Por Jaime Arantes

A UPA de Quixadá deveria envergonhar o Governador Cid Gomes e qualquer outro que tenha alguma medida de responsabilidade pelo seu funcionamento, inclusive o prefeito João da Sapataria e até a presidente Dilma Rousseff. Se a UPA fosse em todo o território nacional o que ela é em Quixadá, tratar-se-ia  de um verdadeiro escândalo.

Cid veio a Quixadá e inaugurou o equipamento no final de fevereiro deste ano. Perante uma multidão de pessoas e sob os olhares atentos da mídia estadual, o Governador enalteceu o papel das Unidades de Pronto Atendimento como investimentos fundamentais em seu plano geral para a interiorização da saúde.

A inauguração, realizada claramente às pressas, foi aparentemente parte da estratégia para 2014, de apresentar ao povo o maior número possível de obras prontas. Lição básica da velha cartilha de Maquiavel. E a pressa foi tão grande que o projeto para a doação do terreno em que a UPA foi construída, por parte da Prefeitura de Quixadá, só foi enviado à Câmara Municipal daquele município no último dia 30 de abril, dois meses depois de ser inaugurada. Como se pode construir uma edificação pública em terreno que não havia sido legalmente doado? Existe provisão legal para isto? Existiu parecer dos órgãos ambientais? O CREA concedeu autorização? Não custa perguntar.

Seja como for, a ausência do debate em torno da doação do terreno excluiu a possibilidade da sugestão de outros locais, talvez mais próximos e em melhores condições de acesso. A estrada de acesso ao equipamento é tão ruim que já se tornou motivo de piada. Quando falam em ir até lá, os cidadãos quixadaenses dizem: “Vou ali, fazer o rally da UPA.”

Mas a desorganização da burocracia para construção não é, certamente, o pior de tudo. A situação atual da UPA é que é o pior. Considerada de porte 1, a UPA de Quixadá deveria ter, durante 24 horas por dia, sete dias por semana, no mínimo um pediatra e um clínico geral. A realidade, porém, é que em certos dias não existe um único médico à disposição.

Neste sábado, 10, por exemplo, cidadãos voltaram revoltados da Unidade de Pronto Atendimento porque simplesmente não havia médico para atende-los. Isto não é mais algo que ocorre uma vez perdida. Tornou-se pontual e escandaloso.

Indagada sobre a razão para a não existência de médicos para atender a população neste sábado, a Diretora da Unidade, Dra. Mariana Ferreira, disse que não estava na cidade. Ou desconhecia a situação ou não quis explicar.

Os salários dos profissionais estavam atrasados há até poucos dias. Os recursos para manutenção da UPA são divididos da seguinte forma: 25% do município, 25% do Estado e 50% do Governo Federal. Quanto aos 25% do município, esqueçam isto. Estamos sendo administrados por um grupo político que não consegue providenciar nem gesso para o Hospital ou simples receituário para os postos de saúde.

Considerando a proposta teórica da UPA, isto é ou não é um absurdo? É ou não é motivo para o Governador, o Prefeito de Quixadá e, por extensão, até a Dilma ficarem envergonhados? Entregar um equipamento como a UPA apenas para servir de enfeite por causa da pressa maquiavélica de mostrar serviço no último ano de governo é, no final das contas, promover saúde de papel.

Via http://www.monolitospost.com/jaimearantes/opiniao-upa-de-quixada-deveria-envergonhar-o-governador-cid-gomes/