Os motoristas de ônibus de Fortaleza decidiram em assembleia na manhã deste sábado (31) parar as atividades na quarta-feira, 4 de junho, em adesão ao movimento nacional por reivindicação por melhorias na saúde e educação. Segundo o presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores (Sintro), Domingos Neto, todos os trabalhadores da categoria serão convocados a paralisar as atividades durante toda a quarta-feira. Os motoristas e cobradores do transporte coletivo se reuniram também neste sábado para debater a campanha salarial da categoria e decidiram por entrar em estado de greve.

A segunda assembleia da categoria terminou do fim da tarde deste sábado e confirmou as decisões da primeira, segundo o Sintro. A reunião da tarde teve a presença de motoristas que trabalharam durante a manhã.

O terminal de ônibus do Siqueira voltou a funcionar normalmente após dois dias sem operação em protesto dos trabalhadores pela morte do motorista Francisco Erivaldo, de 55 anos, morto a facadas durante um assalto a ônibus na quarta-feira (28). Os motoristas e cobradores da empresa Cearense, para a qual Francisco trabalhava, também voltaram às atividades neste sábado. A frota da empresa estava parada na noite de sexta-feira (30).

Nesta sexta-feira (30), seis dos sete terminais de ônibus voltaram a funcionar após protesto dos trabalhadores pela morte do motorista Francisco Erivaldo, de 55 anos, morto a facadas durante um assalto a ônibus, enquanto trabalhava. O cobrador do veículo também foi ferido a golpes de facas e está hospitalizado. Segundo médicos, ele não corre risco de morrer. Segundo o sindicato, a reunião da campanha salarial estava agendada antes da morte do motorista.

Com o retorno de parte das atividades, a utilização dos ônibus nesta sexta foi considerada tranquila pela Etufor. Na quinta, com quase totalidade dos ônibus parados, houve lotação nas vans e dificuldade na utilização dos transporte públicos.

O terminal de ônibus do Siqueira, próximo ao local do crime que resultou na morte de Francisco Erivaldo, segue fechado nesta sexta e não tem previsão de retorno às atividades, segundo o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus (Sintro).

Os trabalhadores da empresa Cearense, para a qual o motorista assassinado trabalhava, também está com os veículos parados. Segundo a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), os ônibus da Cearense representam 3% da frota de veículos do transporte público da capital cearense.

Para retornar às atividades dos veículos da empresa e reabrir o terminal do Siqueira, os trabalhadores reivindicam mais segurança nos ônibus. “Toda a categoria está paralisada e unida por falta de segurança. O nosso objetivo é este: é chamar atenção das autoridades para a segurança, porque nós não temos condições de trabalhar”, diz Reginaldo Nascimento, diretor do Sindicato dos Motoristas.

(G1 Ceará)