São Paulo – Entre as principais categorias em campanha no segundo semestre, os bancários conseguiram conquistar um dos melhores aumentos reais. A proposta apresentada pelos bancos e aprovada pelos bancários representa ganho de 2,02% acima da inflação nos salários e PLR (índice de reajuste de 8,5%), 2,5% no piso (índice de reajuste de 9%), e 5,5% no vale-refeição (índice de reajuste de 12,2%). Esse é o maior ganho real não escalonado conseguido pela categoria desde 1995.

Somados, vale-alimentação (R$ 431,16 ao mês) e vale-refeição (R$ 26 ao dia ou R$ 572 ao mês) vão representar ganho mensal de R$ 1.003 para os bancários.

Nos Correios, por exemplo, após o reajuste de 6,5% ou R$ 200 (o que for maior) conquistado para salários e verbas, esses valores passaram para R$ 971,96 ao mês.

Outras categorias – Os comerciários conseguiram reajuste de 8% para os salários, com aumento real de 1,55%. Na Petrobras o índice foi de 9,71%, o que representa ganho real de 2,33% a 3% somente até o 5º nível, acima disso apenas a inflação – sendo que eles têm 17 níveis.

“O ganho real no nosso piso, com o reajuste de 9% deste ano, soma 42,1% de aumento acima da inflação desde 2004. Com isso, o piso dos bancários passou a R$ 1.796,45: bem maior que a média dos pisos das demais categorias, que de acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconomicos) é de R$ 879,04”, explica a presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira. “Isso é resultado da luta dos bancários ao lado do Sindicato. Assim temos avançado ano a ano, mantendo direitos e arrancando conquistas para a categoria.” –

(Cláudia Motta, Bancários SP)

Anúncios