargo de escriturário (nível médio). Foram 339.173 candidatos inscritos. Inicialmente, a seleção será válida até 8 de maio de 2015.

Já a seleção 2014/001 foi realizada para os cargos de nível médio/técnico e superior da carreira Sesmt – médico, engenheiro, enfermeiro, auxiliar de enfermagem e técnico de segurança. As vagas foram para as capitais de todos os estados e para Ribeirão Preto (SP). Inicialmente, a seleção será válida até 24 de junho de 2015.

“A decisão do banco em prorrogar os seus concursos, além de manter o histórico da empresa em renovar o prazo de validade de todos os seus certames, demonstra o compromisso e o respeito da Instituição com os seus candidatos”, afirma Carlos Netto, diretor de gestão de pessoas do BB.

Segundo o banco, o aviso de prorrogação será divulgado na sexta-feira (30) no Diário Oficial da União.

(G1 Ceará)

Banco do Brasil: Concurso registrou 535 mil inscritos para o cargo de escriturário

O Banco do Brasil registrou cerca de 535 mil inscritos no concurso para o cargo de escriturário. A seleção ofereceu 2.499 vagas em cadastro de reserva nos estados de Acre, Amapá, Amazonas, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e Sergipe. As informações são da assessoria de imprensa do BB.

Apesar de o concurso ser para nível médio, a maioria (66%) cursa ou já concluiu a graduação, inclusive com especialização, mestrado e doutorado.

Além disso, 33% dos inscritos disseram dominar outro idioma. A maioria, 61% dos inscritos, já está empregada. Jovens solteiros com até 25 anos são 51% dos candidatos.

Segundo o órgão, o número de candidatos é 58% maior do que o concurso anterior de 2012, para as mesmas regiões.

Concurso
A seleção ofereceu 2.499 vagas em cadastro de reserva para o cargo de escriturário, que exige nível médio. O salário é de R$ 2.227,26. Do total das oportunidades, 5% são reservadas para candidatos com deficiência e 20% para pretos e pardos.

Os candidatos devem ter nível médio. A jornada de trabalho será de 30 horas semanais.

Entre as atividades do cargo estão: atendimento ao público, atuação no caixa (quando necessário), contatos com clientes, prestação de informações aos clientes e usuários, redação de correspondências em geral, conferência de relatórios e documentos, controles estatísticos, atualização/manutenção de dados em sistemas operacionais informatizados, entre outras.

Além do salário, os profissionais terão participação nos lucros ou resultados, nos termos da legislação pertinente e acordo sindical vigente, ajuda alimentação no valor de R$ 572, vale-refeição de R$ 431,16, vale-transporte, vale-cultura de R$ 50, auxílio-creche, auxílio a filho com deficiência e previdência privada.

A seleção terá 3 etapas: prova objetiva, prova de redação e perícias médicas e procedimentos operacionais. As provas objetiva e de redação serão aplicadas na data provável de 15 de março de.

A seleção terá validade de 1 ano e poderá ser prorrogada, uma vez, por igual período.

De acordo com o edital, ficam asseguradas as admissões, conforme necessidade de provimento, dos candidatos classificados nas Seleções Externas 2012/003, 2013/001 e 2013/002 até o término de suas vigências (15/04/2015, 26/09/2015 e 08/05/2015 – podendo ser prorrogadas) ou o esgotamento da reserva de candidatos aprovados, prevalecendo o que ocorrer primeiro.

Informações do G1

TRT condena Banco do Brasil a pagar R$ 1,2 milhão de indenização após morte de gerente

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT Piauí) condenou o Banco do Brasil a pagar indenização de R$ 1,2 milhão a família do gerente da agência de Luzilândia, localizada no Norte do Piauí, que foi morto após assalto e seqüestro dentro da agência. A família alegou que o banco reconheceu a responsabilidade sobre o ocorrido e pagou indenização no valor de R$ 108 mil, que era previsto em acordo coletivo, contudo ajuizou ação trabalhista.

Na ação, a esposa do gerente argumentou que o sistema de segurança do banco não funcionou e que a família ficou abataida devido o crime, exigindo assim, indenização por danos morais e materiais. Na primeira instância, o juiz Adriano Craveiro, da 4ª Vara do Trabalho de Teresina, concedeu indenização por danos materiais e calculou o lucro cessante com base na expectativa de vida do ex-gerente, o que resultou em R$ 881.161,80 a serem pagos em parcela única. Já para danos morais, o juiz observou o porte do banco a extensão do dano sofrido, o que o fez deferir indenização no valor de R$ 400 mil.

O banco recorreu ao TRT Piauí argumentando que pagou indenizações e auxílios aos dependentes legais do ex-empregado, tais como auxilio funeral e indenização por assalto, bem como efetuou o pagamento de pecúlio, liquidou empréstimo imobiliário do ex-empregado e concedeu pensão pela caixa de previdência dos funcionários do Banco do Brasil. A instituição afirmou também que o assalto ocorrido na agência de Luzilândia-PI foge completamente da esfera de atuação do Banco sendo responsabilidade sobre o incidente exclusivamente do Estado.  Ao final, requereu a reforma da decisão primária parajulgar improcedente a demanda.

A desembargadora Enedina Maria Gomes dos Santos, relatora do recurso no TRT, ressaltou que não há controvérsia quanto ao acidente de trabalho e que a morte do obreiro ocorreu em face do exercício do cargo. Para ela, o valor da condenação por danos materiais é razoável e compatível com a da possibilidade de sobrevida, tendo como referencial a expectativa de vida de 70 anos. O mesmo, a desembargadora declarou a respeito dos danos morais, mantendo a condenação fixada pela primeira instância.

(Ascom)

Banco do Brasil retifica novamente seleção para Escriturários

Saiu no Diário Oficial da União – Seção 3 desta quinta-feira, 15 de janeiro de 2015, nova retificação do processo seletivo do Banco do Brasil S/A, voltado ao provimento do cargo de Escriturário.

Ficam excluídas as cidades de Itaperuçu da macrorregião 11/ microrregião 34; e Ibaiti, Siqueira Campos e Tomazina da macrorregião 11/ microrregião 37, referentes às localidades de realização das provas. Na primeira retificação desta seleção havia sido excluído o município de Ibaiti, Paraná, da macrorregião 11/ microrregião 41.

O certame está sob responsabilidade técnico-administrativa da Fundação Cesgranrio e é voltado à formação de 2.499 cadastros de reserva para o cargo de Escriturário. Desse total, 163 são para pessoas com necessidades especiais.

As oportunidades estão distribuídas entre municípios dos Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Ceará, Maranhão, Sergipe, Mato Grosso, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima e Santa Catarina. No caso do AM e de SC não há vagas para as cidades citadas em anexo do certame.

Esses profissionais, quando convocados, terão direito a remuneração inicial de R$ 2.227,26, com contrato em regime celetista e jornadas semanais de 30h junto ao atendimento ao público e redação de correspondências em geral, dentre outras atividades. A instituição oferece, ainda, possibilidade de ascensão profissional, participação nos lucros ou resultados, vale-transporte, auxílio creche, ajuda alimentação/ refeição, auxílio a filho com deficiência, plano odontológico, assistência médica e previdência privada.

Podem concorrer candidatos com nível médio completo, com idade mínima de 18 anos e aptidão física e mental, que efetuem inscrição até 19 de janeiro de 2015 pelo link que será disponibilizado no endereço eletrônico www.cesgranrio.org.br, com taxa de R$ 40,00.

Será aplicada avaliação de conhecimentos, eliminatória e classificatória; seguida por prova de redação eliminatória, em todos os municípios para os quais são destinadas às vagas.

Os classificados nas seleções externas 2012/003, 2013/001 e 2013/002 têm asseguradas as suas contratações, até o término da validade desses certames.

A seletiva tem vigência de um ano e pode ser estendia uma única vez, por igual período. Para mais detalhes consulte o edital completo disponível em nosso site.

Jornalista: Iara Valiente
Via http://planetaosasco.com

SEEB/CE promove cursinho preparatório para o concurso do BB

Em parceria com a Academia dos Módulos (Master Concursos), o Sindicato dos Bancários do Ceará promove curso preparatório ao concurso do Banco do Brasil. Serão destinadas 85 vagas para bancários sindicalizados e/ou dependentes (limitado a um por bancário). Entretanto, se o bancário fizer uso de sua vaga, não poderá indicar dependente.

O Curso terá carga horária total de 158h/a (aulas diárias de exercícios), com início programado para o próximo dia 19/1, de segunda a sexta-feira, das 19h às 22h, e aos sábados, das 8h às 11h15 e de 14h às 17h15.

Do conteúdo programático constam disciplinas como Língua Portuguesa, Redação, Raciocínio Lógico-Matemático, Atualidades do Mercado Financeiro, Cultura Organizacional, Técnicas de Vendas, Atendimento, Domínio Produtivo da Informática, Conhecimentos Bancários e Língua Inglesa.

Matrículas – As matrículas serão feitas diretamente na Secretaria de Formação do Sindicato (Rua 24 de Maio, 1289 – Centro), nos dias 15 e 16/1 (quinta e sexta), obedecendo aos critérios das vagas disponíveis, a partir das 8h. O valor do curso é de R$ 290,00. O pagamento será feito no ato da matrícula, em dinheiro ou cheque.

Mais informações através do telefone: (85) 3252 4266, falar com a Secretaria de Formação.

Esta é mais uma ação do Coletivo  de Formação do Sindicato em favor da categoria. Além da defesa pelos direitos dos trabalhadores, da luta por melhores condições de trabalho, também é papel da entidade promover a qualificação do público bancário”

Coletivo de Formação do Sindicato dos Bancários do Ceará

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

Concurso Banco do Brasil 2014/2015: Edital e Inscrição

SEEB/CE PROMOVE CURSINHO PREPARATÓRIO PARA O CONCURSO DO BB ( EDIÇÃO 2015)

 

 

 

Edital do concurso do Banco do Brasil abre seleção nos estados AC, AP, AM, CE, MA, MT, PB, PR, PI, RN, RO, RR, SC e SE na função de Escriturário. Inscrições vão de 22 de dezembro de 2014 a 19 de janeiro de 2015 pelo site da Cesgranrio.

Banco do Brasil
Inscrições
De 22 de dezembro a 19 de janeiro de 2015
Vagas
Cadastro de reserva
Salário
R$ 2.227,26
Taxa
R$ 40
Provas
15 de março de 2015

Com previsão de lançamento do edital somente em 2015, Banco do Brasil antecipou divulgação das normas do concurso público regionalizado para cargo de Escriturário em vários estados do país. Diário Oficial da União divulgou normas da seleção externa que irá formar cadastro reserva em 2.499 postos de nível inicial da Carreira Administrativa do Banco – Escriturário – em dependências situadas nos estados do Acre, Amapá, Amazonas Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e Sergipe. AFundação Cesgranrio coordenará a seleção que abre inscrições já no dia 22 de dezembro.

