Arquivo da tag: LGBT

Assassinatos de homossexuais triplicaram em 5 anos no Brasil

gay bandeira

O número de assassinatos de homossexuais quase que triplicou em cinco anos no Brasil e passou de 122 casos em 2007 para 336 em 2012, segundo um relatório divulgado nesta sexta-feira pela associação Grupo Gay da Bahia (GGB), que usa dados da Polícia.

O relatório mostrou que os homicídios de homossexuais aumentaram paulatinamente e, no último ano, cresceram 26% no país.

São Paulo foi o estado onde mais assassinatos foram registrados, 45, enquanto a taxa de homicídios mais alta correspondeu a Alagoas, onde foram registradas 18 mortes, o que representa 5,6 mortos por cada milhão de habitantes.

Além das 336 mortes no Brasil, o relatório acrescenta o assassinato de duas brasileiras na Itália que, previamente, “tinham sido expulsas” de seu país por homofobia, segundo disse à Agência Efe o responsável do relatório, o antropólogo Luiz Mott, fundador do GGB, a maior e mais antiga associação deste grupo no Brasil.

Entre todos esses homicídios, 188 eram homens homossexuais, dois bissexuais, 19 lésbicas, 128 travestis e também se incluiu o caso de um jovem heterossexual que foi assassinado por um grupo de radicais que o confundiu com um gay.

Mott atribuiu o aumento de assassinatos ao aumento generalizado da violência no país, à impunidade dos crimes, à falta de políticas públicas para proteger os grupos mais vulneráveis e à “maior visibilidade” dos homossexuais, que a cada ano organizam mais desfiles e “saem mais do armário”.

“O Brasil é um país extremamente contraditório no tratamento aos gays. Tem um lado rosa, com a maior parada gay do mundo, com três milhões de pessoas em São Paulo, a maior associação LGBT ibero-americana e muita visibilidade em ruas, mas tem um lado vermelho sangue. É o campeão mundial de assassinatos”, afirmou.

Segundo o antropólogo, em 70% dos casos publicados no relatório, a Polícia não identificou os assassinos, que ficaram impunes.

Os gays brasileiros também enfrentam o problema da “homofobia governamental”, segundo Mott, que se plasma em que a Polícia e os juízes “veem os gays como réus, não como vítimas” e também nas decisões dos poderes públicos.

Mott disse que a presidente Dilma Rousseff contribuiu para “radicalizar” o problema, ao vetar em maio do ano passado a distribuição nas escolas de material que trata sobre a homossexualidade e o combate à homofobia, o que gerou protestos de grupos religiosos.

O antropólogo também pediu que a governante pressione seus aliados no Congresso para que seja aprovado um projeto de lei que pretende equiparar a homofobia ao delito de racismo, que está bloqueado há anos pela pressão da influente bancada evangélica.

(Agência EFE)

Transex Cecilia Marahouse é brutalmente assassinada em Fortaleza

mara

Na noite desta sexta-feira, 11 de janeiro, a transex Cecilia Marahouse conhecida por seus shows e frequente presença em boates gays do Ceará foi covardemente assassinada com 6 tiros próximo a Avenida José Bastos, na periferia de Fortaleza. Cecilia era ainda notadamente conhecida pela comunidade LGBT por atuar como acompanhante profissional.

A população LGBT de estado amanheceu chocada com a noticia e amigos e fãs de Cecilia usam o Facebook para prestarem homenagens e pedir Justiça. Que talvez nunca chegue, pois como sabemos, para as autoridades e gestores do poder de nosso país, o assassinato de gays, lésbicas, travestis ou transexuais representam apenas números a serem somados nas estatísticas!

