“Passou recibo” é aquela expressão popular que se usa quando alguém dá uma bela mancada, tenta consertar e a emenda acaba ficando pior do que o soneto. Foi o que aconteceu com o ex-presidente FHC, o grande estadista venerado pela elite brasileira, e seu candidato, o senador mineiro Aécio Neves.

Diante do sucesso da Copa no Brasil, mundialmente reconhecida como a melhor de todos os tempos, os dois cardeais tucanos, que passaram o ano todo abastecendo a mídia amiga com previsões catastrofistas e criticando as ações do governo Dilma na organização do evento, para desgastar a candidatura da presidente à reeleição, resolveram mudar o discurso a partir do final de semana. Está voando pena para todo lado.

Começou com Aécio, logo ele, num evento da colônia japonesa, em São Paulo, ao criticar o uso político da Copa do Mundo:

“Alguns acham que podem confundir Copa do Mundo com eleição. Não, o brasileiro está suficientemente maduro para perceber que são coisas diferentes. Falo isso porque vejo uma tentativa de uma certa apropriação desses eventos para o campo político”.

Alguns quem, cara pálida? Qual foi a apropriação? Quem foi que confundiu as coisas? Em qual “apropriação” o candidato justifica suas novas preocupações ao ver que tudo deu certo na organização da Copa? Qual foi até agora a ação governamental implantada para faturar o inegável sucesso do evento?

Sim, o povo brasileiro sabe distinguir futebol de política. Por isso mesmo, pega mal passar este recibo diante da reversão das expectativas funéreas da oposição e da maioria dos órgãos de comunicação do país.

“Pode ser que algumas pessoas estejam usando politicamente a Copa, eu não acho que se deva fazer isso. A Copa é um evento nacional, de todos nós. Tem espaço para fazermos muito gol, comemorarmos e ela perder a eleição”, emendou Fernando Henrique Cardoso, usando quase as mesmas palavras do candidato tucano.

Que gracinha!, como diria a Hebe Camargo. Por que não dizer logo quem são estas “algumas pessoas”? Quer dizer que, quando se trata de responsabilizar o governo pelo anunciado fracasso da Copa no Brasil, que até este momento não se consumou, ao contrário, tudo bem, mas quando se trata de correr para o abraço, a vitória é “de todos nós”?

Com bom humor, a presidente Dilma Rousseff só se manifestou sobre a Copa pelo Facebook, ao responder a um internauta que quer mais Copa: “Antes falavam que não ia ter Copa. Agora, muita gente boa quer mais Copa”. Na foto que ilustra a mensagem, Dilma mostra o cotovelo.

Desta forma, com sinais invertidos, vai terminando a Copa de 2014 no Brasil e começando a campanha eleitoral. De Porangaba, no interior, onde assisti a um belo desfile de tropeiros no final de semana, a Santo André, no ABC paulista, onde participei nesta segunda-feira de um animado debate sobre a conjuntura nacional, no Sindicato dos Químicos, vi um país em festa, que está enfeitado de verde-amarelo por toda parte.

E vida que segue.

Via http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho