Do Muda Mais – O perfil do telespectador brasileiro está mudando e suas escolhas também. Nas duas últimas Copas, a Globo, que sempre contou com a hegemonia da audiência, perdeu quase metade de seus telespectadores. No jogo de abertura da Copa de 2006, na Alemanha, a audiência da vênus platinada foi de 65,7 pontos. No primeiro jogo da Copa de 2010, na África do Sul, caiu para 45,2 pontos. Já na estreia do Brasil na Copa deste ano, a audiência da Globo foi de 37,5 pontos, de acordo com a coluna Outro Canal, da Folha de S. Paulo, baseada em dados do Ibope.

De acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), nos últimos quatro anos, cerca de 30  milhões de brasileiros passaram a ter acesso a canais pagos. Com o aumento de ofertas, a audiência da Copa nas TVs por assinatura triplicou neste ano em relação ao mundial da África do Sul, em 2010.

O fenômeno é reflexo da melhor distribuição de renda no país, que pulveriza os recursos financeiros e permite a inclusão social e aumento do consumo, o que tem permitido a mudança da conhecida pirâmide social que mantinha um grande número de excluídos em baixo e, em cima, um ínfimo grupo de privilegiados.

Ainda assim, a grande maioria ainda assiste os jogos da Copa pela TV aberta. As alternativas são Globo e Band. No entanto, ter alternativas permitiu que o número de telespectadores ligados nas TVs abertas caísse quando se compara a Copa de 2010 com a atual: a proporção em 2010 era de 7,5 telespectadores das TVs abertas para cada um das TVs por assinatura; hoje são 6,8 das TVs abertas contra um das pagas.