Jornal GGN – Entre cerca de 700 políticos da atualidade, o UOL e O Globo afirmam que apenas cinco possuem ou já possuíram contas no HSBC da Suíça. Nesta quinta-feira (26), os dois veículos – que detêm exclusividade na apuração do caso SwissLeaks relacionado a brasileiros – divulgou os nomes de figuras que se encaixam em cinco partidos: Márcio Fortes, da direção executiva nacional do PSDB; Marcela Arar, ex-tucano que hoje é vereador pelo PT do Rio de Janeiro; o bilionário da Forbes Lirio Parisotto, suplente de senador pelo PMDB; Jorge Roberto, ex-prefeito de Niterói pelo PDT e Daniel Tourinho, presidente nacional do PTC. Entre familiares e assessores de políticos estão duas irmãs de Paulo Maluf (PP), um assessor de Silveira, e três filhos do prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB).

Leia mais:

Para entender a lista do HSBC no Globo

Contas secretas no HSBC paralisam o mundo, menos o Brasil

Segundo o UOL e O Globo, antes de divulgar essa lista, os veículos se debruçaram sobre o cruzamento de dados com os nomes de todos os atuais 513 deputados federais, os 81 senadores titulares, os 162 senadores suplentes, Dilma Rousseff (PT) e seus antecessores na Presidência, o vice Michel Temer (PMDB), os deputados estaduais de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, além dos vereadores da capital paulista, de Belo Horizonte e do Rio.

Todos os listados negaram irregularidades. Apenas os filhos do socialista Marcio Lacerda apresentaram provas de que as contas foram declaradas às autoridades brasileiras e, portanto, são legais.

Márcio Fortes (PSDB)

Vice-presidente do PSDB no Rio, Márcio Fortes também integra a Comissão Executiva Nacional do PSDB e foi deputado federal por três mandatos. Com 70 anos, atuou como presidente do BNDES e do Banerj, além de ter sido secretário-geral do Ministério da Fazenda.

Pelos dados do SwissLeaks, o tucano tinha o seu nome relacionado a três contas no HSBC em Genebra em 2006 e 2007, sendo que uma delas ainda estava ativa naquela época – com um saldo de US$ 2.413.260,28. Fortes atua no ramo da construção civil e é um grande doador para campanhas eleitorais. Em 2000, ele foi a pessoa física que mais doou dinheiro ao próprio partido: equivalente a 21% do total arrecadado nessa modalidade de financiamento.

Nas vezes em que disputou eleição, não declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que dispunha de contas na Suíça. Segundo O Globo, ele disse “acreditar” que duas contas “abertas em 1991, já encerradas, possam estar relacionadas a um trabalho que ele prestou para a organização WBSC (World Business Council for Sustainable Development), entidade sediada em Genebra”, em função da conferência Rio-92. Já a terceira conta, aberta em 2003 e ainda ativa em 2006 e 2007, com saldo de US$ 2,4 milhões, Fortes disse que não se lembra dela.

Lirio Parisotto (PMDB)

Suplente do senador Eduardo Braga, Lirio Parisotto, dono de um patrimônio de 1,6 bilhão de dólares, segundo a Forbes, tem o seu nome relacionado a cinco contas ativas no HSBC na Suíça nos anos de 2006 e 2007, todas abertas no período de 2001 a 2005. Os saldos à época variavam de apenas US$ 1.013 a US$ 45,873 milhões. Ele também não declarou nada sobre as contas ao TSE.

Ao O Globo, Parisotto informou, “por meio de sua empresa, a Videolar, que já havia se manifestado, em fevereiro deste ano, sobre suas contas no HSBC da Suíça às revistas Época e IstoÉ Dinheiro. Naquela ocasião, ele disse que todos seus bens e valores haviam sido declarados à Receita Federal e ao Banco Central, mas não apresentou documento” ao jornal fluminense.

Marcelo Arar (PT)

O petista Arar, que já foi filiado ao PSDB e atuou no ramo de eventos, aparece com duas contas no HSBC. Segundo o UOL, uma havia sido aberta em 1990 e fechada em 1998. “A outra, identificada pelo código alfanumérico 29821 BB foi criada em 23 de março de 1998 e permanecia ativa até 2007, com saldo de US$ 247.812. Também estavam ligados a essa conta André Arar e Eliane Bagrichevsky Arar, parentes do vereador.”

Ele disse ao O Globo que está “completamente surpreso” ao ser lista como cliente do HSBC da Suíça e que desconhece qualquer conta no exterior. “Em 1990 (ano de abertura da primeira conta), eu tinha 15 anos de idade. Entrei para política em 2011, aos 36 anos”.

José Roberto Silveira (PDT) e Mocarzel

O ex-prefeito de Niterói pelo PDT e o ex-secretário de Obras do município José Roberto Vinagre Mocarzel também tiveram seus nomes relacionados a contas do HSBC na Suíça. No entanto, em 2006/2007, os seus saldos estavam zerados, afirma o UOL.

“Jorge Roberto Silveira e José Roberto Vinagre Mocarzel mantiveram contas no HSBC de Genebra por períodos semelhantes. O ex-prefeito de Niterói começou a fazer depósitos em julho de 1993 e encerrou sua relação com o banco em abril de 2003. Morcazel abriu sua conta um pouco antes, em janeiro de 1991 e a fechou também em abril de 2003.”

Mocarzel é servidor de carreira da Superintendência de Desportos do Estado do Rio de Janeiro, mas está lotado no gabinete do deputado estadual Paulo Ramos (PSOL-RJ). Seu salário bruto atual é de R$ 8.502,00.

O Globo entrou em contato com o advogado de Silveira, que não quis comentar a presença de seu cliente nas planilhas do HSBC. Já Mocarzel afirmou, por meio de advogado, que desconhece a existência de contas na Suíça.

Daniel Tourinho (PTC)

O presidente do Partido Trabalhista Cristão esteve nos arquivos do HSBC entre 2 de março a 6 de novembro de 1992. Nesse período, teve duas contas relacionadas a seu nome. Como estavam zeradas em 2006, não é possível saber o saldo que existiu anteriormente. O Globo e UOL não conseguiram localizar o dirigente, mas destacaram que ele já sustentou a campanha presidencial de Dilma em 2010 e, em 2014, apoiou Aécio.

Irmãs Maluf

Therezinha Maluf Chamma e Nelly Maluf Jafet eram clientes do HSBC em 2006/2007. Therezinha, 86, surge relacionado a 4 contas, com saldos variando de US$ 20.741 a US$ 1.737.251, à época. Essas contas foram abertas em datas diferentes, de 1990 a 1996. Já a conta ligada a Nelly estava com saldo zero nos anos de 2006 e 2007. Ela morreu em 2014, aos 89 anos.

Procurada, Therezinha disse ao O Globo que “se tiver dinheiro lá, o senhor pode ficar com ele”. Ela ainda negou relações financeiras com o irmão. “Sou parente de político, mas não falo com ele (Paulo Maluf) há mais de um ano. Não tenho negócios com ele.”

Com informações do UOL e O Globo

Anúncios