Por Gabriel Tonobohn

Todo mundo sabe o quanto um ferro de passar roupa no lugar errado pode ser perigoso para quem tem crianças em casa, mas muitas vezes não percebemos os perigos “escondidos” que temos com produtos que muitas vezes usamos no dia-a-dia. Veja aqui uma lista de coisas que você provavelmente tem ou já teve em casa e não sabia que faziam mal à saúde.

1 – Bolas de naftalina

 

© Rita Kay

Bolas de naftalina ainda são muito usadas como uma maneira de repelir traças. Elas também são usadas muitas vezes em sanitários públicos, e algumas pessoas usam desodorizantes que contém naftalina em sua composição.

O problema das bolas de naftalina é que elas liberam grandes quantidades do composto no ar. Dentro de nossas casas, inalando isso sempre, pode se tornar um problema sério. A Organização Mundial de Saúde afirma que a naftalina é um possível agente cancerígeno, estando também associado a anemia.

Para sua saúde e da sua família, jogue fora qualquer naftalina na sua casa.

2 – Pesticidas

 

© Bridget Webber / Getty Images

Pesticidas podem ser inseticidas, fungicidas, desinfetantes e outras variáveis. Em todos os casos, eles são venenos.

É verdade que eles são controlados pela Anvisa no Brasil para que produtos com nível tóxico elevado não sejam vendidos, mas ainda assim você deve tomar cuidado e mantê-los longe das crianças.

E como o uso destes pesticidas geralmente acontece dentro de casa, é sempre bom deixar as janelas e portas abertas para ventilar depois da aplicação. E nunca use pesticidas não autorizados. 

3 – Carpetes novos

© artpartner-images / Getty Images

Carpetes novos, quando instalados, são fontes de compostos orgânicos voláteis (VOCs). A cola e o corante desses materiais sintéticos são responsáveis pela emissão desses compostos, que são considerados poluentes, podendo ser tóxicos e carcinogênicos.

Por outro lado, as emissões iniciais de VOC se dissipam rapidamente nos primeiros dias depois da instalação. Apesar de não apresentar um risco grande para a saúde, talvez seja uma boa ideia pedir à loja onde você comprou o carpete para que o deixe ao ar livre durantes alguns dias, antes de instalá-lo, para que os compostos se dissipem. Outra boa ideia é deixar as janelas abertas e o recinto ventilado.

4 – Impressoras a laser

© Getty Images

Em 2007, a Universidade de Tecnologia de Queensland, na Austrália, divulgou um estudo que mostrava que impressoras a laser emitiam partículas de toner no ar, com elementos potencialmente cancerígenos. Um outro estudo da  National Institute of Public Health comprovou que essas impressoras também emitiam VOCs (compostos orgânicos voláteis).

Testes mostraram que as concentrações de partículas voltam ao nível normal alguns minutos depois, mas dependendo do tempo de exposição, como algum trabalhador que fique o dia todo exposto, essas impressoras podem causar problemas cardíacos e pulmonares.

Nem todos os modelos de impressoras testadas emitiram essas partículas, mas como os órgãos responsáveis não testam ou recomendam modelos para esses critérios, é melhor ficar de olho em qual impressora você irá comprar.

5 – Retardantes de chamas

 

© PM Images / Getty Images

Retardantes de chamas são geralmente usados em colchões, estofados, televisores, computador e placas de circuito, e provavelmente já salvaram milhares de vidas prevenindo incêndios inesperados.

Mas nem tudo são flores. Muitos desses retardantes usam compostos organobromados (PBDEs), que estão relacionados a problemas de aprendizado e memória, além de redução de esperma e mal funcionamento da tiroide. Outros estudos realizados em animais indicam que o PBDE pode ser carcinógeno em humanos, mas isso ainda não foi confirmado [Fonte: CDC ].

Pessoas podem inalá-lo pelo ar ou pela poeira ou ainda ingerindo produtos de origem animal que o contém. E uma vez que entram no organismo, ficam por lá. Em mulheres o PBDE pode acumular no leite materno, passando os químicos para os bebês.

Atualmente, fabricantes e cientistas buscam alternativas melhores para retardantes de chamas que não prejudiquem nossa saúde.

Via http://discoverymulher.uol.com.br/