Se fazendo passar por advogados, estelionatários ligam para as casas das pessoas, geralmente aposentados, na tentativa de que paguem para receber resíduos do Plano Collor – plano econômico que confiscou a poupança. Trata-se do mais novo golpe que estão aplicando no Ceará. O POVO recebeu informações de vítimas que relataram suas histórias mas preferem não se identificar.

No caso de dona Maria (nome fictício), por exemplo, um advogado ligou dizendo que ela tinha um dinheiro a receber do Plano Collor. O sujeito disse que era do Tribunal de Justiça, deu o número do processo e o nome dos dois advogados responsáveis pela “liberação do dinheiro”.

Desconfiada ela anotou tudo e passou para a filha que consultou um advogado e descobriu que o processo não existia. Ele alertou que era golpe e que várias pessoas daqui do Ceará já tinham caído, inclusive uma cliente dele, professora, que pagou adiantado as “custas”.

O titular da Delegacia de Defraudações e Falsificações, Jaime de Paula Pessoa, diz que esse tipo de golpe, geralmente contra pessoas mais idosas, é muito comum e se repete, periodicamente, também com os golpistas dizendo que a pessoa tem dinheiro de precatórios, pecúlios (dinheiro que uma pessoa deixa por escrito em vida para um ou mais beneficiários) e seguros para receber. Eles também atuam enviando correspondência.

“Só este ano indiciamos mais de 45 pessoas por terem recebidos ligações provenientes de outros estados que caíram nesse tipo golpe”, diz o delegado, comentando que soube de vítimas que chegaram a depositar, parceladamente, R$ 30 mil.

O especialista em segurança pública e privada, advogado Jorge Lordello, diz que tudo começa com o roubo de dados em instituições públicas. “Temos no Brasil uma fragilidade no controle de dados, inclusive bancários”, comenta

Ele destaca que antigamente os golpes eram conhecidos como “conto do vigário”. “Com o advento da internet, do e-mail, do celular eles se transformaram no que eu chamo de contos do vigário digital ou telemarketing do crime”, completa.

Segundo ele esses golpes ocorrem em todo o País com diferentes nomes e formas. Para receber eles contam uma notícia vantajosa ou bem triste, diz o especialista. “Para ludibriar as pessoas eles se utilizam de duas ferramentas emocionais: a ganância e o medo”, reforça.

O especialista afirma que “as promessas de dinheiro fácil” ocorrem em todo o Brasil e tem muita gente cai. “Muitas das vítimas não denuncia por vergonha”. 

SERVIÇO 

Informações sobre golpes e dicas de segurança

Onde: www.tudosobreseguranca.com.br

(Artumira Dutra, O Povo)

Anúncios