Após 16 anos, o Banco Central (BC) decretou o fim da liquidação extrajudicial do Banco Bamerindus. A decisão foi divulgada nesta sexta-feira (19) pelo órgão. O banco de investimentos BTG Pactual havia comprado o que sobrou do banco em 2013, mas o negócio dependia do fim da liquidação extrajudicial para ser concluído.

Uma das maiores instituições financeiras do país até 2009, o Bamerindus entrou em liquidação extrajudicial em 1998. Na época, o banco tinha patrimônio líquido negativo de R$ 4,2 bilhões. O patrimônio líquido é o que sobra de uma empresa após o pagamento de todas as dívidas e o cumprimento de todas as obrigações.

Por meio de liquidação extrajudicial, o Banco Central faz o saneamento das instituições financeiras, restabelecendo as finanças e negociando pagamento aos credores. Segundo o BC, também foi concluída a liquidação de duas empresas não financeiras ligadas ao mesmo grupo: Bamerindus S.A. Participações Empreendimentos e Bastec Tecnologia e Serviços Ltda.

Em janeiro de 2013, o BTG Pactual anunciou que pagaria R$ 418 milhões, em cinco parcelas anuais, para compar o espólio do Bamerindus e de suas subsidiárias. No entanto, o Fundo Garantidor de Crédito – fundo que cobre parte dos depósitos de correntistas em caso de quebra de bancos – teve de desembolsar R$ 3,5 bilhões em maio deste ano para zerar o rombo financeiro do banco.

A injeção de recursos não provocou prejuízos ao FGC, porque, na prática, o fundo trocou R$ 3,5 bilhões de dívidas que não poderiam ser recuperadas pelos R$ 418 milhões pagos pelo BTG Pactual. O saneamento completo dos ativos do Bamerindus era condição para que a venda se concretizasse. Em julho, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão que julga a fusão e aquisição de empresas, aprovou o negócio.

agencia brasil

 

Anúncios