O manifesto “A Caixa não se vende”, lançado em Fortaleza durante audiência pública na Assembleia Legislativa, no dia 27 de fevereiro, pelo Sindicato dos Bancários do Ceará, ganhou reforço nesta semana com o apoio de parlamentares cearenses. Após a mobilização, 20 deputados estaduais assinaram o manifesto.

O texto, assinado pelo Sindicato, foi lançado pela Contraf-CUT, Fenae, CUT, CTB, Intersindical e CSP-Conlutas e destaca que “só a Caixa 100% pública pode ser uma ferramenta para o Estado brasileiro atuar no mercado financeiro no sentido da diminuição dos juros e do spread bancário”. O documento mostra ainda alguns dos investimentos feitos pela Caixa no nosso Estado.

O manifesto diz ainda: “Vender o patrimônio do povo brasileiro para fazer superávit primário para pagar juros ao sistema financeiro é um filme que já vimos. Sabemos onde vai dar esse caminho equivocado: demissão, arrocho e, por fim, privatização, como ocorreu com os bancos estaduais no passado, sem que isso representasse uma solução duradoura para o Estado brasileiro”.

E finaliza: “A inclusão social, o acesso à moradia, o planejamento urbano, enfim, todos esses valores que conferem dignidade ao povo brasileiro e que são a razão de ser da Caixa são valores inegociáveis. A Caixa é do povo. A Caixa não se vende”.

“Essa é uma luta importante para o País e hoje temos unidade do movimento, que conta também com o apoio dos parlamentares de diversas tendências políticas. Isso fortalece a mobilização em torno da Caixa 100% pública”, disse Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato.

Fonte: Contraf-CUT

Anúncios