Link: http://onixtababado.blogspot.com.br/2013/01/covardia-cecilia-marahouse-e-assassinada.html

(Portal Onix tababado com adaptações)

29 de Janeiro: Dia Nacional da Visibilidade Trans


ORIGEM: Em 29 de janeiro de 2004, ativistas transexuais participaram, no Congresso Nacional, do lançamento da primeira campanha contra a transfobia no país. A campanha “Travesti e Respeito”do Departamento DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, foi a primeira campanha nacional idealizada e pensada por ativistas transexuais para promoção do respeito e da cidadania. O Dia da Visibilidade Trans tem o objetivo de ressaltar a importância da diversidade e respeito para o Movimento Trans, representado por travestis, transexuais e transgêneros.

As conquistas são lentas. Em dezembro de 2011, a portaria n° 2.836 do Ministério da Saúde instituiu no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (Política Nacional de Saúde Integral LGBT). A maioria das pessoas transexuais ainda está lutando por algo básico: respeito! Pelo direito de andar livremente pelas ruas sem ser incomodada, apontado, discriminada e humilhado.

AGENDA:  O Dia Nacional da Visibilidade das Travestis (29 de janeiro) será marcado este ano por uma ampla programação durante o Fórum Social Temático em Porto Alegre, no período de 24 a 29 de janeiro. Promovida pela Articulação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA), e com o apoio do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais e Secretaria  de Direitos Humanos (SEDH), a programação iniciou-se nesta terça-feira (24), a partir das 13h com a concentração da marcha de abertura do Fórum, no Largo Glênio, em Porto Alegre.

Nesta sexta-feira (27), Eduardo Barbosa, diretor adjunto do  Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, será homenageado pela Associação de Defesa  Homossexual de Sergipe – ADHONS, durante o 1° Seminário Estadual de Travestis e Transexuais na Adolescência e Juventude, Uma Realidade, parte das comemorações do Dia Nacional de Visibilidade das Travestis em Aracaju/SE. Na ocasião, será lançado livro que marca o encerramento do projeto Educando para a Diversidade. O evento é organizado e promovido pela Associação de Travestis na Luta Pela Cidadania e pela ADHONS.

O Dia Nacional da Visibilidade Travesti é uma referência ao lançamento da primeira campanha de cidadania desenvolvida especificamente para a comunidade. A campanha “Travesti e Respeito” foi lançada pelo então Programa Nacional de DST e Aids do Ministério da Saúde, em 2004, com o objetivo de sensibilizar os educadores e profissionais de saúde e motivar travestis e transexuais para a cidadania e autoestima.

“Também pagamos impostos e queremos políticas públicas de educação, segurança, saúde, lazer, cultura e direitos humanos, daí a importância dessa data, pois é com ela que travestis e transexuais reafirmam sua identidade de gênero e começam a participar da sociedade que as exclui”, defende Keila Simpson da ANTRA, rede de pessoas transsexuais e travestis do país com 105 instituições afiliadas. O objetivo é mobilizar travestis e transexuais de todo o país para representar esse segmento na busca de cidadania e igualdade de direitos.

Carnaval – Este ano, pela primeira vez, uma travesti será protagonista de uma campanha de Carnaval do ministério. A mineira Adriana K, conhecida como Dri, foi fotografada para a campanha deste ano. O ensaio fotográfico foi realizado em Belo Horizonte, no dia 13 de janeiro de 2012.

Serviço – Programação Fórum
•    24 de Janeiro (terça-feira) 16h – Concentração da Marcha de Abertura
Fórum Social Temático – Largo Glênio Peres;
•    25/01 (quartaffeira) – 13h – Encontro de ONGS;
•    26/01 (quinta-feira) – 13h – Atividade da Visibilidade Travesti
Arena Chico Mendes;
•    27/01 (sexta-feira) – 19h – Atividades Cultural
Comemoração do dia da Visibilidade Travesti – Arena Chico Mendes;
•    29/01 (domingo) – Passeata de Encerramento.

Mais informações à imprensa
Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais
Ministério da Saúde
Assessoria de Imprensa
Telefones: (61) 3306-7024/7010/7016/7051
E-mail: imprensa@aids.gov.br
Site: www.aids.gov.br