Arquivo da tag: bancários

Comissão da Câmara debate carência de funcionários da Caixa Econômica Federal

No dia 29 de setembro, a Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados realizou uma audiência pública com o objetivo de debater a contratação de mais servidores para a Caixa Econômica Federal (CEF) devido à diminuição do quadro de funcionários da instituição. O assunto é um dos pleitos da Campanha Salarial dos bancários 2015 da Caixa e resultaria em um aumento da qualidade do atendimento aos clientes, além de menor sobrecarga de trabalho.

Segundo os deputados, a estrutura da Caixa cresceu e ampliou suas unidades, no entanto, o número de funcionários é insuficiente para a demanda de serviços. A reunião foi solicitada pela Deputada Federal, Erika Kokay (PT-DF) e pelo Deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) e contou com a participação de Fabiana Matheus, coordenadora da comissão executiva dos empregados da Caixa Econômica Federal, Almir Márcio Miguel, gerente nacional de informações corporativas, representantes do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, representantes da Secretaria de Relações Institucionais e pelos aprovados no concurso público realizado no ano passado.

Durante a audiência, chegou-se à conclusão de que o país precisa de uma Caixa forte e isso só será possível com a contratação de mais servidores. O presidente da APCEF/RJ (Associação Pessoal Caixa Econômica Federal), Paulo Matileti, ressaltou os argumentos sobre mais funcionários para a Caixa. “Acompanhamos a realidade hoje nas agências e sabemos que a sobrecarga de trabalho é um dos principais motivos de adoecimentos na esfera bancária. Desta forma, temos que chamar atenção do banco para a necessidade urgente de admissão de novos empregados”, afirmou.

Até o fim de 2014, a Caixa Econômica registrou 101 mil bancários, mas devido à aplicação do Plano de Apoio à Aposentadoria (PAA), mais de 3 mil servidores deixaram as unidades da instituição, fato que prejudicou o atendimento nas agências.

A função de técnico bancário exige formação em ensino médio, com salário inicial de R$ 2.025, isso no concurso da Caixa Econômica realizado em 2014. Embora o último concurso do órgão tenha sido realizado apenas para formar cadastro reserva, a seleção registrou 1.156.744 inscritos em todo o país. A banca organizadora foi o Cespe/UnB.

Os candidatos foram avaliados por meio de prova objetiva de 120 questões, que versaram sobre as disciplinas de língua portuguesa, matemática, raciocínio lógico, atualidades, ética e legislação específica, além de uma prova discursiva.

Com informações de JC Concursos

Campanha Nacional dos Bancários 2015 – Os 7 pecados do capital

A Campanha Nacional Unificada 2015 dos bancários adotou o mote “Exploração Não Tem Perdão”. E motivos não faltam. Sejam bancários, clientes ou a sociedade inteira, explorar é o verbo mais conjugado pelos banqueiros no país inteiro.

Depois de muito analisar – afinal são muitos os “maus caminhos” trilhados pelos bancos – a categoria destacou sete os maiores pecados cometidos pelo setor que caracterizam essa exploração sem limites.

Abaixo, todos bem explicadinhos.

Para combatê-los, os bancários precisam ir além de uma “reza braba”. Só com muita mobilização, unidade e participação iremos conseguir avançar em temas como emprego, remuneração, saúde e condições de trabalho, segurança, igualdade de oportunidades, dentre outros.


Não é segredo para ninguém que os bancos brasileiros, principalmente os maiores, têm lucratividade astronômica. Para dar uma ideia, somente nos seis primeiros meses deste ano, Banco do Brasil, Caixa, HSBC, Itaú, Bradesco e Santander engordaram seus cofres em R$ 36,4 bilhões, montante 27,5% maior do que já haviam lucrado no mesmo período do ano passado.

Só com tarifas, por exemplo, arrecadaram juntos R$ 56,7 bilhões neste mesmo primeiro semestre e conseguem quitar, com folgas, toda a folha de pagamento só com a receita advinda dessas taxas.

Apesar disso, têm chegado à mesa de negociações da campanha com o “não” pronto para responder às reivindicações dos trabalhadores.

Os bancários rebatem com forte mobilização: exploração não tem perdão!

É um dos piores males que a classe trabalhadora enfrenta. Os terceirizados ganham em média 27% menos que os bancários, têm menos direitos e jornada semanal até três horas e meia maior, alta rotatividade que desorganiza as categorias, ainda mais adoecimentos e mortos por acidentes.

Os bancos ano a ano veem seus lucros crescer mais e mais. Arrancam essas fortunas da sociedade, por meio de cobranças de tarifas e juros exorbitantes, e da exploração dos trabalhadores. Ou seja, deveriam contratar cada vez mais bancários para dar atendimento correto aos usuários, cujo número não para de crescer, elevar o nível de emprego no país e a qualidade de vida da classe trabalhadora, garantindo a todos os funcionários do setor os direitos previstos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. Dinheiro não falta, afinal, só com tarifas conseguem cobrir toda a folha de pagamento e com bastante folga. Mas não: demitem e terceirizam. Exploração que não tem perdão!

