you're reading...
Justiça & Legislação, Política

Polícia abre inquérito sobre o caso Naoum

REVELAÇÃO ESTÁ NA CARTA CAPITAL DESTE FIM DE SEMANA; INVESTIGAÇÃO VAI APURAR COMO SE DEU O ROUBO, NO HOTEL NAOUM, DE IMAGENS QUE ESTAMPARAM CAPA DA REVISTA VEJA, EM AGOSTO DO ANO PASSADO, SOBRE A INFLUÊNCIA DE JOSÉ DIRCEU NO GOVERNO FEDERAL; CACHOEIRA TRATA POLICARPO JÚNIOR COMO “CANETA”

16 de Julho de 2012 às 08:37

247 – Um novo inquérito, aberto pela Polícia Civil do Distrito Federal na quarta-feira 11, deverá lançar luzes sobre a parceria editorial entre a revista Veja e o contraventor Carlos Cachoeira. A investigação visa apurar como se deu o roubo de imagens das câmeras internas do Hotel Naoum, em Brasília, que estamparam a reportagem “O Poderoso Chefão”, sobre a influência de José Dirceu no governo federal, publicada em agosto do ano passado.

A reportagem, que revelava apenas que Dirceu mantinha contatos com quadros do PT, como José Sergio Gabrielli e Fernando Pimentel, se transformou em escândalo menos pelo seu conteúdo – e mais pela forma de atuação de Veja. O repórter Gustavo Ribeiro, da revista, tentou invadir o quarto do ex-ministro da Casa Civil, mas foi impedido pela camareira do hotel. Dirceu pediu uma investigação sobre invasão de domicílio, mas ela foi arquivada diante do fato de que Ribeiro não teve êxito em sua tentativa.

Agora, um novo grampo da Operação Monte Carlo, obtido por Carta Capital, mostra uma conversa entre o araponga Jairo Martins, fonte habitual de Policarpo Júnior, e o bicheiro Carlos Cachoeira. Na conversa, ambos tratam da obtenção das imagens do circuito interno do Hotel Naoum. Jairo vinha tratando disso com funcionários do hotel, mas Cachoeira pedia que o crédito fosse dado a ele. “É, mas pro caneta você tem que falar que fui eu, viu?” Caneta era o apelido de Policarpo Júnior.

Em outras conversas captadas pela PF, já havia ficado claro que Cachoeira esteve por trás da denúncia. Com Demóstenes Torres, ele falou sobre o assunto dias antes, como se a capa de Veja fosse capaz de incendiar a República. No fim, acabou sendo um tiro no pé, que agora poderá ser esclarecido pela Polícia do Distrito Federal.

Leia, abaixo, post no blog de José Dirceu sobre o caso:

A importância de se investigar os fatos do Hotel Naoum

Não pode haver ninguém, nem nenhuma atividade que se desenvolva em nosso país, que esteja acima da lei. Este preceito simples e básico da democracia corria o risco de ser deixado de lado no caso da invasão da minha privacidade por um repórter da revista VEJA, quando eu mantinha meu escritório político no Hotel Noum, em Brasília.

Vocês devem se lembrar, já tratei da questão inúmeras vezes aqui no blog. Segundo noticia corretamente a Carta Capital que está hoje nas bancas, em reportagem de Leandro Fortes, na quarta-feira desta semana (11) foi instaurado um inquérito policial na 5ª Delegacia de Polícia Civil do Distrito Federal para investigar o roubo de imagens feitas por câmeras de segurança de parlamentares e autoridades nos corredores do Hotel Naoum.

Coisas estranhas e inexplicáveis aconteceram com o processo por invasão de privacidade que corria em Brasília contra o repórter da Veja. O delegado Edson Medina de Oliveira, que presidiu o inquérito e indiciou o repórter Gustavo Ribeiro, recomendando ainda ao Ministério Público Distrital que seguisse com o processo na Justiça, foi intempestivamente e sem qualquer explicação afastado da 5ª DP. Em 19 de dezembro do ano passado, o promotor Bruno Osmar Freitas pediu o arquivamento do caso “com base em um argumento confuso”, escreve Fortes.

Pouco mais de um mês depois, em 24 de janeiro de 2012, o juiz Raimundo Silvino da Costa Neto acatou o pedido do promoter e o caso foi encerrado. Assim, não teria havido o crime de invasão de privacidade porque o repórter, denunciado por uma camareira do hotel, acabou fugindo pela escada do hotel, antes de ser pego pelos seguranças, colocados em seu encalço pelo gerente Rogério Tonatto. Estranho argumento.

Roubo das imagens

Agora, o novo inquérito trata de outra coisa: o roubo das imagens das pessoas entrando e saindo do meu escritório no Hotel Naoum. Segundo áudios da Operação Monte Carlo citados por Leandro Fortes, houve negociações entre o bicheiro Carlinhos Cachoeira, arapongas que prestavam serviço a ele e o diretor da Veja em Brasília, Policarpo Júnior, para que as imagens captadas pelas câmaras do sistema de segurança do Hotel pudessem ser utilizadas pela reportagem que a revista publicou sobre minhas atividades na semana seguinte à tentativa de invasão do meu escritório.

Há vários lances na história que merecem ser conhecidos e para isso recomendo a leitura da reportagem “A tramoia do Naoum”, na Carta Capital desta semana. O que é importante ressaltar é a dificuldade para se levar ao devido termo um processo contra a revista em questão e um de seus repórteres, mesmo que o inquérito tenha sido feito e que os fatos tenham sido devidamente documentados, ficando evidente a tentativa da realização do crime, com autoria conhecida e tudo. Espero que este novo inquérito vá até o fim, revelando outro aspecto das atividades criminosas da revista e resultando na punição dos envolvidos, pois é evidente que houve o crime pois as imagens efetivamente foram publicadas pela revista.

E que o inquérito lance luz sobre o funcionamento da “teia de relações entre o bicheiro Carlinhos Cachoeira e a revista Veja”, como escreve Leandro no início da reportagem.

 (brasil 247)

About these ads

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

VISITANTES TOTAIS

  • 8,647,858 visitas

VISITANTES ON-LINE

SAUDAÇÕES

Sejam tod@s muito bem vind@s!

O blog diálogos políticos é uma iniciativa da Secretaria de Formação do Sindicato dos Bancários do Ceará. Nosso objetivo é possibilitar o intercâmbio de informações entre as pessoas interessadas nos mais diversos temas da conjuntura brasileira.

MEDIADOR

. Geógrafo e Funcionário da Secretaria de Formação do SEEB/CE. Atua na CCP-Banco do Brasil e CCV-Caixa. Diretor da AESB e Delegado Sindical do SINTEC-CE.

MÚSICA

Direito a Liberdade de Expressão

"Todo o indivíduo tem direito a liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e idéias por qualquer meio de expressão". Art.19 da Declaração Universal dos Direitos do Homem, promulgada em 10 de dezembro de 1948.
free counters
%d blogueiros gostam disto: