Muitos candidatos estão em pânico por conta por conta de notícias sobre seus concursos. O da Defensoria Pública da União foi suspenso depois de o edital ser publicado; o do Banco do Brasil, que sempre sai três meses antes de encerrada a validade do concurso anterior, foi adiado; o do INSS está sem previsão.

Falamos sobre isso no vídeo da semana passada, mas acho prudente aprofundarmos o tema de forma mais detalhada. Casos como os citados não são exatamente exceções. Essa é a dinâmica dos concursos públicos: são imprevisíveis.

Portanto, se você abraçou esse projeto como ideal de vida é preciso manter a calma e buscar alternativas produtivas, a cada vez que as notícias forem diferentes da sua expectativa.

Se você vinha estudando para uma área de concurso, como sempre recomendamos, os abalos decorrentes desse tipo de notícia são sempre menores e de fácil absorção. Afinal, você está estudando para um grupo de concursos, e não para um específico. Desta forma, se um for adiado, todos os outros permanecem no leque de possibilidades.

O cuidado será apenas verificar – caso as notícias sejam de adiamento sem perspectiva – se você estava estudando alguma matéria específica. Esta deverá ser temporariamente abandonada, até que as notícias sobre aquele determinado edital se aqueçam novamente.

Mesmo se você estava com o foco em apenas um concurso, antes de se desesperar, eu proponho uma reflexão: se o concurso saísse hoje, você seria aprovado? Você está absolutamente pronto na sua preparação? Concurso público não se mede por meses – a unidade mínima, se tanto, é semestre. Então, notícias de que um concurso não vai sair no início de um semestre, mas no final, ou no início do seguinte, devem ser encaradas pelo aspecto positivo: mais tempo para estudar. Sempre há o que melhorar.

De modo geral, a recomendação é analisar os fatos e tentar descobrir se o concurso foi somente adiado por alguns meses ou se existe o risco de uma suspensão sem qualquer indício de edital nos próximos semestres (o que também pode mudar de repente, mas não há perspectiva no momento).

Se o adiamento for breve (lembrando que alguns meses é breve), siga estudando normalmente, se realmente tem interesse naquele concurso.

Se as notícias começarem a ficar cada vez mais pessimistas em relação à previsão do edital, pode ser melhor abandonar aquele concurso por um tempo e pensar em outras possibilidades.

Tenha objetivos mais amplos
Para isso, verifique que muitas das matérias que você está estudando devem servir também para outros concursos similares. E aí pode ser chegada a hora de mudar um pouco de estratégia e começar a preparação com um objetivo mais aberto, mirando um grupo e não apenas um concurso.

Para fazer isso sem se perder, o candidato deve priorizar o estudo das disciplinas que são cobradas nos diversos editais da área escolhida. Assim, é possível adiantar bastante o estudo do conteúdo e não ficar refém da publicação de um ou outro edital.

Claro que, conforme o conhecimento das matérias comuns vai ficando sedimentado, é interessante acompanhar as notícias para saber para onde vale a pena direcionar os esforços, incluindo outras disciplinas que devam ser cobradas no concurso do seu interesse e que tenha maior possibilidade de sair.

Por outro lado, cabe ressaltar que os concursos federais devem começar a ser autorizados, uma vez que já saiu o contingenciamento das despesas, permitindo que o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) retome o assunto das liberações dos concursos.

Portanto, cuidado. Se você vai abandonar o projeto ou perder o ritmo de estudo a cada mudança de maré nos concursos públicos, suas chances de aprovação se reduzem muito. Vence primeiro quem sabe tirar proveito de qualquer tempo, seja ele de muitos editais ou de calmaria.

Foto: Reprodução/TV Liberal