Bienal da UNE será no Ceará e terá como tema a “Feira da Reinvenção”

 

A 10ª Bienal também dará início às festividades dos 80 anos da UNE, comemorados no dia 11 de agosto.

A Bienal e a “Feira de Reinvenção”

Sempre na busca por investigar e celebrar o Brasil e a formação do seu povo, desta vez a 10ª Bienal da UNE traz para o debate o tema “Feira da Reinvenção”. Remontando à imagem e o conceito das feiras-livres na cultura popular, a Bienal propõe um espaço de troca de tendências e estéticas, reciclagens e reconexões, encontros inusitados e férteis entre os ingredientes que formam o país de norte a sul.

“Frente ao momento crítico da história política do país, na reprimenda aos sonhos de sua emancipação e superação de suas injustiças, no golpe e silenciamento dos que lutam face a suas opressões, a União Nacional dos Estudantes evoca a criatividade transformadora da cultura popular brasileira no maior festival estudantil da América Latina”, diz trecho do manifesto divulgado pelos estudantes.

Para a presidenta da UNE, Carina Vitral, a Bienal é um dos principais encontros organizados pelos estudantes e será uma enxurrada de esperança para renovar os sonhos dos jovens latino-americanos.

“Em meio a tantos ataques aos nossos direitos, vamos reagir exaltando a cultura do povo brasileiro e com coragem para conquistar o futuro que queremos. Um novo tempo onde a Educação no nosso país seja realmente tratada com a prioridade que merece e que possamos lutar por avanços e não apenas para barrar retrocessos”, destacou.

Inscrições abertas

A Bienal da UNE se consolida hoje como importante instrumento de reunião, conexão e difusão das diversas expressões artísticas estudantis de todas as regiões do país.

Existem duas formas de participar da Bienal. Uma delas é inscrever o seu trabalho. O objetivo da seleção para a mostra estudantil é abarcar o máximo de linguagens: música, artes cênicas, audiovisual, artes visuais, literatura, projetos de extensão e ciência e tecnologia. Outra maneira, é ir como participante.

As inscrições dos trabalhos para as mostras estudantis são gratuitas e devem ser feitas no período de 15 de outubro de 2016 a 6 de janeiro de 2017. É importante ler atentamente o regulamento e preencher o formulário de inscrição online disponível no site da UNE.

Já as inscrições de participantes deverão ser feitas no período de 15 de outubro de 2016 a 25 de Janeiro de 2017. É necessário também preencher o formulário de inscrição online disponível no www.une.org.br.

Valores e descontos 

A taxa de inscrição para participantes é de R$ 100,00 (cem reais) até o dia 10 de dezembro. Depois desta data, o valor será de R$ 150,00 (cento e cinquenta reais) até 25 de janeiro. Para aqueles que não fizerem a inscrição antecipada, o custo será de R$ 200,00 (duzentos reais) e só poderá ser feita presencialmente no local do credenciamento da Bienal.

É importante destacar a política adota pela UNE para os estudantes cotistas e os beneficiários do ProUni, que terão desconto de 30% válido somente nas inscrições antecipadas mediante comprovação via documentos de acordo com o regulamento.

As inscrições darão direito a alojamento, acesso a todas as atividades da Bienal. O inscrito também terá transporte, em Fortaleza, dos alojamentos até o local do festival.

Fortaleza e o Dragão do Mar 

Os seis dias da Bienal apresentam um qualificado rol de convidados entre pensadores, artistas e ativistas. O encontro cumpre ainda uma extensa programação para todas as formas, cores, sons, jeitos e expressões da juventude.

Em Fortaleza, as atividades desta 10ª edição estarão concentradas na região da Praia de Iracema, no moderno complexo arquitetônico Dragão do Mar, ponto turístico da capital. Este centro de arte e cultura reúne teatro, cinema, galerias de arte, planetário, além de ser rodeado por uma exposição de grafite, bares e restaurantes.

A grande “Feira da Reinvenção” dos estudantes terá oficinas, debates, shows, instalações, intervenções, atividades esportivas, performances e as tradicionais mostras de trabalhos estudantis e também as mostras convidadas.

O cearense Ivo Braga, tesoureiro da UNE, já está focado em acelerar a organização do festival com objetivo de receber da melhor maneira possível gente de todos os cantos do Brasil.

“Fortaleza é uma cidade de enorme resistência cultural e política e a Praia de Iracema é o nosso principal cartão postal. É onde ficava o antigo porto da capital, e hoje é a área criativa da cidade, um espaço de efervescência artística e de preservação da memória do povo cearense. A 10ª Bienal da UNE tem tudo a ver com este clima e vai desembarcar no Dragão do Mar com a vitalidade e irreverência dos jovens estudantes, uma mistura do velho e do novo que vai marcar a história da UNE e do Ceará”, destacou Ivo.


20 anos celebrando a produção estudantil 

Esta décima edição marca os quase 20 anos desde a realização da primeira Bienal, em 1999, em Salvador, na Bahia. O festival dará início ainda às atividades de comemoração dos 80 anos da União Nacional dos Estudantes, fundada em 1937.

A vice-presidenta da UNE, Moara Correia destaca que ao longo de todas as edições se constituiu o espaço mais amplo da UNE pela diversidade e por falar da cultura além das expressões tradicionais como cinema, música, etc.

“A Bienal fala sobre a cultura feminista que transforma o país, a cultura negra que afronta o racismo, as culturas jovens e periféricas que constroem formas novas de resistência para disputar a sociedade. E Esta edição se torna simbólica porque agora os debates serão com paridade de gênero e étnico-racial, os sujeitos que estão transformando a cultura política brasileira estarão no centro”, destacou Moara.

A Bienal da UNE sempre é guiada por um tema que representa algum dos elementos formadores do povo brasileiro. O festival já debateu a cultura popular (Recife 2003), a integração do Brasil com a América Latina (São Paulo 2005), as relações do país com a África (Rio, 2007), as raízes do Brasil (Salvador, 2009), o samba (Rio, 2011) e a influência da cultura nordestina (Recife, 2013).

Já passaram pela Bienal Gilberto Gil, Oscar Niemeyer, Ariano Suassuna, Abdias Nascimento, Alceu Valença, Tom Zé, Martinho da Vila, Augusto Boal, Beth Carvalho, Dona Ivone Lara, Lenine, Naná Vasconcelos, Criolo, Pitty e muitos outros personagens.


> Veja abaixo o documentário da última edição da Bienal:

Fonte: UNE

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s