A sanha infinita por lucros exorbitantes alimenta um dos principais problemas enfrentados pela categoria: o assédio moral.

O modo de gestão dos bancos pressiona ao extremo os trabalhadores pelo cumprimento de metas cada vez maiores e abusivas.

O resultado: cada vez mais bancários doentes, vítimas de transtornos mentais e de Ler/Dort. Segundo o INSS, a categoria é a que mais se afasta em função de problemas psicológicos.

Além do assédio moral, este ano os bancários denunciam também o aumento de casos de assédio sexual. Segundo a consulta realizada com trabalhadores de todo o Brasil, 12% disseram já ter sido vítimas desse crime.

Os bancários avisam: exploração não tem perdão!

Os bancos adoram dizer para todo mundo que têm agências de primeira linha, como o Estilo, do Banco do Brasil, Personalitè, do Itaú, Van Gogh, do Santander, Prime, do Bradesco, dentre outras, para atender clientes de alta renda.

O que eles não gostam que conte é o péssimo atendimento dado a usuários de baixa renda, frequentemente impedidos de entrar nas agências e forçados a ir ao autoatendimento ou correspondentes bancários.

Ora, os bancos são concessões públicas e, para recebê-las, têm o compromisso de prestar atendimento de qualidade para qualquer pessoa. Não podem ostentar o tapete vermelho para uns e tratar outros como capacho.

Por isso os bancários avisam que exploração dos clientes também não tem perdão!

Não há metas abusivas? Nem assédio moral? E que tal ouvir dos bancos que não podem pagar o que é justo aos seus trabalhadores mesmo apresentando lucros bilionários? Ou que as demissões no setor, que em 2014 somaram mais de 5 mil postos de trabalho extintos, são apenas reestruturação? Assim como os admitidos ganharem 58% menos que os desligados (de janeiro a junho de 2015).

Chamar as conquistas dos trabalhadores – como PLR, auxílio-creche, bolsas de estudo, abono-assiduidade, vale-alimentação, vale-cultura –, de benefícios concedidos pela boa vontade dos próprios bancos também está no rol das inverdades. Todos esses direitos foram garantidos pelos trabalhadores após muita luta, sacrifício e greves que quase sempre acompanham as Campanhas Nacionais.

Chega de mentira! Exploração não tem perdão e os bancários vão deixar isso claro!

O mundo do trabalho está impregnado por discriminações de todos os tipos e no setor financeiro não é diferente. Negros, mulheres, pessoas com deficiência (PCDs), LGBTs encontram dificuldades para progredir na carreira nos bancos, independentemente de mérito e esforço pessoal.

As mulheres, 52,3% da categoria, recebem em média 68% da remuneração dos homens. Os negros representam 24,7% dos trabalhadores dos bancos e raramente estão nas funções de chefia. PCDs são 3,6%, quando a lei determina a proporção de 5%.

Além disso, discriminam clientes, obrigando bancários a fazer barreiras de acesso às agências: só entra quem tem dinheiro. Prestação de serviço, função primordial do setor, fica em último plano.

A categoria repete sem cansar: exploração não tem perdão!

O setor financeiro age de forma irresponsável. Com uma mão demite e sobrecarrega seus trabalhadores e com a outra esfola correntistas e usuários cobrando juros e tarifas exorbitantes. Por exemplo: uma pessoa com uma dívida de R$ 100 no cartão de crédito teria de pagar, após um ano, R$ 434,84. Entretanto, alguém que aplicar R$ 100 na poupança teria, no mesmo período, míseros R$ 108,65.

Lucram muito e prejudicam a sociedade. Entre 2012 e 2014 somente o lucro dos sete principais bancos (BB, Caixa, Itaú, Bradesco, Santander, HSBC e Safra) cresceu 18%, indo de R$ 52 bilhões para R$ 62 bilhões. Mas de janeiro de 2012 até junho de 2015, o setor (exceto a Caixa) cortou 22.136 empregos.

Sem falar que se enquadram nas empresas com grave risco de acidente de trabalho ou doença ocupacional. Foram mais de 20 mil bancários afastados somente em 2013. Chega de irresponsabilidade! Exploração não tem perdão!

(Sindicato dos Bancários e Financiários de SP, Osasco e Região)

Veja como foram todas as negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2015

As reivindicações dos bancários são debatidas entre o Comando Nacional dos Bancários, representando toda a categoria, e negociadores dos bancos. São, principalmente, três mesas realizadas concomitantemente, dentro da Campanha Nacional Unificada.

A pauta geral da categoria é debatida na mesa com a Fenaban, a federação dos bancos, e se refere à renovação da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), documento que reúne os direitos de todos os bancários do país, sem exceções.

