Após a apresentação de proposta insuficiente da Fenaban, o Comando Nacional definiu os encaminhamentos da Campanha Salarial para a próxima semana. No dia 25 de setembro, quinta-feira, os sindicatos promovem assembleias gerais da categoria para deliberar pela greve por tempo indeterminado a partir do dia 30 de setembro. Novas assembleias ocorrem no dia 29 de setembro, para organização do início do movimento paredista.

Após cinco rodadas de negociações com o Comando Nacional sem resultados relevantes para os bancários, a Fenaban apresentou proposta global na manhã desta sexta-feira (19), composta pelo reajuste de 7% sobre as verbas de natureza salarial e de 7,5% no piso. Clique aqui para ver a proposta na íntegra! 

O diretor da Fetrafi-RS e representante no Comando Nacional, Juberlei Bacelo, salienta que o descaso dos bancos leva a categoria a ampliar a mobilização em todas as bases sindicais, preparando os bancários para mais uma greve nacional. “Além de não trazer qualquer avanço nas negociações, a Fenaban repete a mesma tática de campanhas anteriores com a apresentação de uma proposta rebaixada, que gera grande indignação na categoria. Convocamos os bancários para a luta por melhores condições de trabalho e um reajuste digno”, salienta o sindicalista.
Juberlei enfatiza a importância da pressão sobre a Fenaban. “O embate com os bancos exige força e organização da categoria. Graças a nossa consciência coletiva e unidade foi possível manter a Convenção Coletiva de Trabalho, avançando na conquista de direitos. Os bancários tem uma trajetória de luta que forjou parte da história dos trabalhadores no Brasil. A cada ano reafirmamos esta tradição através da realização de grandes greves com resultados efetivos”, destaca o dirigente da Fetrafi-RS.

Bancos públicos também enrolam nas negociações específicas
Seguindo o exemplo da Fenaban, as direções da Caixa, Banco do Brasil e Banrisul também causaram indignação nas negociações das pautas específicas de cada segmento. Após diversas mesas, não houve avanços ou apresentação de propostas da parte dos bancos, sendo que os negociadores das instituições evidenciam – pela postura displicente nos debates – que apenas querem ganhar tempo.

Principais reivindicações dos bancários:

– Reajuste salarial de 12,5%.
– PLR: três salários mais parcela adicional de R$ 6.247.
– 14º salário.
– Vales alimentação, refeição, cesta-alimentação, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 724,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional).
– Gratificação de caixa: R$ 1.042,74.
– Gratificação de função: 70% do salário do cargo efetivo.
– Vale-cultura: R$ 112,50 para todos.

Fonte: Comunicação/Fetrafi-RS