Fortaleza-CE
Fortaleza-CE

O Centro da cidade de Fortaleza parou na manhã do dia 15/4. Cerca de oito mil trabalhadores de várias categorias, centrais sindicais e movimentos sociais tomaram as ruas do centro para dizer NÃO ao PL 4330, que libera a terceirização sem limites no País. Os bancários também aderiram ao movimento e cerca de 30 agências foram fechadas no Estado. O projeto de lei foi aprovado no último dia 8/4, na Câmara dos Deputados.

Os trabalhadores paralisaram ainda o transporte público, escolas municipais e o comércio do centro da cidade. “Nós estamos na rua para denunciar os deputados que votaram a favor da retirada de direitos dos trabalhadores, a favor de rasgar a CLT. Queremos também mostrar nossa indignação contra esse projeto que é um retrocesso absurdo para a classe trabalhadora”, afirmou o representante da CUT Ceará, Wil Pereira.

1614515_697872983656765_6984976706603271463_o 10954939_697873016990095_4575428879728232397_o 11145221_697873550323375_5211369458171794877_o 11149645_697872923656771_1757883501866630548_o 11149749_697873743656689_2610924197565888668_o 11162042_697873180323412_2893291886731332034_o
Após a animada concentração na Praça do Carmo, os manifestantes saíram em caminhada pela Rua Barão do Rio Branco, em direção à Praça do Ferreira, onde os trabalhadores ocuparam a praça e as ruas ao redor. Foi uma manifestação pacífica que encontrou apoio de toda a população no Centro da Cidade.
“Vamos fazer muita pressão no Congresso Nacional, no Senado, para que possamos barrar esse projeto de terceirização que só traz prejuízo para a classe trabalhadora”, reforçou o representante da CTB e diretor do Sindicato dos Bancários, Ailson Duarte, destacando que uma grande caravana de terceirizados do setor de Asseio e Conservação acompanhava a movimentação das centrais.

O presidente do Sindicato dos Bancários, Carlos Eduardo Bezerra, ressaltou que todos os movimentos sociais e de trabalhadores estavam nas ruas em todo o País para pressionar o Congresso e mostrar a força da classe trabalhadora que não admite retrocesso nos seus direitos. “Se aprovar esse projeto, que é o maior golpe nos nossos direitos nos últimos cem anos, nós vamos parar o Brasil. Estamos aqui para ganhar os ouvidos da sociedade e dizer que não vamos aceitar esse projeto que vai acabar com o fruto da nossa luta. Se esse PL 4330 passar, teremos bancos sem bancários, fábricas sem operários, lojas sem comerciários, serviço público sem servidor, escola sem professor e isso nós não vamos admitir. Vamos à luta, às ruas e até a vitória!”, concluiu.

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

Anúncios