O Sindicato dos Bancários do Ceará comemorou neste sábado, 10/10, com 60 ex-becistas, o pagamento de mais três lotes dos valores incontroversos de ação que cobra dois reajustes salariais não realizados pelo Banco nos acordos 1996/1997 e 1997/1998. Os cheques com os valores liberados através de alvarás foram entregues durante um café da manhã, ocasião em que a entidade deu esclarecimentos sobre os trâmites de ação e sobre as deduções legais. Aguarda-se a liberação de outros lotes em breve.

Os cheques foram entregues aos ex-becistas pelos diretores do Sindicato, Robério Ximenes, Rita Ferreira, Judas Tadeu, que contaram ainda com a colaboração do assessor jurídico da entidade, Anatole Nogueira. Na ocasião foi lembrado que estão sendo liberados os lotes paulatinamente. Como a Justiça entrou em greve, houve demora na liberação dos valores. O primeiro lote da ação foi pago em junho deste ano.

Mais de 1.200 bancários são beneficiários dessa ação, que foi repartida em 58 execuções separadas por lotes de, em média, 20 bancários cada um. Esses são valores incontroversos liberados, que representam os valores que não estão sendo discutido judicialmente. No entanto, os valores totais da ação continuam sendo postulados e prossegue seu curso na Justiça.

“Não foi um trabalho fácil, mas hoje nós estamos aqui comemorando essa vitória merecida com vocês. Muito nos honra saber que estamos recuperando para os ex-becistas um pouco do que lhes foi tirado”, destacou Rita Ferreira, diretora do Sindicato.

“Essa ação já tramita há 19 anos e hoje é um dia histórico para todos nós. Toda ação coletiva geralmente é muito demorada, é difícil localizar todo mundo, mas é muito satisfatório também chegar a um momento como esse, de devolução de uma parte do direito do trabalhador”, ressaltou Robério Ximenes, enfatizando que a entidade, através do seu Departamento Jurídico, vai continuar lutando para conquistar todos os valores que os ex-becistas têm direito.

O que postula a ação

O Sindicato ajuizou essa ação em 1998, pedindo o pagamento de dois reajustes salariais que o Banco do Estado do Ceará (BEC), não realizou na época, nas Convenções Coletivas de 1996/97 e 1997/98, e que fossem feitos esses reflexos, ou reajustes que o BEC não realizou, junto às verbas salariais, como 13º, férias, FGTS. Enfim, todos os benefícios previstos pela legislação trabalhista e pelas Convenções Coletivas dos Bancários.

Histórico da ação

Essa ação demorou mais de 17 anos entre recursos e decisões sobre a matéria. Em 2013, o juiz determinou que o Sindicato apresentasse execuções individuais, no prazo de um ano. O Sindicato fez esse trabalho árduo e passou a convocar as pessoas, recolheu contracheques, fez análise dos valores que cada uma recebia na época e fez uma planilha específica para cada empregado.

(Sindicato dos Bancários do Ceará)