O deputado Heitor Férrer (PDT) usou a primeira sessão plenária da Assembleia Legislativa em 2014 para criticar o governo pela verba gasta com a Coordenadoria de Políticas sobre Drogas em 2013: R$ 722,9 mil. “Menos do que quatro Hilux em todo o ano”, reclamou Heitor. Deputados governistas reagiram afirmando que a política contra drogas não se resume à coordenadoria, sendo desenvolvida por diferentes secretarias, como as de Educação e Saúde.

Como mostrou O POVO na última sexta, do total da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2014, que prevê despesas de R$ 21,3 bilhões para todas as áreas do Estado, apenas R$ 1,3 milhão foi reservado para o Programa de Enfrentamento às Drogas, rubrica que reúne ações de várias secretarias.

O governador Cid Gomes (Pros) criou a pasta de Políticas sobre Drogas no fim de 2012, para a qual nomeou Socorro França, ex-procuradora-geral do Estado.

Segundo Heitor, Cid, mesmo sabendo que grande parte dos crimes de homicídio tem relação com drogas, não deu prioridade ao assunto. “Tanto é que no penúltimo ano resolveu criar um setor no Estado, colocou a doutora Socorro França para dirigir, mas reservou apenas 0,1% do orçamento para tratar de uma área extremamente importante e difícil”, disse Heitor.

Segundo o líder do governo, José Sarto (Pros), Heitor se engana ao considerar os números. “O deputado fez uma avaliação completamente ou equivocada ou tendenciosa. Ele analisou que o que o governo gasta no combate às drogas é o que está na rubrica da coordenadoria especial”, disse Sarto.

(Bruno Pontes, O Povo)