O cargo de Escriturário exige nível médio completo e tem salário inicial de R$ 2.227,26, mais vantagens como possibilidade de ascensão e desenvolvimento profissional, participação nos lucros ou resultados, vale-transporte, auxílio-creche, ajuda alimentação/refeição, auxílio a filho com deficiência, plano odontológico, assistência médica (plano de saúde) e previdência privada. Veja o edital.

Do total de vagas preenchidas durante o prazo de validade do concurso, 5% serão para candidatos portadores de deficiência e 20% para os candidatos afrodescendentes ou pardos.

A inscrição no concurso deverá ser efetuada no período de 22 de dezembro de 2014 a 19 de janeiro de 2015, pela internet, através do sitewww.cesgranrio.org.br. A taxa de inscrição será de R$ 40,00 e no momento da inscrição o candidato deverá optar pela Microrregião de atuação.

O concurso constará de avaliação de conhecimentos, mediante aplicação de prova objetiva constituída de 70 questões de múltipla escolha, sendo 25 questões de conhecimentos básicos e 45 questões de conhecimentos específicos, de caráter eliminatório e classificatório. Instituída a pouco tempo nos concursos do banco, a prova de redação também ocorrerá nesta seleção.

As provas objetivas e de redação serão realizadas no dia 15 de março de 2015. As provas ocorrerão nas cidades de Rio Branco-AC, Cruzeiro do Sul-AC, Epitaciolândia-AC, Macapá-AP, Manaus-AM, Parintins-AM, Maracanaú-CE, Itapipoca-CE, Sobral-CE, Quixadá-CE, Russas-CE, Crateús-CE, Juazeiro do Norte-CE, Fortaleza-CE, São Luís-MA, Pinheiro-MA, Bacabal-MA, Imperatriz-MA, Balsas-MA, Presidente Dutra-MA, Caxias-MA, Chapadinha-MA, Cuiabá-MT, Cáceres-MT, Barra do Garças-MT, Rondonópolis-MT, Confresa-MT, Alta Floresta-MT, Tangará da Serra-MT, Juína-MT, Sinop-MT, João Pessoa-PB, Campina Grande-PB, Patos-PB, Sousa-PB, Curitiba-PR, Campo Largo-PR, Paranaguá-PR, Rio Negro-PR, Guarapuava-PR, Pato Branco-PR, Ponta Grossa-PR, Cascavel-PR, Foz do Iguaçu-PR, Campo Mourão-PR, Umuarama-PR, Maringá-PR, Paranavaí-PR, Londrina-PR, Jacarezinho-PE, Recife-PE, Jaboatão dos Guararapes-PE, Olinda-PE, Palmares-PE, Vitória de Santo Antão-PE, Timbaúba-PE, Caruaru-PE, Garanhuns-PE, Serra Talhada-PE, Petrolina-PE, Parnaíba-PI, Teresina-PI, Poços-PI, Floriano-PI, Natal-RN, Mossoró-RN, Porto Velho-RO, Ji-Paraná-RO, Cocal-RO, Vilhena-RO, Boa Vista-RR, Rorainópolis-RR, Joinville-SC, Mafra-SC, Lages-SC, Caçador-SC, Joaçaba-SC, Chapecó-SC, São Miguel Do Oeste-SC, Rio do Sul-SC, Aracaju-SE, Estância-SE, Nossa Senhora da Glória-SE, Itabaiana-SE, Lagarto-SE e Capela-SE.

O prazo de validade do concurso esgotar-se-á após um ano a contar da data de publicação do edital de homologação dos resultados finais, podendo ser prorrogado, uma única vez, por igual período, a critério exclusivo do Banco do Brasil.

Via http://www.acheconcursos.com.br

Fique esperto! Banco do Brasil deve fazer Novos Concursos em 2015

A Assessoria de Imprensa do Banco do Brasil informou esta semana que a instituição bancária já está realizando os preparativos para o seu Novo Concurso Público de 2015. O certame irá oferecer vagas para o cargo de Escriturário. A seleção irá oferecer vagas em diversas cidades do Brasil. Apesar disso, é importante lembrar que o concurso será apenas para a formação de um cadastro de reserva. Outro detalhe importante de se mencionar é que atualmente existem dois concursos com prazo de validade que se encerram apenas no próximo ano, entretanto, esta nova seleção servirá para manter o andamento das contratações conforme as necessidades do banco.

Para concorrer ao cargo de Escriturário, o candidato precisará ter o ensino médio completo. Já com relação à remuneração desta função, ela é de aproximadamente R$ 3.134 (R$ 2.227 de salário + R$ 397 de Vale Alimentação + 509 de Vale Refeição). A carga horária de trabalho será de R$ 30 horas semanais.

Além de receber uma excelente remuneração, os aprovados ainda ganharão benefícios como plano de ascensão e qualificação profissional, participação nos lucros e resultados, auxílio creche, vale transporte, auxílio ao filho com deficiência, previdência privada, plano odontológico e assistência médica.     

Apesar da Assessoria de Imprensa do Banco do Brasil não divulgar a data exata para o lançamento do edital, estimasse que isso deva acontecer ainda no início do próximo ano (2015).

O primeiro concurso do Banco do Brasil que será realizado no próximo ano será para os Estados de Ceará, Amazonas, Maranhão, Paraíba, Mato Grosso, Pernambuco, Paraná, Piauí, Rondônia, Rio Grande do Norte, Roraima, Santa Catarina e Sergipe. Já no segundo concurso que deverá ocorrer em 2015 serão ofertadas vagas para Rio de Janeiro, Espírito Santo, Amazonas, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

A empresa organizadora do certame será a Fundação Carlos Chagas. Já para a cidade de São Paulo a avaliação será deita pela Cesgranrio.

Via http://www.concursosatuais.com/2014/12/11/banco-do-brasil-deve-fazer-novos-concursos-em-2015/

Banco do Brasil escolhe Cesgranrio como organizadora do concurso de 2015

Se preparar para o Concurso Banco do Brasil 2015 é a maneira mais garantida que você tem para poder garantir sua aprovação. O ultimo edital em aberto para essa instituição foi no ano anterior, onde varias contratações foram feitas, e esse ano espera-se que outras também. Portanto, se você tem interesse em conquistar a sua vaga entenda como você pode estar estudando e dando o seu melhor sempre, por que somente assim para que a conquista seja feita. Não pense que é de um dia para o outro, mesmo por que tudo exige seu tempo de preparação, e concurso publico não é muito diferente não.

O banco possui milhares de agências no Brasil e no exterior e conta com um quadro funcional com mais de 100.000 colaboradores. A nova seleção contemplará 15 estados brasileiros: AC, AM (parte do estado), AP, CE, MA, MT, PB, PE, PI, PR, RN, RO, RR, SC (parte do estado) e SE. A validade do concurso nesses estados que teve a participação de 339 mil candidatos vencerá em 16.04.2015.

Não é a toa que se fala que concurso é preparação de médio a longo prazo, justamente pelo fato de ter esse tanto de conteúdo e que a gente não tem tempo de estudar depois que abrir o edital. Portanto, saiba que sua preparação sempre deve anteceder a prova, com pelo menos seis meses, se não num é possível aprender o conteúdo necessário. Como o edital do Concurso Banco do Brasil 2015 ainda não saiu você pode se basear no ultimo edital lançado pela Cesgranrio, que foi escolhida novamente para organizar o próximo concurso; e estudar o conteúdo, depois quando o novo chegar você apenas ressalta o que foi acrescentado.

Sem o edital não tem como temos certeza das vagas do Concurso Banco do Brasil 2015, porém com base no documento anterior dá para ter uma noção sim, e por isso que colocamos abaixo as informações, o que muda são coisas pequenas mesmo e por isso que podemos pegar como base, vejam os detalhes:

Cargo: Escriturário

Requisitos: Nível Médio completo e em uma instituição de ensino registrada pelo MEC. Ter idade mínima de 18 anos.

Remuneração de R$ 2.043,36 + Benefícios

Taxa de inscrição de R$40,00

Carga horária: 30 horas semanais.

Via http://www.aquivocepassa.com

Banco do Brasil: Gerência local de apoio ao comércio exterior sai do CEARÁ

As empresas que atuam com operações de comércio exterior com o Banco do Brasil a partir do Ceará não terão mais o suporte da Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior (Gecex), que atende, até hoje, em um andar inteiro no Edifício Etevaldo Nogueira Business, na Avenida Dom Luís. Agora, elas terão que se reportar ao BB em Belo Horizonte (MG) e Recife (PE).

O POVO teve acesso ao comunicado feito pela Gecex aos clientes. Nele, consta que Ceará e Piauí passarão a ser atendidos nos aspectos de assessoria e consultoria da Cecex em Recife. Para cotação e contratação de câmbio via mesa (fechamento de câmbio presencial e manual), será em Belo Horizonte.

“Documentos originais de operações com carta de crédito e cobrança documentária de exportação deverão ser encaminhados via Courier ou Sedex para a Gecex Recife. Para as operações de importação negociadas na modalidade de cobrança de importação, os fornecedores e banqueiros no exterior deverão ser instruídos a encaminhar os documentos também para o endereço acima (Gecex Recife)”, diz o comunicado.

Fellipe Calado, agente de Logística Internacional da Itaueira, ressalta que o novo modelo vai implicar aumento de custos. “Só vale o dólar do dia em que a informação foi processada. Vou ter que me preocupar com o dólar variando de 7 a 10 dias úteis. Corro risco de entrar em uma variação de até R$ 0,20”.

Para Fellipe, o conhecimento de cada empresa conta para resolução de problemas de forma célere. “É humanamente impossível agilizar situações para diversos processos sem conhecer as empresas. Isso interfere até na negociação com clientes”, preocupa-se.

Outra preocupação é em relação à importação. O produto só é liberado no porto depois do pagamento. “Vou ter que contratar uma empresa terceirizada, usando a procuração em meu nome, para retirar os documentos lá em Belo Horizonte e enviar via correios”, diz Fellipe.

Conforme o presidente da Comissão de Comércio Exterior do Ceará (CCE-CE), Roberto Marinho, o Ceará tem 180 indústrias exportadoras, que foram responsáveis por US$ 1,4 bilhão exportado em 2013 no Estado. Do total, sete são grandes empresas, 18 médias e 155 micro e pequenas. Segundo Marinho, a maior parte opera via BB e será afetada diretamente.

“Dá para migrar algumas operações para outros bancos. Mas, por exemplo, a emissão de certificado de origem, só o Banco do Brasil faz.” Como documento, quem importa do Brasil tem incentivo fiscal para receber o produto.

