campanha-salarial-2016

Via Contraf-CUT

O Comando Nacional dos Bancários definiu na terça-feira (23) em reunião realizada na sede da Contraf- CUT, o calendário de atividades da Campanha Nacional 2016 , avaliou a conjuntura e aprovou resolução política de atuação, posicionando a categoria em assuntos como Reforma da Previdência, taxa de juros, crédito, autonomia do Banco Central e combate a corrupção.

Resoluções Políticas do Comando Nacional dos Bancários

Reafirmamos nossa posição de não aceitar a retirada de direitos dos trabalhadores em projetos que tramitam no Congresso Nacional ou em qualquer outra esfera.

Entendemos que a prioridade do governo não tem de ser a Reforma da Previdência e sim promover mudanças na política econômica para a retomada do crescimento com políticas de ampliação do crédito e geração de emprego e renda. Não vamos aceitar retrocessos como a idade mínima para a aposentadoria ou equiparação entre homens e mulheres do tempo de vida exigido para obter o benefício.

Repudiamos essa prática de juros altos e extorsivos cobrados pelos bancos e defendemos a redução da taxa Selic, que nos patamares atuais só contribui para o fortalecimento do rentismo, retirando dinheiro do orçamento público (em saúde, educação e políticas sociais) para colocar no bolso do setor financeiro.
Somos contrários ao projeto de lei que prevê a independência do Banco Central do Brasil e tem a intenção de subordiná-lo aos interesses do mercado financeiro e não ao povo brasileiro.

Defendemos o combate à corrupção, de forma contínua e indiscriminada, em sua maioria decorrente do financiamento empresarial de campanha, que atinge partidos do governo e da oposição. E repudiamos as tentativas golpistas de impeachment que visam apenas desestabilizar o país e aprovar essa pauta de retrocessos sociais e retirada de direitos, derrotada nas eleições de 2014.

O Comando Nacional dos Bancários continuará ação permanente para impedir que sejam aprovados projetos contrários aos interesses da classe trabalhadora, a exemplo da pauta conservadora em tramitação no Legislativo, como o PL da terceirização e o PLS 555 que ameaça empresas públicas e visam acabar com direitos trabalhistas e sociais.

Chamamos a unidade da classe trabalhadora e convocamos também toda a militância a participar, no dia 31 de março, da Marcha à Brasília pela retomada dos investimentos públicos, em defesa da produção, de salários e empregos de qualidade no Brasil, garantindo contrapartidas sociais e combatendo a especulação e os abusos do sistema financeiro, contra a retirada de direitos, em defesa da democracia, contra a investida do projeto neoliberal.

Confira o Calendário da Campanha 2016

DATA EVENTO
1º de março Mobilização de trabalhadores no Senado Federal contra PLS 555
2 de março Dia Nacional de Luta da Caixa
31 de março Mobilização em Brasília contra as reformas da Previdência Social e pautas contra os trabalhadores
17 de março (a confirmar) Grande Ato no Congresso Nacional contra PLS 555
13 e 14 de maio Encontro Nacional dos Financiários
14 de maio a 05 de junho Prazo para realização de encontros regionais de bancos públicos
14 de maio a 05 de junho Prazo para realização de encontros regionais de bancos privados
20 de maio a 03 de julho Prazo para realização das Conferências Estaduais/Regionais
7 e 8 de junho Encontros Nacionais de Bancos Privados
17 a 19 de junho 27º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil – CNFBB
17 a 19 de junho 32º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa – CONECEF
15 a 17 de julho 18ª Conferência Nacional dos Bancários

 

Anúncios