O Estadão, a quem sempre se reconheceu a qualidade jornalística, embora assumidamente reacionária, parece que vai destruir também este patrimônio de seus profissionais nesta campanha. Ontem, eu mostrei aqui que o jornal arrumou uma manchete que era puro desejo, sobre a suposta dificuldade de Dilma em ter palanques estaduais, enquanto Serra – que está caçando aliados – navegaria nas águas da tranquilidade.

O que o jornal faz, hoje, porém, é abjeto. A invasão do site do PT com propaganda de Serra e o redirecionamento dos internautas para o site do PSDB é um crime, uma fraude, uma manipulação ilegal.

O Estadão o noticia, entretanto, como algo  igual aos blogs pró-Dilma, sob o título “Partidários de petista e de tucano se digladiam na web“, com o cuidado, como se nota, de colocar Dilma antes.

A matéria, que se limita a “cozinhar” as frases agressivas que se usa contra Dilma na internet e a repetir a história do falso (e omite que é falso) dossiê do Dops sobre a ex-ministra.

Para comparar com a ação dos hackers, a materia dedica três míseras linhas para dizer que “Os simpatizantes de Dilma têm um blog em que atacam os tucanos todos os dias.”.

Ora, não há um blog atacando os tucanos. Há centenas. E há centenas de outros, inclusive hospedados nos grandes veículos de comunicação, que atacam Dilma todos os dias. Isso é do jogo, da liberdade de expressão.

O que é totalmente diferente de cometer crimes cibernéticos, invadir e redirecionar páginas.

Repito, isto é crime, fraude.

O PSDB pode afirmar que não tem nada com isso. Mas é o beneficiário e, até, o insuflador deste tipo de atos, quando assume o discurso de guerra. É como aqueles presidentes de clube de futebol que insuflam suas torcidas organizadas e, depois, quando há pancadaria, vêm dizer que deploram a violência.

O Ministério Público tem de agir, e já. Os servidores que hospedam o site estão lá, com todos os logs gravados, fresquinhos. Ninguém tem  direito ao anonimato para cometer crimes.

E é lamentável que o Estadão, que agita todos os dias a bandeira da liberdade por ter sofrido uma censura da justiça, trate da mesma forma criminosos que invadem site e cidadãos que expressam sua opinião.

(Blog Tijolaço, do Brizola Neto)