Além dessa, há duas outras mesas específicas: uma entre representantes dos empregados e da direção da Caixa Federal, e a outra do Banco do Brasil, nos mesmos moldes. Elas visam as renovações dos respectivos acordos aditivos específicos, com direitos adicionais para os trabalhadores dos dois bancos. Vale reforçar que os dois aditivos são independentes um do outro, bem como as mesas de negociações, realizadas separadamente.

A data base da CCT e dos aditivos do Banco do Brasil e da Caixa Federal é 1º de setembro.

Nesta página vamos disponibilizar o calendário das reuniões bem como os resultados.

Fenaban
19/8 – Emprego: Recado está dado: demissão não tem perdão! (veja como foi)
2 e 3/9 – Saúde, Segurança e Condições de Trabalho (veja como foram a do dia 2 e a do dia 3)
9/9 – Igualdade de oportunidades (veja como foi)
15/9 – Saúde (veja como foi)
16/9 – Remuneração (veja como foi)
25/9 – Negociação geral (veja como foi)

Caixa Federal
27/8 – Saúde e Segurança Bancária (veja como foi)
4/9 – Saúde Caixa, Funcef e aposentados (veja como foi)
11/9 – Carreira, isonomia, organização do movimento (veja como foi)
18/9 – Contratações, condições das agências e jornada (veja como foi)

Banco do Brasil
24/8 – Emprego, contratações e condições de trabalho (veja como foi)
25/8 – Condições de trabalho e saúde (veja como foi)
31/8 – Segurança, igualdade de oportunidades e isonomia (veja como foi)
11/9 – Cláusulas sociais e previdência complementar (veja como foi)
18/9 – Remuneração e plano de carreira (veja como foi)

(Sindicato dos Bancários e Financiários de SP, Osasco e Região)

Ministro Brizola Neto se reúne com bancários, Itaú e Santander para discutir demissões

brizola neto

São Paulo – O ministro do Trabalho e Emprego, Brizola Neto, participará na próxima quarta-feira (16) de audiência com dirigentes da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e representantes dos bancos Itaú e Santander, em Brasília, para discutir a redução dos postos de trabalho e a política de rotatividade das duas instituições financeiras. Em apenas um ano e meio, o Itaú demitiu 13,5 mil funcionários, enquanto o Santander ameaçou cortar 1,2 mil vagas em dezembro, às vésperas do Natal.

De acordo com levantamento do Dieese) divulgado no final de 2012, pouco mais de 9 mil bancários perderam o emprego no país entre janeiro e setembro. O número equivale a 3,2% do total de empregados registrados em dezembro de 2011. Considerando o saldo entre cortes e novas contratações, no final do ano passado havia 7.286 vagas a menos que no período anterior.

“De um lado, os bancários perdem seus empregos e, de outro, o governo amplia os gastos com seguro-desemprego”, afirmou Carlos Cordeiro, presidente da Contraf, em nota divulgada pela entidade sindical. “Só os bancos saem ganhando, porque reduzem a folha de pagamento e aumentam ainda mais os seus lucros.” De acordo com os representantes da Contraf, que se reuniram com Brizola Neto no último dia 9 para requisitar a audiência, o ministro se mostrou preocupado com os números crescente de demissões e reafirmou o seu compromisso com a geração de empregos e o combate à alta rotatividade.

“Enquanto o Brasil não voltar a ser signatário da Convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que proíbe demissões imotivadas, é preciso encontrar travas para acabar com essa verdadeira sangria de empregos nos bancos, especialmente os privados”, ressalta a secretária de imprensa da Contraf, Rosane Alaby. Diante da justificativa dos bancos, que veem as demissões como parte de seu plano de eficiência, o presidente da Contraf atesta que “empresa eficiente não pode ser a que demite, mas a que emprega, valoriza os trabalhadores e presta bons serviços aos clientes e à sociedade”.

(Rede Brasil Atual)

Sindicatos bancários espanhóis se preparam para novos cortes no Santander

santander

MADRI (Reuters) – Os sindicatos de trabalhadores do setor bancário da Espanha estão se preparando para milhares de novos cortes de empregos neste ano, começando com demissões no Santander após fusão com a subsidiária Banesto.

Os sindicatos disseram nesta sexta-feira que esperam entre 3 mil e 4 mil cortes de trabalho como resultado da fusão e que iriam se reunir na próxima semana com o banco.

Com 6 mil empregos eliminados no Bankia e milhares de demissões em outros bancos nacionalizados, o ano começou com um comunicado sombrio para muitos trabalhadores na Espanha, onde 25 por cento da força de trabalho já está desempregada.

Somente no setor financeiro, os sindicatos bancários estimam a perda de 12 mil postos de trabalho neste ano, além dos cerca de 35 mil cortados desde meados de 2008 quando a crise do setor imobiliário na Espanha começou a afetar a indústria financeira.

No mês passado, o Santander anunciou seus planos para absorver totalmente o Banesto, fundado há 110 anos, fechando 700 agências para reduzir os custos e ajudar a se posicionar para qualquer nova crise no conturbado setor bancário espanhol.

(Reuters Brasil)