O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, 53, condenado à pena de morte na Indonésia, por tráfico de drogas, será executado “muito em breve”, segundo o governo no país asiático, que negou definitivamente clemência ao brasileiro.

O pedido foi negado em 31 de dezembro pelo presidente Joko Widodo. Foi a segunda vez que

Marco solicitou perdão presidencial – a primeira negativa foi em 2006. Pelas leis indonésias, sentenciados à morte só podem fazer dois pedidos de clemência, depois de esgotadas as chances de recurso à Justiça. Assim, do ponto de vista legal, não há mais o que fazer para evitar a execução.

A execução deverá acontecer até o final de janeiro. O Itamaraty afirma não ter recebido comunicação “oficial” a respeito. Em dezembro, antes da rejeição da clemência, a presidente Dilma Rousseff mandou carta a Widodo pedindo a não execução. O gabinete de Dilma avalia se há algo mais que possa ser feito para interceder pelo brasileiro. Se a pena for cumprida, Marco será o primeiro ocidental executado na Indonésia. De 2000 a 2014, 27 pessoas foram fuziladas, a maioria cidadãos indonésios.

(Marcelo Raulino, Ceará Agora)

Anúncios