Fortaleza está nos planos do Facebook

pirambu
Grande Pirambu, Fortaleza-CE

Por Andreh Jonathas, via O Povo

As favelas em Fortaleza estão no radar do Facebook para desenvolver negócios locais e estimular o empreendedorismo. Desde março de 2015, a rede social realiza projetos de capacitação e uso das ferramentas tecnológicas da empresa na favela de Heliópolis, em São Paulo. Em seguida, foi à favela da Rocinha, no Rio. Norte e Nordeste estão nos planos.

São 12 milhões de pessoas em favela no Brasil e US$ 19 bilhões em consumo anual. Duas em cada 10 pessoas nas favelas querem empreender. É um filão de oportunidade de negócios para as redes sociais.

As informações são da diretora de Empreendedorismo do Facebook no Brasil, Camila Fusco, que falou com exclusividade ao O POVO, por telefone. Neste sábado pela manhã, o Facebook realizou o evento chamado Impulsione seu Negócio, na Fábrica de Negócios, em Fortaleza.

O POVO – Como surgiu o interesse do Facebook por favelas no Brasil?

Camila Fusco – Em 2014, a gente tinha parceria com o Sebrae (Serviço Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e participava da Feira do Empreendedor deles. Alguns empreendedores da Favela da Rocinha nos procuraram, porque tinham interesse em continuar a tecnologia do Facebook, que eles já usavam, mas pra impulsionar negócios.

OP – A demanda era macro?

Camila – Fomos atrás de números e dados e saber como estava o empreendedorismo nas favelas. Em março de 2015, começamos na favela de Heliópolis em São Paulo. Foi o primeiro projeto do Facebook em comunidades. Lá são 200 mil pessoas e 5 mil pequenos comércios. O que eles não tinham era o conhecimento de como usar o Facebook para fazer negócios. Como a gente consegue fazer para chegar a esses empreendedores? Fomos capacitar esse pequeno empresário para usar a tecnologia para o seu negócio. Era necessário fazer parcerias com outras instituições complementares referentes ao empreendedorismo. Criamos uma grade de aula, com 15 computadores, onde o Facebook mostra o uso da ferramenta.

OP – Com quem foram as parcerias?

Camila – A gente fez uma parceria com a Cufa (Central Única das Favelas) e Instituto Data Popular para dar um próximo passo. Em setembro do ano passado, decidimos levar também para o Rio de Janeiro essa capacitação. São 12 milhões de pessoas em favelas no Brasil. Duas em cada 10 pessoas nas favelas querem empreender. Criamos outro laboratório, em parceria com a Faculdade Estácio, inclusive. Todo sábado tem aula no laboratório sobre o Facebook Seu Negócio, Facebook pra Você e um módulo de empreendedorismo. Criamos a Facebook Kombi, onde é colocada a equipe, computadores e vamos às favelas dando minipalestras.

OP – Onde entra o Ceará e Fortaleza nos interesses do Facebook?

Camila – O próximo passo é mapear o Brasil para levar esse projeto a outros lugares. Norte e Nordeste estão nos nossos radares, sim. A ideia é continuar conversando com eles (a Cufa) para saber como fazer essa escalada. A ideia é levar essa capacitação também a outros lugares, dentro das favelas, para usar a tecnologia em favor deles. Não temos ainda parcerias fechadas. Vamos estudar ao longo dos próximos meses, para onde vamos levar esse projeto de capacitação. Ceará é um estado muito empreendedor. O número de Micro Empreendedores Individuais (MEI) em Fortaleza cresceu 20% em 2015. Estão usando a ferramenta de forma muito criativa. Usam vídeo, usam página. Estão acostumados para fim pessoal. Agora, começam a usar cada vez mais. O Facebook é uma das ferramentas potentes para gerar novas empresas.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s