Na última semana, o Sindicato dos Bancários de Curitiba e região recebeu várias denúncias de funcionários do Banco do Brasil, reclamando da postura do banco com relação a compensação das horas não trabalhadas na greve da Campanha Nacional 2015. “Ao que parece, o BB, que se recusava em mesa a aceitar a atual formulação de compensação, agora quer subverter o que foi acordado, impondo que todos os funcionários são obrigados a compensar uma hora integral todos os dias, sendo que os de funcionários com jornadas de 6 horas devem fazer uma hora de almoço”, resume o dirigente sindical André Machado.

O Sindicato destaca que a compensação das horas deve ser feita, em todos os bancos, conforme estabelecido na cláusula 58 da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT 2015/2016). “A cláusula deixa claro que as horas não serão compensadas integralmente, pois o período de compensação acaba no dia 15 de dezembro e todas as horas remanescentes serão anistiadas. A limitação de uma hora é o máximo diário para proteger o trabalhador de excessos, e não o mínimo obrigatório”, acrescenta André Machado. Confira a cláusula:

O Sindicato relembra ainda que a compensação deve ser feita com bom senso, sobretudo em situações excepcionais, como lactantes, estudantes ou pais que tem obrigações com filhos. Os bancários devem denunciar ainda toda e qualquer prática coerciva utilizada por parte do banco, assim, a entidade atuará judicialmente e politicamente para coibir práticas antissindicais da empresa e dos gestores.

Por Renata Ortega

Fonte: SEEB Curitiba

Anúncios