A expulsão da “claque” formada por políticos cearenses que compareceram a Câmara para prestar solidariedade ao ex-ministro Cid Gomes, quando de seu depoimento naquela casa sobre sua declaração de que existem 300 achacadores entre os deputados federais, rendeu nesta quinta-feira (26) moções de repúdio aprovadas pela Assembleia Legislativa do Ceará e Câmara Municipal de Fortaleza.

Entre os expulsos estava o presidente do Legislativo da Capital, vereador Salmito Filho (PROS) e o da Assembleia, Zezinho Albuquerque (PROS)

Na Assembleia houve até ameaça a integridade física do presidente da Câmara dos Deputados. O deputado estadual Tin Gomes (PHS) afirmou que se o caso acontecesse fora da Câmara ou mesmo na rua, Eduardo Cunha teria “apanhado”. As duas casas expedirão ofícios à presidência da Câmara dos Deputados comunicando o repúdio.

Se na Assembleia Legislativa, a maioria dos deputados fez criticas a postura considerada autoritária de Eduardo  Cunha e aprovou com folga a moção, com 25 votos a favor e oito contra, na Câmara Municipal, a votação foi equilibrada, resultando em  nove votos favoráveis e oito contra. A bancada do PMDB rejeitou a proposta e houve até bate boca entre a vereadora Magaly Marques (PMDB) e bancada do Pros.

(Ceará Agora)

Anúncios