São Paulo – O Santander está transformando algumas agências localizadas em shoppings, na capital paulista, em agências de negócios. Para isso, o banco está retirando desses locais os caixas e coordenadores.

“Somos contrários a essa mudança por parte do Santander. Entendemos que o banco é uma instituição de concessão pública e tem o dever de atender a todos, sem discriminação”, declara a dirigente sindical Maria Lellis.

Questionado pelo Sindicato, o banco assegurou que os trabalhadores retirados dessas agências não serão demitidos, e sim realocados em outros locais onde existe a necessidade de aumentar o número de funcionários.

Segurança – Algumas das unidades  transformadas em agências de negócios pelo Santander contam com uma empresa terceirizada para abastecer o autoatendimento e recolher os envelopes de depósitos para o posterior processamento. Sob a alegação de que nessas unidades não se trabalha com numerário, o banco também retirou os vigilantes dessas agências.

“O fato de não ter caixa ou cofre não assegura que a agência está livre da ação de assaltantes. O autoatendimento atrai a atenção dos bandidos”, afirma Maria Lellis. “É dever do banco zelar pela segurança de seus trabalhadores e clientes que, sem vigilantes, correm mais risco de serem vítimas das famosas ‘saidinhas’ ou mesmo de sequestros relâmpagos”, acrescenta.

(Felipe Rousselet – Sindicato dos Bancários de SP)