O governo decidiu manter o adiantamento de metade do 13° salário aos aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O pagamento, que geralmente sai com a folha de pagamento de agosto, foi suspenso pelo por falta de fluxo de caixa. As informações são do jornal “Folha de S. Paulo”. A possibilidade de a União não antecipar a parcela do benefício atinge 28 milhões de pessoas.

Ainda segundo o jornal, a data e a forma como se dará o adiantamento serão definidas nesta quarta-feira, em uma reunião da presidente Dilma Rousseff com a equipe econômica. Fazer uma folha extra para que o pagamento saia ainda neste mês é uma das opções que serão avaliadas. Outra alternativa seria depositar antecipação na folha de setembro. O governo teria sido informado de que o Congresso ameaçava aprovar uma norma obrigando o Palácio do Planalto a antecipar o benefício.

Ao EXTRA, o Ministério da Previdência Social afirmou que, até a manhã desta quinta-feira, não foi informado sobre qualquer decisão envolvendo o assunto. O Palácio do Planalto e a o Ministério do Planejamento não esclareceram se o assunto estará na pauta da reunião da presidente Dilma terá com o Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa, na tarde desta quarta-feira.

Nos últimos nove anos, a liberação de parte do 13º aconteceu na folha de pagamento de agosto, com pagamento entre os cinco últimos dias úteis de agosto e os cinco primeiros de setembro.

A antecipação não está prevista em lei. Entretanto, há nove anos o governo antecipa metade do 13º do salário dos aposentados e dos pensionistas do INSS por meio de um decreto, que costuma ser publicado na primeira semana de agosto.

Por causa do problema, na terça-feira, o Sindicato Nacional de Aposentados, Pensionistas e Idosos da Força Sindical (Sindnapi) entrou com uma ação contra a União. O objetivo é garantir o pagamento da parcela ainda neste mês.

(Extra Online)

Anúncios