Justiça determina que bancos regularizem tempo na fila de espera

lei-das-filas

A Justiça determinou que os bancos do Brasil e do Bradesco regularizem os tempos nas filas de espera. O prazo para adequação é de 20 dias sob pena de multa R$ 50 mil, limitadas a R$ 1 milhão por agência. A decisão foi dada no dia 10 deste mês, mas só foi divulgada nesta quinta-feira (17).

De acordo com a Defensoria Pública, por não haver norma federal, cada município tem competência para legislar sobre o assunto. A Lei Municipal nº 1.047/01, diz que a espera
para atendimento nos guichês não deve ultrapassar 20 minutos em dias normais
e 30 minutos em véspera de/ou após feriados prolongados.

A decisão informa que um ticket ou senha deve ser entregue ao consumidor para controle de fluxo de atendimento nos guichês, com o registro de horário de chegada para atendimento e horário do início do efetivo atendimento. Além disso, os bancos devem afixar na porta de entrada de cada agência o dispositivo da decisão, garantindo ao consumidor o direito à informação de seus direitos.

Ainda de acordo com Defensoria, uma audiência de conciliação deve ser realizada no dia 9 de fevereiro de ano que vem para tratar do caso.

“A espera em um fila de banco, causa desgaste físico e aborrecimento excessivo ao consumidor que necessita dos serviços bancários. Assim, espera-se como resultado desse trabalho que a garantia de que as leis que delimitam o tempo de espera sejam respeitadas e que esse resultado traga conforto e segurança ao cidadão que necessite utilizar-se desse serviço”, afirmou a defensora pública Chárlita Teixeira, Coordenadora Substituta do Nudecon.

O G1 tentou contato com os bancos citados na matéria, mas até a publicação dessa reportagem não obteve resposta.

Entenda
O Núcleo Especializado de Defesa do Consumidor (Nudecon) apurou que instituições financeiras vem ignorando a norma desde 2013. Por isso a Defensoria instaurou procedimento administrativo preparatório com o objetivo de apurar infrações cometidas pelos bancos do Brasil e Bradesco.

Já Ministério Público do Estado do Tocantins instaurou inquérito civil com o objetivo de apurar lesões aos consumidores decorrentes da má prestação de serviços fornecidos por agências e instituições bancárias da Capital.

Portanto, conforme a Defensoria, a ação é decorrente da atuação conjunta das duas instituições, que esperam, com a resposta judicial ver solucionados as falhas no atendimento identificadas nos procedimentos administrativos.

(G1 Tocantins)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s