Do O Globo

 
ALLAN CALDAS

Como já era esperado, o Hino Nacional voltou a ser cantado a capela pela torcida brasileira, antes do início do jogo de abertura da Copa do Mundo, entre Brasil e Croácia, no Itaquerão. Após a execução oficial, a arquibancada permaneceu cantando em uníssono até o fim da primeira parte do hino, como já havia feito na Copa das Confederações, e a participação dos torcedores encantou jornalistas e ex-jogadores presentes ao estádio, e até quem viu pela TV. Não demorou para o hino a capela virar assunto no Twitter. 

‘Depois de ter visto a paixão com que os jogadores brasileiros cantam seu hino, talvez devêssemos apenas cantarolar o nosso. Não dá para competir com isso’, escreveu o ex-atacante inglês Gary Lineker, artilheiro da Copa do Mundo de 1986, hoje comentarista de TV na Inglaterra. 

O diário esportivo argentino ‘Olé’ também destacou o momento: 

‘Os brasileiros seguiram cantando o hino mesmo depois de terminada a canção oficial. IMPONENTE’. 
Outro elogio veio do Twitter da editoria de esportes do jornal inglês ‘The Telegraph’: 

‘Excelente versão a capela da segunda parte (do hino) pelos brasileiros’.

 

Having watched the passion with which the Brazil players sing their anthem, maybe we should just hum ours. Can’t compete with that.

— Gary Lineker (@GaryLineker) June 12, 2014

 

Zagueiro camaronês do Wolverhampton Wanderes, George Elokobi também se impressionou com o hino brasileiro. Dia 23, será a vez dos colegas de Elokobi ouvirem de perto o hino, quando a seleção de Camarões enfrentar o Brasil, no Mané Garrincha, pela terceira rodada do grupo A. 

‘A paixão dos jogadores brasileiros ao cantar o hino foi simplesmente fabulosa’, comentou na rede social.

‘É assim que se canta um hino nacional’, observou o meia inglês Jody Morris, do Bristol City.

Comentarista de TV, Joe Morrison também se impressionou: 

‘O estádio inteiro ainda cantando o hino brasileiro mesmo depois de a música ter acabado – fenomenal’. 

A emoção realmente atingiu em cheio os jornalistas estrangeiros, como Gernot Bauer, da Sky Sport News da Alemanha: 

‘Nunca senti um arrepio tão intenso como esse num estádio de futebol. Incrível’. 

O jornalista inglês Jack Lang, que cobre a Copa do Mundo para alguns jornais do seu país, também observou que o goleiro Júlio César era o mais emocionado entre os jogadores. 

‘Grande hino. Fogos de artifício do lado de fora (do estádio). Júlio César em pedaços. Uau’, escreveu. 

A emoção do hino contagiou até jornalistas brasileiros no Itaquerão, como contou Gavin Hamilton, da ‘World Soccer’. 

‘Nunca ouvi o hino nacional brasileiro cantado tão alto pelas pessoas, e nem por tanta gente na tribuna de imprensa’, escreveu.

Anúncios