Fortaleza recebe nesta quarta-feira, 25, o “I Sarau Núdico”, evento que vai homenagear o poeta Mário Gomes,falecido no fim de dezembro do ano passado. A obra do andarilho será celebrada na avenida Jovita Feitosa, em uma “declamação rasgaa” organizada pela Sociedade Autoquíria de Nada nem Ninguém, com o apoio do Coletivo Soul.

A banda Mary in Flames, originária de Fortaleza, participa do sarau tocando músicas inspiradas no folk nordestino e o rock´n roll psicodélico, com uma faixa de apresentação chamada “Sertão Psy”. Outras atrações convidadas são: Cabeça de Girassol, Plenitude, Monquiboy-Boo e Máquinas.

Artista

Poeta de rua, Mário Gomes vivia no limiar entre loucura e sanidade, sobriedade e ebriedade. Pelas mãos dos amigos, publicou oito livros de poesia e foi premiado por seus versos antropofágicos e obscenos. Ao optar por uma vida de errância, porém, acabou vítima da situação de rua, o que foi exposto após os dois dias desacordado antes da internação.

No início da vida adulta, Mário se aposentou por invalidez após controversas internações psiquiátricas, nas quais, entre outras coisas, foi submetido a tratamento de choque. Para José Evilásio Gomes, irmão de Mário, o poeta era, no fundo, um rebelde. “Se a gente tivesse descoberto essa anemia e tentasse dar remédio, ele ia dizer que não queria”, disse.

De acordo com ele, o irmão costumava dizer que não precisava de medicamentos – nem para o corpo, nem para a alma. “Ele era muito teimoso. Não queria remédio nem hospital.” E lembrou a vez em que Mário viajou para o Rio de Janeiro (RJ) porque queria trocar uma palavra com outro poeta: Vinícius de Moraes.

(O Povo)

 

Anúncios