Foto: ​Agência Brasil

O estado do Ceará  tornou-se  o epicentro de uma megaoperação internacional contra o narcotráfico entre dois continentes, a América do Sul e a Europa. A ação policial envolveu a Polícia Federal  brasileira e o Departamento Anti-Drogas de Portugal (de Estupefacientes) . Uma tonelada de cocaína foi apreendida, além da descoberta e destruição de três laboratórios de refino da droga. Na manhã desta terça-feira (29), nada menos, que 230 policiais federais cumpriram cerca de 30 mandados de prisão, busca e apreensão, além de condução coercitiva no Ceará e em mais sete estados brasileiros.

Batizada de “Cardume”, em referência à prisão de narcotraficantes considerados “peixes graúdos” da organização criminosa, a operação da PF se estende desde as primeiras horas de hoje. Uma entrevista coletiva de Imprensa está marcada para as 11 horas na sede da PF desta Capital.  Os nomes dos envolvidos e presos durante a mobilização policial não foram ainda, e, provavelmente, não serão divulgados pelas autoridades, conforme praxe da PF.

A operação também se entrelaça com as investigações sigilosas que vêm sendo feitas  pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) acerca do escândalo da “venda” de liminares e habeas corpus por desembargadores e juízes membros do Judiciário cearense, especialmente, nos plantões de feriados e fins de semana do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE), fato que já levou a PF a fazer uma operação, batizada de “!50”, de varredura na própria sede daquela Corte.

Na operação, além das buscas policiais em 19 cidades do Ceará, incluindo Fortaleza, foram também desencadeadas diligências nos estados do Rio Grande do Norte, Mato Groso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul, com a apreensão de uma tonelada de cocaína, 21  quilos de maconha e 300 quilos de substâncias químicas usadas no fabrico das drogas. Somente no Ceará teriam sido realizados 32 cumprimentos de ordens judiciais (prisões, apreensões e conduções).

Rota Internacional

Nas investigações levadas à cabo pela PF com o auxílio da Interpol e de polícias de alguns países europeus e sul-americanos, ficou conformada a existência de mais uma rota internacional de tráfico de cocaína, cuja origem seria a Bolívia como país produtor da coca.

Do território boliviano, o entorpecente entrava no Brasil por vias terrestre e aérea, chegando ao Nordeste brasileiro, apontando no Ceará e  no Rio Grande do Norte.  Pelos aeroportos de Natal e Fortaleza  a droga, então, era enviada, através de “mulas” para países europeus como Portugal, Holanda e outros.

Na operação realizada nesta terça-feira, os  230 policiais federais  teriam prendido nesta Capital, pelo menos, um dos “peixes graúdos” da organização criminosa. Seria um empresário, cujo nome é mantido em sigilo. Além disso, a PF  realizou diligências em mais sete estados para cumprir 15 mandados de prisão preventiva, 13 de prisão temporária, 22 conduções coercitivas (o suspeito é levado à força para depor), e 51 de busca e apreensão.

E ainda, a PF informa neste momento que, além do “estouro” de três laboratórios utilizados para o refino da cocaína boliviana (um deles em Lisboa, Portugal), foram realizados seqüestros de bens e bloqueio de contas de pessoas físicas e jurídicas.

Via http://blogdofernandoribeiro.com.br