A cada quatro homicídios registrados em Fortaleza ao longo do mês de janeiro, três ocorreram em bairros mais afastados do Centro, muitos deles na periferia. A região, que já foi chamada de “cinturão vermelho da criminalidade”, continua sendo a área onde mais se mata em Fortaleza. 

Conforme levantamento do O POVO, com base nos dados da Coordenadoria de Medicina Legal (Comel), dos 229 homicídios que teriam ocorrido no primeiro mês do ano, considerado o período mais violento do Estado desde o último mês de março, 167 se deram em bairros que ficam fora do corredor das áreas que se convenciona chamar de nobres.

A região que concentra aproximadamente 58% da população de Fortaleza, segundo o Censo de 2010, respondeu por 73% das mortes na cidade no intervalo de 31 dias. O fenômeno não é isolado, como se constatou no período de Carnaval. Na ocasião, 95% dos 25 homicídios ocorridos na Capital também foram registrados em bairros dessas áreas mais distantes das regiões centrais, como Granja Lisboa, Conjunto Palmeiras e Padre Andrade. Além disso, segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), nenhum dos crimes estava diretamente ligado às festas carnavalescas.

Numa comparação entre as mortes ocorridas em janeiro e durante o feriadão de Carnaval, todos os bairros afetados já haviam registrado homicídios este ano, exceto o Alagadiço Novo. 

Áreas críticas

Segundo o secretário-adjunto da Segurança Pública, Lauro Prado, a SSPDS concentra esforços na redução das estatísticas nessas áreas consideradas críticas. Sobre os índices de janeiro, Prado contou que a secretaria avaliou os dados como resultado da incerteza provocada pela mudança de cúpula na pasta. 

Em janeiro deste ano, Delci Teixeira assumiu o lugar do então secretário da Segurança, Servilho Paiva. “Chamamos os comandantes de cada uma das AISs (Áreas Integradas de Segurança) e conversamos sobre esse momento de mudança de gestão. Quando isso ocorre, sempre fica a expectativa sobre como vai ser o método de condução da tropa. Nós os tranquilizamos, avaliamos que o mês não foi bom e alinhamos os trabalhos. Posso dizer que já estamos voltando a conseguir reduções”, afirmou. 

95% dos homicídios durante o Carnaval ocorreram em bairros da periferia 

Saiba mais

O “cinturão vermelho” do crime em Fortaleza

O termo “Cinturão Vermelho” foi usado pelo ex-secretário da Segurança Pública e Defesa Social, Servilho Paiva, para denominar as áreas da Capital com os mais elevados índices de criminalidade.  

Gestor da área de setembro de 2013 até dezembro de 2014, etapa final do governo Cid Gomes, Servilho foi responsável pela implantação do sistema de metas de redução de crimes, com a gestão por meio das Áreas Integradas de Segurança (AISs), que dividiu Fortaleza em seis diferentes áreas. 

Serviço

Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social

Onde: avenida Bezerra de Menezes, 581, São Gerardo

Vejam quem são e os telefones dos responsáveis por cada AIS:

http://bit.ly/op0034

(Thiago Paiva, O Povo)

Anúncios