É melhor Eduardo Cunha se explicar em vez de inventar conluios, afirma Cardozo

Neste domingo (17), o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, respondeu ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que havia afirmado ser vítima de um complô entre governo e a Procuradoria-geral da República.

“Seria melhor o presidente da Câmara explicar à opinião pública as acusações que lhe são dirigidas ao invés de se vitimizar inventando teses de ‘conluios’ que nunca existiram”, afirmou o ministro à Folha de S. Paulo.

Cardozo destacou ainda que a fato de o inquérito ter sido aberto para apurar vazamentos de mensagens de Léo  Pinheiro, obtidas na Operação Lava Jato, tinha como vítimas várias pessoas, “como o ministro Wagner e o próprio Eduardo Cunha”.

O ministro também destacou: “Não entendo a razão pela qual ele ficou tão incomodado com a abertura deste inquérito. É estranho. Mas, se houver outro vazamento ilegal contra ele não investigado, como já disse, ele pode representar para mim pedindo apuração. Ele sabe como fazer. Já fez antes. E sempre foi atendido como manda a lei.”

"Seria melhor o presidente da Câmara explicar à opinião pública as acusações que lhe são dirigidas ao invés de se vitimizar", disse Cardozo
“Seria melhor o presidente da Câmara explicar à opinião pública as acusações que lhe são dirigidas ao invés de se vitimizar”, disse Cardozo

 Governo e Procuradoria agem juntos contra mim, afirma Cunha

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou que seu maior algoz, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, “trabalha em conjunto” com o governo Dilma Rousseff para atacá-lo. Em entrevista à Folha de S. Paulo, Cunha afirmou ainda que o chefe do Ministério Público Federal está confundindo o “papel de acusador com o de militante político” e ironiza a consistência da ação em que o PGR pede seu afastamento do comando da Câmara. “É risível”, avalia.

Na entrevista, Cunha destaca que não vê a possibilidade de ser afastado pelo STF. “A peça que o procurador-geral protocolou é teatral. Tem 11 atos. Vou rebater um a um. Chega a ser esdrúxulo. Ele cita, por exemplo, projeto de um deputado que trata de mudanças na lei da delação. Diz que foi feito com o objetivo de evitar que um delator pudesse mudar o depoimento e me beneficiar. Esse depoimento foi em 10 de junho, tornou-se público 17 de julho. O procurador fez a denúncia contra mim no dia 20 de agosto. O projeto foi protocolado dia 25 de agosto. É posterior, portanto, até à denúncia. Se isso vai ser motivo de afastamento, chega a ser risível”, afirmou.

Cunha afirma também  que trata doação “com muita transparência”. “Essa empresa [a OAS, de Léo Pinheiro] nunca me deu um centavo. Nenhuma das doações dela veio para a minha campanha. Se pedi, não era para mim. Nesse caso era uma doação para o Henrique Eduardo Alves [PMDB] ao governo do Rio Grande do Norte.”

Cunha também faz ataques a Janot: “Ele cita requerimentos de pessoas que diz serem meus seguidores na CPI. Diz que é uma “organização criminosa”. Se é, por que não entrou contra todo mundo? É uma organização de um só? Ele trata o chefe de um Poder como um delinquente. Nem réu eu sou. Ele está trocando o papel de acusador por militante político.”

O presidente da Câmara reforça ainda que é tratado de maneira diferenciada: “É óbvio, nítido, notório que há um tratamento diferenciado em relação a mim. Tentam me usar para disfarçar a situação de outras pessoas. Não quero acusar ninguém. Ao contrário deles, que gostam de dividir bancos de réus, não quero ser réu, quero provar a minha defesa e ter o tratamento igual. Vaza um documento sobre o Jaques Wagner e o ministro da Justiça pede para apurar imediatamente. O meu vaza todo dia e ninguém fala nada. São inúmeros procedimentos, posso falar até amanhã.”

Sobre a possibilidade de renúncia, Cunha ironiza: “De quem? Da presidente? Cabe a ela decidir, não a mim [risos].” Ele ainda afirma não ter receio de ser preso: “Não temo nada. Acha que, do jeito que o PGR gosta de mim, se pudesse ter feito, ele já não teria?”

(Jornal do Brasil)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s