Os guardas municipais não recebem novo fardamento há quatro anos e a situação faz com que os profissionais da segurança utilizem dinheiro do próprio bolso para adquirir as vestes. A informação foi repassada pela Associação dos Guardas Municipais do Estado do Ceará. A Secretaria de Segurança Cidadã informou que os uniformes serão distribuídos em meados de outubro, os agentes que mandaram confeccionar as roupas por conta própria não serão ressarcidos.

Segundo o presidente do órgão, Ailton Honorato, o caso será denunciado ao Ministério Público do Trabalho do Estado do Ceará (MPTCE). A licitação para a confecção e compra dos novos fardamentos teria sido realizada em 2013 e foi retomada em 2014. Ainda conforme, a última entrega foi feita na gestão passada.

A associação informa que fez dois requerimentos de fardamento, sendo um para o diretor geral da Guarda Municipal, Edgar Fuques e um para o setor de suprimento e patrimônio da guarda. Além de ter feito um relato do problema para a ouvidoria geral da Guarda Municipal.

“Existem guardas trabalhando a paisana, muitos estão de farda, mas as roupas estão rasgadas e os coturnos amarrados com arames. Tem gente comprando fardamento, os novatos e os veteranos, mais da metade manda fazer do próprio bolso. São feitos em empresas privadas, eles vão com um ofício da guarda e pagam cerca de R$ 300, mas não são ressarcidos”, lamenta.

Segundo a Secretaria de Segurança Cidadã do município de Fortaleza, a guarda municipal informou que o processo de aquisição de novos fardamentos está em fase de conclusão e assinatura de contrato.

Os uniformes devem atender os novos mil guardas que entraram no último concurso público. Já os guardas veteranos vão receber o fardamento até “meados” de outubro.  Em relação a confecção custeada com o dinheiro dos próprios funcionários, a guarda informou que não vai devolver a quantia gasta pelos profissionais.

A assessoria jurídica da instituição realiza uma regulamentação sobre o uso do fardamento que vai comtemplar todos os tipos de ações. Por exemplo, o profissional terá o ressarcimento da farda somente em caso de roubo, se comprovadas por meio de boletim de ocorrência e devidas justificativas.

(O Povo)

(Jéssika Sisnando, O Povo)

Anúncios