Casal de bailarinos posou nu na Praça Portugal como parte de projeto sobre memória da cidade (Foto: Régis Amora/Arquivo pessoal)

A Praça Portugal, local que deve ser demolido pela Prefeitura de Fortaleza para conclusão de obras de mobilidade urbana, tornou-se cenário de mais uma intervenção em defesa da sua permanência. Na madrugada deste domingo (18), o casal de bailarinos Fauller Dandi e Wilemara Barros posou nu na praça para o fotógrafo Régis Amora. A produção faz parte de uma das imagens do projeto, até agora denominado, “Fortaleza: iconografia do esplendor e do esquecimento”.

O projeto que discute a história e a memória da cidade foi idealizado por Fauller Dandi e vem sendo desenvolvido por Régis Amora, pela fotógrafa Marília Oliveira e Cia. Dita. Segundo o fotógrafo, o objeto do projeto é registrar diferentes construções e patrimônios da cidade desde o século XVIII até a década de 50. O conjunto de imagens vai dialogar com textos críticos, pesquisa histórica e vídeos.

De acordo com Amora, o projeto está em fase de produção e ainda não há previsão para ser finalizado. Por enquanto, além da Praça Portugal, no Bairro Aldeota, também foram documentados a Santa Casa de Misericórdia, Passeio Público e o Centro de Turismo, todos no Centro da cidade.

Na lista de imagens do projeto, os artistas resolveram registrar primeiramente a Praça Portugal. “O fato de a praça ser demolida em breve nos causou inquietação de fazer logo o registro lá. Enquanto a praça ainda estava de pé”, afirma o fotógrafo. De acordo com Régis Moura, a concepção da imagem da Praça Portugal foi pensada pelo coletivo de artistas.

“A imagem foi um ato político, antes de tudo, de procurar levantar a discussão para a situação da Praça, que logo deixará de existir. Vivemos numa sociedade tão doente que, para muitos, o espaço não passa de uma rotatória. O ato do beijo, dos corpos nus, sem amarras, é muito representativo para o que desejamos para esta cidade: amor”, explica.

Nas redes sociais, a imagem com a nudez na praça gerou repercussão e compartilhamentos em defesa da praça e do projeto. De acordo com Régis Amora, o registro feito às 5h do domingo (19) foi tranquilo. Alguns taxistas que fazem ponto no local presenciaram à produção. “Eles conversaram conosco e acharam a iniciativa interessante. Não houve choque ou repressão”, conta Amora. Os artistas também gravaram vídeos e depoimentos durante a produção.

No cruzamento das avenidas Dom Luís e Desembargador Moreira, a Praça Portugal foi criada em 1947 e inaugurada em 1968. Em março de 2014, a prefeitura anunciou um conjunto de alterações nas duas avenidas e a demolição da praça como parte do Plano de Ações Imediatas de Transporte e Trânsito de Fortaleza. Grupos vêm realizando intervenções e atividades na praça como protesto pela demolição.

A Prefeitura de Fortaleza planeja remover a Praça Portugal como modelo de rotatória das avenidas Dom Luís e Desembargador Moreira. No lugar da praça central, devem ser construídas quatro praças, uma em cada esquina do cruzamento. As intervenções na praça estão em processo de licitação e ainda não há data para ser iniciada.

(G1 Ceará)