A lei que protege mulheres recebeu o nome de uma cearense que se tornou símbolo da luta feminina

As mulheres vítimas de violência doméstica em Fortaleza ganham mais um mecanismo de acompanhamento de suas denúncias. Trata-se do Ronda Maria da Penha. A juíza Rosa Mendonça, titular do Juizado da Mulher, revela que o programa vai funcionar da seguinte forma: será feita uma visita na residência para saber como está a situação daquela mulher e se o homem está por perto, disponibilizar um telefone para casos de emergência e analisar as possíveis soluções.

Os policiais atuarão nos bairros que já contam com o “Programa Crack É Possível Vencer”, uma estratégia de utilizar os policiais que já fazem parte do projeto contra o combate às drogas para também atuarem no Ronda Maria da Penha.

Por mês, o Juizado da Mulher recebe em média 600 pedidos de proteção. A expectativa é que o projeto consiga cobrir os 119 bairros da capital cearense até o final do ano.

 

(Tribuna do Ceará)