O Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Estado do Ceará (Sinpol-CE) realiza nesta quinta-feira, 29, uma assembleia geral extraordinária para discutir a apresentação da contraproposta do Governo do Estado para a categoria ou deliberar estado de greve. A categoria reivindica reestruturação salarial com adequação para profissionais de ensino superior. O prazo final para o governo apresentar contraproposta é até o dia 29.

Ana Paula Cavalcante, vice-presidente do Sinpol-CE, afirma que dos 1.480 inspetores aprovados em concurso, em 2012, apenas 650 continuam atuando no Estado. Os números apresentam evasão de mais de 50% em dois anos. “Muitos usaram a vaga como trampolim para concursos em estados como o Piauí, que paga o dobro. O que pedimos não é absurdo, é um caminho natural de todos os Estados”.
Ainda de acordo com Ana Paula, a classe tem “esperança” de que o governo apresente uma contraproposta na data estipulada. “Queremos mostrar que se não houver reconhecimento, a evasão pode continuar. É uma vergonha o Ceará perder profissionais capacitados para outros estados”, diz. As negociações ocorrem desde janeiro de 2015.
Se os escrivães e inspetores optarem por entrar em estado de greve, paralisações pontuais podem ocorrer a qualquer momento, a partir da próxima sexta-feira, 30. Mobilização da categoria e assembleias estão sendo previstas, porém, a classe ainda não planeja a longo prazo. Dentre as ações, serão reproduzidos vídeos de inspetores cearenses admitidos em outros estados apoiando o movimento.
Acrísio Sena, assessor especial de Acolhimento aos Movimentos Sociais, declarou que o governo vem debatendo a proposta por meio da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplan) “fazendo estudos de impacto”. “Entendemos a importância deles para o Estado. A posição do governo é construir uma saída negociada”, afirmou.
Hoje, segundo o Sinpol-CE, cerca de 2.400 policiais civis atuam no Ceará. Em junho de 2014, eram 2.566 profissionais atuantes. A presidência do Sinpol-CE vai se reunir nesta terça-feira, 27, com Acrísio Sena e Hugo Santana, secretário de planejamento.
A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) foi procurada pelo O POVO Online, mas não se manifestou sobre o assunto.
Rubens Rodrigues, especial para O POVO Online
Anúncios