Um comerciante de 60 anos foi preso em flagrante na tarde desta quinta-feira (3), no município de Mariluz, no noroeste do Paraná, suspeito de manter uma mulher em cárcere privado. De acordo com a polícia, o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) do município recebeu uma denúncia com a informação de que ela estaria em cativeiro há dez anos, tinha problemas de saúde e não podia procurar ajuda.

Em entrevista ao G1, o comandante das Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), tenente Victor Amaral, responsável pela equipe que atendeu a ocorrência, disse que no endereço havia muros altos e cães de grande porte soltos no quintal. O cadeado do portão ficava do lado de fora e apenas o homem tinha a chave – o que, segundo Amaral, configura cárcere privado.

Amaral descreveu que todas as janelas e portas da casa estavam fechadas, mas se podia ouvir a voz da mulher, presa dentro da casa. Com a chegada da Rotam, o homem se apresentou e abriu os acessos.

A polícia encontrou na casa duas armas de fogo (um revólver calibre 38, com munições, e uma espingarda calibre 36).

Os PMs relataram que a mulher aparentemente sofre de distúrbios mentais. Questionada, disse que não havia nada de errado. Uma assistente social, que esteve no local, disse que a casa era limpa e não faltavam alimentos. Porém, não havia televisão, rádio ou telefone.

A mulher contou a uma psicóloga que não tinha acesso a meios de comunicação. Foi questionada se conhecia a Lei Maria da Penha e respondeu que não sabia do que se tratava. Disse ainda que passava os dias fazendo crochê e trabalhos domésticos, mas não podia estender roupas do lado de fora antes que o homem, suspeito de mantê-la presa, chegasse para supervisionar.

No Hospital Municipal de Mariluz há um registro médico do ano de 2001, último atendimento dela.

O suspeito mora em Mariluz há 40 anos, é comerciante, casado e em tem um filho e uma filha. Ele frequentava a casa que servia de cativeiro pelo menos uma vez por dia. Uma irmã da mulher foi autorizada por ele a entrar uma vez por semana.

Ele está preso na Delegacia de Mariluz, autuado por cárcere privado e porte ilegal de arma de fogo.

(Portal G1)