Jovem morreu após 20h de espera (Crédito: Reprodução / Facebook )

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) vai abrir uma sindicância para apurar a morte de uma mulher no Hospital Unimed-Rio, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, após esperar 21 horas para realizar a cirurgia de apendicite. A farmacêutica Ana Carolina Domingos Cassino, de 23 anos, foi diagnosticada com a doença na última sexta-feira, mas só teve a cirurgia agendada para sábado, mesmo com fortes dores na barriga.

Os sintomas começaram na sexta pela manhã. Ana acordou vomitando e com dores na barriga. Por volta das 13h40m, deu entrada na unidade de pronto-atendimento da Unimed, no mesmo bairro, e, às 18h, após realizar alguns exames, foi diagnosticada.

— Aguardamos até as 23h para a Unimed fazer o trâmite burocrático que é arrumar hospital, ambulância e cirurgião — contou o também farmacêutico Leandro Nascimento Farias, de 24 anos, noivo de Ana Carolina.

A cirurgia da farmacêutica foi marcada para as 15h de sábado, mas às 13h ela começou a apresentar piora no quadro e precisou ser reanimada, contou Leandro. A cirurgia só foi realizada às 17h30m. O apêndice de Ana foi retirado e ela, encaminhada ao CTI. A jovem, no entanto, acabou morrendo às 5h de domingo:

— Ela já foi pro CTI com infecção generalizada. Foi uma sucessão de erros. Todo mundo sabe que apendicite é coisa grave. Diagnosticou, tem que operar. Não deram importância para o caso dela.

Ele e a noiva moravam juntos desde janeiro e já se preparavam para o casamento, em dezembro. O farmacêutico ainda não conseguiu voltar para a casa.

— Falta coragem. Tudo lembra ela. Estou na casa dos meus pais. Na quinta à noite, estávamos no shopping vendo as alianças. Semana que vem, faríamos sete anos de relacionamento. Judiaram da minha noiva, ela sofreu muito — lamentou Leandro que pretende processar o hospital e o plano:

— Ainda estudo a possibilidade de processar o corpo clínico. Não vai trazê-la de volta, mas outras pessoas não podem passar por isso.

A direção do Hospital Unimed-Rio informou, em nota, que está apurando o processo de atendimento à paciente.

Leia a nota da assessoria do Hospital Unimed-Rio na íntegra:

A Diretoria Médica do Hospital Unimed-Rio informa que todo o processo de atendimento à paciente ANA CAROLINA DOMINGOS CASSINO está sob apuração pelas comissões de Óbitos e de Prontuário Médico do hospital. Todos os procedimentos realizados desde o primeiro atendimento estão sendo avaliados por essas comissões, e tão logo as apurações sejam concluídas serão submetidas à Comissão de Ética Médica do hospital, a quem cabe o parecer final sobre o caso, e comunicadas à família. O Hospital Unimed-Rio lamenta profundamente o ocorrido, se solidariza com a família e reafirma seu compromisso com o mais breve esclarecimento do caso.

Prof. Dr. Luiz Antonio de Almeida Campos

Diretor Médico do Hospital Unimed-Rio

(Cintia Cruz, Extra Online)

Anúncios