A gestora do projeto de internacionalização das MPE do Sebrae-CE, Marta Campêlo, diz que vai participar hoje de reunião, junto com a CCE-CE, na Cecex. Serão recebidos pelo então gerente Fabiano Pistoia Oliveira . O encontro vai tratar das mudanças.

O POVO procurou o Banco do Brasil para falar sobre o assunto. Não houve retorno até o fechamento desta edição.

(Andreh Jonathas, O Povo)

Aldemir Bendine entrega presidência do Banco do Brasil

Aldemir Bendine: executivo pode deixar a presidência do BB – Germano Lüders/EXAME.com

247 – O presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, entregou seu cargo ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, nesta quarta-feira. O secretário executivo da pasta, Paulo Rogério Caffarelli, é cotado para assumir o posto durante a reforma ministerial, a ser anunciada pela presidente Dilma Rousseff para o seu segundo mandato. O vice-presidente de Varejo do BB, Alexandre Abreu, também está no páreo.

No 3° trimestre, a maior instituição financeira do país registrou baixo crescimento. Banco do Brasil anunciou nesta quarta-feira que teve lucro líquido de 2,78 bilhões de reais no terceiro trimestre, alta de 2,8 por cento sobre o resultado obtido um ano antes.

Excluindo efeitos não recorrentes, o lucro da maior instituição financeira do país no período somou 2,885 bilhões de reais. A previsão média de analistas consultados pela Reuters apontava para lucro recorrente de 3,014 bilhões de reais.

O banco também cortou a projeção de crescimento da carteira de crédito ampliada no país para 12 a 16 por cento ante expectativa anterior de alta de 14 a 18 por cento.

(Brasil 247)

Lucro do Banco do Brasil é de R$ 2,78 bilhões no 3º trimestre

O Banco do Brasil anunciou nesta quarta-feira (5) ter registrado lucro líquido de R$ 2,78 bilhões no terceiro trimestre, ante R$ 2,829 bilhões nos três meses anteriores, uma queda de 1,7%. No mesmo período de 2013, o lucro havia sido de R$ 2,704 bilhões.

No ano, de janeiro a setembro, a instituição financeira teve lucro de R$ 8,287 bilhões, valor 35% menor do que o registrado no mesmo perídoo de 2013.

A carteira de crédito ampliada do Banco do Brasil atingiu R$ 732,7 bilhões em setembro, indicando uma alta de 12,3% em 12 meses. A carteira de crédito pessoa física encerrou o nono mês do ano em R$ 175,1 bilhões, aumento de 6,9% sobre o mesmo período do ano passado, respondendo por 23,9% do total da carteira, com destaque para as operações de financiamento imobiliário.

O crescimento no lucro na comparação anual ocorreu apesar de um incremento de 16,9% na provisão para perdas com crédito, a R$ 4,571 bilhões, montante que ficou praticamente estável ante o segundo trimestre deste ano.

A reserva maior veio junto com crescimento da inadimplência no banco, com base em operações vencidas há mais de 90 dias, cujo índice passou de 1,97% no terceiro trimestre de 2013 para 2,09% no período de julho a setembro deste ano. No segundo trimestre, a taxa foi de 1,99%.

Além disso, um dos indicadores de inadimplência futura, o de operações vencidas há mais de 60 dias, também cresceu, passando de 2,36% no terceiro trimestre do ano passado para 2,47% no final de setembro deste ano, após 2,37% no segundo trimestre.

Na semana passada, o Bradesco abriu a temporada de balanços das instituições financeiras e anunciou ter registrado lucro líquido contábil de R$ 3,875 bilhões no terceiro trimestre de 2014. O valor ficou 2,6% acima do registrado no trimestre anterior (R$ 3,778 bilhões) e 26,5% superior ao resultado do terceiro trimestre do ano passado.

Nesta terça-feira, o Itaú Unibanco informou que teve lucro líquido de R$ 5,404 bilhões no terceiro trimestre de 2014, 10,3% acima dos R$ 4,899 bilhões atingidos nos três meses anteriores.

(Negócios G1)

Banco do Brasil volta a cobrar inglês em prova de concurso público

O Banco do Brasil vai voltar a cobrar o conhecimento de inglês em seus concursos. A disciplina deixou de ser cobrada em 2003 e vai aparecer já no próximo concurso do banco, cujo edital ainda não tem data definida de publicação. Na prova, será exigido um nível básico de conhecimentos sobre língua inglesa dos candidatos.

A mudança é mais uma entre os recentes ajustes no processo de seleção do banco. Em 2012, uma redação passou a ser incluída nos exames. Depois, novas disciplinas foram incorporados, como cultura organizacional e técnica de vendas.

Com a inclusão do inglês, a configuração da prova passar a ser a seguinte: uma prova de conhecimentos básicos, com língua portuguesa, matemática e raciocínio lógico; e uma prova de conhecimentos específicos, com questões sobre inglês, cultura organizacional, técnicas de vendas, atualidades do mercado financeiro, atendimento e informática.

Hoje, o BB tem mil funcionários trabalhando em agências no exterior, entre brasileiros e estrangeiros. ”Independentemente se o funcionário for atuar no Brasil ou no exterior, o conhecimento de inglês é necessário dada a atuação global do Banco do Brasil”, diz Carlos Netto, diretor de gestão de pessoas. Para ele, a cobrança do idioma é uma maneira do banco sinalizar o que espera encontrar nos candidatos.

Dos 115 mil funcionários do Banco do Brasil, cerca de 22 mil têm atualmente alguma certificação em inglês, seja em nível básico, intermediário ou avançado. O banco tem um programa de bolsa de idiomas e oferece cursos em inglês, no Portal da Universidade Corporativa.

Os concursos do Banco do Brasil são sempre para formar o chamado cadastro de reserva. Nesta modalidade, não existe um  número pré-determinado de vagas e as contratações acontecem de acordo com a necessidade do banco. A validade de um concurso costuma ser de dois anos. Logo, quando um vence, outro certame é realizado para manter um banco de candidatos aprovados sempre à disposição.

Em 2015, o concurso do BB vence nos seguintes estados: Acre, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e Sergipe. Logo, esses Estados são candidatos prováveis para receber um novo concurso público.

(Hugo Passarelli, Estadão)

BB pagou nesta segunda (13/10) a antecipação de PLR

CONTRAF assinou nesta segunda-feira 13, em São Paulo, o acordo coletivo do Banco do Brasil, aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), que inclui reajuste de 8,5% no salário (2,02% de aumento real), reajuste de 9% no piso (2,49% de anho real) refletindo na tabela de antiguidade do PCR e também na carreira de mérito, além de avanços nas substituições. O ato ocorreu depois da assinatura da CCT entre as entidades sindicais e a Fenaban, no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo.

Pagamento da PLR
Durante a assinatura do acordo, o BB comunicou que o crédito da PLR do primeiro semestre estaria sendo realizado nesta segunda-feira. Já as diferenças salariais serão pagas na folha deste mês de outubro, enquanto o acerto dos vales refeição e alimentação ocorrerá em novembro.

Confira os valores da PLR do primeiro semestre:
Escriturário: R$ 3.254,27
Caixas: R$ 3.685,42
Comissionados – quantidades VR .
Primeiros Gestores: 1,33 .
Demais Gestores: 1,13 .
Primeiro Nível Assessoramento UE: 1,13 .
Gerência Média: 1,11 .
Demais analistas e assessores: 1,11 .
Comissionados FG e FC (plenos): 1,06

Para efeitos de comparação, o balanço deve utilizar o valor recebido de PLR no segundo semestre de 2013 e reduzir 1,5% devido a redução do lucro do banco nos primeiros seis meses deste ano.

Principais cláusulas do acordo específico com o BB
> Reajuste de 8,5% (2,02% de aumento real) nos salários e benefícios, como negociado com a Fenaban.
> Reajuste de 9% (2,49% acima da inflação) do piso em toda a carreira do PCR.
> Substituição de Gerente de Módulo nas PSO – Módulo Suporte Operacional (SOP) por caixas, conforme instruções internas.
> Substituição de funções gerenciais nas Unidades de Negócios com somente uma Gerência Média, conforme instruções internas.
> O BB contratará dois mil funcionários, sendo mil até 31 de dezembro de 2014 e mil até 31/12/2015.
> O banco retroagirá a 1º de setembro de 2005 a pontuação de mérito dos caixas. Os efeitos financeiros e o pagamento serão retroativos a 1º de setembro deste ano.
> Elevação do valor da Unidade de Saúde de R$0,36 para R$0,55 (52%).
> O BB pagará Vantagem em Caráter Pessoal (VCP) por 120 dias para descomissionamentos de funcionários que tenham mais de 5 anos na comissão; excluídos os descomissionamentos por sanção disciplinar e por desempenho (3 ciclos avaliatórios).
> Instalação de mesa temática sobre Gestão de Disciplina e Perdas (Gedip).
> Pagamento em dinheiro de todas as horas extras prestadas (fim do banco de horas).
> O banco bloqueará, até dezembro de 2014, o acesso às estações de trabalho para todos os funcionários que estiverem com a jornada de trabalho encerrada no ponto eletrônico.
> O BB disponibilizará aos funcionários o pagamento do vale-transporte em dinheiro, observadas as regras do programa.
> O novo curso “Conciliação: Mediação para Gestores” passará a ser pontuado nas oportunidades do sistema TAO para concorrências às funções de Gerente Geral em Unidades de Negócios.
> O banco desenvolverá curso sobre Assédio Moral e Sexual, incentivando a participação de todos os funcionários, com pontuação para as concorrências a funções gerenciais.
> O BB disponibilizará no mínimo 30 turmas da Oficina Gestão do Clima Organizacional, a fim de capacitar gestores a aprimorar o clima de suas unidades.
> O banco permitirá, de outubro a dezembro de 2014, a realização de jornada extraordinária, vinculada ao Plano de Funções, na forma das instruções normativas que tratam do assunto.
> Na questão da igualdade de oportunidades, além de uma correção em relação à pontuação de mérito dos delegados sindicais, o banco também corrigirá a PLR dos dirigentes sindicais que recebem menos que seus pares com o mesmo cargo. São contemplados os dirigentes cedidos para as entidades que detinham cargo comissionado à época da cessão e a fórmula segue a regra do acordo dos demais funcionários. O BB era o único banco que pagava PLR menor para os dirigentes sindicais.
> Renovação do Acordo Coletivo (acordo marco) sobre CCV por 2 anos, sem cláusula de suspensão de ações judiciais por 180 dias.
> Prorrogação por mais seis meses da possibilidade de realização de horas extras para os funcionários que aderiram a funções gratificadas, na forma prevista no plano de funções;
> Reclassificação das faltas de greve realizadas no primeiro semestre de 2013, por conta do plano de função;
> Realização de mesa temática sobre CABB.

