Editor de Veja pediu para Rodrigo Constantino remover coluna em que criticava Míriam Leitão (Pragmatismo Político)

Rodrigo Constantino foi obrigado a tirar do ar uma coluna em que criticava a jornalista Miriam Leitão.

Em entrevista a Luiz Cláudio Cunha, Miriam contou como foi torturada durante a ditadura militar (veja aqui). Em sua coluna, Constantino escreveu uma resposta:

“Acho, como já disse, que Miriam tem todo direito ao seu pedido de desculpas. Se sofreu o que diz mesmo, nada justifica isso. É uma postura covarde daqueles militares envolvidos. Mas ela não era uma heroína. Não era uma jovem democrata que defendia a liberdade. Era uma comunista, do PCdoB, entoando hinos marxistas e usando como símbolo a foice e o martelo.

Se essa turma tivesse logrado sucesso naquela época, o Brasil hoje seria uma imensa Cuba, algo que ainda não nos livramos justamente porque os comunistas ainda existem, sob o manto de bolivarianismo ou socialismo do século 21. Portanto, cabe perguntar: e o seu pedido de desculpas, Miriam, não teremos?”

VEJA TAMBÉM: “Você é realmente inútil”, diz integrante do Porta dos Fundos para cantor Roger

No dia seguinte, ele postou em sua página no Facebook as razões que o fizeram dar sumiço no texto.

“A pedido do editor da Veja.com, retirei do ar. (…) Ainda acho que ela deveria fazer um reconhecimento público de que não lutava por democracia e não era uma heroína, mas faço isso em outra ocasião…”

Piada internacional

Entre as paranoias recentes envolvendo o blogueiro de Veja, a que mais chamou a atenção foi a teoria sobre o “2014” em cor vermelha no logo da Copa do Mundo. De acordo com Constantino, tratava-se de uma propaganda subliminar socialista em ano eleitoral. O periódico norte-americano Los Angeles Times debochou da publicação e o caso virou piada internacional.

Anúncios