Jornal de Luzilândia
Não é novidade que Fortaleza foi ‘invadida’ por estrangeiros para os jogos da Copa. E a grande presença de turistas na Arena Castelão para os jogos tem sido um dos destaques da capital cearense durante o Mundial. Com 74,6% dos ingressos adquiridos por turistas a cada jogo, o estádio pode se orgulhar da média de 44.422 torcedores estrangeiros por partida, que seria capaz de lotar seis dos 12 estádios da Copa.

Arena das Dunas, em Natal; Arena Pernambuco, em Recife; Arena Amazônia, em Manaus; Arena Pantanal, em Cuiabá; Arena da Baixada, em Curitiba; e o estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, são os estádios. Ao todo, 133.266 dos 178.642 torcedores que estiveram presentes nos jogos em Fortaleza foram turistas.

Segundo levantamento do Ministério do Esporte, com o duelo entre Alemanha e Gana, que ocorreu no último sábado (21) e contou com grande presença de germânicos nas arquibancadas do Castelão, o número de turistas estrangeiros cresceu ainda mais em relação aos turistas brasileiros – 42% para estrangeiros e 32,6% para brasileiros -, enquanto os fortalezenses ficaram com 25,4% dos ingressos.

“Copa do Mundo é o maior exemplo de que o Brasil precisa pensar grande. Tem razão da Fifa quando exige padrão de qualidade. Sem dúvidas, a Copa eleva nossa autoestima. Em Fortaleza, fiquei muito impressionado com o que vi de beleza e organização de evento. A economia, então, absolutamente aquecida. Nosso país precisava dessa lição para pensarmos maior. O Brasil é visto pelos estrangeiros como um país extraordinário. Foi o que presenciei em Fortaleza durante o jogo de Alemanha e Gana” – disse Nixonn Freitas Pinheiro, filho do procurador Miguel Dias Pinheiro no seu retorno a Teresina.

“Fortaleza vive um clima cosmopolita e já podemos considerar a Copa um sucesso total. Temos belezas naturais e culturais que encantam os visitantes e ainda fomos agraciados com ótimos jogos, que chamam a atenção da mídia e dos turistas para Fortaleza e o Ceará”, destaca Ferruccio Feitosa, secretário Especial da Copa 2014 no Ceará.