 

Campanha Salarial dos Bancários: CCT e aditivos assinados; PLR vem em até 10 dias

São Paulo – O Comando Nacional dos Bancários e a federação dos bancos (Fenaban) assinaram na segunda 13 a Convenção Coletiva de Trabalho da categoria. Os direitos, válidos para bancários de todo o Brasil, preveem aumento real para salários, PLR e auxílios, além da valorização maior no piso e vale-refeição (veja quadro).

Também foram assinados os acordos aditivos específicos dos bancários da Caixa Federal e do Banco do Brasil.

“Foi uma campanha mais rápida, com melhor resultado para os trabalhadores que no ano passado. Conquistamos mais um ano de aumento real, valorização do piso e avanços nas cláusulas sociais, notadamente no combate às metas”, afirmou a presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira, durante a cerimônia de assinatura. “Esse é um momento importante,
que começou com a consulta sobre as prioridades dos bancários, as conferências estaduais e a nacional, a entrega da pauta. É importante que o processo de negociação avance a cada ano, com resultado cada vez melhor para a categoria.”

> Cláusula para acabar com as metas
> Aumento real maior que outras categoria

Como a data-base é 1º de setembro, os bancários têm diferenças salariais e nas verbas a receber retroativas a essa data (veja abaixo).

Antecipação da PLR – Em até dez dias após a assinatura do acordo, os bancos têm de pagar a antecipação da PLR.

BB – O banco anunciou que creditaria a PLR ainda na segunda.

Bradesco – O crédito será feito no dia 17.

Itaú – Os bancários do Itaú recebem PLR e Programa Complementar de Remuneração (PCR), de R$ 2.080, no dia 17.

> Bradesco e Itaú pagam PLR dia 17

Caixa – O pagamento será no dia 20.

> Antecipação da PLR da Caixa vem no dia 20

HSBC – Após cobrança do movimento sindical os bancários do HSBC receberão R$ 3 mil de participação nos resultados do trabalho: R$ 2 mil que têm de ser pagos em até 10 dias e os outros R$ 1 mil em fevereiro de 2015.

> Luta garante valorização no HSBC

Dias parados – Os sete dias de greve não serão descontados. O Comando Nacional dos Bancários garantiu compensação das horas, de forma que mais da metade do tempo parado será anistiado.

> Dias parados não serão descontados

Assim, quem tem jornada de seis horas compensará até uma hora por dia de 15 a 31 de outubro. Para os que trabalham oito horas, até uma hora por dia entre 15 de outubro e 7 de novembro. Isso vale para bancos privados, Caixa e BB.

(Sindicato dos Bancários de SP)

CCT e aditivos do Banco do Brasil e Caixa serão assinados na segunda, dia 13/10

São Paulo – A Convenção Coletiva de Trabalho dos bancários será assinada na segunda-feira 13 às 15h, em São Paulo. A proposta feita pela federação dos bancos no dia 3 foi aprovada pelas assembleias na segunda 6 e vem se somar aos direitos da categoria previstos na CCT que já conta mais de 20 anos. Na mesma data, haverá também as assinaturas dos acordos aditivos do Banco do Brasil e da Caixa Federal.

>
Com a definição da data, os bancos têm até dez dias para pagar a antecipação da Participação nos Lucros e Resultados. Essa primeira parcela corresponde, na regra básica, a 54% do salário mais valor fixo de R$ 1.102,79, limitado a R$ 5.915,95 e ao teto de 12,8% do lucro líquido. A antecipação da parcela adicional será de 2,2% do lucro líquido do primeiro semestre de 2014, limitado a R$ 1.837,99. O restante deve ser pago até 2 de março de 2015.

No caso do HSBC, que teve prejuízo no primeiro semestre de 2014, o movimento sindical garantiu o pagamento de R$ 3 mil de participação nos resultados do trabalho para os funcionários. O valor de R$ 2 mil será pago agora, junto com a antecipação da PLR dos demais bancários, e os outros R$ 1 mil em fevereiro de 2015.

Os bancários do Itaú recebem ainda, junto com a primeira parcela da PLR e do adicional, o PCR de R$ 2.080.

Nova CCT – Dentre as conquistas dos trabalhadores na Campanha Nacional Unificada 2014 está o reajuste para os salários e demais verbas em 8,5% (aumento real de 2,02%) e em 9% para o piso (2,49% acima da inflação). O vale-refeição subiu 12,2% (5,5% de ganho real).

Este é o 11º ano consecutivo com aumento real para os salários. Os ganhos acima da inflação já somam 20,7% nos salários, desde 2004. No caso dos pisos, o ganho real nesses últimos anos representa 42,1%.

“Os bancários estão de parabéns. Mesmo diante de um setor que lucra tanto, mas quer sempre economizar às custas dos seus empregados, conseguimos aumentos reais maiores tanto nos salários quanto no piso, além do um reajuste expressivo para o vale-refeição atendendo a uma das principais demandas dos bancários que responderam a consulta feita pelo Sindicato em julho. Isso é resultado da união e organização dos bancários de instituições públicas e privadas de todo o país, ao lado de seus sindicatos”, ressalta a presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira. “Outras garantias importantes vieram em relação a saúde e condições de trabalho, além do não desconto dos dias parados. Nossa luta valeu!”, afirma a dirigente, que é uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários, que negocia com a federação os bancos.

Caixa – Uma das principais conquistas específicas dos trabalhadores da Caixa foi a aplicação do índice de reajuste de 9% (2,5% de ganho real) no PCS (Plano de Cargos e Salários).

Segundo o diretor do Sindicato e integrante da Comissão Executiva dos Empregados (CEE), Dionísio Reis, há muito tempo não havia aumento real do piso nas referências do PCS. “Nossa luta conquistou essa valorização, inclusive para quem não saldou o REG/Replan. Isso é um avanço também nas questões de isonomia”, explica.

(Cláudia Motta, Bancários SP)

Bandidos explodem agências do Bradesco e BB de Itatira, no Ceará

Um grupo formado por cerca de oito homens invadiu e explodiu, na madrugada desta quinta-feira, 25, duas agências localizadas no distrito de Lagoa do Mato, em Itatira, 216,8 km de Fortaleza. Criminosos levaram o dinheiro do Bradesco, mas não conseguiram levar nenhuma quantia do Banco do Brasil, conforme o Comando de Policiamento do Interior (CPI).

Segundo sargento identificado apenas como Germano, a ação foi registrada por volta das 00h20min. O bando fugiu em três carros e uma motocicleta e não foram identificados. Durante a fuga, houve troca de tiros com a Polícia Militar do município, mas ninguém ficou ferido.

O Comando Tático Rural (Cotar) realiza buscas na região. O comandante do CPI Norte, coronel Júlio Abreu, explica que os danos estão sendo apurados.

Foto: Itatira News/Divulgação

 

Ataques a banco

Com o ataque em Itatira, sobre para 49 o número de ataques a bancos registrados no Ceará, conforme levantamento do O POVO com base nos dados do Sindicato dos Bancários do Ceará. A última ação, no dia 18 de setembro, foi no município de São Gonçalo do Amarante, quando uma dupla armada invadiu uma agência do Banco do Brasil e rendeu gerente e clientes.

No último dia 12 de setembro, um grupo armado conseguiu explodir um banco no município de Quiterianópolis. Eles ainda tentaram explodir outro caixa, do Bradesco, mas não conseguiram.

Serviço
Para consultar relatório divulgado pelo Sindicato dos Bancários do Ceará, acesse: Site: http://is.gd/s1EApw

Redação O POVO Online

Procuradora do Trabalho considera abusiva meta individual para bancários

A procuradora regional do Ministério Público do Trabalho (MPT) do Distrito Federal e Tocantins, Adriane Reis Araújo, criticou as metas individuais estabelecidas para aferir a produção dos trabalhadores, durante entrevista concedida à imprensa da Contraf-CUT.

Autora dos livros “Trabalho de mulher: mitos, riscos e transformações” e “Assédio Moral Organizacional”, ela falou sobre as metas abusivas, o assédio moral, a saúde e as condições de trabalho, em especial no ramo financeiro.

“No caso dos bancários, é abusiva a vinculação da meta individual à coletiva dentro da agência. É também abusiva uma meta que exige o trabalho contínuo em jornada extraordinária para seu cumprimento”, afirmou a procuradora.

Adriane enfatizou a necessidade de diálogo com as entidades sindicais. “Creio que a melhor maneira seria afirmar expressamente que toda e qualquer fixação de metas na empresa depende de prévia negociação coletiva”, defendeu.

Ela chamou ainda a atenção para o fato de que vem crescendo o número de empresas que instituem metas inalcançáveis como mecanismo de aceleração do ritmo de trabalho. Segundo a procuradora, a Justiça do Trabalho tem tratado esses casos com mais rigor ao declarar a ilicitude do comportamento empresarial e fixar o pagamento de indenizações por danos morais aos empregados.

Confira a íntegra da entrevista:

Como tem sido a percepção da Justiça do Trabalho em relação às metas abusivas, assédio moral e adoecimento dos trabalhadores?

O contrato de trabalho vem sofrendo modificações em razão da mudança do perfil da empresa e dos modelos de gestão da mão-de-obra, que remetem a responsabilidade pela produção ao empregado e flexibilizam a remuneração por meio do pagamento de prêmios quando o trabalhador atinge as metas fixadas pela administração.

Contudo, tem-se observado um crescente excesso das empresas que instituem metas inalcançáveis como mecanismo de aceleração do ritmo de trabalho. A Justiça do Trabalho progressivamente vem declarando a ilicitude do comportamento empresarial na cobrança de metas abusivas e condenando os empregadores ao pagamento de indenização por danos morais ao empregado lesado.

A condenação em regra ocorre quando há a comprovação do adoecimento físico ou psíquico do trabalho, diante da dificuldade de estabelecer os parâmetros entre uma meta razoável e uma meta abusiva.

As metas, desde a sua fixação até a apuração dos resultados, não deveriam passar por negociação entre patrões e empregados, considerando que as metas são parte do processo e organização do trabalho? Qual a sua opinião?

As metas compõem o conjunto das condições de trabalho e influem inclusive no meio ambiente de trabalho. Os sindicatos, no paradigma constitucional vigente, têm o relevante papel de falar em nome da categoria sobre as condições de trabalho, negociando com o empregador. Logo, o sindicato deve negociar os parâmetros para o estabelecimento das metas pelo empregador porque elas têm interferido diretamente no modo de realização das atividades, no tempo dispensado para sua realização, no conteúdo da obrigação contratada e no ritmo das tarefas.

