“A discordância entre a Prefeitura de Fortaleza e a empresa NovaKoasin ficou mais acirrada. Em entrevista ao O POVO ontem, o prefeito Roberto Cláudio (Pros) afirmou enfaticamente não reconhecer parte da dívida cobrada pela empresa que realizou manutenção na rede de semáforos da Capital até 11 de fevereiro. RC também quer a entrega de um software adquirido pela Prefeitura para gestão inteligente do sistema – o Scoot. O diretor da NovaKoasin, Valdir Roberto, entretanto, afirma que o software foi entregue em julho de 2011 e que existe um débito de R$ 9 milhões.

A pane na rede de semáforos gera transtornos. A NovaKoasin deixou de realizar manutenção nos equipamentos alegando inadimplência da Prefeitura. Segundo o diretor da empresa, o débito pendente se refere aos meses de junho, agosto, setembro, novembro e dezembro de 2013 e de 2014. Ele pontua que planilhas com os valores foram entregues para a Prefeitura em reuniões com secretários e outros gestores.

O Scoot é um sistema de tecnologia britânica para gestão inteligente das redes de semáforos. Segundo Roberto, mais de 250 cidades no mundo utilizam o modelo. Para a Prefeitura, ele diz, foi comercializada a licença de utilização do software. “Para trabalhar com o Scoot é necessário ter treinamento. Nós e a empresa fornecedora do programa oferecemos essa formação para os operadores da Prefeitura”, pontua. Valdir reafirmou que o sistema, adquirido pela Prefeitura, foi implantado e a licença para utilização (junto dos manuais de operação) foi entregue para o Município.

Até o fim de março, segundo o prefeito, será realizada licitação e contratação de nova empresa para manutenção dos equipamentos. Enquanto isso, os problemas têm sido solucionados por equipes da Autarquia Municipal de Trânsito (AMC) e do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Próxima semana, deverá ser feito um contrato de emergência para garantir a estabilidade da manutenção, afirmou RC.

Investigação

Durante a entrevista, RC também afirmou que as Polícias Civil e Militar foram acionadas para participar de investigações sobre supostas sabotagens nos semáforos. O Ministério Público (MP) também se manifestou e vai participar. Na quarta-feira, O POVO flagrou indícios de fiação danificada na rede que leva energia a semáforo da avenida Eduardo Girão. Segundo a AMC, o último balanço apresentou apenas sete equipamentos com problemas – menos de 1% da rede completa.”

(O POVO)