O empresário Wagner Canhedo Filho foi preso nesta sexta-feira (22), em flagrante, por porte ilegal de armas em meio à operação Patriota, deflagrada pela Polícia Federal (PF) e pela Procuradoria da Fazenda Nacional, em Brasília. Ele era um dos alvos da operação que investiga um esquema de fraude fiscal superior a R$ 875 milhões.

Os gestores do grupo Canhedo, que administram, entre outros negócios, empresas de ônibus, de turismo e o hotel Nacional –que inspirou o nome da operação–, são suspeitos de usar empresas de fachada para ocultar faturamento de empresas e, com isso, não pagar multas e débitos tributários.

As investigações começaram no ano passado, depois que fiscais da Procuradoria da Fazenda Nacional tentaram bloquear o faturamento de seis empresas do grupo para pagamento de débitos junto à Receita Federal mas não tiveram sucesso. Isso porque, apesar de ativas, essas empresas não tinham faturamento.

Com as investigações, a PF e a Procuradoria da Fazenda Nacional identificaram que empresas de fachada eram usadas pelos gestores do grupo Canhedo para ocultar o faturamento das empresas em débito com a Receita Federal.

Ao todo, foram cumpridos 11 mandados de condução coercitiva e 15 de busca e apreensão, sendo um deles na casa do empresário Wagner Canhedo.

Canhedo ficou conhecido nacionalmente na década de 1990, após comprar a companhia de Viação Aérea São Paulo (Vasp). A empresa decretou falência em 2008, com dívidas superiores a R$ 1,5 bilhão.

Os suspeitos responderão por falsidade ideológica, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e de capitais. Wagner Canhedo Filho foi levado para a Superintendência Regional da Polícia Federal, no Distrito Federal, e foi estipulada fiança no valor de R$ 38 mil.

Via http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2015/05/22/operacao-da-policia-federal-prende-empresario-wagner-canhedo-filho.htm