Essa negociação deveria ser imediata à decisão empresarial de imposição de metas. De qualquer modo, diante de denúncias de metas abusivas, o sindicato deve incluir na pauta de reivindicações os parâmetros das metas a serem fixadas pela empresa.

Como podemos afirmar que uma meta é abusiva?

Certamente é difícil reconhecer de forma objetiva a abusividade de uma meta, mas temos algumas pistas. Eu considero abusiva a meta estabelecida sem que se vincule diretamente com a atividade do trabalhador. Por exemplo, é abusiva a cobrança de metas aos motoristas e cobradores do transporte urbano, pois se eles têm uma jornada fixa, uma rota pré-estabelecida, a sua influência no resultado positivo ou negativo da meta depende, sobretudo, da sorte.

No ramo financeiro, os bancários procuram associar a questão das metas com o elevado grau de adoecimento e afastamentos no setor, além de ser fator de risco para a saúde do trabalhador. É o caminho?

É um dos caminhos. No caso dos bancários, é abusiva a vinculação da meta individual à coletiva dentro da agência. É também abusiva uma meta que exige o trabalho contínuo em jornada extraordinária para seu cumprimento. As horas extras devem ser sempre algo fora do ritmo normal de trabalho.

Também pode ser considerada abusiva a meta que estimula um comportamento antiético do trabalhador, como, por exemplo, se o bancário é levado a vender títulos, seguros ou outros serviços a parentes e amigos em festas domésticas. Por fim, é abusiva a meta inalcançável, que gera um permanente estado de insegurança e ansiedade no conjunto dos trabalhadores.

Até onde vai o poder diretivo do empregador ao impor metas cada vez mais abusivas aos trabalhadores? Como a CLT poderia e pode regular essa ação?

O poder diretivo do empregador tem um limite claro no texto constitucional: ele deve respeitar a dignidade do trabalhador (artigo 1º, item III da Constituição Federal), a qual inclui a integridade física e psíquica, todos os direitos fundamentais e sociais, contidos nos artigos 5º a 8º, como, por exemplo, a jornada diária, os descansos, as férias, o direito a uma remuneração justa e o exercício da liberdade sindical.

A CLT nunca poderá esgotar as hipóteses de metas abusivas ou não. Ela poderia apenas estabelecer parâmetros genéricos para facilitar a atuação da fiscalização do trabalho. Em consequência, ficaria facilitada também a ação regressiva do INSS para recobrar os valores dos benefícios pagos aos trabalhadores, quando demonstrada a negligência ou intenção da empresa em gerar um ambiente de trabalho nocivo, bem como aumento da classificação de risco para efeito de recolhimento da contribuição ao SAT/RAT.

No âmbito da atuação sindical, creio que a melhor maneira seria afirmar expressamente que toda e qualquer fixação de metas na empresa depende de prévia negociação coletiva.

Fonte: Contraf-CUT

Licitação do Banco do Brasil para contratar escritórios é suspensa de novo

Por Marcos de Vasconcellos

A licitação pela qual o Banco do Brasil pretende contratar escritórios de advocacia terceirizados está novamente suspensa. Decisãoliminar desta quinta-feira (18/9) do desembargador Fermino Magnani Filho, da 5ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, determina que a concorrência seja interrompida até que se julgue a ação que pede a republicação do edital. A nova decisão confirma o que quem acompanha a disputa já havia previsto: uma guerra de liminares.

Classificada como a maior licitação para serviços jurídicos já feita no Brasil, a concorrência já havia sido suspensa no dia 29 de agosto, após o banco ser acusado de dar pontuação extra a escritórios que não tinham cumprido o que era exigido no edital para ganhar tal bônus. No entanto, dias depois, a liminar foi derrubada, pois o Banco do Brasil já havia divulgado nova classificação dos escritórios, com a pontuação revista.

Agora, o concurso foi novamente paralisado depois de os escritórios Natividade e Gonçalves Sociedade de Advogados e Pereira Gionédis Advocacia, autores da ação, apontarem um equívoco na decisão que permitiu o andamento do certame. Segundo eles, o erro na pontuação decorreu de uma mudança nos termos do edital. Com isso, o banco estaria obrigado a republicar o edital, reabrindo o prazo para inscrição de interessados na concorrência.

Os advogados citam a Lei 8.666/1993 (Lei de Licitações), que, em seu artigo 21, parágrafo 4º, prevê: “Qualquer modificação no edital exige divulgação pela mesma forma que se deu o texto original, reabrindo-se o prazo inicialmente estabelecido, exceto quando, inquestionavelmente, a alteração não afetar a formulação das propostas”.

“O fumus boni iuris está presente na aparente violação a dispositivo expresso da Lei de Licitações. Já o periculum in mora repousa na possibilidade do término do procedimento licitatório, com a consequente homologação e adjudicação do objeto a novo licitante”, afirma o desembargador Fermino Magnani Filho.

Reportagem da revista eletrônica Consultor Jurídico mostrou que o Banco do Brasil pretende mais do que dobrar seus gastos com advogados terceirizados a partir do ano que vem. De 2015 a 2019, serão destinados 193 milhões por ano para essa rubrica, contra R$ 71 milhões pagos até agosto deste ano e R$ 84 milhões em 2013. Não à toa, o volume atraiu 161 bancas, que se engalfinham na disputa por essa licitação.

A concorrência servirá para que o Banco do Brasil contrate escritórios para cuidar, de imediato, de mais de 230 mil processos nas áreas trabalhista, penal, administrativa, tributária e de recuperação de crédito. Essa é a demanda imediata, mas o número tende a aumentar, pois o banco tem mais de 1 milhão de processos na Justiça, sendo que os advogados internos cuidam apenas dos estratégicos, deixando os de massa e de menor complexidade para terceirizados. Pessoas ligadas à instituição afirmam que, devido às proporções que qualquer problema nessa licitação pode tomar, as denúncias têm preocupado funcionários e advogados da companhia.

A concorrência já virou até mesmo assunto de Polícia e do Tribunal de Contas da União. Mais de 30 recursos administrativos, seis representações no TCU e até uma representação criminal envolvem o caso, além do processo no TJ-SP, que teve nova liminar nesta quinta-feira.

O escritório Nelson Wilians e Advogados Associados é pivô de grande parte dos recursos contra a disputa. Na primeira divulgação de pontuação, o Nelson Wilians foi o primeiro colocado em 30 das 54 categorias e regiões licitadas. Já nos resultados divulgado pelo banco no mesmo dia em que foi concedida a primeira liminar que suspendia o certame, o escritório ficou em uma colocação pior do que tinha em 23 categorias e regiões licitadas (itens). Em dez desses casos, a banca era a primeira colocada.

A banca é acusada de simular a contratação de advogados para que estes constassem na lista de profissionais no momento da concorrência e aumentassem sua pontuação. A Polícia Civil de São Paulo, no entanto,concluiu que o escritório não forjou a contratação de advogados para alcançar maior pontuação na licitação. O delegado Jacques Alberto Ejzenbaum entendeu que os fatos apresentados na denúncia não condizem com a verdade e  determinou que fosse instaurado um novo inquérito policial (1268/2014), desta vez para apurar se os autores da denúncia contra o escritório cometeram o crime de denunciação caluniosa, previsto no artigo 339 do Código Penal.

Clique aqui para ler a liminar concedida nesta quinta-feira (18/9).

Banco do Brasil pretende gastar R$ 193 milhões com advogados em 2015

Por Marcos de Vasconcellos

O Banco do Brasil pretende mais do que dobrar seus gastos com advogados terceirizados a partir do ano que vem. De 2015 a 2019, serão destinados 193 milhões por ano para essa rubrica, contra R$ 71 milhões pagos até agosto deste ano e R$ 84 milhões no ano passado. O volume atraiu 161 bancas, que agora se engalfinham em uma licitação que foi suspensa pela Justiça na última sexta-feira (29/8), por meio de uma liminar que foi derrubada na tarde desta quarta-feira (3/9). 

O levantamento dos valores foi obtido com exclusividade pela revista eletrônica Consultor Jurídico. Questionado sobre o que teria motivado o aumento, o banco se limitou a dizer que o número “é apenas uma previsão de gastos, para efeito do planejamento orçamentário da empresa”.

Passado
Ano Total pago (R$)
2014* 71.098.953,19
2013 84.066.181,32
2012 72.777.725,62
2011 81.980.248,16
2010 88.730.715,16
2009 39.398.221,32
2008 25.661.507,42
2007 21.871.801,49
2006 12.038.772,56
2005 10.149.952,61
2004 5.027.440,03
 *até 15 de agosto de 2014

A concorrência, apontada com a maior já feita no Brasil para serviços jurídicos, servirá para que o Banco do Brasil contrate escritórios para cuidar, de imediato, de mais de 230 mil processos nas áreas trabalhista, penal, administrativa, tributária e de recuperação de crédito. Essa é a demanda imediata, mas o número tende a aumentar, pois o banco tem mais de 1 milhão de processos na Justiça, sendo que os advogados internos cuidam apenas dos estratégicos, deixando os de massa e de menor complexidade para terceirizados. Pessoas ligadas à instituição afirmam que, devido às proporções que qualquer problema nessa licitação pode tomar, as denúncias têm preocupado funcionários e advogados da companhia. 

Suspensa na última sexta-feira pelo juiz Marcos Pimentel Tamassia, da 4ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo, a concorrência já virou até mesmo assunto de Polícia e do Tribunal de Contas da União. Mais de 30 recursos administrativos, seis representações no TCU e até uma representação criminal envolvem o caso. 

Profissionais de escritórios envolvidos no processo da concorrência afirmam que, depois da decisão suspendendo a licitação, já esperavam uma “chuva” de liminares e de recursos judiciais. Cinco dias depois, o mesmo juiz derrubou a liminar, pois, segundo ele, “houve o atendimento do objeto principal da demanda”.

Futuro 
Ano Provisionamento (R$)
2015 193.360.000,00
2016 193.360.000,00
2017 193.360.000,00
2018 193.360.000,00
2019 193.360.000,00

Pontuação revisada
A mudança no entendimento de Tamassia se deu porque no mesmo dia em que foi concedida a liminar que suspendia o certame, o banco publicou a lista com os resultados e pontuações dos concorrentes, recontadas depois do julgamento de recursos administrativos. Na nova contagem, o banco recalculou a pontuação extra oferecida a bancas que tivessem profissionais registrados em mais de uma seccional da Ordem dos Advogados do Brasil. Antes, o Banco do Brasil havia atribuído esses pontos a todos os escritórios, mesmo os que tinham advogados inscritos apenas na seccional em que a banca atuava. Agora, no novo resultado, os pontos foram só para aqueles que seguiram o critério previsto.

Na comparação entre a nova pontuação e a primeira publicada, é possível notar que o escritório Nelson Wilians e Advogados Associados, pivô de grande parte dos recursos contra a disputa, ficou em uma colocação pior do que tinha em 23 categorias e regiões licitadas (itens). Em dez desses casos, a banca era a primeira colocada.

Mas isso não significa que ela ficou de fora. O edital da licitação prevê a quantidade de escritórios a serem contratados imediatamente em cada área. Por exemplo, para atuar na área cível, visando à cobrança pré-processual e processual de dívidas, serão contratados, imediatamente, dois escritórios no Maranhão. Mas, no próprio documento, o Banco do Brasil se reserva ao direito de contratar outros escritórios que forem aprovados na concorrência “de acordo com sua necessidade e conveniência”, ressalvando que será observada a ordem decrescente de pontuação na licitação.

Na primeira divulgação de pontuação, o Nelson Wilians foi o primeiro colocado em 30 das 54 categorias e regiões licitadas. A banca é acusada de simular a contratação de advogados para que estes constassem na lista de profissionais no momento da concorrência e aumentassem sua pontuação. A direção do escritório nega quaisquer irregularidades.

Embora tenha perdido posições em 23 casos, em 37 itens o Nelson Wilians manteve sua colocação e, em dois casos, melhorou — ambos relativos a São Paulo, onde há o maior volume de processos do banco.

Sobre a nova pontuação da banca,Nelson Wilians Rodrigues (foto), sócio e presidente do escritório, diz que a decisão da Comissão de Credenciamento do Banco do Brasil de anular parcialmente um quesito de pontuação extra, ao reconhecer a existência de vício de legalidade, “foi uma decisão insculpida na legislação vigente, com vistas a garantir a observância a todos os pressupostos legais”.

“Independentemente do número de estados, do volume de processos, das colocações no certame ou do porte da banca, todos que estão habilitados e serão, a tempo e modo, credenciados, estarão imbuídos no mesmo espírito de ser uma efetiva extensão do Banco do Brasil nas causas em que couber o patrocínio, defendendo os interesses dessa respeitada instituição financeira”, afirmou Wilians, por e-mail.

*Texto alterado às 19h42 do dia 3 de setembro de 2014 para atualização.

Via http://www.conjur.com.br

Banco do Brasil sofre condenação milionária por assédio moral coletivo

O Banco do Brasil foi condenado pela Justiça do Trabalho no Piauí a pagar indenização por dano moral coletivo no valor de R$ 5 milhões por assédio moral. Além da multa, o banco terá de contratar, em 30 dias, profissionais especializados em saúde mental no trabalho para elaboração de diagnóstico sobre condições organizacionais, não poderá efetuar cobranças recorrentes das metas por envio de mensagens ameaçadoras e irônicas aos trabalhadores, dentre outras obrigações.

A investigação foi iniciada em janeiro de 2013 pela procuradora do Trabalho, Maria Elena Rego, que recebeu denúncia do Sindicato dos Bancários do Piauí, alegando que funcionários do banco estavam adoecendo por causa de pressões sofridas no ambiente de trabalho. Pelo menos quatro foram afastados do trabalho com diagnóstico de “Síndrome de Burnout”, uma espécie de exaustão emocional ou estresse, que pode levar à incapacidade temporária ou até definitiva para a prestação de serviços.

“Os gerentes eram submetidos a pressões psicológicas muito além do limite do suportável. O banco adotou um sistema baseado no medo e no terror, que os levou a adquirir doenças físicas e psíquicas”, argumentou Maria Elena Rego. Ela entendeu que o problema era de assédio moral organizacional, que estava prejudicando vários empregados do Banco do Brasil.

“A prova nos autos é robusta, restando provado inequivocamente o assédio moral organizacional. Os relatos orais e o procedimento de investigação me convenceram da verossimilhança das alegações”, afirmou o juiz Adriano Craveiro Neves na sentença. A decisão cabe recurso ao Tribunal Regional do Trabalho.

“Essa é uma realidade vivida pelos  trabalhadores do Banco do Brasil: com adoecimento causado por ameaças, pressão pelo cumprimento de metas abusivas e descomissionamentos, baseados no medo e no terror”
José Eduardo Marinho, diretor do Sindicato e funcionário do Banco do Brasil

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

TST fixa divisor 150 para cálculo de horas extras de empregado do BB

Observando preceito normativo que estabelece o sábado como dia de repouso semanal remunerado, a Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho (TST) restabeleceu sentença que deferiu a um empregado do Banco do Brasil o direito de receber as horas extras calculadas pelo divisor 150, previsto no item I, alínea a, da Súmula 124 do TST, no período em que trabalhou em jornada de seis horas.

O ministro Aloysio Corrêa da Veiga, relator, informou que em decisão anterior, a Oitava Turma do Tribunal validou o divisor 180 aplicado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG). O entendimento foi o de que as normas coletivas não consideravam o sábado como repouso semanal remunerado, apenas determinavam a repercussão das horas extras prestadas durante toda a semana nos sábados, a título de repouso semanal remunerado.

A decisão regional observou que, sendo a jornada do bancário de 30 horas semanais e o sábado considerado dia útil não trabalhado, não havia alternativa senão a aplicação do divisor 180 para apuração do trabalho extraordinário do empregado.

Mas, segundo o relator, a norma coletiva alterou a natureza do sábado do bancário, “conferindo-lhe feição de repouso semanal remunerado”. Isso leva, a seu ver, à necessidade da reforma da decisão no sentido de adequá-la ao estabelecido na Súmula 124. O ministro observou que, embora tenha se entendido que não havia alusão expressa ao sábado como dia de repouso semanal remunerado, o teor da cláusula coletiva indica que existe tal previsão.

“Ainda que a norma remeta à repercussão das horas extraordinárias durante toda a semana nos sábados, não resta dúvida que se encontra dentro dos parâmetros trazidos pelo verbete para reconhecer a incidência do divisor 150”, concluiu.

Por maioria, a SDI-1 deu provimento aos recursos de embargos do bancário para determinar que se adote o divisor 150 para o cálculo das suas horas extraordinárias, observada a vigência da norma coletiva que estabelece o sábado como dia de repouso semanal remunerado.

Ficaram vencidos os ministros João Oreste Dalazen, Márcio Eurico Vitral Amaro e Barros Levenhagen, presidente do TST e da SDI-1.

Fonte: TST

25º Congresso dos Funcionários do Banco do Brasil aprova pauta de demandas específicas

O 25º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil aprovou no último domingo, dia 8/6, em São Paulo, ao final de três dias de discussões, a pauta de reivindicações específicas da Campanha Nacional dos Bancários de 2014. Participaram do encontro, realizado no Hotel Holiday Inn, 306 delegados de todo o País, dos quais 216 homens e 90 mulheres.

“O Congresso foi muito produtivo nos debates e conseguiu construir o maior número de propostas por consenso dos últimos anos em torno dos quatro eixos debatidos, que são remuneração e condições de trabalho, saúde e previdência, organização do movimento e Banco do Brasil e o Sistema Financeiro Nacional”, avalia Wagner Nascimento, novo coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB. Wagner assumiu a coordenação da Comissão de Empresa na abertura da plenária final do 25º Congresso.

“Essa unidade ajuda a criar boas condições para a negociação com o banco. Em propostas divergentes e polêmicas, conseguimos avaliar e votar e ao final do processo aprovar uma pauta de reivindicações rica para a campanha nacional. Além disso, aprovamos pautas e resoluções de cunho político e social, e com isso ampliando a participação dos funcionários do BB nas discussões da sociedade”, acrescenta.

“Neste Congresso, os companheiros e as companheiras do BB deram demonstração de unidade e força, sinalizando que nesta Campanha Nacional que se inicia, a categoria está preparada para uma forte mobilização’
Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará

Veja as principais reivindicações aprovadas:

Remuneração e condições de trabalho
Os delegados aprovaram a intensificação da luta pelo PCR, por mais contratações e por melhores condições de trabalho, sem assédio moral. O PCR deve valorizar o funcionalismo, estipulando como piso o salário mínimo do Dieese e o interstício na tabela de antiguidade de 6%, um valor maior das letras de mérito e com um tempo menor para adquirir os méritos (um ano e meio por letra). Fortalecer a luta pela instituição de processos de seleção interna e o fim dos descomissionamentos, bem como pelo aumento do número de funcionários, tanto na rede como na área-meio.

 

Saúde e previdênciaEsses dois temas trouxeram muito consenso entre as diversas forças do movimento, quase não havendo divergências quanto à prevenção e preservação da saúde dos trabalhadores. Em relação à Cassi, os delegados aprovaram a defesa do princípio da solidariedade e da prioridade na prevenção e na qualidade de vida, em vez do modelo curativo.
Também aprovaram o fortalecimento do programa Estratégia de Saúde da Família e a Cassi para todos os funcionários, sem discriminação dos bancários oriundos dos bancos incorporados.
Sobre a Previ, o 25º Congresso reiterou a campanha pelo fim do voto de minerva no Conselho Deliberativo, pela volta da consulta ao corpo social, pela eleição do diretor de Participações e pela redução da Parcela Previ, além de exigir que o banco acate a adesão dos funcionários oriundos dos bancos incorporados.

Organização do movimento
Os delegados presentes ao 25º Congresso reafirmaram a estratégia de campanha nacional unificada, com negociação de mesa única na Fenaban e mesas concomitantes para discutir as questões específicas do BB, além do modelo construído pela categoria de comissões de empregados que assessoram a Contraf-CUT nas negociações específicas com os bancos. Também apoiaram o fortalecimento dos fóruns da categoria (sindicatos, federações, Contraf-CUT, Comissão de Empresa e Comando Nacional dos Bancários), a mobilização e a unidade nacional da categoria.

BB e sistema financeiro nacional
Com dados trazidos pelo Dieese e pelo Caref Rafael Matos, os delegados fizeram um amplo debate sobre a importância do fortalecimento do BB como banco público voltado para o financiamento da produção e do desenvolvimento econômico e social do País. Defenderam ainda a internacionalização do BB e a regulamentação do artigo 192 da Constituição Federal, que trata do Sistema Financeiro Nacional.

Apoio à reeleição de Dilma
O 25º Congresso também aprovou resolução de apoio à reeleição da presidenta Dilma Roussef, por avaliar que ela representa a melhor opção para os trabalhadores dentre os dois projetos que estarão em disputa na eleição de outubro. O outro projeto representa o retorno ao governo das forças conservadoras e neoliberais, as mesmas que na década de 1990 privatizaram empresas públicas, retiraram direitos, congelaram salários e fizeram demissões em massa no BB e na Caixa, enfraquecendo seu papel de bancos públicos voltados para o fomento do desenvolvimento econômico e social.
Além de dar o apoio, os bancários vão cobrar da presidenta Dilma Roussef que mude a gestão do Banco do Brasil, hoje mais voltado para o mercado tal qual o Itaú e o Bradesco, distante do seu papel de banco público, e fortaleça o seu papel de banco público. Também vão exigir da presidenta que o BB melhore as condições de trabalho e respeite mais seus trabalhadores.

