Se Fortaleza tem um Castelão pronto para receber qualquer jogo da Copa do Mundo de 2014, a cidade em si não está com a mesma capacidade. Longe de ter suas obras prontas, a Capital cearense irá recorrer a ‘imporvisos’ para conseguir suportar o maior contingente de pessoas no período das disputas do Mundial.

E as obras não devem ficar prontas tão rapidamente, mesmo depois da Copa. Algumas, com entraves na execução, arrastam-se e têm tudo para chegar em 2015 ainda com muita coisa por fazer. A mobilidade urbana segue como maior entrave. Das obras previstas, apenas duas delas devem estar com obras 100% concluídas. Mesmo que, visualmente, elas não pareçam estar prontas em 50 dias, tempo que falta para a bola rolar no primeiro jogo do Mundial.

O VLT, aclamado com obra de suma importância para desafogar o trânsito do Município, funcionará com o auxília dos trilhos dos trens de carga da região. O aeroporto também será improvisado. Com a Infraero rompendo contrato com o Consórcio que toca as obras, uma espécie de ‘puxadinho’ será utilizado para receber os turistas.

Ou seja, a 50 dias da Copa do Mundo em Fortaleza, somente o local onde os principais artistas deste evento estarão, o campo de jogo, estará preparado.

Mobilidade Urbana

As obras de mobilidade urbana seguem de forma lenta. Apenas as duas avenidas principais do entorno do Castelão têm previsão de estarem 100% em junho, no início da Copa do Mundo. A 50 dias do Mundial, a Prefeitura de Fortaleza já anunciou que não conseguirá entregar nada além do que elas. O discurso do legado na mobilidade urbana devido ao Mundial não vingou. O BRT da Alberto Craveiro, da Paulinho Rocha e a rotatória do Castelão, além do Eixo Via Expressa/Raul Barbosa, têm conclusão prevista para maio de 2014. Mas, na prática, estão com obras bem longe do término. As intervenções ligam a zona hoteleira da Capital cearense à Arena Castelão.

Na última atualização, a reforma e ampliação da Avenida Alberto Craveiro, principal acesso ao estádio, estava com 97,90%. Neste momento, o canteiro central está sendo finalizado e as calçadas padronizadas. A Secretaria Extraordinária da Copa em Fortaleza (Secopafor) diz que uma segunda camada de asfalto e a sinalização ainda precisam ser feitas antes do Mundial.

Obras do túnel no cruzamento das vias de acesso ao Castelão (Foto: Portal da Copa/Divulgação)Obras do túnel no cruzamento das vias de acesso ao Castelão. Previsão de entrega é para antes do Mundial
(Foto: Portal da Copa/Divulgação)

Já as obras da Paulino Rocha, segunda via de maior acesso ao Castelão, tem 64,56% de conclusão. Ainda com solo irregular, o principal entrave da via é o túnel que a liga à Avenida Silas Munguba (antiga Dedé Brasil). A Prefeitura argumenta que a obra está praticamente terminada, com 83,80% de conclusão. Mas basta passar pelo local para identificar que só a parte superior está quase concluída. O túnel em si ainda tem obras que se arrastam e o acúmulo de água em dias de chuva dificulta o seu término. Já o Eixo Via Expressa/Raul Barbosa, nas passagens pela Avenida Santos Dumont e da Avenida Padre Antônio Tomaz devem ser concluídas em maio, mas apresentam também muito trabalho a ser feito.

Enquanto se corre contra o tempo que que algumas obras ficam prontas às pressas, outras estão quase no início. Exemplos são as obras do BRT Dedé Brasil e o Eixo Via Expressa/Raul Barbosa. A primeira obra estava com apenas 9,11% de conclusão, na última atualização da Prefeitura, e apenas 10% serão entregues até o Mundial, segundo a Secopafor. A segunda obra também mal saiu do papel: só 11,60% pronta. Na avenida Raul Barbosa com Murilo Borges, a Prefeitura de Fortaleza alega que avança nas negociações das desapropriações, de um total de 196 imóveis.

Aeroporto

No Aeroporto de Fortaleza, a situação é bem mais grave. A Infraero, através de nota, afirma que o terminal remoto temporário será entregue no mês de maio. Trata-se de um improviso para receber o contigente maior de torcedores que chegarão para a Copa. A capacidade do terminal remoto temporário é de 400 mil passageiros.

Em nota, a Infraero comunica que é uma ‘obra com cronograma em processo de revisão’, mas que os aeroportos do Brasil para a Copa terão capacidade superior à demanda de passageiros, inclusive o da capital cearense.

Para completar, a própria Infraero abriu processo administrativo, nesta sexta-feira (25), com o intuito de rescindir o contrato com o consórcio responsável pelas obras de reforma e ampliação do Aeroporto Internacional Pinto Martins. A obra tem, até então, 15,62% de conclusão e deveria ter sido entregue em março de 2014.

Porto do Mucuripe

A reforma do Porto do Mucuripe segue com previsão de entrega para o final do mês de maio. Nos últimos 50 dias, o andamento das obras seguiu como planejado, segundo a assessoria da Companhia Docas do Ceará. Com a reforma, o porto terá a implantação de um terminal marítimo de passageiros, a construção de um cais, a pavimentação e urbanização de via interna de acesso e estacionamento e um pátio. No entanto, até o momento, apenas um cruzeiro está previsto para atracar no local durante a Copa do Mundo.

VLT

Outra obra que não ficará pronta a tempo para a Copa é a do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Segundo a Secretaria de Infraestrutura Urbana (Seinfra), apenas 50% das obras civis foram realizadas antes do Mundial, servindo ao ramal Parangaba-Mucuripe. Por isso, a partir de 31 de maio, os serviços serão iniciados no improviso. De acordo com a Seinfra, o modal vai operar de forma compartilhada com a linha férrea do trem de carga, já existente. A obra, que teve início em 2012, deveria ter sido concluída no ano passado. No entanto, se estenderá até depois do Mundial. O investimento é da ordem de R$ 276,9 milhões.

O projeto prevê, dentre outras, a construção de três tipologias de estação, sendo uma elevada em Parangaba, que fará integração com a Estação Parangaba – Linha Sul do Metrô de Fortaleza e o terminal de ônibus do Sistema Integrado de Fortaleza, a Estação elevada do Papicu (que fará a integração com a Linha Leste do Metrô e o terminal de ônibus) e outro tipo de padronização para outras oito estações: Montese, Vila União, Rodoviária, São João do Tauape, Pontes Vieira, Antônio Sales, Mucuripe e Iate.

Metrô de Fortaleza

Com relação às estações Padre Cícero e Juscelino Kubitschek, que fazem parte da Linha Sul do Metrô, as obras seguem para o encerramento até próximo da Copa do Mundo. A área, por exemplo, da Estação Juscelino Kubitschek passa por processo de urbanização.

(Globo Esporte)

Anúncios