Quem costuma caminhar pela avenida Beira-Mar, em Fortaleza, nota a diferença de cenário. Policiais estão por toda parte, principalmente em frente aos hotéis onde as seleções de futebol estão hospedadas. A sensação de segurança tem aumentado na região, mas os moradores de Fortaleza reclamam da falta de policiamento em outras áreas da cidade. É o caso do vigilante Antoniel Rodrigues, que considera a Beira Mar como uma região privilegiada. “Polícia aqui tem demais. No meu bairro (José Walter) por exemplo, faltam policiais. Quem mora por aqui é privilegiado porque a segurança foi reforçada, já quem mora em outras regiões, como eu, sofre diariamente com medo de andar nas ruas”, reclama.

A segurança no local foi reforçada devido à realização da Fifa Fan Fest no aterrinho da Praia de Iracema. O evento é gratuito e tem capacidade interna para 50 mil pessoas, além de telões instalados na parte externa, para atender a um público maior. A segurança é feita por meio de um efetivo que varia entre 300 e 400 policiais militares, 20 policiais civis, 85 guardas municipais e mais de três mil agentes de segurança privada e patrimonial, além de 12 câmeras de monitoramento em tempo real.

O comerciante Nilton Nascimento, que trabalha há 7 anos vendendo coco na orla de Fortaleza considera o aumento das vendas devido ao grande fluxo de turistas e fortalezenses no local. “Graças a Deus o movimento aumentou e as vendas também. Acho que a presença dos policiais deixa as pessoas mais seguras, eu mesmo me sinto. Já vi muitos assaltos nesses sete anos trabalhando aqui, mas desde que começou a Copa não vi nenhum”, comemora.

Reforço na segurança

Policiais estão espalhado na capital cearense. Você consegue vê-los? (FOTO: Hayanne Narlla/ Tribuna do Ceará)

Um policial que trabalha na área e não quis se identificar aponta melhorias no reforço de policiais. Segundo ele, os casos registrados são de pequenos furtos. “Temos policiais fixos em frente aos hotéis e na Fan Fest, a cada duas ruas que cortam a Beira Mar há uma dupla de policiais, além das viaturas que fazem a ronda”, garante.

Policiais militares e o Exército se dividem nas ruas da capital cearense, gerando uma sensação de segurança e afugentando o medo já incrustado na mentalidade local. O cabeleireiro Tarcísio Neto e a estudante Gabrielle Souza são amigos e convergem na mesma opinião. “A gente vê bastante policiamento, mas saiu daqui [avenida Beira Mar] não tem. E ainda vi um furto lá dentro”, revela Gabrielle, apontando para o local onde acontece a Fan Fest.

O casal Luisa Marilac, desempregada, e Carlos Rocha, motorista, passeiam pela orla de Fortaleza com tranquilidade. É hora de aproveitar a quantidade de policiais disponíveis em cada esquina. “É mais maquiagem isso. Quando acabar a Copa, a violência vai ser a mesma. Agora, os estrangeiros não sentem medo, acham que a gente exagerava”.

Medo e diferença

Casal Luisa e Carlos caminha tranquilamente na orla de Fortaleza (FOTO: Hayanne Narlla/ Tribuna do Ceará)

Se para algumas pessoas, a sensação de paz reina na capital, para a universitária Joyce Ferreira não é bem assim. “O medo aumentou muito, porque a questão é que o policiamento é mais para o time que para a população”.

Já o gestor de frota Welingeson Sales, que viaja constantemente de Canindé para Fortaleza, sentiu a diferença visivelmente na última viagem. “Viemos pela BR e dá para ver a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o Exército”, aponta. Porém, o gestor pondera que o aumento no efetivo da segurança pública é apenas em “lugares específicos”, não em toda a cidade.

Uma dupla de amigos moradores do lado sul da cidade reconhecem que além da orla, apenas o Castelão está com reforço policial. “Eu moro próximo do estádio e lá está lotado [de soldados], mas sei que é só durante a Copa”, expressa a estudante Ana Thaís de Vasconcelos. “Lá onde eu moro nem passa policial”, completa ,o também estudante Rafael Facundo.

‘Eu moro próximo do estádio e lá está lotado de soldados, mas sei que é só durante a Copa’

Registro

O Tribuna do Ceará realizou o trajeto saindo do Aeroporto Internacional Pinto Martins, passando pela Arena Castelão e terminando na Fifa Fan Festa, da Avenida Beira Mar. O efetivo está bem distribuído pelas ruas, em praças e nos viadutos da BR-116.

Por enquanto, a sensação de tranquilidade toma conta da 7ª cidade mais violenta do mundo. Resta esperar o término da Copa para saber se o clima entre os fortalezenses continua de paz. Mas do outro lado da cidade, a realidade ainda é a mesma.

Números

Segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS), durante os quatro jogos sediados em Fortaleza, foram realizadas 20 autuações em flagrantes, seis Termos Circunstanciados de Ocorrências (TCOs) e 168 Boletins de Ocorrência (BOs). A maioria dos registros se refere à perda de documentos, objetos pessoais e furtos.

(Tribuna do Ceará)

Anúncios