Liberdade sindical aos bancários nos EUA
O 25º Congresso aprovou ainda uma moção para que o BB assine acordo de neutralidade que permita a seus funcionários nos Estados Unidos o início de processo de organização sindical e de sindicalização. Os bancários norte-americanos não possuem sindicato e a Contraf-CUT está trabalhando em parceria com a central sindical CWA, do setor de serviços e telecomunicações, para que os funcionários do BB criem a sua entidade sindical naquele país.

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

Banco do Brasil divulga pontos de atendimento durante a Copa

Com o objetivo de melhorar o atendimento a clientes e turistas durante a Copa do Mundo de 2014, o Banco do Brasil lançou a campanha #torcidabrasil.

A ação vai  divulgar os canais de atendimento e facilitar a identificação de agências e caixas eletrônicos localizados em pontos estratégicos no país como aeroportos e próximos a  hotéis, shoppings, e pontos turísticos de cidades muito visitadas.

Dos mais de 44 mil caixas eletrônicos disponíveis no país, cerca de 35 mil estão habilitados para saques em reais com cartões emitidos no exterior (bandeira VisaPlus e MasterCirrus), sendo 11 mil localizados nas cidades que recebem maior fluxo de turistas. Esses pontos estão sinalizados com as logomarcas dessas bandeiras e a transação também poderá ser efetuada em inglês ou espanhol. 

Com relação ao serviço de câmbio, há mais de 430 agências do Banco do Brasil que prestam serviço de câmbio manual (compra e venda de moeda estrangeira), dentre as quais 300 encontram-se nas cidades que receberão as partidas. 

As agências Aeroporto de Guarulhos-SP e Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro-RJ já funcionam em horário diferenciado (24 horas e das 8 às 21 horas, respectivamente), para atendimento do serviço de câmbio durante a semana, inclusive sábados, domingos e feriados.

Para maior conveniência dos clientes e turistas, mais 19 agências, situadas em aeroportos, shoppings ou local de fácil acesso aos turistas também atendem em horário diferenciado, das 9 às 21 horas, no período definido de acordo com a tabela de jogos de cada cidade, exclusivamente para o serviço de câmbio manual. 

Além disso, o Banco lançou o site Encontro BB para facilitar a busca de pontos de atendimento, sendo possível obter informações sobre dias e horários de atendimento e serviços prestados pelas agências e caixas eletrônicos.

Fonte:
Banco do Brasil 

Banco do Brasil inaugura 1ª agência na China

Agência do Banco do Brasil na China foi aberta em Xangai (Foto: Divulgação)

O Banco do Brasil anunciou que inaugurou nesta sexta-feria (30) a primeira a sua 1ª agência na China. Segundo o BB, trata-se da da primeira agência de um banco latino-americano a obter licença para atuar na China.

A agência BB-Xangai conta, inicialmente, com um administrador expatriado e 16 funcionários contratados na China. A abertura da agência acontece 3 anos após anúncio feito pelo banco.

O banco mantinha desde 2004 um escritório de representação em Xangai. “A estratégia em transformar o escritório em agência permitirá a ampliação negocial decorrente do incremento do intercâmbio comercial sino-brasileiro, do aumento dos investimentos chineses no Brasil e, também, da presença de transnacionais brasileiras no mercado chinês”, afirmou o BB, em comunicado.

“Com a nova agência, o BB passa a buscar oportunidades de negócios no segmento de atacado, atendendo, principalmente, as demandas por produtos e serviços das empresas brasileiras com negócios com a China e as empresas chinesas com negócios com o Brasil, além dos bancos locais, grandes parceiros de negócios com o Banco do Brasil”, acrescentou o banco.

Atualmente, a China é o maior parceiro comercial do Brasil com um fluxo comercial de US$ 83 bilhões em 2013. O BB destaca que são mais de 70 empresas brasileiras presentes de alguma forma na China e mais de 25 empresas chinesas operando no Brasil.

No Brasil, operam atualmente três grandes bancos chineses: Bank of China, ICBC e CCB.

(G1 Economia)

SEEB/CE constata condições precárias em agências do Ceará

foto meramente ilustrativa

Em visitas às unidades do Interior do Estado, o Sindicato dos Bancários do Ceará vem constatando condições de trabalho precárias em várias unidades de agências do Banco do Brasil. Dois exemplos são as agências dos municípios de Campos Sales e Santana do Acaraú.

Em Campos Sales, um dos três guichês de atendimento à população está em local impróprio. O gerente da unidade já solicitou várias vezes ao Genop (Gerência Regional de Apoio aos Negócios e Operações) a reforma do lay-out para oportunizar um melhor atendimento, mas ainda não obteve nenhuma resposta.

Outro exemplo do descaso foi encontrado na agência de Santana do Acaraú, onde a bateria de caixa funciona sem qualquer condição de atendimento. Lá, o gestor da unidade também acionou o Genop, também sem nenhum retorno.

“As condições de trabalho nas agências do Banco do Brasil, principalmente no Interior, são muito abaixo das necessidades dos funcionários e do mínimo para se prestar um atendimento decente à população. Além disso, o lay-out antigo das agências pode até a vir prejudicar o bancário que pode até mesmo perder dinheiro por conta das precárias condições. É preciso corrigir urgentemente”

Bosco Mota, diretor do Sindicato dos Bancários e funcionário do BB

(SEEB/CE)

Banco do Brasil suspende serviços em três cidades do Interior do Ceará durante fim de semana

Por medida de segurança, nova agência do Banco do Brasil de Banabuiú está fechando aos finais de semana e o uso dos caixas eletrônicos está sendo interrompido. FOTO: AGÊNCIA REVISTA CENTRAL

Como forma de evitar danos e combater futuros assaltos, as agências do Bando do Brasil de dois municípios do Interior do Estado estão fechando aos fins de semana e impedindo que a população possa realizar serviços básicos como consultar extrato e saldo. A decisão engloba as cidades de Banabuiú, Coreaú e Pedra Branca e tem dividido opiniões.

No Banco do Brasil de Banabuiú, município a 220 km da capital, o uso dos caixas eletrônicos são interrompidos na sexta-feira e só podem ser utilizado novamente na segunda, quando o banco reabre. A decisão ocorre há mais de um mês, depois que uma nova agência foi inaugurada na Rua Demócrito Pinto. A antiga sede do banco foi extinta após ser assaltada em março de 2012

A situação piora na primeira semana de cada mês, quando a Prefeitura da cidade realiza o pagamento dos funcionários. Sem ter como sacar o dinheiro durante o fim de semana, o banco fica completamente lotado na segunda, provocando filas e contratempos.

Alguns comerciantes acham que a medida pode atrapalhar os lucros. Outros, entretanto, entendem a situação, como é o caso da empresária Zumira Nobre Rabelo, uma das mais antigas comerciantes da cidade. “Não é muito bom porque no domingo, o povo quer gastar e não tem onde tirar o dinheiro. Mas se for para alguma questão de segurança, eu concordo”, afirmou.

A situação se repete no município de Coreaú, distante 374km de Fortaleza. Nos sábados e domingos, o terminal de autoatendimento da única agência da cidade também não pode ser utilizado, já que o prédio vai permanecer fechado.

Medida é em virtude da segurança

Segundo a Superintendência do Banco do Brasil, a decisão visa garantir a segurança das agências e prevenir futuros assaltos. Segundo a assessoria de imprensa, um levantamento comprovou que apenas 2% das operações de saques e depósitos são realizadas fora do horário de expediente, podendo assim serem fechadas.

O gerente da agência de Banabuiú, Luiz Araújo, garante, que até o momento, a população tem aceitado a decisão e a medida não tem atrapalhado a normalidade dos serviços da agência. “Não vimos ninguém reclamando aqui no Banco, por isso, acreditamos que estamos fazendo o que é certo”.

A ordem será a mesma para a agência de Pedra Branca, que ano passado foi destruída em um assalto e está pronta para ser aberta. A Superintendência do BB já decidiu que os caixas do município também não vão funcionar aos sábados e domingos.

(Diário do Nordeste)

Banco do Brasil divulga mais uma retificação do edital 002/2013 para Escriturário

Banco do Brasil S.A publicou nova retificação do processo seletivo 002/2013, em que altera o quadro de cadastros de reserva, ampla concorrência e PNE para as macrorregiões 18 (SP) e 19 (TO) e respectivas microrregiões.

Em ocasião anterior foi divulgada retificação, em que nos anexos das macro e microrregiões/ municípios abrangidos e cidades de realização de provas e do total de cadastros/ ampla concorrência passa a constar o seguinte: macrorregião 18/ microrregiões 1 e 2; macro 19/ microrregiões 1, 2, 3, 4, 5 e 6.

Além disso, os resultados finais do certame serão divulgados na data provável de 8 de maio de 2014.

No ano de 2013 as inscrições do concurso foram prorrogadas até o dia 9 de janeiro de 2014 os candidatos preencheram formulário disponível no link www.cesgranrio.org.br, bem como efetuaram o pagamento da taxa no valor de R$ 40,00. No ato da inscrição eles optaram pelo estado/ macro/ microrregião de interesse. O período começou em 12 de dezembro de 2013.

Em ocasião anterior, foi divulgada retificação na qual foi comunicado que a tabela do anexo que trata das UFs/ Macrorregiões/ Microrregiões/ municípios abrangidos e cidades de realização das provas, sofreu alterações em sua redação; assim como o quadro de cadastros de reserva/ ampla concorrência/ PCD do anexo II/A, nas UFs de São Paulo e Tocantins.

O certame está sob a responsabilidade da Fundação Cesgranrio e foi lançado em 11 de dezembro de 2013, no Diário Oficial da União, Seção 3. O objetivo é a formação de cadastro de reserva para provimento do cargo de Escriturário, no nível inicial da carreira administrativa.

São 8.630 oportunidades que visam atender as Unidades localizadas nos estados de Alagoas, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, São Paulo e Tocantins, nas cidades discriminadas em edital. Desse total, 8.174 são para ampla concorrência e 456 são para pessoas com deficiência. No caso de MG há alguns municípios que não serão abrangidos pelo certame, como pode ser verificado no edital de abertura. No total, são 19 macrorregiões e 107 microrregiões atendidas.

A remuneração inicial é de R$ 2.043,36 para jornada semanal de 30h e contrato em regime celetista, com acréscimo de participação nos lucros ou resultados, vale-transporte, auxílio creche, ajuda alimentação/ refeição, auxílio a filho com deficiência, plano odontológico, assistência médica e previdência privada, assim como possibilidade de crescimento e desenvolvimento profissional.

