O empresário cearense José Edílson Negreiros, o “Ceará Miséria”, foi condenado pela Justiça de Rondônia a um ano e seis meses de reclusão e ao pagamento de 20 dias multa, por crime de racismo. De acordo com a decisão do juiz da 2ª Vara Criminal de Porto Velho, Valdecir Castelar Citon, o cearense cometeu os crimes de agressão física e racismo contra uma de suas empregadas, que foi lhe cobrar salários atrasados e acabou apanhando no meio da rua e humilhada publicamente. A decisão ainda cabe recurso.

Segundo o processo, Ceará Miséria é acusado de discriminação e preconceito de cor, ao utilizar termos pejorativos contra a vítima, quando gritou em público que “negra é pra ser escrava”. De acordo ainda com o processo, o acusado ainda tentou surrar a vítima um cinto, conforme o laudo de lesão corporal.

Na sentença, o juiz observou que “durante o interrogatório, o acusado demonstra sua tendência ao preconceito racial, pois na tentativa de negá-lo acabou por confirmá-lo. Diz ele: Que possui mais 36 agregados que são ‘criolinhos’, e nunca os discriminou por esse motivo”.

Ceará Miséria é irmão do vereador de Porto Velho, Ramiro Negreiros, e ficou rico explorando concessões de táxi da Prefeitura de Porto Velho alugadas a terceiros. O empresário também responde por crime de corrupção eleitoral e estelionato, quando teria distribuído carteiras de habilitação frias do Detran Rondônia.

(Blog do Eliomar)