Rio – Após cerca de 18 horas de julgamento, o tenente-coronel da PM, Cláudio Luiz da Silva Oliveira, foi condenado na madrugada desta sexta-feira, a 36 anos de prisão em regime fechado pelo assassinato da juíza Patrícia Acioli, em agosto de 2011. Ele era acusado de homicídio triplamente qualificado. A sentença atende a expectativa da família que esperava que o ex-comandante do 7º BPM (São Gonçalo), na época do crime, pegasse a pena máxima.

Tenente-coronel Cláudio Luiz chegou visivelmente abatido ao julgamento

Foto:  Severino Silva / Agência O Dia

Segundo o Ministério Público, os 11 policiais denunciados queriam se vingar da juíza porque ela costumava condenar PMs por desvios de conduta. Em depoimento, José Carlos Guimarães, chefe da Divisão de Homicídios do Rio na época do crime, disse não ter dúvidas de que o oficial foi realmente o mandante da morte de Patrícia.

O oficial chegou ao Fórum de Niterói algemado, magro e bem abatido. Ele é o sétimo PM julgado e condenado. Os outros seis são: Carlos Adílio Maciel dos Santos, Jefferson de Araújo Miranda, Júnior Cézar de Medeiros, Sérgio Costa Júnior e Daniel Santos Benitez Lopes. Mais quatro réus serão julgados no dia 3 de abril.

(Marcelo Victor, O Dia Online)

Anúncios