Entre as atividades da função há o atendimento ao público, redação de correspondências em geral e a atualização/ manutenção de dados em sistemas operacionais informatizados. Podem participar do certame, candidatos com nível médio completo e com idade mínima de 18 anos até a data da contratação.

Os participantes da seleção serão submetidos a três etapas de avaliação, sendo a primeira composta de prova objetiva com questões de conhecimentos básicos e específicos, de caráter eliminatório e classificatório; a segunda de redação, de caráter apenas eliminatório, ambas sob a responsabilidade da organizadora; e, por fim, perícia médica e procedimento admissional, de caráter eliminatório, com responsabilidade do próprio Banco. O conteúdo programático das avaliações está em anexo ao edital.

Serão admitidos, conforme necessidade de provimento, os candidatos classificados nas seleções externas 2012/001, 2012/003 e 2013/001 até o termino de suas vigências (7 de maio de 2014, 15 de abril de 2014 e 26 de setembro de 2014, respectivamente) ou o esgotamento da reserva de candidatos aprovados, prevalecendo o que ocorrer primeiro.

O certame tem validade de um ano, a contar de sua homologação e poderá ser prorrogado por uma única vez, de igual período. Para mais detalhes, consulte o edital em nosso site, logo abaixo.

Fonte: pesquisa.in.gov.br.

 

Fonte: PCI Concursos

Concurso BB 2012: Aprovados e não convocados têm até maio para recorrer a justiça

A validade do concurso público do Banco do Brasil do ano de 2012 está expirando, mas até o momento nem todos os aprovados nesse certame foram convocados pela instituição financeira, contrariando a previsão legal do Supremo Tribunal Federal (STF) de que os aprovados em concurso público, dentro da quantidade de vagas previstas, têm direito adquirido a posse. 

O prazo para os candidatos aprovados entrarem com ação na justiça para garantir a nomeação no concurso vai até o próximo dia 7 de maio.

De acordo com o advogado, Ciney Almeida Gomes, já há decisão anterior favorável ao aprovado que recorreu a justiça para garantir seu direito líquido e certo. “O Tribunal Regional do Trabalho (TRT-10) decidiu a favor de uma candidata aprovada para formação de cadastro, obrigando o BB empossar a autora imediatamente. A justiça entendeu que existem cargos vagos na instituição financeira, devido à contratação de terceirizados e a realização de um novo concurso público (com o certame anterior ainda em validade), e que por isso a candidata tem direito a ser contratada, assim como outros candidatos também têm o mesmo direito”, informou.

Para o advogado os aprovados e ainda não convocados pelo banco devem recorrer a justiça dentro do prazo de validade do certame.

Via http://www.sintecto.org.br/noticias-3133-concurso-bb-2012-aprovados-e-nao-convocados-tem-ate-maio-para-recorrer-a-justica.html

Bancários do BB e Caixa no ACRE elegem prioridades para a campanha salarial

Reunidos na cidade de Rio Branco, dias 23, 24 e 25 de abril, quando da realização dos congressos estaduais dos funcionários do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, funcionários das duas instituições construíram propostas de melhorias salariais e condições de trabalho a serem apresentadasno congresso nacionais dos funcionários das duas empresas no mês de junho.

A abertura do 25° Congresso Estadual dos Funcionários do Banco do Brasil e o 30° Congresso Estadual dos Empregados da Caixa Econômica Federal ocorreu na última quarta-feira (23), no auditório da Assembleia Legislativa do Estado do Acre (ALEAC). O presidente eleito da Fenae Jair Pedro Ferreira, assim como do Conselheiro da Previ e diretor do SEEB- Brasília Rafael Zanon, por mais de hora, palestraram aos presentes e responderam perguntam persistente da luta dos trabalhadores do ramo financeiro. O evento ainda contou com a presença da presidente da Central Única dos Trabalhadores do Acre, professora Rosana Nascimento.

Banco do Brasil

No dia seguinte (24), funcionários do Banco do Brasil estiveram reunidos durante o período da tarde paraconstruirpropostas ao encontro nacional dos funcionários da instituição. Os debates tiveram duração de mais de duas e serviu paradefiniras principais reivindicações dostrabalhadores locais para próxima campanha salarial. Renumeração, Previ, representatividade sindical e terceirização estão entre as principais propostas construídas pelos trabalhadores locais.

O encontro ainda serviu para eleger o representante local dos funcionários do Banco do Brasilno encontro nacional da categoria. Deborah Fernanda, diretora jurídica do Sindicato dos Bancários do Acre (SEEB/AC), acabou eleita para representar a base local nos debates marcados para os dias 6,7 e 8 de junho, na cidade de São Paulo.

Caixa Econômica

O congresso dos dois bancos públicos foi encerrado na tarde da última sexta-feira (25), com a elaboração das propostas a serem encaminhas pelos delegados eleitos da Caixa EconômicaFederal ao encontro nacional da categoria, a ser realizada nos dias 6, 7 e 8 de junho, em São Paulo.Temas como ampliar o número de postos de trabalho, fim das terceirizações ehoras extras (banco de horas)foram as principais bandeiras levantadas pelos participantes.

O 30° Congresso Estadual dos Empregados da Caixa Econômica Federal foi encerrado com à eleição de delegados locais para ao encontro nacional da categoria. Irlan Sandra e Nadir Oliveira foram eleitos para representar os funcionários da ativa, enquanto Isper Abrahim representará os aposentados da instituição.

O presidente do Sindicato dos Bancários do Acre, Edmar Batistela, avaliou de forma positiva os dois encontros de funcionários de bancos públicos na capital. Foram três dias de muito diálogo paraa construção de uma proposta ampla que atendam as necessidades de melhorias de condições de trabalho e melhor renumeração aos funcionários do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, explicou ele.

(O Rio Branco)

 

 

Chapa 1, apoiada pela Contraf-CUT, vence eleição na Cassi com 31.545 votos

A Chapa 1 Todos pela Cassi, apoiada pela Contraf-CUT e pela grande maioria do movimento sindical bancário, venceu a eleição para a renovação de parte da diretoria executiva e dos conselhos deliberativo e fiscal da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil.

Encabeçada por William Mendes, coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB e diretor da Contraf-CUT, a Chapa 1 obteve 31.545 votos (37,58%), contra 25.746 (30,67%) da Chapa 3, 14.041 (16,72%) da Chapa 4 e 12.603 (15,01%) da Chapa 2.

“A Chapa 1 Todos pela Cassi agradece a confiança dos associados e anuncia que a partir desse momento não tem mais chapa de oposição. Esperamos realizar agora um trabalho conjunto de todos pela Cassi. Nosso mandato será das entidades do funcionalismo e do conjunto dos associados, da ativa e aposentados”, diz William Mendes.

A eleição começou no dia 9 de abril e terminou nesta terça-feira 22. A posse dos dirigentes eleitos será no dia primeiro de junho.

A Cassi atende 800 mil vidas em seus dois planos de saúde: o Plano de Associados, para os funcionários da ativa e aposentados e seus dependentes, e o Cassi Família, voltado para familiares até o terceiro grau de parentesco. 

A direção da Caixa de Assistência é compartilhada. O BB indica o presidente, o diretor de administração e finanças, quatro dos oito conselheiros deliberativos e três dos seis conselheiros fiscais. Os associados elegem o diretor de Saúde e Rede de Atendimento, o diretor de Planos de Saúde e Relacionamento com Clientes e a metade dos conselhos deliberativo e fiscal. 

Os candidatos eleitos são os seguintes:

Diretor de Saúde e Rede de Atendimento – William Mendes de Oliveira

Conselho Deliberativo – Fabiano Felix do Nascimento e Loreni de Senger (titulares); Elisa de Figueiredo Ferreira e Nilton Cifuentes Romão (Ramon), suplentes.

Conselho Fiscal – Regina Fátima de Souza Cruz (titular) e Daniel Liberato (suplente).

Fonte: Contraf-CUT

Ary Joel poderá sumir a presidência da Caixa Econômica Federal ou Banco do Brasil

Ary Joel Lanzarin vai passar 40 dias com a família que tanto protege. Depois segue para nova missão. A mais provável é assumir a presidência da Caixa Econômica Federal que foi destruída pelos petistas do mal. Tem muita gente descente e competente no PT, é bom ressaltar. Ary Joel é um homem de esquerda. Acredita que o dinheiro pode distribuir riquezas e gerar vida melhor para os mais simples.

Lanzarin tem ainda uma proposta para voltar para sua origem, o Banco do Brasil, onde foi diretor. Para onde for o Brasil lhe será grato.

(Blog do Roberto Moreira)

Banco é condenado ao pagamento de R$ 300 mil por dano moral coletivo

A Justiça julgou procedente ação proposta pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania de Várzea Grande, e condenou o Banco do Brasil ao pagamento de R$ 300 mil a título de dano moral coletivo por descumprimento da “Lei da Fila”.

O dinheiro será revertido ao Fundo Estadual de Defesa do Consumidor.    De acordo com a sentença, a instituição bancária deverá promover as adequações necessárias para que os consumidores sejam atendidos no prazo máximo de 15 minutos em dia normais e 30 minutos em véspera e um dia depois de feriado.

Nos bilhetes de senhas deverão constar impresso os horários de retirada e do efetivo atendimento.

Segundo o promotor de Justiça Rodrigo de Araújo Braga Arruda, também foi estabelecido ao banco que providencie em todas as agências localizadas na cidade assentos nos locais de espera pelo atendimentos dos caixas em número compatível com a demanda de clientes. “Pelo menos 10 cadeiras para atendimento prioritário aos idosos, gestantes, acidentados e para pessoas com deficiência e com criança de colo deverão ser oferecidas”, explicou o promotor de Justiça.

As agências deverão, ainda, disponibilizar, durante o expediente bancário, atendentes para orientar os consumidores e garantir nos caixas eletrônicos o respeito ao direito de preferência das pessoas deficientes, idosas, lactantes e acompanhadas de criança de colo. A estrutura física também deverá ser melhorada. Além de banheiros masculino e feminino, deverão ser disponibilizados bebedouros com copo descartável e estacionamento gratuito.    “Os pedidos do Ministério Público foram todos acatados. A Justiça não acolheu os argumentos apresentados pela defesa do Banco do Brasil em relação a suposta inconstitucionalidade da Lei Municipal 2.757/2005 que dispõe sobre o assunto.

A justificativa de que o banco encontraria limitações para adequar o seu quadro de funcionários, bem como efetuar as instalações materiais necessárias nas agências, por integrar a administração indireta, também foi refutada”, explicou o promotor de Justiça.

http://www.24horasnews.com.br