No terceiro trimestre deste ano, as fake news despontaram como o destaque em termos de links maliciosos. De acordo com o Relatório da Segurança Digital no Brasil, produzido pelo dfndr lab, foram mais de 4,8 milhões de detecções, montante que representa um aumento de 43% na comparação com o mesmo período de 2017. O total de detecções de links maliciosos no trimestre foi de 43,8 milhões e a participação das fake news mais que dobrou, se comparada com igual período do ano passado, chegando a 11% de todas as detecções.

Confirmando a expectativa, o tema mais utilizado no trimestre para a criação de notícias falsas foi política, que respondeu por 46,3% do total. Apenas sobre esse assunto foram mais de 2,2 milhões de detecções, tendo o período das eleições contribuído significativamente para o aumento das divulgações destas notícias falsas no período.

“A cada trimestre, o número e a sofisticação das fake news crescem consideravelmente. As eleições foram o principal gancho desse trimestre, mas qualquer tema que gere grande volume de cliques para ganho com publicidade ou que possa influenciar a opinião pública são utilizados como chamariz. A principal questão é que notícias falsas são um risco real à segurança das pessoas. Considere, por exemplo, o dano que fake news sobre medicamentos ou vacinas podem causar à população. Por isso, é necessário e urgente intensificarmos a discussão sobre o tema e a conscientização sobre como se proteger”, comenta Emilio Simoni, diretor do dfndr lab.

Assim como a produção de notícias falsas cresce, a disseminação de conteúdos falsos em geral entre os brasileiros, e por meio deles, segue o mesmo caminho. Uma pesquisa realizada pelo aplicativo dfndr security com mais de 35 mil respondentes de diversos estados do Brasil mostra que quase 65% das pessoas já receberam algum tipo de conteúdo falso em aplicativos de mensagens, como WhatsApp e Facebook Messenger. O teor alarmante ou que gere indignação e o fato de solicitar compartilhamento são os principais motivos pelos quais o conteúdo se espalha rapidamente por meio de amigos, familiares e conhecidos.

Crédito Link: http://tiinside.com.br/tiinside/14/11/2018/fake-news-chegam-a-quase-5-milhoes-no-terceiro-trimestre/?noticiario=TI

Anúncios